Marabu lança tinta ecossolvente compatível com impressoras Mimaki

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 09/12/2015
Tinta da Marabu é vendida em bolsa que contém 600ml

Tinta da Marabu é vendida em bolsa que contém 600ml

A filial brasileira da Marabu, fabricante de insumos gráficos, anunciou uma nova tinta ecossolvente compatível com impressoras Mimaki que empregam soluções BS3 e SS21. O insumo é vendido em bags de 600ml com chips que garantem a instalação.

De acordo com a empresa, o produto oferece durabilidade de dois anos depois de impresso e em ambientes externos, além de ser livre de níquel, metais pesados e componentes cancerígenos.

Marcio Caillaux, gerente geral da Marabu do Brasil, declarou: “O bag de 600ml garante uma secagem otimizada e uma impressão mais rápida. Ele confere cores vivas e resistência a abrasão, ranhuras e álcool. O custo benefício deste produto é muito atrativo, pois além de baixo odor, há a rápida e simples troca de tinta em substituição das originais e baixa manutenção”.

Fonte: Marabu Brasil



Substratos não tecidos usados para sublimação

Por João Leodonio em 10/04/2018
Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Além dos tecidos com poliéster, é possível sublimar muitos outros tipos de substratos, desde que sejam resistentes a temperaturas superiores a 200ºC. Outra característica fundamental dessas mídias é que elas apresentam uma camada superficial de resina à base de poliéster, cuja função é fixar a sublimação. Portanto, o substrato não é sublimado, mas sim a resina aplicada na superfície dele.

Além de substratos planos, o processo sublimático permite estampar materiais e objetos curvos e com formatos diversos, como canecas, copos, porta-retratos, relógios, chaveiros, squeezes, tapetes, placas, descansos de panelas, caixas de presente, quebra-cabeças, entre outros.

A despeito do surgimento contínuo de novos substratos passíveis de receber a sublimação, os materiais mais comumente utilizados no mercado são: cerâmica, metais, madeiras, pedras, EVA, borracha, vidros, cartões, PVC e alguns polímeros.

Cuidados

- Antes de sublimar, limpe os substratos com produtos indicados pelo fabricante. Elimine qualquer tipo de impureza oriunda do manuseio e da aplicação de resina;

- Obedeça o tempo e a temperatura indicados pelos fabricantes. Essa relação varia de acordo com o tipo de substrato;

- Faça uma inspeção visual no ato da compra do produto para detectar possíveis falhas provocadas na aplicação da resina;

- Para sublimar em prensas planas, recomenda-se o uso de um gabarito de altura para cada substrato. Há materiais, como azulejos e vidros, que são muito sensíveis à pressão da prensa. Com os gabaritos, é preciso fazer apenas o ajuste fino, o que evitará perdas desnecessárias;

- Para todos os casos, indica-se o uso de fita adesiva térmica específica para a fixação do papel ao substrato. Não utilizar outros adesivos, pois corre-se o risco de manchar o produto.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático