Características dos principais tipos de papéis transfer

Por João Leodonio em 05/12/2017
Saiba quais são os papéis transfer disponíveis atualmente

Saiba quais são os papéis transfer disponíveis atualmente

Os papéis transfer são conhecidos principalmente por serem boas alternativas para aplicação de imagens em tecidos de algodão e poliéster. Alguns deles apresentam um fundo branco, que permite imprimir peças coloridas sem prejudicar as estampas originais. Trata-se de sobreposição, ou seja, da adesão ao tecido por termocolagem.

Por questões de preço e disponibilidade, os papéis transfer mais utilizados são o OBM e o Dark, também encontrado no mercado com outros nomes. Além deles, listamos abaixo as caraterísticas do Ink Pro e do INNEO.

Para todos os casos, recomenda-se que as peças que receberam as aplicações fiquem em descanso por, pelo menos, 24 horas, antes de serem lavadas. Além disso, é importante que elas não sejam lavadas em tanques e não sejam torcidas à mão. Se utilizar água quente, a temperatura máxima deve ser de 40°C. A água não pode ter alvejante, e deve-se passar pelo avesso. Esses procedimentos são muito importantes para manter a integridade do transfer por mais tempo.

Papel Transfer OBM

Característica: o lado da impressão possui revestimento de poliéster (para sublimação). O outro lado é emborrachado termocolante (fundo branco).

Aplicações: em tecidos claros ou escuros de algodão ou poliéster. É indicado para estampas que não precisam de recorte, pois a plotter não suporta esse material, que é bem difícil de ser cortado à mão. Após aplicado, ele oferece um toque menos discreto, porém, confere relevo à peça.

Camiseta preta com aplicação em OBM

Papel Transfer INNEO

Característica: papel transfer importado.

Aplicações: em tecido branco de algodão. Esse papel é indicado para impressora laser colorida de alta velocidade, sem óleo e com temperatura interna de até 200°C.

Papel Transfer Ink Pro

Característica: papel transfer impresso por equipamentos a jato de tinta.

Aplicações: em algodão. Esse material exige que as tintas utilizadas na impressão devem ser originais, de preferência. Isso porque as tintas paralelas não oferecem um resultado de boa qualidade.

Papel Transfer Dark

Característica: o lado da impressão é de papel sulfite resistente a temperatura (impressão a laser). O outro lado é emborrachado termocolante (fundo branco).

Aplicações: em tecidos claros ou escuros de algodão ou poliéster. Esse papel não confere 100% de qualidade da definição, mesmo que sejam usados arquivos em alta resolução. Porém, ele oferece um toque mais discreto.

Camiseta preta com Dark Film com fundo branco

 

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



Durst apresenta nova série de impressoras têxteis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/11/2015
Anúncio foi realizado na feira ITMA 2015

Anúncio foi realizado na feira ITMA 2015

A Durst, fabricante de equipamentos, anunciou o lançamento da série Alpha, composta por impressoras digitais para estamparia têxtil. Fazem parte da linha máquinas com larguras de 1,9m a 3,3m, as quais podem ser configuradas com até 8 cores e 64 cabeças de resolução nativa de 600dpi. Além disso, as máquinas podem trabalhar na velocidade de até 460 metros lineares por hora.

O modelo Alpha 330 é indicado para impressão de tecidos para decoração e sinalização. Já a Alpha 180 TR, que emprega tinta sublimática, é recomendada para estampar tecidos confeccionados com misturas de poliéster.

As impressoras também contam com tecnologia de circulação de tinta, para garantir estabilidade e segurança no fluxo do processo. O sistema de emergência evita contratempos, pois, caso uma cabeça de impressão falhe, automaticamente o modo de emergência é acionado, para que o processo não seja prejudicado. Se necessário, as cabeças podem ser fácil e rapidamente substituídas pelos usuários.

A série Durst Alpha conta ainda com sistema inteligente de alimentação de mídia que permite ao equipamento se adaptar automaticamente a diferentes tipos de tecidos. Um sistema integrado de spray realiza pré-tratamento no material antes da impressão.

O usuário pode optar por empregar a tinta Alpha Ink P, que não exige pré nem pós-tratamento quando usada em algodão e poliéster.

Com as impressoras da série Durst Alpha, é disponibilizado o sistema de gerenciamento de produção Durst Textile Workflow System, que simplifica o processo de gerenciamento e uso de cores.

Martin Winkler, gerente para o segmento de impressão têxtil da Durst, declarou: “A família Alpha combina tecnologia de impressão, sistema de cabeças, tinta e fabricação, bem como tratamento de pré e pós-impressão gerenciável. Além disso, a nova tinta pigmentada oferece uma solução para diferentes padrões de mídia, aumentando a flexibilidade e a eficiência na produção”.

Fonte: Durst



Construções da Times Square lucram com instalações de painéis eletrônicos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 27/12/2012

Painéis digitais

Painéis eletrônicos na Times Square

Painéis instalados na Times Square, em Nova York, estão gerando muitos lucros para os donos das construções localizadas na avenida. O edifício com a famosa bola que desce na noite de Réveillon é um dos mais disputados, lucrando aproximadamente 23 milhões de dólares por ano com as suas instalações de propaganda e sinalização digital.

A Dukin Brands Group investe mais de 3,6 milhões de dólares anualmente nos painéis do Dukin Donuts. Normalmente, eles apresentam imagens de pessoas que enviam suas fotos por meio da página da marca no Facebook. Já a Anheuser-Busch InBev, gasta mais ou menos o mesmo valor para mostrar garrafas da Budweiser, de acordo com um artigo publicado no site wsj.com.

Acredita-se que cerca de 495 milhões de dólares sejam investidos no local, levando em conta todas as propagandas colocadas nos prédios (incluindo as rendas da loja Walgreen). "Estamos muito felizes com isso", declarou Michael Phillips, diretor operacional da Jamestown Properties, empresa que comprou o One Times Square, em 1997, por 117 milhões de dólares.

Todo esse sucesso reflete o crescente valor da publicidade neste local icônico de Nova York. Por lá, passam mais de 100 milhões de pedestres por ano.

Fonte: Digital Signage Today. Texto: InfoSign