Roland lança plotter de recorte GR2-640/540

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/07/2021
GR2 faz parte da série CAMM-1

GR2 faz parte da série CAMM-1

A fabricante Roland lançou no mercado internacional a GR2-640/540, plotter de recorte capaz de rodar na velocidade máxima de corte de 1.530mm/s e trabalhar com uma força de até 600gf.

Por meio do software RIP VersaWorks 6, a GR2 pode ser integrada a impressoras inkjet de grande formato da Roland DG. A função “Job Assistant” do aplicativo permite editar dados vetoriais em PDF e adicionar linhas de contorno, para que as imagens sejam cortadas com precisão.

A GR2 também apresenta uma função de marcação de multicorte para corte de contorno mais preciso de grandes quantidades de material. A solução também inclui o software plug-in Roland DG AAS II, para emparelhamento com outras impressoras.

A plotter vem com o FlexiSign GR2-Edition, gratuito no primeiro ano após o registro. Este software oferece um conjunto de ferramenta para projetar e cortar arquivos.

Segundo a fabricante, a série CAMM-1 é capaz de cortar quase qualquer formato de mídias, folhas e filmes. As aplicações incluem sinalização, películas automotivas, roupas esportivas, entre outras.

Fonte: Roland DG



Como resolver problemas na sublimação – Parte 2: Impressão

Por João Leodonio em 17/11/2017
Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas encontradas na impressão offset e por sublimação digital

Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas encontradas na impressão offset e por sublimação digital

Além de conhecer e sanar eventuais problemas na pré-impressão e na prensagem, saiba como evitar falhas na impressão digital ou offset na produção de estampas sublimadas.

Problema: impressora digital inadequada

Muitas empresas compram impressoras adaptadas. Fazem isso para tentar reduzir seus investimentos ao adquirir um equipamento mais barato. Porém, os prejuízos gerados acabam superando a economia feita no investimento. Existem muitos fornecedores de impressoras originalmente sublimáticas e que também comercializam insumos para esses equipamentos.

Recomendação: prefira marcas conhecidas e pesquise muito antes da compra. Analise várias empresas e orçamentos. Deve-se consultar quem já utiliza equipamentos similares, além de coletar muitas opiniões antes de adquirir uma impressora sublimática. Na hora de investir, deve ser analisada a melhor relação custo x benefício. Se a empresa não tiver competência para essa análise, a recomendação é que ela contrate uma consultoria, ou de revendas ou de consultores independentes.

xx

Problemas: qualidade de impressão ruim e entupimento de cabeças, ambos causados por tinta digital ruim

Geralmente, os fabricantes de impressoras fornecem a tinta mais adequada para garantir o desempenho de qualidade e custo de produção e manutenção. No entanto, existem marcas de tintas compatíveis, algumas das quais prometem resultados de impressão ótimos a um custo inferior de produção. Porém, são comuns reclamações sobre os problemas causados por esses insumos, em função dos prejuízos gerados pela má qualidade de impressão e entupimento das cabeças de impressão.

Recomendação: utilizar tintas indicadas pelo fabricante da impressora. Muitas empresas oferecem a extensão do tempo da garantia do equipamento quando o cliente usa tintas originais. Caso opte por tintas compatíveis, recomenda-se realizar testes de produção e desempenho, para comprovar a qualidade dos insumos.

xx

Problemas: papel enruga e transferência inadequada

Na impressão digital, o ideal é utilizar papel revestido (resinado) e com gramatura adequada para cada tipo de produção. O papel resinado permite que a tinta ancore em sua superfície, o que gera economia no gasto do insumo, além de entregar melhores resultados de cor e definição da imagem na prensagem. Com o papel não revestido (offset comum e sulfite, por exemplo), isso não ocorre, porque a tinta ancora na massa mecânica do substrato. Para solucionar esse problema, muitas empresas utilizam um perfil de cor “mais generoso”, que emprega mais tinta, o que leva a desperdício do insumo e compromete as áreas de mínimas da imagem.

Recomendação: usar papel revestido e realizar testes de gramatura antes da compra. A gramatura ideal vai depender da carga de tinta e do tipo de prensagem (na calandra ou na prensa plana). Papéis com gramaturas muito baixas enrugam com cargas de tinta alta e podem gerar problemas de tração na calandra ou enrolar quando trabalhados em prensas planas. Papéis de gramatura muito altas e impressões com baixa quantidade de tinta poderão gerar manchas por conta da dureza do papel e por má acomodação na prensa.

xx

Problemas na produção sublimática causados na impressão offset

As falhas de impressão offset são, geralmente, causados pela falta de manutenção dos equipamentos e pelo desconhecimento dos operadores do processo. Entre os problemas mais comuns, estão as marcas de rolaria que formam uma espécie de degradê na imagem. Isso tem origem na falta de manutenção da rolaria das impressoras. Rolo gasto ou mal regulado ajuda a causar falhas. Outro caso bem comum é a falta de registro, causada por falta de habilidade do operador. No caso da manutenção, os pinos onde as chapas são encaixadas devem estar perfeitos, pois qualquer desgaste ajuda no erro de registro. Tome muito cuidado com os respingos (voagem da tinta no papel). Na maioria das vezes, essas falhas são sentidas, apenas, no momento da prensagem. Basicamente, os respingos acontecem quando a impressora roda em velocidade muito alta.

Recomendação: realizar manutenções periódicas dos equipamentos, utilizar tinta de qualidade reconhecida e utilizar o mesmo código de cor para a cromia inteira.

 

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático

 



Polyprint apresenta nova máquina de pré-tratamento DTG

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/07/2020
PreTunette Pro vem com sistema de recirculação automática

PreTunette Pro vem com sistema de recirculação automática

A fabricante Polyprint anunciou a nova PreTunette Pro, máquina de pré-tratamento de roupas impressas em equipamentos DTG. Esse procedimento é a base para obter cores vibrantes, detalhes nítidos e lavabilidade.

Grigoris Gavrilidis, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Polyprint, declarou: “Repetibilidade e consistência são fundamentais para obter produções bem-sucedidas. O sistema de recirculação automática da PreTunette Pro

garante a homogeneidade do líquido e evita a sedimentação, prolongando a vida útil do líquido. Além disso, uma câmara de isolamento anticorrosão garante a contenção de névoa, protegendo as partes mecânicas e eletrônicas, prolongando assim a vida útil da máquina”.

Entre os recursos da PreTunette Pro estão uma área de trabalho de 41x60cm e tanques 4 litros (para pré-tratamento, limpeza e refugo. É possível também fazer uma seleção da área de pulverização, com os modos “Linear” (10x1cm) e “Grade” (15x10cm). Já as calculadoras avançadas de trabalho e consumo de líquidos dão uma ideia exata dos insumos utilizados.

A máquina também vem com um recurso de automação “scan-to-spray”, que armazena a área de pulverização e a quantidade de líquido.

George Benglopoulos, CEO da Polyprint, declarou: “A Pretunette Pro é simples de usar e foi criada após uma consideração cuidadosa das necessidades dos nossos clientes. Como fabricante de impressoras DTG desde 2006, a Polyprint tem como objetivo oferecer produtos inovadores para estamparias”.

Fonte: Polyprint