Aplicação de vinis em superfícies com rebites

Por Eduardo Yamashita em 10/11/2014

Veja dicas de como aplicar vinis adesivos em superfícies com rebites

Veja dicas de como aplicar vinis adesivos em superfícies com rebites

Você está pronto para começar a produzir projetos complexos envolvendo vinis adesivos em superfícies grandes? Em caso afirmativo, será necessário dominar a questão dos rebites.

Rebite de fixação mecânica permanente consiste em um eixo de metal liso com uma "cabeça". Ele é inserido em extremidades de placas e estruturas. Ninguém gosta, mas ele é inescapável em trabalhos com as frotas de caminhões, ônibus e veículos de grande porte.

De fato, é a pedra no sapato de quem realiza projetos maiores. Mas aplicar vinis sobre rebites não será um pesadelo se você tiver os conhecimentos e as habilidades certas. Saiba quais são a seguir.

De volta ao básico

O primeiro passo é ter certeza de que a superfície onde o vinil será aplicado está limpa e seca. A preparação inadequada pode gerar danos irreparáveis.

Embora óbvia, a limpeza da superfície é uma etapa importantíssima a ser levada a cabo, inclusive por instaladores apressados e aplicadores inexperientes. A contaminação dos vinis é uma das principais causas de insuficiência na aplicação.

Um dia antes da aplicação, limpe o veículo. Depois, use um pano úmido com água e álcool para remover a poeira da superfície. Em seguida, verifique todas as emendas, rebites e ondulações, a fim de retirar solvente e umidade remanescentes. Caso eles estejam presentes, é preciso usar um soprador térmico para secar completamente a superfície antes de iniciar o trabalho. Mas tome cuidado para não queimar a pintura ou a borracha.

Evite aplicação úmida

É melhor realizar a aplicação úmida ou seca? Quando se trata de rebite, o debate é longo. No entanto, você deve saber que não pode usar a aplicação úmida na instalação de vinis sobre rebites.

Essa regra também é válida para dias chuvosos. Por quê? Porque a condensação permanece mais tempo sob os rebites e as emendas do que sob superfícies planas. O vinil quando disposto sobre qualquer coisa molhada, prende a umidade sob as imagens, e bolhas surgirão se a água ficar presa embaixo dos rebites.

Para uma aplicação profissional, é preciso utilizar as ferramentas adequadas

Para uma aplicação profissional, é preciso utilizar as ferramentas adequadas

É possível ver caminhões na estrada com rebites levantados – identificados pelo vinil adesivo levantado ao redor do rebite. É muito provável que a imagem nessas regiões estava aprovada depois do instalador ter concluído o trabalho. Porém, muito provavelmente, ele não aplicou calor suficiente para que o material se moldasse às regiões do rebite. Pense em cera de vela. Até certo ponto você pode moldá-la quando ela está fria, mas quando está quente, ela pode tomar a forma do molde.

O que pode acontecer é as bolhas de água (que estavam na superfície molhada) se evaporarem com o calor, aumentarem de tamanho e formarem bolhas grandes.

Ferramentas adequadas

Há ferramentas que tornam mais fácil a instalação profissional. Especialistas recomendam um furador de bolhas para liberação de ar. É necessário um soprador térmico para ajudar a moldar o filme de PVC.

Espátula é uma necessidade absoluta. Alguns instaladores usam dois tipos: uma dura (para o trabalho em geral) e uma mais macia (para áreas detalhadas). Espátula de feltro ajuda a evitar riscos nas imagens impressas no vinil em áreas difíceis.

Instalação

Aplique o vinil sobre os rebites da mesma maneira que é feito em superfícies com curvas. Em seguida, volte e faça alguns furos ao redor do rebite, para que você tenha um lugar para que o ar escape. Em seguida, use calor e uma escova de rebite para aplicar o material em torno da cabeça do rebite.

Você pode até usar uma ferramenta de corte para aliviar o stress do filme. Fique atento: se o vinil não aplicado corretamente, ele levantará com o tempo.

Saber lidar com os rebites é fundamental para quem trabalha com envelopamento de grandes veículos

Saber lidar com os rebites é fundamental para quem trabalha com envelopamento de grandes veículos

Depois que o vinil levanta, o adesivo embaixo seca (cura) e não haverá mais adesão à superfície. O vinil ressecará e romperá nas lavagens de manutenção de limpeza.

Instaladores inexperientes costumam usar o estilete para furar a região dos rebites. Essa é uma prática não é recomendada, pois cria um corte no filme que leva a um ponto de tensão e faz com que o vinil, no seu encolhimento natural, abra muito nessas regiões.

A "picada de agulha" com o furador de bolhas faz um orifício circular, que é muito pequeno para que ele encolha futuramente.

Vinis adesivos adequados

Muitos instaladores não consideram se estão ou não usando ferramentas e vinil adequados. Por exemplo, para colocar um parafuso na parede, você pode escolher entre parafusos Philips e de cabeça em linha reta.

Se você aplicar o material errado e que não foi projetado para o trabalho, ele não produzirá o resultado desejado. Para os rebites, é a mesma coisa: use os vinis adesivos corretos e instale-os com as ferramentas adequadas.

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Mutoh lança solução para gerenciamento de cores

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 26/10/2014

ColorVerify e SpectroVue fazem parte da solução da Mutoh

ColorVerify e SpectroVue fazem parte da solução da Mutoh

A Mutoh, fabricante de equipamentos e softwares para impressão digital, apresentou uma nova solução de gerenciamento de cores composta pelo calibrador ColorVerify e pelo espectrofotômetro SpectroVue VM-10.

O ColorVerify foi desenvolvido para calibrar impressoras de grande formato e usa especificações baseadas na norma ANSI/CGATS TR015. O equipamento também dá suporte a outros alvos grayscale.

Segundo a empresa, o software da solução substitui a linearização no fluxo de trabalho e cria um conjunto de curvas CMYK durante a calibração da impressora. Essas curvas levam em conta as cores da mídia e da tinta para produzir uma grayscale neutra.

Quando o calibrador é usado para a criação de perfis de cores, as curvas de calibração agem como base do perfil, e mesmo que a reprodução de cores varie na produção (por motivos como mudança de tintas e mídias), as curvas registradas pelo ColorVerify rapidamente reativam o visual original no qual o perfil ICC foi baseado. Na maioria das vezes, isso evita que o operador faça um novo perfil, o que economiza tempo e dinheiro.

Fonte: My Print Resource



Ampla promete lançar equipamentos na feira Serigrafia Sign 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 27/03/2014

Fabricante nacional de impressoras digitais levará novidades para o evento

Fabricante nacional de impressoras digitais levará novidades para o evento

A Ampla, fabricante nacional de impressoras digitais, apresentará novidades na feira Serigrafia Sign 2014. A empresa não revelou nomes nem características dos equipamentos. No entanto, adiantou que levará novas máquinas com tecnologias UV e sublimática.

Adriano Coelho, diretor técnico da Ampla, declarou: "Vamos completar dez anos, e para comemorar essa data tão importante, lançaremos equipamentos ainda mais sofisticados e que atendam completamente as necessidades dos nossos clientes".

Além de impressoras digitais, a Ampla oferece linhas de suprimentos, como tintas originais, cabeças de impressão, peças de reposição e acessórios.

Com oito filiais distribuídas estrategicamente pelo Brasil, a empresa também oferece rede de suporte composta por técnicos capacitados pela própria fábrica.

Além disso, o interessado em comprar equipamentos da Ampla pode contar com financiamentos BNDES e Finame PSI, que até o final de 2014 oferece taxa de juros de 4,5% ao ano, com carência máxima de 24 meses e até 120 meses para pagar.

Fonte: Ampla