Kongsberg lança mesa de corte de 1,6m x 1,4m

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 27/05/2021
Segundo a fabricante, a Kongsberg C20 é o equipamento mais compacto do mercado

Segundo a fabricante, a Kongsberg C20 é o equipamento mais compacto do mercado

A fabricante Kongsberg PCS expandiu sua linha de mesas da série C ao lançar o C20, menor equipamento da categoria em todo o mercado.

Com 1,6m x 1,4m, a nova C20 conta com tampo de mesa de alumínio, sistema de acionamento de cremalheira e mapeamento dinâmico, que juntos oferecerem precisão e consistência de corte. Várias combinações de ferramentas estão disponíveis. Além disso, o equipamento inclui uma sonda de espessura de material e uma câmera opcional para registrar materiais impressos e não impressos.

Stuart Fox, presidente da Kongsberg PCS, declarou: “Sabemos que as indústrias e os birôs de sinalização, exigem uma mesa de corte de alta velocidade. No entanto, o alto custo de possuir ou alugar um espaço é um problema sério para muitos. Com a nova Kongsberg C20, essas empresas não precisam mais comprometer a produção e a qualidade devido à falta de espaço. A máquina é um investimento que ajudará a levar a criatividade e a produção a novos níveis”.

Fonte: Kongsberg

 



AEG entra para o mercado de grandes formatos com impressora Voyager Pro

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 13/05/2014

Voyager Pro estreou na feira Sign & Digital 2014, realizada no Reino Unido

Voyager Pro estreou na feira Sign & Digital 2014, realizada no Reino Unido

A AEG, fornecedora alemã de tecnologia, lançou no mercado europeu a Voyager Pro, impressora UV de grande formato que emprega tinta metálica.

Com sistema de alimentação híbrido de substratos, o equipamento é indicado para birôs de sinalização e gráficas que elaboram protótipos e impressos com cores especiais.

Segundo a empresa, a paleta CMYK pode ser aumentada com a adição de tintas light cyan e light magenta, além de opcionais como branco e metálico. A fabricante frisa que também é possível integrar cores como laranja, verde, violeta e vermelho.

Disponível em duas larguras de impressão (2m e 3,2m), a impressora trabalha com mídias rígidas de até 5cm de espessura, na velocidade máxima de 70m2/h. Além disso, o equipamento emprega cabeças Xaar 1002, que disparam gotas com volumes variáveis (de até 18 picolitros).

Keith Pratt, diretor da Atlantic Tech Services, revendedora da AEG, declarou: "A impressora UV da AEG oferece muita versatilidade em função das opções de tinta. É uma máquina interessante tanto para quem está começando no mercado quanto para quem quer aumentar seu parque gráfico com uma impressora que emprega cores especiais".

Fonte: Large Format Review



Fujifilm inaugura fábrica de tintas digitais

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/01/2013

A planta tem 1800 metros quadrados

A planta tem 1800 metros quadrados

Tradicional fabricante de insumos para impressão digital, a Fujifilm acaba de anunciar a inauguração de uma nova planta em Broadstairs, no Reino Unido. Segundo a empresa, foram gastos mais de quatro milhões de euros para o planejamento e desenvolvimento da construção, além de um adicional de dois milhões e meio de euros para a atualização do departamento de pesquisa e desenvolvimento da fábrica. Ao todo, foram dois anos para a implementação do projeto.

O novo edifício tem 1800m2 e foi construído para aumentar em 56% a produção anual de tintas da empresa, para atender às novas demandas do mercado, que está migrando cada vez mais dos sistemas analógicos (serigrafia, por exemplo) para os digitais.

A fábrica tem a capacidade de produzir seis mil toneladas anuais de tinta, que depois é embalada e vendida em frascos, bolsas ou cartuchos, dependendo do modelo de impressora no qual ela será utilizada.

Mais de 340 empregados trabalham na planta e 80% deles estão envolvidos com pesquisa e desenvolvimento de tintas digitais.

Mais de 340 empregados trabalham na nova fábrica da Fujifilm

Mais de 340 empregados trabalham na nova fábrica da Fujifilm

Colin Boughton, diretor de operações da Fujifilm, comentou: "Nós planejamos tudo meticulosamente, levando em conta a nossa liderança na tecnologia de tintas digitais. Precisávamos ter equipamentos de ponta para garantir uma produção de alto nível, além de ter de aumentar o nosso volume".

Segundo a empresa, todo o projeto faz uso de métodos e processos produtivos que reduzem impactos ambientais. A fábrica emprega, por exemplo, uma caldera que consome 40% a menos de combustíveis fósseis que os sistemas mais convencionais de aquecimento.

Além disso, apenas 7% dos refugos gerados pela fábrica vão para aterros; 23% do lixo retorna como combustível. O restante, 70%, é reciclado. Isso significa que 93% do lixo é reusado de alguma forma.

A fábrica é certificada nas normas ISO 14001 e ISO 9001. E no meio de 2013, a empresa promete a certificação OHSAS 18001, voltada para saúde e segurança no trabalho.

Fonte: Fujifilm. Texto: InfoSgin



Clicky