Características das películas adesivas de piso para sinalizar distanciamento social

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 30/04/2020
Aderência e resistência são duas qualidades obrigatórias às películas coladas ao chão

Aderência e resistência são duas qualidades obrigatórias às películas coladas ao chão

Os gráficos de piso são cada vez mais usados para orientar, com segurança, o público em vários espaços, sobretudo durante a pandemia de covid-19, em que o distanciamento social é fundamental.

Ao lembrar as pessoas de manter distância, os gráficos de piso desempenham um papel indispensável na manutenção de um fluxo seguro e eficiente. No entanto, não é qualquer mídia que pode ser colada ao chão, e deve-se utilizar um produto criado especificamente para esta aplicação. Isto é, um material testado que tenha resistência ao escorregamento.

Há diferentes normas para o exame de resistência ao escorregamento. Nos EUA, por exemplo, tanto a ANSI A137.1/A326.3 quanto a ASTM E303 são utilizadas. Na Europa, as referências são a EN 13036-4 ou a DIN 51130. Já na Austrália, são a HB198:2014 e a AS/NZS 4586. A comparação entre os padrões é difícil, pois cada um deles difere um pouco no método de teste, porém todos medem a mesma caracterítica: o atrito.

A norma DIN 51130 especifica classificações. Um produto classificado como R9, por exemplo, é adequado apenas para ambientes internos secos, como escritórios. A R10 é adequada para áreas secas, mas com potencial para derramamentos, como corredores de supermercados. Já a R11 é indicada para áreas que podem molhar, como passarelas externas, banheiros e áreas de serviço.

É importante considerar cuidadosamente todas as condições às quais o gráfico de piso estará sujeito. Contaminantes como o óleo, por exemplo, afetam o atrito mais do que a água. Os pisos com gradiente são diferentes dos pisos nivelados. Já o tráfego afetará a vida útil do material.

O fabricante ou fornecedor da mídia poderá informar a classificação do escorregamento e a classificação de incêndio do material (as normas de incêndio também são aplicáveis nesse caso).

Por questão de segurança, a mídia de piso não pode rasgar nem enrolar nas bordas. Portanto, o material deve ter suportar o tráfego intenso sem ser danificado. Também deve ser removido de forma fácil e limpa, sem deixar resíduos que podem causar tropeços.

É importante manter os gráficos de piso limpos, sobretudo se eles contêm informações de segurança e direcionamento. Deve-se tomar cuidado especial para diminuir a exposição do adesivo a água e a produtos de limpeza, pois eles podem degradar a aderência ao piso. Se as bordas do material estiverem vedadas, o risco de descolamento será menor.

A própria imagem impressa deve resistir a produtos de limpeza. Também devem ser resistentes à luz UV, pois ela pode desbotar a tinta.

Fundamentais na educação e orientação, as películas adesivas de piso têm uma função primordial em tempos em que a segurança e a saúde das pessoas estão em risco.

Fonte: Drytac Europe



HP expande portfólio de tecnologias látex na Fespa 2013

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 04/06/2013

A HP vai aumentar o seu portfólio de tecnologias látex com a nova HP Latex 3000, impressora industrial que será oficialmente apresentada na Fespa 2013, em Londres.

Desde o lançamento das primeiras látex, em 2008, a HP vendeu mais de 15 mil impressoras deste tipo em todo o mundo — e, com a nova HP Latex 3000, a empresa pretende triplicar este número até 2016. A ideia é fazer com que as tecnologias solvente sejam substituídas nos próximos anos.

HP expande portfólio de tecnologias látex na Fespa 2013

HP expande portfólio de tecnologias látex na Fespa 2013

A nova HP é compatível com substratos sensíveis ao calor e também gasta menos energia (se comparada a equipamentos de versões anteriores). De acordo com a empresa, a Latex 3000 opera a 77m2/h (para aplicações interiores) e 120m2/h (para aplicações outdoor).

Segundo os representantes da marca, a tinta HP Latex 881 agora oferece maior resistência a riscos. Sustentável, ela conta com os selos UL Ecologo e Greenguard Gold CertifiedSM.

Da marca látex da HP fazem parte as seguintes impressoras:

  • HP Latex 260, que substitui a HP Designjet L26500;
  • HP Latex 280, que substitui a HP Designjet L28500;
  • HP Latex 600, que substitui a HP Scitex LX600;
  • HP Latex 820, que substitui a HP Scitex LX820;
  • HP Latex 850, que substitui a HP Scitex LX850;
  • HP Latex 3000.

Fonte: Graphic Display World



Novidades da Roland DG Brasil para 2015

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 31/01/2015

Creative Center foi remodelado para receber mais visitantes e clientes em 2015

Creative Center foi remodelado para receber mais visitantes e clientes em 2015

A subsidiária brasileira da Roland DG, fabricante de equipamentos para comunicação visual, anunciou que em 2015 passará a atuar nos mercados calçadista e de impressão 3D. Para tanto, lançou recentemente impressoras específicas para essas áreas.

Ambos os mercados apontam perspectivas auspiciosas. O varejo calçadista brasileiro deve crescer até 2019 a uma taxa média anual de 7%, segundo estudo da Euromonitor International. Já a impressão 3D destaca-se pelas inúmeras possibilidades de aplicação da tecnologia.

A Roland DG Brasil também anunciou a renovação do Creative Center, local onde clientes e visitantes podem conhecer ideias, aplicações e tecnologias dedicadas a diversos ramos e atividades.

Balanço: 2014

A fornecedora também revelou breve balanço dos negócios em 2014. Apesar das adversidades do cenário econômico brasileiro, a empresa atingiu suas metas e apresentou um resultado positivo para a matriz japonesa.

Anderson Clayton, gerente de marketing e novos negócios da Roland DG Brasil, declarou: "Para atingir este resultado, muitas ações foram desenvolvidas: bom planejamento, equipe integrada de venda e revenda e uma excelente gestão financeira e administrativa. Tudo isso fez diferença no fechamento anual".

Anderson Clayton: expansão e inovação são elementos fundamentais para a filial brasileira da Roland DG

Anderson Clayton: expansão e inovação são elementos fundamentais para a filial brasileira da Roland DG

Para manter o ritmo de crescimento, a estratégia utilizada em 2014 foi investir em novos mercados, como o médico e o odontológico. Além disso, a empresa atuou com força em segmentos mais tradicionais, como o de impressão UV e têxtil.

Fonte: Roland DG