Como aplicar vinil adesivo em vidro

Por Eduardo Yamashita em 06/12/2015
Instalar imagens em janelas e vidros exige conhecimento, habilidade e mãos firmes

Instalar imagens em janelas e vidros exige conhecimento, habilidade e mãos firmes

O pré-requisito para qualquer aplicação bem-sucedida de vinis adesivos é conhecer a superfície onde o substrato será aplicado. No caso de vidros, é necessário saber que eles não iguais. Alguns são expostos à luz solar direta durante longos períodos. Outros são revestidos com um substrato, como o silicone, que dificulta a adesão em longo prazo. E alguns vidros são cobertos com filmes de resistência antirreflexo, que sempre dificultam muito a remoção da imagem.

Saiba também que há diferentes tipos de vinis adesivos. Janelas exigem filmes cast em vez de película calandrada. Mais especificamente, as películas perfuradas concebidas para superfícies planas e transparentes são ideais para aplicações em vidro. Trata-se de um substrato com padrão de orifício contínuo para proporcionar uma imagem visível do exterior sem prejudicar a vista de dentro do ambiente.

Diversos fatores influenciam a longevidade das imagens aplicadas em janelas: combinação correta entre filmes, tintas, laminação, formulação da tinta, métodos de secagem, condições de exposição e métodos de manutenção e limpeza.

Evite problemas

Para evitar falhas na instalação, conheça e execute com cuidado as várias etapas de pré-aplicação. A primeira dica é aplicar laminação para aumentar a durabilidade do filme e protegê-lo de poeira, água e sujeira acumuladas.

Como o vinil ficará exposto à luz solar, deve-se evitar usar imagens escuras. Caso contrário, a mídia absorverá mais calor, além de dificultar a capacidade do vidro de “respirar” o calor para fora. Eventualmente, o vidro pode trincar devido à alta temperatura.

Deve-se ter cuidado também com o clima frio. Os fabricantes não recomendam a aplicação de vinis em vidro quando a temperatura for inferior a 5ºC, porque a adesão da película não ocorrerá.

O vinil perfurado permite que a imagem impressa possa ser visualizada de fora do ambiente sem prejudicar a visualização de quem está dentro do estabelecimento

Preparação para a instalação

A primeira etapa da instalação é a limpeza completa da superfície de vidro. Para tanto, deve-se usar álcool isopropílico. Não é recomendado o uso de produtos à base de amoníaco, pois eles criam um filme sobre a janela que afeta o adesivo do vinil e causa bolhas.

Antes de começar a aplicação, dimensione a janela. Corte a película com a forma aproximada da janela antes da espatulação do filme. Meça a imagem para ter certeza de que ela terá uma folga em torno de qualquer junta de borracha. O vinil não deve se sobrepor às molduras da janela, pois perderá a aderência.

Em caso de imagens que fazem uma “ponte” sobre superfícies de metal pintado entre janelas, aplique uma película opaca para as superfícies entre as janelas. Assim, será possível eliminar as inconsistências dos vinis.

Antes de aplicar o vinil é fundamental limpar corretamente toda a superfície que vai receber a mídia

Aplicação do vinil

Os fabricantes não recomendam aplicações úmidas para vinis perfurados, porque a água se acumulará nos buracos, o que vai obscurecer a visão das pessoas que estiverem olhando através da imagem. Portanto, aplicação seca é o único método recomendado.

Para a instalação, vire para baixo o filme no centro da janela e corte a imagem um pouco maior que a superfície a ser adesivada. Use uma fita adesiva de baixo tack, como uma dobradiça, e, em seguida, comece a remover o liner da imagem. Ao aplicar a imagem e cortar uma margem de 3mm a 5mm, elimina-se a necessidade de vedação de borda sobre o contorno da janela.

Em seguida, vire a imagem para baixo e comece a aplicar pressão sobre o filme para criar adesão, removendo o liner aos poucos. Recomenda-se usar uma proteção de baixo atrito na espátula plástica para evitar riscos na imagem.

Depois, comece espatulando no meio da imagem e, depois, de um lado para o outro, continuando o processo a partir do centro. Use traçados sobrepostos da espatulação. Sempre reespatule a imagem.

Se o projeto tiver dois (ou mais) painéis justapostos, recomenda-se refilar cuidadosamente as imagens para que os painéis se unam e formem emendas perfeitas. Faça o refile das imagens antes de iniciar a aplicação. Ao cortar o filme quando ele já estiver na janela, corre-se o risco de avariar permanentemente o vidro.

Se houver bordas e emendas, use um vedador de bordas para evitar que água e contaminantes entrem sob o filme e obstruam a visão interior ou contaminem o adesivo. O vedador deve ser aplicado com cuidado para vedar completamente as bordas e minimizar as distorções causadas pelo selador do lado da visualização da imagem. Use um pincel 1/4 polegadas para aplicar o selador, o que dará mais controle e precisão.

Remoção do vinil

Para remover o vinil sem danificar o vidro, é possível aplicar o método químico ou calor.

O método de remoção por meio do calor emprega pistola, lâmpada ou maçarico. A primeira etapa é aquecer um canto da imagem com muito cuidado para evitar que o material ou a janela esquente muito, o que pode quebrar o vidro. Recomenda-se o uso de estilete ou faca sob o canto para levantar a imagem, mas com cautela para não danificar o vidro. Em seguida, segure a borda levantada e puxe-a para cima em ritmo lento e ângulo inferior a 90º. Mantenha sempre pressão uniforme e aqueça a área de película imediatamente em frente da área a ser removida.

Se o filme for protegido com verniz, use o sistema de remoção química. Mas saiba que esse processo não é tão eficaz em materiais laminados. Recomenda-se usar xilol (xileno) se o adesivo ou a borda selada permanecer depois da remoção do filme. Deixe o xilol absorver no vedador de borda. Em seguida, use um rodo de plástico (espátula plástica) para raspar o resíduo. Repita esse processo até que o vidro esteja limpo. Removedores com base cítrica não inflamáveis também são recomendados para a tarefa.

Entre em contato com o fabricante do vinil antes de aplicar películas em vidros. Alguns não são recomendados, e geralmente não terão garantia.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

 



Feira Serigrafia Sign volta a ser realizada em julho no Expo Center Norte

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 15/11/2016
Próxima edição da feira ocorre entre os dias 12 e 15 de julho de 2017

Próxima edição da feira ocorre entre os dias 12 e 15 de julho de 2017

Em 2017, a Serigrafia Sign, mais tradicional feira de impressão e comunicação visual do país, voltará a ser realizada no mês de julho (entre os dias 12 e 15), no Expo Center Norte (SP), em dois pavilhões, totalizando mais de 30 mil metros quadrados de área.

A Informa Exhibitions, organizadora do evento, frisa que a próxima edição da Serigrafia Sign dará ênfase à disseminação de mais conteúdo e informação aos visitantes de todos os segmentos participantes.

Liliane Bortoluci, diretora da feira, declarou: “Entendemos que um evento, para se manter por tantos anos, deve proporcionar atrações inéditas e exclusivas para seus visitantes. Por isso, investiremos fortemente em conteúdo – com o envolvimento dos expositores – como parte do compromisso em ajudar os visitantes a implantar novas estratégias e tecnologias em suas áreas de atuação”.

Entre as novidades preparadas para 2017, a organizadora do evento destaca as seguintes ações:

- Serigrafia em Ação: espaço para a apresentação de técnicas e aplicações de serigrafia onde o visitante poderá se atualizar e conhecer detalhes de processos e técnicas para abrir ou ampliar seu negócio;

- Arena do Conhecimento: espaço destinado à atualização dos visitantes que trabalham com grandes formatos e comunicação visual. Terá palestrantes de renome e oficinas práticas;

- FutureTEXTIL: área pensada para a atualização e capacitação do setor de impressão têxtil digital, com palestras, desfiles, apresentações práticas, estamparias modelos, entre outros conteúdos;

- Blog: as revistas SIGN e SILK-SCREEN, reconhecidas setorialmente, transformaram-se no Blog da Serigrafia Sign. A estratégia de conteúdo setorial é um dos principais diferenciais da feira para atrair visitantes qualificados e manter um diálogo com expositores e mercado ao longo do ano.

Fonte: Serigrafia Sign



Durst Brasil investe em centro de reparos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 08/12/2015
Repair Center no Brasil é único fora da sede da Durst, na Itália

Repair Center no Brasil é único fora da sede da Durst, na Itália

A filial brasileira da Durst, fabricante de impressoras digitais, criou um centro de reparos de equipamentos para o segmento cerâmico. Com operação em Campinas, trata-se do único centro de manutenção fora da sede da Durst, na Itália. O principal objetivo do serviço é poder restaurar localmente os módulos de impressão das máquinas avariadas, o que representa economia significativa para os clientes.

Guilherme Poggianelli, gerente nacional de serviços da Durst Brasil, declarou: "Anteriormente, era necessário enviar as cabeças para a Itália, para que fossem reparadas. Isso gerava um custo muito alto, uma vez que estamos falando de um processo de exportação para reparo e importação do mesmo item, sem mencionar os custos envolvidos nos prazo. Com o Repair Center, além de o trabalho ser realizado localmente, com peça nacionalizada e mão de obra local, também há a agilidade. Isso representa menos tempo de máquina parada, e, por consequência, menor comprometimento da produtividade dos clientes. Dependendo de onde o cliente está localizado, em dois ou três dias ele tem o módulo de impressão recuperado".

Os problemas nas cabeças de impressão podem ser de caráter obstrutivo (nozzles) ou eletrônico (placas). Cerca de 10% dos módulos recebidos pelo centro de reparos voltam a trabalhar normalmente após a limpeza.

Uma vez detectado o problema, envia-se o orçamento para o cliente. Em seguida, o módulo segue para reparo, troca de peça ou componente. Depois, o módulo é testado e segue para os processos de alinhamento. Posteriormente, ele é testado novamente, realinhado e devolvido ao cliente com os devidos testes impressos.

Atualmente, o Brasil é o terceiro mercado mundial para Durst no segmento de impressão digital em cerâmica. Para sustentar esse posto, a empresa reestruturou sua atuação, mantendo equipes de venda e suporte em mercados estratégicos nas regiões de Santa Catarina e Rio Claro (ambos grandes polos cerâmicos no Brasil), além do escritório central em Campinas e da equipe comercial em São Paulo.

Fonte: Durst Brasil