Diferenças entre as tintas usadas em superfícies a serem adesivadas

Por Eduardo Yamashita em 03/04/2015

Antes de começar a aplicação de vinis adesivos, conheça as condições de pintura da superfície

Antes de começar a aplicação de vinis adesivos, conheça as condições de pintura da superfície

A superfície é adequada? Esse é um questionamento constante na prática da adesivação em paredes. Sabemos que a superfície deve ser pintada e estar lisa e livre de imperfeições. Mas qual tinta é recomendada para as superfícies que receberão vinil autoadesivo? Para responder isso, torna-se necessário conhecer as opções, para poder argumentar com os profissionais da área civil, responsáveis por realizar o trabalho adequado.

Há uma grande quantidade de tipos de tintas para aplicação em paredes, com exposição interna ou externa. As possibilidades e variações podem ser desconcertantes para o consumidor e deixa muitas dúvidas na hora de comprar esses produtos.

Como há grande variedade de opções, é importante que o profissional saiba diferenças básicas entre os grandes grupos de tintas. Tenha em mente que não existe uma tinta ideal para todas as superfícies e usos. A escolha do produto adequado é essencial para garantir o bom acabamento e a durabilidade da pintura. Inicialmente, é preciso entender alguns conceitos sobre tintas.

Definição

As tintas fazem parte de uma família de produtos usados para proteger e dar cor a objetos ou superfícies, cobrindo-os com uma cobertura pigmentada.

Muito comum, a tinta pode ser aplicada em praticamente qualquer tipo de objeto. O insumo é usado para produzir arte ou na indústria, em pintura de automóveis, equipamentos, tubulações, produtos eletroeletrônicos. Também serve para a construção civil, em paredes interiores e superfícies exteriores, e para proteger contra ferrugem.

Há vários tipos de tintas de pintura. Saiba distinguir os principais

Há vários tipos de tintas de pintura. Saiba distinguir os principais

Trata-se de uma mistura devidamente estabilizada de pigmentos e cargas em uma resina, formando uma película sólida, fosca ou brilhante, com a finalidade de proteger e embelezar. A tinta é uma preparação, geralmente na forma líquida, cuja finalidade é a de revestir dada superfície.

Se a tinta não contém pigmentos, ela é chamada de verniz. Por ter pigmentos, a tinta cobre o substrato, enquanto o verniz deixa transparente.

Composição da Tinta

Os elementos que compõem a tinta líquida são resina, pigmento, solvente e aditivo.

Resina: parte não volátil da tinta que serve para aglomerar as partículas de pigmentos. É responsável pela transformação do produto, do estado líquido para o sólido, convertendo-o em película. As resinas são responsáveis pelas propriedades físico-químicas da tinta, determinando, inclusive, o uso do produto e sua secagem. A resina é a parte da tinta que solidifica para formar a película de tinta seca.

Pigmento: material sólido finamente dividido e insolúvel. É utilizado para dar cor, opacidade, certas características de resistência e outros efeitos. Os pigmentos são divididos em ativos (que conferem cor/opacidade) e inertes (que conferem certas propriedades, como diminuição de brilho e maior consistência).

Pigmento serve para conferir cor à tinta

Pigmento serve para conferir cor à tinta

Aditivo: proporciona características especiais às tintas. Os aditivos são utilizados para auxiliar nas diversas fases de fabricação e conferir características necessárias à aplicação. São empregados para auxiliar na secagem da tinta.

Solvente: líquido volátil, geralmente de baixo ponto de ebulição, utilizado na diluição de tintas e correlatos. Os solventes são classificados em ativos ou verdadeiros, latentes e inativos. O diluente auxilia no ajuste da viscosidade e atua como veículo dos demais componentes, podendo, se dosado adequadamente, facilitar a aplicação das tintas.

Grandes grupos de tintas

Veja a seguir as principais aplicações, para esclarecer como a diferenciação entre os produtos ocorre.

  • Látex ou PVA

O látex é, talvez, a tinta mais comum nos interiores das residências. O PVA vem do nome da substância usada atualmente para fabricar a tinta látex, o acetato de polivinila. O látex tem uma base solúvel em água, o que facilita muito a vida do pintor, que pode preparar seus pincéis e rolos apenas com água. Além disso, caso a tinta espirre em algum outro revestimento, basta lavar com água.

A pintura em látex PVA é adequada para a parte interna das residências, que podem ser limpas apenas com um pano úmido. O acabamento desse tipo de tinta é muito bom, assim como seu recobrimento da camada anterior de pintura (se ela existir). Seca rapidamente e o odor típico de pintura é mínimo. Porém, o produto não é adequado para áreas molhadas e para recobrimentos de acabamento em alto brilho, como um corrimão, por exemplo. As superfícies pintadas com látex PVA também são mais difíceis de limpar.

  • Acrílica

De forma geral, a tinta acrílica tem aspecto muito similar ao da látex. Também é solúvel em água e seca rapidamente. A diferença é que sua fórmula contém resinas acrílicas, o que proporciona ao produto alta impermeabilidade depois de aplicado, tornando-o especialmente eficaz para pinturas externas.

A impermeabilidade também torna a tinta acrílica interessante para uso em áreas molhadas da casa, como cozinha e lavabo. As tintas acrílicas podem ser lavadas. O acabamento superficial tende a ser mais brilhante que o da látex, ainda que exista a versão fosca. Portanto, na hora de comprar, preste atenção para garantir o tipo de acabamento final desejado. Outro fator importante é o custo. A tinta acrílica tende a ser mais cara que a látex.

  • Esmalte

Ao contrário dos exemplos anteriores, o esmalte é um tipo de tinta que não é solúvel em água, por possuir a chamada "base a óleo", material que compunha sua fórmula antigamente. Atualmente, outros produtos sintéticos compõem a base mais comum para esse tipo de acabamento.

Tinta esmalte é indicada para colorir superfícies de madeira

Tinta esmalte é indicada para colorir superfícies de madeira

A tinta esmalte é recomendada para superfícies de ferro ou madeira. Assim, janelas, corrimãos e estruturas metálicas leves terão um acabamento melhor e mais durável se pintados com tinta esmalte. Embora a madeira possa receber vários tipos de acabamentos, portas feitas desse material são tradicionalmente pintadas com esmalte, por conta do alto nível de manuseio, visto que o esmalte permite a lavagem dessa superfície.

A pintura com tinta esmalte é bastante peculiar. Possui alto brilho, embora exista a versão fosca. Seu acabamento dá sensação de uma película formada sobre a superfície e não é muito adequada para o uso direto na parede, porque, dependendo da aplicação, podem surgir bolhas ou descascamento. O custo dessa tinta é mais alto, por conta de seu uso mais específico.

  • Epóxi e de poliuretano

Sintéticas e não solúveis em água, elas têm usos específicos, como em pintura de caixas-d’água. Existem fórmulas para aplicação em pisos, mas dependem de mão de obra altamente especializada.

As tintas epóxi e de poliuretano são geralmente diluídas em solvente específico e possuem catalizadores para auxiliar no processo de pintura. Elas devem ser aplicadas sempre por mão de obra que conheça o material e os processos, para evitar falhas comuns, como formação de bolhas, descolamento da camada de tinta e acabamento ruim.

A tinta epóxi serve para proteger ambientes úmidos e molhados

A tinta epóxi serve para proteger ambientes úmidos e molhados

Por se tratar de tintas específicas para aplicação em áreas molhadas, como piscinas e caixas d’água, podem ser uma excelente opção para banheiros, boxes e cozinhas, desde que harmonizadas corretamente com os outros revestimentos.

Além dos citados acima, existem muitos outros tipos de tinta. Há insumos feitos de cal e produtos de efeito, como tintas magnetizadas, do tipo lousa e para piso. Existem também as massas e texturas de muitas naturezas diferentes, além dos vernizes e fundos preparadores específicos para superfícies diversas (como para galvanizados ou gesso).

Dependendo do que se quer pintar, é necessária a aplicação de vários produtos. Esse processo de pintura é chamado de "sistema". Não se trata de uma pintura simples como nos exemplos acima. Para pintura em superfície que pareça mais complexa, é recomendado um pintor muito experiente para indicar o sistema mais adequado.

  • Cal

É uma opção de tinta muito barata e de fácil aplicação, mas não é lavável, usada em muros e exteriores. O acabamento das paredes caiadas não é tão rebuscado. Mas dá um ar rústico de pintura e cumpre o papel de proteger a parede. Pode-se misturar pigmentos naturais ou até de fábrica para embelezar a pintura.

Exemplo de parede caiada

Exemplo de parede caiada

O tripé da boa pintura

Para o sucesso na pintura, é preciso cuidar bem de três aspectos:

  • preparação da superfície a ser pintada;
  • escolha da tinta e de produtos complementares;
  • utilização de técnicas corretas para aplicação dos produtos.

Tintas de custo baixo

Cuidado com tintas baratas, pois sua aplicação pode ser mais difícil do que a de uma tinta de boa qualidade. Isto é, terão de ser dadas mais demãos, além de usar pouca diluição para produzir resultado similar. Tanto nas paredes internas como nas externas, vale gastar um pouco mais e comprar uma tinta de qualidade, pois seu rendimento também compensa.

O importante, além de conhecer o básico sobre as tintas, é escolher bons profissionais de pintura para fazer o trabalho com qualidade, o que evitará retrabalhos nas aplicações de vinis adesivos.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

 

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Fespa cria evento para estimular impressão digital na decoração

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/01/2015

Printeriors: evento criado para estimular o uso da impressão digital entre decoradores e arquitetos

Printeriors: evento criado para estimular o uso da impressão digital entre decoradores e arquitetos

A Fespa, federação internacional de sinalização, anunciou o Printeriors, cujo objetivo é incentivar a impressão digital aplicada a decoração de interiores. A primeira edição do evento ocorrerá na feira Fespa 2015, de 18 a 22 de maio, em Colônia, Alemanha.

Segundo a instituição, o Printeriors apresentará aos visitantes uma série de representações de ambientes comerciais e domésticos. Os conceitos serão executados por fornecedores e seus clientes da indústria de impressão digital.

No dia 21 de maio, será ministrada uma conferência dedicada a aplicações de interiores, materiais, design, técnicas, tendências e estudos de caso. As sessões serão conduzidas por designers que usam impressão digital para dar vida às suas ideias.

Roz McGuinness, diretor de divisão da Fespa, explicou: "Com o Printeriors, objetivamos ilustrar o potencial criativo da impressão para designers, arquitetos e outros profissionais ligados à decoração de interiores. Printeriors tem a função de informar, educar e inspirar a comunidade, para aumentar a consciência das capacidades de impressão e estimular a demanda da decoração personalizada de interiores".

Fonte: Fespa Brasil



Como escolher o papel transfer: adesivo, inkjet, laser ou sublimático

Por Jimmy Lamb em 30/01/2015

Quando se fala em transferência térmica, o papel transfer desempenha uma função chave nesse processo. E a combinação errada entre o substrato e a tinta pode culminar em verdadeiros desastres. Portanto, para obter resultados de excelência, utilize corretamente esses materiais. A seguir, conheça os papéis transfer, saiba aplicá-los, evite erros e melhore os processos usados por você.

      Saiba mais sobre sublimação:

 

Entenda o processo

O papel não é um componente isolado: ele faz uma combinação (que deve ser apropriada) com a tinta, o perfil de cor e a impressora. E as características desses substratos mudam conforme as particularidades dos demais elementos do processo. Portanto, há uma grande variedade de papéis disponíveis hoje no mercado. A despeito disso, eles podem ser divididos em dois grupos: adesivo e transportador. Veja a seguir as diferenças entre eles.

Papel transfer adesivo (ou aplicações superficiais)

Material que possui uma película adesiva sensível ao calor. Ela recebe a impressão para que, depois, seja aplicada na superfície da peça de roupa, por meio de uma prensa térmica. Trata-se de um processo que “solda” a película à superfície do substrato. Essa é a velha maneira de se fazer transfer. É como aplicar um emblema.

Nesse processo, é essencial que o excesso de papel/adesivo seja cortado de modo que apenas a imagem (e seus contornos) fique na transferência. Assim, uma plotter de recorte é bastante recomendável para qualquer empresa que esteja planejando produzir grandes volumes.

Esses transfers, antigamente, não davam bons resultados de resolução e duração das imagens transferidas. Depois de poucas lavagens, elas começavam a rachar e descascar da camiseta. Mas os materiais atuais dão resultados muito melhores.

Uma das vantagens do transfer adesivo é que ele é branco, então você pode imprimir a imagem (em CMYK), deixando as áreas vazadas na arte, para que a cor de fundo (o branco) do papel surja na transferência.

Observação: nem todos os adesivos trabalham bem com todos os tipos de tecidos. Consulte sempre o fornecedor sobre as características de desemprenho do transfer.

Para cada tipo de impressora, existe uma papel transfer mais adequado

Para cada tipo de impressora, existe uma papel transfer mais adequado

Papel transfer transportador (intermediário)

Esse substrato recebe uma camada de tinta que depois será transferida, por meio de uma prensa térmica, para outro material (geralmente, tecido). Em suma: esse papel serve de intermediário para o transporte da tinta. Ao término do processo, ele é removido e descartado. Os papéis transfer transportadores são classificados em três grupos (cada qual para uma função, e não intercambiáveis): inkjet (a jato de tinta), laser (toner) e sublimático. Veja a seguir a diferença entre eles:

Papel transfer (para impressão) inkjet

Desenvolvido para uso em impressoras a jato de tinta (de mesa, desktop de pequenos formatos). As tintas que vêm nesses equipamentos são fabricadas para papéis de impressão, e não para estamparia de tecidos. Portanto, atente-se a esse detalhe, e empregue as tintas apropriadas para estampar peças têxteis.

Os papéis inkjet geralmente possuem várias camadas. A superior tem a função de “gerenciamento de tinta” e é composta de polímeros microporosos, que recebem e encapsulam a tinta, preservando os pontos que compõem a imagem e protegendo-a contra a umidade. Logo abaixo, ficam as camadas de ligação, compostas por um material termoplástico que promove a adesão da tinta durante a prensagem. Já a próxima camada garante que a tinta e os elementos de ligação sejam desprendidos do papel, de modo que ele possa ser removido e descartado ao término do processo.

Em função dos agentes de ligação contidos no papel inkjet, toda a superfície dele (não somente a área impressa) acaba sendo transferida para a peça de roupa. Isso gera o que é conhecido como “transfer de janela”. Ou seja, no tecido, aparecem traços visíveis de áreas que, na verdade, não foram impressas no papel.

Com peças de roupa brancas, simples ajustes de temperatura, tempo e pressão (na prensa) podem tornar esse efeito imperceptível, mas em roupas coloridas, pode não ser possível elimina-lo. Para evitar que isso ocorra, muitos profissionais cortam o papel transfer, retirando as áreas sem imagem.

Inkjet, sublimático ou laser: procure sempre comprá-los em fornecedores confiáveis

Inkjet, sublimático ou laser: procure sempre comprar papéis de fornecedores confiáveis

Papel transfer (para impressão) laser

Apesar de parecer com o papel inkjet, o laser é bem diferente em relação ao que contém abaixo da camada superficial. Na impressão laser, muito calor é gerado. Esse é um problema para o papel.  Além disso, há diferentes toners no mercado. Razão pela qual recomenda-se fazer testes prévios entre os sistemas de impressão e os papéis, a fim de encontrar a melhor combinação entre eles.

Ao contrário do inkjet, em que a tinta fica encapsulada, a película de toner fica apenas na superfície papel. Mas os agentes de desprendimento (destaque) também são usados.

Assim como o papel inkjet, toda a área (além da imagem) é transferida para o substrato. Mas você pode cortar as áreas em excesso. Alguns fabricantes, no entanto, oferecem um papel especial com o qual apenas a imagem (o toner, na verdade) é transferida, e não a superfície toda.

Papéis toner possuem agentes de ligação quimicamente compatíveis com as fibras do tecido. E eles geralmente funcionam bem para o algodão e misturas de algodão. Eles podem até trabalhar com o poliéster, mas os resultados de cor e vida útil podem não ser os melhores. Sempre verifique isso com o fornecedor do material.

Papel transfer para sublimação

Usado para receber tinta sublimática de impressoras a jato de tinta (inkjet). As propriedades químicas dessa tinta (que é feita de corante) são radicalmente diferentes das pigmentadas. Portanto, o papel é especialmente desenvolvido para o processo de sublimação.

Enquanto a tinta inkjet padrão usa agentes de ligação para que fique retida na superfície do tecido, a tinta sublimática penetra, liga-se e colore as fibras do tecido. Isto é, ela fica impregnada. Portanto, em função dessa particularidade, não é necessário usar agentes de ligação. Assim, o papel para sublimação é composto por uma camada de polímeros combinada com agentes de destaque (release).

Ao contrário dos papéis inkjet e laser, por não ter agentes de ligação, nem toda a superfície do papel sublimática acaba sendo transferida. A tinta sublimática simplesmente transforma-se em gás durante a prensagem, e depois solidifica-se, penetrando nas fibras de polímero do substrato.

Existe um novo papel sublimático, vendido apenas em bobinas, que possui um adesivo muito leve em sua superfície; ideal para prevenir o efeito fantasma (que acontece quando o papel se movimenta na hora da prensagem). Para aqueles que não podem imprimir em materiais em forma de bobina, há uma opção do adesivo em forma de spray.

Vale lembrar que as diversas marcas de papéis sublimáticos usam diferentes receitas de fabricação. Explore as opções no mercado. Não se concentre em custo. Procure produtos que garantam a reprodução de imagens de alta qualidade. E lembre-se: corantes de sublimação trabalham apenas com fibras sintéticas.

Na sublimação, para obter o melhor resultado de cor, utilize papel transfer sublimático

Na sublimação, para obter o melhor resultado de cor, utilize papel transfer sublimático

Na hora de comprar

Quando você for comprar papéis transfer, comece consultando os fornecedores dos equipamentos usados na sua empresa. Eles têm conhecimento para mostrar as melhores opções.

Atenção: alguns papéis podem parecer profissionais, mas não têm essa qualidade. Portanto, concentre-se nas marcas e fornecedores conceituados.

Se você pretende produzir trabalhos de qualidade, não faça economia porca na hora de comprar tintas e papéis transfer.

Dê atenção a todos os elementos da produção (tintas, papéis, impressoras e tecidos) para obter resultados de alta qualidade. E nunca sacrifique a qualidade para economizar alguns poucos centavos. É preciso usar material de alto nível para fazer produtos de alto nível.

 

Sobre o autor: Jimmy Lamb escreve e palestra sobre sublimação e impressão em tecidos mundo afora. Tem mais de 20 anos de experiência no negócio de vestuário e decoração. Atualmente, é o gerente de comunicação na Sawgrass Technologies.
 
Esse artigo técnico foi cedido, com exclusividade, pela Sawgrass ao portal InfoSign, que traduziu e adaptou o texto.