Onyx Thrive chega como nova opção de software RIP

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 18/12/2012

Nova opção de software RIP, o Onyx Thrive baseia-se no Adobe PDF Print. Tem arquitetura de 32-bit e reconhece arquivos em PDF, PostScript e EPS.

Através de previews dos arquivos, elimina surpresas futuras no processamento, principalmente de erros em função de transparências, mistura de espaços de cores e manipulação de cores especiais.

Além disso, o RIP permite rodar oito APPEs simultaneamente, sem redução de velocidade de produção, independentemente do número de impressoras instaladas. Também é possível fazer uma cópia do Onyx Thrive para que seja instalada em oito APPEs em PCs diferentes, a fim de aumentar a independência e a flexibilidade dos dispositivos.

RIP Onyx

RIP Onyx Thrive: novidade

Ferramentas do RIP Onyx Thrive

  • Bibliotecas de cores: o programa possibilita a manipulação de cores Pantone Plus, RAL e HSK, além do branco e uma série de tons especiais.
  • Ferramentas avançadas de panelização e aproveitamento de substrato: para trabalhos em grandes formatos, para reduzir o desperdício de material.
  • Onyx Graphics Quick Set: define os passos que um trabalho deve seguir. Enquanto os arquivos estão rodando, o operador pode realizar outras tarefas, poupando tempo e trabalho.
  • Perfis ICC: algumas versões do RIP possuem um gerador de perfis de cores.
  • Thrive Production Manager: com interface de browser, permite aos usuários submeter e controlar trabalhos e dispositivos de seus PCs, Macintosh e até mesmo celulares.

Fonte: Onyx. Texto: InfoSign



Tinta ecossolvente da Mutoh recebe o GreenGuard Gold

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 13/11/2019
Tinta ecossolvente da Mutoh recebe o GreenGuard Gold

Tinta ecossolvente da Mutoh recebe o GreenGuard Gold

A fabricante Mutoh anunciou que as tintas ecossolventes MS41 receberam o selo GreenGuard Gold. A certificação foi obtida para a categoria “Papel de Parede”. Isso significa que os insumos podem ser impressos com segurança em mídias para salas de aula, escritórios e ambientes de saúde, como hospitais e clínicas.

A certificação atesta que as tintas MS41 atendem ao padrão UL 2818-2013, para emissões químicas de materiais de construção, acabamentos e móveis. Portanto, as impressões feitas com os insumos são adequadas para aplicações internas.

A GreenGuard Gold é uma certificação voluntária emitida pela UL. Para obter o selo, o produto analisado deve atender a critério rígidos de segurança e saúde de indivíduos sensíveis, como crianças e idosos. O selo ajuda a identificar materiais saudáveis e sustentáveis.

Especificamente desenvolvidas para as novas impressoras XpertJet Sign & Display da Mutoh, as tintas MS41 estão disponíveis em sete cores (CMYK, Lc, Lm e Lk) e são vendidas em embalagens reutilizáveis.

Adequada para aplicações externas e internas de longo prazo, a MS41 é resistente a intempéries, abrasão e produtos químicos. Ela pode durar até três anos sem laminação.

Fonte: Mutoh



Kyocera lança cabeça de impressão robusta para equipamentos de estamparia têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/01/2016
KJ4B-0300-G06DS oferece resistência contra ambientes adversos associados à impressão materiais para vestuário

KJ4B-0300-G06DS oferece resistência contra ambientes adversos associados à impressão materiais para vestuário

A Kyocera, fabricante japonesa de eletrônicos, anunciou o lançamento da KJ4B-0300-G06DS, cabeça de impressão desenvolvida para equipamentos de estamparia digital têxtil. Com resolução de 300dpi, frequência máxima de 30kHz e compatibilidade com tintas à base d’água, o dispositivo tem largura efetiva de impressão de 112mm e dimensões de 200mm x 45mm x 66,8mm.

De acordo com a empresa, a KJ4B-0300-G06DS dispõe de placa de nozzle de metal altamente rígida, guardas laterais para resistir a choques e estrutura reforçada para evitar refugos de tinta. Além disso, a cabeça pode trabalhar em temperaturas que podem variar de 20ºC a 80ºC.

Ainda segundo a Kyocera, a indústria têxtil global criou uma demanda sem precedentes por tecnologia inkjet, que oferece diversas vantagens em relação a processos analógicos, como agilidade de produção, eliminação de matrizes de impressão e redução de impactos ambientais. No entanto, os fabricantes de cabeças estão sendo pressionados a desenvolver dispositivos cada vez mais adaptados às condições peculiares da estamparia têxtil, para suportar problemas como dispersão de névoa de tinta e resistir à severidade da produção têxtil.

Fonte: Kyocera