Envelopamento: como envelopar uma lateral de carro

Por Eduardo Yamashita em 07/02/2015

Saiba como envelopar uma lateral de carro

Saiba como envelopar uma lateral de carro

Para colocar em prática um serviço de envelopamento de carro, é preciso sanar antecipadamente todas as dúvidas sobre o trabalho em questão. Não pegue as espátulas sem antes ter respondido questões essenciais. Como vou fazer isso? Como lidarei com as curvas? Posso realizar a instalação corretamente? Posso ganhar dinheiro com esse projeto?

Para começar, é necessário analisar o projeto e obter todas as informações de tal forma que tudo fique claro.

Em carros, há apenas algumas áreas verdadeiramente planas. Mantenha essas áreas em mente, sobretudo se houver informações no vinil impresso que correspondam a elas. Nesse caso, as sobreposições são uma boa opção de trabalho.

Escolher o vinil adesivo correto é fundamental para que o projeto seja bem-sucedido. No exemplo a seguir, foi utilizado vinil cast, pois o projeto exigia longa duração e garantia.

Na aplicação de laterais, deve-se levar em conta a dimensão da área a ser envelopada. Um painel de 1,35m x 3,15m é suficiente para cobrir a região entre a cabina e a porta traseira. A altura precisa ser de 1,35m para garantir que material seja aplicado, com folga, em cima da área plana e logo abaixo da borda inferior. O excesso de vinil é necessário, para que ele aqueça e alongue durante a instalação, levando em conta o mínimo de estresse sobre a imagem. Confira o passo a passo de um envelopamento na lateral do veículo:

Prepare o veículo com uma limpeza normal. Ou seja, a lavagem básica

Prepare o veículo com uma limpeza normal. Ou seja, a lavagem básica

Em seguida, remova os acessórios como lanternas e peças diversas. Tome cuidado para não perdê-las. Depois, remova todas as impurezas sólidas (graxa, restos de asfalto etc.) com desengraxantes e faça a limpeza final com álcool isopropílico. O álcool comercial não é adequado para esse processo

Em seguida, remova os acessórios como lanternas e peças diversas. Tome cuidado para não perdê-las. Depois, remova todas as impurezas sólidas (graxa, restos de asfalto etc.) com desengraxantes e faça a limpeza final com álcool isopropílico. O álcool comercial não é adequado para esse processo

Depois da limpeza, posicione a imagem na superfície. Posiciona-se a imagem com uma fita crepe, fazendo uma dobradiça ou usando ímãs para segurar o vinil no lugar até que o liner seja retirado

Depois da limpeza, posicione a imagem na superfície. Posiciona-se a imagem com uma fita crepe, fazendo uma dobradiça ou usando ímãs para segurar o vinil no lugar até que o liner seja retirado

Retire o liner mantendo o vinil sem rugas, principalmente na parte mais plana do pára-choque

Retire o liner mantendo o vinil sem rugas, principalmente na parte mais plana do para-choque

Comece a instalar a grande área plana do para-choque. Mantenha um alinhamento na espatulação, mesmo que as curvas comecem a aparecer depois da parte superior do para-choque. Se o alinhamento não for mantido, o vinil pode enrugar

Comece a instalar a grande área plana do para-choque. Mantenha um alinhamento na espatulação, mesmo que as curvas comecem a aparecer depois da parte superior do para-choque. Se o alinhamento não for mantido, o vinil pode enrugar

Comece a aplicação de calor na parte superior do para-choque, para permitir que o material relaxe e se torne mais flexível. É preciso um pouco de calor para obter esse feito em uma área grande. Sempre use o soprador térmico para essa etapa da instalação

Comece a aplicação de calor na parte superior do para-choque, para permitir que o material relaxe e se torne mais flexível. É preciso um pouco de calor para obter esse feito em uma área grande. Sempre use o soprador térmico para essa etapa da instalação

Enquanto o material ainda está quente, trabalhe a partir da borda externa em direção ao topo da parte plana. Este processo deve ser lento e consistente, mantendo ainda uma linha na parte superior do leito. Quando chegar ao topo da parte plana, trabalhe ao longo da área

Enquanto o material ainda está quente, trabalhe a partir da borda externa em direção ao topo da parte plana. Este processo deve ser lento e consistente, mantendo ainda uma linha na parte superior do leito. Quando chegar ao topo da parte plana, trabalhe ao longo da área

Sobrará uma boa quantidade de material na frente e atrás do para-choque. Ela será necessária, a fim de aquecer e conformar o material com um montante mínimo de estresse sobre ele. Comece a trabalhar a partir da área plana em direção à cabeceira. Continue a usar, um pouco de cada vez, a espátula e o soprador térmico (aquecendo uma área maior do que o necessário)

Sobrará uma boa quantidade de material na frente e atrás do para-choque. Ela será necessária, a fim de aquecer e conformar o material com um montante mínimo de estresse sobre ele. Comece a trabalhar a partir da área plana em direção à cabeceira. Continue a usar, um pouco de cada vez, a espátula e o soprador térmico (aquecendo uma área maior do que o necessário)

O excesso de vinil na parte da frente e de trás da área plana será usado para puxar as rugas do material. Num dado momento, o vinil estará baixo o suficiente. Puxe o material para baixo em direção à parte inferior do para-choque. Isto deve ser realizado por meio de calor e tensão

O excesso de vinil na parte da frente e de trás da área plana será usado para puxar as rugas do material. Num dado momento, o vinil estará baixo o suficiente. Puxe o material para baixo em direção à parte inferior do para-choque. Isso deve ser realizado por meio de calor e tensão

Realize o mesmo processo na parte frontal do paralama, trabalhando a partir da área plana. A única diferença é que a imagem ao longo da borda frontal deve estar alinhada com a parte da imagem se encontra na cabina (se tiver)

Realize o mesmo processo na parte frontal do para-lama, trabalhando a partir da área plana. A única diferença é que a imagem ao longo da borda frontal deve estar alinhada com a parte da imagem que se encontra na cabina (se tiver)

Depois de terminar a instalação (antes de refilar qualquer parte do vinil), é necessário aquecer novamente toda a imagem. O processo de pós-aquecimento quebra a memória do vinil para mantê-lo sob a forma em que foi instalado. Para terminar, refile todas as bordas. Se necessário, use fita ao longo da borda inferior da imagem. Então, remova as bolhas remanescentes

Depois de terminar a instalação (antes de refilar qualquer parte do vinil), é necessário aquecer novamente toda a imagem. O processo de pós-aquecimento quebra a memória do vinil para mantê-lo na forma em que foi instalado. Para terminar, refile todas as bordas. Se necessário, use fita ao longo da borda inferior da imagem. Então, remova as bolhas remanescentes

Se o envelopador pensar à frente, fizer o que o vinil lhe oferece e não trabalhar em agitação, ele será capaz de envelopar a lateral de veículo por si só e com extrema facilidade, qualidade e profissionalismo.

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Sensient Global lança tintas para sublimação digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/03/2015

ElvaJet Swift é compatível com cabeças Epson DX

ElvaJet Swift é compatível com cabeças Epson DX

A Sensient Global, fabricante de insumos para impressão digital, anunciou no mercado internacional a nova linha ElvaJet Swift, composta por tintas sublimáticas compatíveis com cabeças Epson DX.

Segundo a fabricante, as tintas ElvaJet Swift possibilitam redução de custos e de tempo de produção por oferecer as seguintes vantagens:

  • bom desempenho em qualquer impressora equipada com cabeças de impressão Epson DX;
  • fácil instalação;
  • força de cor e pouco consumo de tinta;
  • secagem rápida e alta taxa de transferência (em papel revestido e não revestido);
  • sustentabilidade.

A Sensient exibirá suas soluções para impressão digital na ISA International Sign Expo, feira que ocorre entre os dias 9 e 11 de abril, em Las Vegas, EUA. A empresa também estará na Fespa 2015, que acontece em maio, na Alemanha.

Fonte: My Print Resource



Como reduzir o consumo de tinta de sua impressora digital

Por Tony Quinn em 30/01/2014

Você já passou pela experiência de ver seus filhos, em casa, imprimindo folhas e folhas coloridas? Tenho certeza de que isso fez você entrar em pânico, certo? E, então, eles ainda dizem: "Pegue mais tinta, a impressora está ficando sem".

Agora, imagine esse mesmo cenário, mas substitua os equipamentos pessoais pelas impressoras de grande formato, que são muito maiores. A boa notícia é que essa tecnologia e os processos de gerenciamento de cores melhoraram nos últimos 10 anos. Esses aperfeiçoamentos permitiram a diminuição do consumo de tintas.

No entanto, isso não significa que, no mercado, houve mais economia de tinta. Em minhas visitas como consultor, encontro frequentemente pessoas que associam a boa reprodução de cores com o fato de gastar muita tinta. Em outras palavras, rodam a impressora sem nenhuma restrição de tinta. Na maioria das situações, isso não resulta em impressos com cores melhores e mais precisas.

Veja nesse artigo técnico como reduzir o consumo de tinta da sua impressora digital

Veja nesse artigo técnico como reduzir o consumo de tinta de sua impressora digital

As impressoras de grande formato precisam seguir um conjunto de dados de caracterização ou perfil ICC. Por exemplo: uma gráfica que emprega múltiplas plataformas (impressão digital, serigráfica e offset) pode usar normas e referências como SWOP e GRACoL. O objetivo nesse ambiente de trabalho seria fazer com que todas as impressoras apresentassem resultados aceitáveis de cores, independentemente das tecnologias nele utilizadas. Daí a importância de aplicar o perfil ICC como "tradutor" de cores entre os diferentes dispositivos.

Gostaria de esboçar esse "fluxo" porque sinto que é importante você entender que é possível economizar tinta de várias formas. Esse artigo dará ênfase a três tópicos:

  • Configuração da mídia (substrato);
  • Black Start — criação de perfil ICC;
  • GCR — criação de perfil ICC.

Configuração da mídia (substrato)

O primeiro – e provavelmente o mais importante – passo para tentar diminuir o consumo de tinta digital é ter certeza de que você tem boa configuração de mídia em cada ambiente de produção.

Cada substrato aceita a tinta de um jeito. Isso significa que sem uma configuração adequada de mídia, há grande chance de você não imprimir corretamente, além de usar tinta em excesso.

O processo de configurar uma mídia é bem simples. E ele não muda, independentemente do RIP utilizado. É importante assinalar que o substrato, a impressora e a resolução de impressão farão diferença na saída de cores da impressora. E dependendo do RIP, o processo de configuração pode ser automático ou manual.

O primeiro passo para completar a configuração de mídia é ajustar os limites de cada canal de tinta. Provavelmente, é aqui que reside os maiores enganos e erros. Em primeiro lugar, você deve assegurar-se de que está imprimindo com dados completamente "crus". Ou seja, não use curvas de linearização, desligue o perfil ICC e descarte qualquer tipo de configuração.

Esse é um ponto crítico, porque você pode determinar a saída de cores da impressora simplesmente lendo as densidades do cyan, magenta, amarelo e preto.

Por exemplo, em estado cru, a impressora entrega 1.10 de densidade de magenta. Isso quer dizer que ela produzirá vermelhos ligeiramente esmaecidos. Não estou dizendo que eles ficarão horríveis. Mas não espere vermelhos muito saturados.

A figura abaixo mostra resultados típicos de uma reprodução feita por uma impressora em estado "cru". Quanto mais longe do zero, mais saturada é a cor. O tom é como um círculo: ao redor dele, as cores vão mudando: do vermelho para o amarelo e do amarelo para o verde, por exemplo. Veja, no gráfico a seguir, como as coordenadas das cores cyan, amarelo e magenta parecem formar uma espécie de "gancho".

Saturação das cores de processo em impressoras digitais em condição

Saturação das cores de processo em impressoras digitais em condição "crua"

Ocorre sobrecarga se você não restringir os canais individuais de tinta no primeiro passo da configuração de mídia. Isso também sobrecarrega o engine de gerenciamento de cores do RIP.

Uma vez que os limites dos canais de tintas estão configurados, a curva de linearização é carregada pelo RIP. Para esse processo, é preciso usar um espectrofotômetro ou um densitômetro. Se você não possui algum deles, está às cegas e não terá como completar a configuração de mídia.

O total de tinta é a quantidade das tintas CMYK sobrepostas. O melhor jeito de descrever o total de tinta é assim: 400% do limite total de tinta igualaria o registro de cores (ou seja, 100% de todas as cores – cyan, magenta, amarelo e preto – sobrepostas)

Se o limite total de tinta está configurado em 300%, isso significa que nenhuma porcentagem de combinação de cores totalizará mais do que a figura. Dito isso, você vai querer o máximo possível do total de tinta. Eu sei que isso vai contra o título desse artigo, mas lembre-se: a configuração completa de mídia é a chave para poupar tinta. Esse é o maior erro que vejo na hora de configurar os limites de cada canal de tinta.

Se você continua com muita tinta mesmo depois de configurar tanto os limites de cada canal quanto os limites totais de tinta, volte e restrinja os limites de cada canal. Tente manter os limites totais tão altos quanto possível, entre 280% e 320%.

O limite total de tinta pode intimidar. A maioria dos RIPs realiza automaticamente os passos para a configuração de mídia, exceto o processo de limite total de tinta.

O processo para configurar o total de tinta é ainda de "tentativa e erro". Você imprime e depois avalia visualmente a melhor configuração. É preciso procurar por uma deposição bem-feita de tinta. Compare as figuras abaixo e veja a diferença entre ambas.

Exemplo de deposição correta de tinta

Exemplo de deposição correta de tinta

Deposição irregular de tinta

Deposição irregular de tinta

Lembre-se: normalmente o limite total de tinta deveria ficar entre 280% e 320%. Note que eu escrevi "normalmente". Se tiver de diminuir em função de alguns substratos, diminua. Já vi limites totais de tinta abaixo de 180%, mas isso não é normal.

Black Start — criação de perfil ICC

A etapa final de configuração de mídia é a criação do perfil ICC. Muitos softwares RIP são capazes disso. Ao criar um perfil ICC, você captura uma condição da impressora. É como tirar uma foto da mídia, da impressora e das configurações da máquina. Portanto, como é possível imaginar, se as condições mudarem, você deverá criar um novo perfil ICC, a fim de capturar as mudanças.

Para economizar tinta, há dois pontos que você deve prestar muita atenção na hora de criar o perfil ICC. O primeiro é o black start. Muitas pessoas não percebem que a impressora digital usa, comumente, apenas de 30% a 40% da variação tonal (ver figura abaixo) de cyan, magenta e amarelo.

Black Start

As configurações do black start no software de criação do perfil ICC permitem que o usuário determine onde colocar o preto na variação tonal. Quanto mais preto você colocar, menos cyan, magenta e amarelo será usado.

Seja cuidadoso. Se fizer logo o black start em algumas impressoras, você pode introduzir artefatos pretos na impressão.

A chave é encontrar o ponto interessante de variação tonal do preto. Felizmente, se preciso, é possível recriar um perfil ICC sem repetir todos os passos anteriores da configuração de mídia. Simplesmente troque as configurações do black start no software e regenere o perfil ICC. Imprima um teste e compare-o com o teste anterior.

GCR — criação de perfil ICC

O segundo ponto mais importante para poupar tinta na impressão digital é a quantidade de GCR (Gray Component Replacement) aplicada no perfil ICC. O objetivo do GCR, para o qual há diferentes níveis, é substituir pela cor preta as cores neutras compostas pelo CMY.

Historicamente, o GCR era aplicado a uma imagem em Adobe® Photoshop® quando um arquivo era convertido de CMYK para RGB, e então para CMYK novamente. O Photoshop tem cinco níveis de GCR: nenhum, máximo, pesado, médio e leve. A figura abaixo mostra quatro níveis. A configuração "nenhum" de GCR não deveria gerar nenhum canal de preto.

Quatro níveis de GCR

Quatro níveis de GCR

O GCR no RIP dá mais controle ao usuário, que pode aplicar GCR em vetores ou artes rasterizadas. Ao usar o Photoshop, somente os elementos rasterizados recebem o GCR.

Vários perfis ICC podem ser criados a partir da mesma linha de dados de caracterização obtida dos três primeiros passos do processo de configuração de mídia. Então, para qualquer substrato, você poderia ter diferentes configurações de ambientes de trabalho com uma única diferença: a quantidade de preto gerada (GCR) durante o processamento de imagem (RIP).

A dica é usar o mesmo arquivo de teste (test form) e imprimi-lo sob diferentes condições. Avalie a diferença de cores entre as imagens. Você estará apto a identificar facilmente o nível de black generation certo para as condições ideais do equipamento.

Preste bastante atenção às transições nos tons de pele. No que diz respeito ao black generation, há outra área importante de análise: as sombras saturadas. Tenha certeza de que as sombras verde-escuras e vermelho-rosadas não se tornaram cinzas.

No software de criação de perfil ICC você deve ver todas as configurações do preto. Alguns softwares mostram uma prévia de cada um dos canais de tinta, antes de finalizar o ICC. Na dúvida, consulte o manual ou entre em contato com o desenvolvedor do software.

Como estabeleci antes, mais tinta nem sempre significa melhores cores. Um ambiente de impressão calibrado corretamente é o primeiro passo para poupar tinta. Você deve ter certeza de que a impressora está devidamente configurada para cada mídia, resolução e modo de impressão.

Uma configuração bem-feita de mídia vai economizar tinta a ponto de garantir que você use tinta suficiente para produzir os trabalhos. Além disso, não esqueça que você deve ter ferramentas (instrumentos e softwares) para realizar os processos apresentados nesse artigo. Investir nas ferramentas apropriadas permite que você calibre corretamente as suas condições de impressão, o que certamente ajudará a poupar tinta.

Sobre o autor: Depois de pilotar caças de guerra por nove anos na Força Aéra dos EUA, Tony Quinn entrou para a indústria gráfica, na qual trabalha há mais de 20 anos. Especializou-se em preperação de arquivos digitais para produção em vários processos de impressão. Leciona controle de cor e pré-impressão na SPTF Process Color e nos seminários da Nazdar (fabricante de tintas digitais). É um dos instrutores da SGIA Color Management Boot Camp.

Sobre o autor: Depois de pilotar caças de guerra por nove anos na Força Aérea dos EUA, Tony Quinn entrou para a indústria gráfica, na qual trabalha há mais de 20 anos. Especializou-se em preparação de arquivos digitais para produção em vários processos de impressão. Leciona controle de cor e pré-impressão na SPTF Process Color e nos seminários da Nazdar (fabricante de tintas digitais). É um dos instrutores da SGIA Color Management Boot Camp.

Este artigo foi publicado inicialmente no SGIA Journal e reproduzido pelo InfoSign com a permissão da SGIA (this article first appeared in the SGIA Journal and is reprinted with permissions from the SGIA)