Dicas para aplicar o envelopamento líquido (Power Revest, da Imprimax)

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 14/01/2013

Desde o lançamento do Power Revest, produto desenvolvido pela Imprimax, muitos carros já receberam o envelopamento líquido. Na mesma proporção, muitos profissionais tiveram de aprender a utilizar a novidade, para aplicá-la corretamente, evitando desperdícios e otimizando o resultado do envelopamento.

Além de agitar bem a lata antes de utilizá-la e limpar a válvula (virando-a de cabeça para baixo e pressionando até cessar o jato), o aplicador deve atentar-se aos seguintes itens (recomendados pela própria fabricante, a Imprimax):

Dicas para aproveitar melhor o Power Revest

  •  A influência do processo de aplicação: com pincel, trincha ou rolo, ocorre uma perda de 5% a 15% do Power Revest. Já nas aplicações com pistolas convencionais, a perda é maior: em torno de 30%.
  •  Em pinturas feitas em ambientes externos: principalmente quando está muito quente ou ventando muito, pode-se perder o dobro das quantidades mencionadas no item anterior. E o caso da aplicação com pistola é o mais crítico.
  • A forma de aplicação: também influi no rendimento. Se o pintor não tiver treinamento, habilidade e experiência, ele pode desperdiçar tempo e material. Por exemplo: na distribuição do produto sobre a superfície do carro. Se ele for aplicado em excesso, para atingir uma determinada espessura, a camada vai ficar sem uniformidade, prejudicando o resultado da aplicação.
 
Dicas para melhorar a aplicação do envelopamento líquido

Dicas para melhorar a aplicação do envelopamento líquido

 Dicas para aplicação e rendimento

 
  • Recomenda-se a diluição (com Redutor Power Revest) de, no mínimo, 10% do volume (podendo variar).
  • Durante a pulverização, se aparecerem névoas, partículas ou teias, pare a aplicação. Esses problemas tem como causa a diluição. Portanto, a recomendação é fazer a adição de 10% de redutor. Em seguida, faça o teste. Se ainda ocorrer a formação de teias, misture mais redutor (de 10% em 10%) até que a formação de teias pare. Saiba que o redutor diminui a viscosidade e retarda a secagem da produto.
  • As aplicações "ásperas" ocorrem quando o produto está caindo "seco" sobre a superfície. Para evitar que isso aconteça, regule bem a pistola, após acertar a diluição do Power Revest. Experiências com regulagens auxiliam muito na aplicação.
  • Variação climática (isto é, dias muito quentes ou frios) influencia na secagem do produto. A dica, para esses casos, é aumentar a diluição do Power Revest. Depois, será necessária a aplicação de uma ou mais demãos além do normalmente recomendado.
  • Não é necessário cobrir as partes onde o material não será aplicado. Porém, se cobri-las, você terá maior economia e menos tempo de limpeza.

Tabela para quantidade de Power Revest a ser utilizado:

 
  Exemplosde modelos Quantidade total de Power Revest Quantidade de Redutor necessária
Motos Burgman, CG, Fazer, Twister, Ninja, R1, Hornet choppers e carenadas em geral. De 1/4 a 2/4 (de 900 a 1.800ml) 1 Litro
Carros pequenos Hatchs em geral, Gol, Uno, fiesta, Mini Cooper, Corsa, Golf, Punto, 206, Clio etc. De 7/4 a 8/4 (6.300 a 7.200ml) 3 Litros
Carros médios Sedans em geral, Honda, Corolla, Elantra, Vectra, Sandero, Voyage etc. De 8/4 a 9/4 (de 7.200 a 8.100ml) 3 Litros
Carros grandes Modelos SW em geral, Omega, Azzera, Sonata, Malibu, BMW 325, Mercedes 180, Fusion, Passat etc. De 10/4 a 11/4 (de 9.000 a 9.900ml) 4 Litros
SUVs SUVs em geral Grand Blazer, Captiva, Edge, Freemont, Land Rover, Santa Fé, IX35, Ecosport, Silverado etc. De 12/4 a 13/4 (de 10.800 a 11.700ml) 4 Litros
Rodas De aro 15 a 22 De 1/4 a 2/4 (de 900 a 1.800ml) 1 Litro

Observações:

  •  1/4 de Power Revest cobre até 0,80m², na espessura recomendada: entre 0,08 e 0,12micra (de 8 a 12 demãos);
  •  A tabela acima leva em conta os diversos equipamentos de pintura. A variação (da quantidade total do produto) ocorre em função do dispositivo e da forma de aplicação;
  •  1/4 de Power Revest equivale a 900ml.

Fonte: Imprimax. Edição do texto: InfoSign



Características e funções do liner (usado em vinil adesivo)

Por Eduardo Yamashita em 10/01/2013

O liner é parte essencial dos vinis adesivos usados em diversas atividades do mercado de sinalização e comunicação visual, entre elas, o envelopamento de carro e a adesivação de paredes e móveis. Ele é constituído por um material base, que pode ser revestido (para o controle da aderência do adesivo) em um ou ambos os lados.

A função do liner é controlar a estrutura superficial do adesivo, protegê-lo de sujeira e contaminação, além de influenciar no comportamento do filme durante a sua aplicação.

Tipos de liner

Sintéticos: podem ser feitos de poliéster ou poliolefinas (e em diferentes espessuras). Os liners sintéticos são mais “suaves”, fáceis de deslizar, impermeáveis ​​à umidade e têm melhor planicidade. Esta é uma das razões pelas quais eles funcionam melhor em plotters de recorte. Porém, deve-se tomar cuidado com o acúmulo de estática, que dificulta o manuseio do liner.

De papel: podem apresentar diferentes gramaturas e ter vários tipos de revestimentos. Os mais comuns são compostos de plásticos e/ou soluções químicas. Conheça alguns:

- Comum: relativamente pesado e sem revestimento, usado para etiquetas.

- Revestido: de baixo deslizamento, usado em películas autoadesivas para impressão a jato de tinta ou eletrostática. O revestimento impede que a umidade e o calor afetem o liner e ajuda a mídia a ser alimentada na impressora ou laminadora.

- Revestido de polietileno em ambos os lados: muito comum, tem superfície plana. Pode ter uma microestrutura que dá à superfície do adesivo um ou mais formatos microscópicos. As formas superficiais influenciam o desempenho do adesivo, independentemente da sua construção química.

- Revestido de polietileno com uma película de plástico na parte de trás: a película de plástico impede tintas e toners de atravessarem o liner. Este tipo de liner é encontrado em películas autoadesivas perfuradas.

liner vinil adesivo

O liner controla e protege o adesivo

Desempenho do liner

A tabela abaixo classifica os revestimentos em relação ao desempenho. Forros similares são agrupados dentro de um mesmo bloco:

Classificação Custo inicial Estabilidade dimensional Recorte eletrônico Impressão digital Transparência Resistência à água

Melhor

 

 

 

 

Pior

Papel comum Plástico Plástico espesso Papel comum Plástico Plástico
Papel com filme plástico  -  Papel revestido  -   -   - 
Papel revestido Papel revestido Papel comum  -   -  Papel revestido
Plástico Papel comum  -   -   -   
 -   -  Plástico fino Papel revestido; Plástico Papel revestido; Papel com filme plástico; Papel comum Papel comum

 

Custo versus valor

O custo de uma película com liner plástico pode ser maior. No entanto, é mais fácil de recortá-la e remover o excesso de filme após o corte, o que aumenta a produtividade e compensa a diferença de custo.

Estabilidade dimensional

A boa estabilidade dimensional mantém o tamanho e a forma tanto do liner quanto da película. Portanto, durante o processamento, eles ficam planos e em registro.

Quando o papel absorve a umidade, ele aumenta de tamanho. E quando perde, ele diminui. Esta mudança ocorre quando as condições ambientais oscilam. Então, recomenda-se mantê-las sempre controladas.

As mudanças ambientais também podem causar outros problemas no liner, como levantamento das pontas (bordas), ondulações, enrolamentos, defeitos de impressão e problemas de registro durante a impressão ou recorte.

Tenha em mente que o papel absorve ou emite umidade, que afeta as bordas e as camadas exteriores de rolos e as “primeiras” folhas empilhadas. O revestimento no papel retarda esse processo, mas as bordas ficam sempre vulneáveis.

O transporte e o armazenamento dos rolos e imagens embrulhados em plástico também retardam a taxa de variação da umidade.

Plotter de recorte

Siga algumas considerações na hora de escolher a película (e o liner) para o recorte:

  • O plástico não absorve umidade e permanece mais plano na área de corte do equipamento;
  • O papel revestido pode ser recortado desde que as condições ambientais estejam controladas;
  • A profundidade do corte deve ser controlada no liner de papel revestido. Se ela for grande, o liner pode se separar de modo indesejado.

Impressão do liner

O liner de papel pode ser impresso (com flexografia) na parte traseira. A maioria das tintas não adere tanto ao papel revestido como no plástico. A impressão do liner é feita para adicionar o número lote de produção ou para customizar o nome da empresa ou projeto.

Marcas superficiais

Quando a película de vinil “prensa” contra a parte de trás do liner, podem surgir marcas superficiais. A quantidade e a intensidade das marcas são provenientes de fontes diversas. Liners de papel causam a maior distorção por terem mais textura. Já os liners sintéticos são de textura suave, o que causa menos distorção. Um liner mal desenhado pode marcar toda textura na parte face do filme.

Quando o vinil esquenta, ele amolece, tornando-se mais suscetível a marcas superficiais.

Como o filme é enrolado sobre um suporte (tubete), às vezes, as camadas mais externas ficarão livres de marcas, que podem aparecer quando se chega mais perto do suporte. Isso porque a película autoadesiva é enrolada com mais força.

A “cura” das marcas superficiais ocorre quando se aquece o vinil de modo que ele amoleça e faça as marcas desaparecem.

***

Texto editado e publicado pelo InfoSign no dia 10 de janeiro de 2013.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis, envelopamentos de carro e comunicação visual.

 



Inca lança dispositivo que aumenta velocidade de impressora digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 25/01/2013

"Accelerator" pode aumentar a velocidade em 20%

Após o lançamento dos modelos OnSet S20i e S40i, a Inca Digital anuncia a disponibilidade do ‘Accelerator’, que aumenta significativamente a produtividade dessas impressoras.

Desenvolvido e testado em parceria com a Fujifilm, o ‘Accelerator’ é um acessório opcional, que, uma vez implantado, aumenta a velocidade de produção da máquina, sem diminuir a qualidade de impressão.

Segundo a empresa, com o dispositivo, a Onset S40i pula de 470m2/h para 560m²/h; um aumento de 20%. Isso equivale a um adicional de 720 metros quadrados, que pode ser impresso no mesmo turno de oito horas, o equivalente a adicionar uma impressora de média velocidade à empresa.

O Accelerator foi testado pela Superior Creative Services, no Reino Unido, numa Inca S40i. "Temos alcançado 110 folhas por hora desde que começamos a testar o dispositivo. Tem sido uma ferramenta muito valiosa para nós em horários de pico. É como ter um ‘turbo’", diz Stewart Powell, diretor de produção da empresa.

O  diretor de marketing da Inca Digital, Heather Kendle, disse sobre o porquê do novo dispositivo: "Como parte de desenvolvimento contínuo de produtos, nossa equipe identificou uma forma de aumentar a impressão em todos os modelos da linha Onset".

Fonte: Inca. Texto: InfoSign