Gênesis lança papéis resinados para impressão sublimática digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/09/2016
Mídias melhoram o desempenho do processo sublimático digital

Mídias melhoram o desempenho do processo sublimático digital

A Gênesis, fabricante de tintas digitais, anunciou o lançamento de uma série de papéis resinados (tratados) para impressão digital sublimática e transferência térmica (transfer) em substratos de poliéster, cerâmica (resinada), borracha EVA (resinada), entre outras mídias.

Indicados para produção de fotoprodutos e brindes personalizados, os papéis, segundo a fornecedora, oferecem os seguintes benefícios: excelente performance, economia de até 30% de tinta em relação ao papel comum, estabilidade na prensagem, secagem rápida, cores vibrantes e alta definição de impressão.

Ainda de acordo com a empresa, os papéis são resinados na parte da frente e possuem um bloqueador no verso, o que confere maior estabilidade durante a prensagem. Confira os tipos, gramaturas e formatos dos papéis:

- DS.0020 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 0,610 x 100m;

- DS.0021 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 1,100 x 100m;

- DS.0022 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 1,600 x 100m;

- DS.0025 – papel sublimático resinado de 90g: pacote com 500 folhas A4 (210 x 297mm);

- DS.0026 – papel sublimático resinado 90g: pacote com 500 folhas A3 (297 x 420mm).

Fonte: Gênesis



Metalnox completa 35 anos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/06/2017
Atualmente, a empresa contempla um grupo formado por cinco marcas

Atualmente, a empresa contempla um grupo formado por cinco marcas

A Metalnox, fabricante de impressoras, fez 35 anos em junho de 2017. Fundada em 1982, em Jaraguá do Sul (SC), a empresa era chamada de Arte Calhas e produzia calhas para chuva. Quatro anos depois, passou a fabricar máquinas têxteis em inox. Por isso, alterou seu nome para Metalnox (Metal + Inox).

Acompanhando a expansão do mercado têxtil nacional, a Metalnox cresceu e, em 1990, deu um passo adiante e começou a exportar máquinas para a Argentina, Paraguai e Uruguai. Em 1994, a companhia expandiu seu parque fabril, o que permitiu a fabricação de prensas térmicas. Anos depois, em 2001, a Metalnox, mais uma vez, ampliou sua planta. Atualmente, a empresa conta com uma ampla rede de distribuidores e está presente em mais de 35 países, para distribuir produtos de cinco diferentes marcas:

- Metalnox Máquinas: maior fabricante de prensas térmicas das Américas;
- Metalnox Digital: tecnologia brasileira de impressão digital têxtil;
- Foto Produto: maior distribuidor de foto produtos do Brasil;
- Ferragens: distribuição de ferragens para móveis;
- JJI: distribuição de vidros do norte e nordeste do Brasil.

Fonte: Metalnox



Dicas para um envelopamento perfeito – Parte 2

Por Eduardo Yamashita em 17/09/2016
Segunda parte do artigo aborda os tópicos local de instalação, aplicação e pós-instalação, para executar um envelopamento profissional

Segunda parte do artigo aborda os tópicos local de instalação, aplicação e pós-instalação, para executar um envelopamento profissional

Na primeira parte deste artigo, foram abordados pontos importantes para um envelopamento profissional. Desta vez, falaremos sobre mais três requisitos essenciais para o serviço. São eles: local de instalação, aplicação e pós-instalação.

Local de instalação

Depois de criar o design correto, escolher o material adequado, obter uma grande impressão e preparar perfeitamente o veículo, é necessário cuidar do local onde será realizado o envelopamento. Onde será feita a instalação? Será interna ou ao ar livre? A instalação interna fica livre de poeira e tem a temperatura adequada para a instalação?

O envelopamento ao ar livre é um começo terrível. Não há nenhuma maneira de evitar que partículas de poeira caiam sobre a superfície do carro, e quando isso acontece, forma-se uma camada de sujeira que ficará sob o vinil. Um grande número de partículas de poeira poderá causar grandes rasgos no vinil, permitindo que a água penetre na imagem, o que leva o envelopamento ao fracasso.

É muito mais recomendado que o veículo seja adesivado dentro de um estabelecimento. Porém, a instalação interna deve ser livre de qualquer tipo de poeira e deve estar na temperatura correta.

A instalação de um vinil em alta temperatura fará com que ele estique em demasiado e falhe em longo prazo, apresentando altos índices de encolhimento. Já a instalação em temperaturas baixas fará com que o vinil fique mais rígido, o que exigirá muito do instalador durante a aplicação.

O local da instalação é extremamente importante para garantir que o resultado final do envelopamento seja excelente.

Prefira sempre realizar envelopamento em locais fechado e mais protegidos de sujeiras e outras interferências

Aplicação

Muita gente pensa que é fácil instalar vinis em veículos. Afinal, ele é simplesmente um adesivo gigante. Errado! Para que o instalador aprenda a maneira correta de envelopar carros, são dispendidos dinheiro, materiais e muitas horas.

Diferentes materiais se comportam de maneiras diversas e, portanto, o instalador deve ter uma vasta experiência com vários tipos de vinis. Muitos deles também desenvolvem suas próprias ferramentas para o trabalho.

Embora a instalação do vinil seja muito difícil, o corte final do acabamento é ainda mais desafiador. Pode-se ter o envelopamento perfeitamente instalado, mas se o material em excesso não for cortado e dobrado corretamente, o resultado final terá um acabamento falho. Refilar o vinil requer mãos firmes, paciência e técnica. Isso é o que diferencia um excelente instalador de um bom instalador. Executar um envelopamento que parece um trabalho de pintura é o que todos desejam.

Experiência com diversos tipos de vinis adesivos é pré-requisito para um bom instalador

Pós-instalação

A pós-instalação é a etapa mais negligenciada pelos instaladores. Trata-se de uma parte demorada e mais chata.

Nessa fase, o instalador deve passar soprador térmico por cima dos vinis aplicados nas áreas rebaixadas e curvas. Esse procedimento garante que o filme seja aquecido a certo grau, conforme exigido pelo fabricante (recomenda-se de 45ºC a 50ºC para vinis de cor sólida e de 85ºC a 90ºC para vinis impressos). Isso porque todos os envelopamentos usam vinis compostos por PVC. Este material permite que o vinil tenha memória. Isso quer dizer que quando ele for sobrecarregado e aquecido, vai voltar à sua forma original. No entanto, uma vez que o vinil é instalado, espera-se que ele não volte à sua forma original, pois isso significa que ele encolherá e puxará para trás o material.

A única maneira de sobrepujar a memória do PVC é garantir que as áreas esticadas ou sob pressão cheguem a essa temperatura específica. Isso garantirá que o vinil mantenha sua forma.

Enfim, digamos que todos os fatores acima foram atendidos e executados perfeitamente. O que acontece se ainda tivermos problemas com o envelopamento? Serviço ao cliente é o único recurso de que você pode depender, de modo que escolher uma empresa de envelopamento respeitável torna-se a parte mais importante do seu processo de decisão.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual