Depreciação de impressoras de grandes formatos

Por José Pires de Araújo Jr. em 21/06/2018
Saiba como prever a depreciação de uma impressora digital

Saiba como prever a depreciação de uma impressora digital

A depreciação de equipamentos é um assunto recorrente nas conversas entre empresários do setor. Trata-se de uma despesa, não reembolsável, que tem como fato gerador a utilização de um equipamento ou sua obsolescência. No entanto, a empresa não precisa usar dinheiro do caixa para pagar tal despesa. Porém, é necessário realizar a devida contabilização para a recuperação do investimento.

O Brasil, segundo a lei 11638/2007, segue a tabela de depreciação abaixo:

Item Taxa de depreciação anual Anos
Edifício 4% 25
Máquinas e equipamentos 10% 10
Instalações 10% 10
Móveis e utensílios 10% 10
Veículos 20% 05
Computadores e periféricos 20% 05

 

Conforme a tabela, os computadores e seus periféricos depreciam-se em até 5 anos, com taxa de 20% ao ano. A lei referida (11638/2007) deve guiar a contabilidade. Não foi levada em consideração a “Lei de Moore”, que deve ser considerada nas ações gerenciais com foco na obsolescência de processadores (o “coração” dos computadores e seus periféricos). Em 1965, Gordon Moore publicou na revista Eletronic Magazine um artigo sobre o ciclo de vida dos processadores. Ele afirmou que a cada período de 18 meses, a capacidade dos processadores aumenta exponencialmente. Com base nisso, pode-se utilizar a “Lei de Moore” para a formação de custos no RKW, mas saiba que quanto menor o tempo de depreciação, maior é o valor a ser destacado.

As impressoras de grandes formatos, em última análise, são equipamentos eletrônicos com memória e utilizam programas para decodificação de dados, para estampar lonas, vinis, tecidos, entre outros substratos. São máquinas de alta tecnologia que necessitam de processadores cada vez mais potentes para suportar uma eletrônica que evolui a todo momento.

Essas impressoras provam que a “Lei de Moore” é uma realidade. O aumento da velocidade dos processadores e a evolução dos softwares estão permitindo que a impressão de grandes formatos atinja mercados diversos, como os de arte e arquitetura. Além disso, a tecnologia também tem possibilitado a impressão em substratos rígidos, como madeira e cerâmica, que podem ser utilizados em decoração.

Por causa dessa constante evolução, a depreciação gerencial de uma impressora de grande formato pode não ser 5 anos. Para conhecer a exata depreciação, recomenda-se levar em consideração a obsolescência causada pelos desenvolvimentos do segmento, embora a aceleração tecnológica segundo a “Lei de Moore” venha caindo. De acordo com especialistas do Vale do Silício, as tecnologias digitais são atualizadas anualmente.

Autor: José Pires de Araújo Jr.

 



swissQprint desenvolve ferramenta que evita desperdício na impressão

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/02/2017
Recurso permite a retomada perfeita da impressão após falha

Recurso permite a retomada perfeita da impressão após falha

A SwissQprint, fabricante de impressoras digitais, adicionou um novo recurso de software que ajuda a evitar retrabalhos. O aplicativo, imediatamente após uma falha de impressão, retoma as operações exatamente no ponto da última passada, e sem deixar rastros.

É praxe nas máquinas UV da swissQprint que o carro de impressão pare imediatamente caso entre em contato com uma pessoa ou objeto. O sistema também para se houver o perigo de a cabeça de impressão entrar em contato com o substrato, um choque que ocorre quando há ondulações ou bordas elevadas na mídia. Portanto, os operadores e as cabeças ficam mais seguros.

Com a nova ferramenta, depois de uma falha ou acidente, o operador pode retomar a impressão exatamente do mesmo ponto onde a cabeça estacionou, que pode ser, por exemplo, no meio de uma passada.

Segundo a empresa, trata-se de uma ferramenta útil para empresas que produzem com prazos muito apertados ou quando se trabalha com mídias caras e em quantidade limitada, pois a interrupção da impressão não resultará em perda de tempo e material.

A nova ferramenta está disponível para os atuais clientes da swissQprint como um upgrade, além de ter sido integrado a sistemas OEM da companhia.

Fonte: swissQprint



Mimaki apresenta nova impressora UV LED plana

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/04/2019
JFX200-2513 EX vem com nova função de impressão 2.5D

JFX200-2513 EX vem com nova função de impressão 2.5D

A filial norte-americana da Mimaki lançou no mercado internacional a JFX200-2513 EX, impressora plana UV LED que trabalha com mídias de até 2,5m x 1,3m e espessura de 5cm.

Capaz de rodar na velocidade máxima até 12 placas por hora, a máquina emprega três cabeças escalonadas, que permitem impressão simultânea e o uso de tinta branca e verniz. Além disso, oferece motores mecânicos mais rápidos e um pedal de vácuo para carregar ou descarregar substratos com mais rapidez.

Segundo a empresa, os engenheiros da Mimaki desenvolveram uma função de impressão 2.5D para a JFX200-2513 EX. Compatível com o software RasterLink6 Plus, a função possibilita a criação de gráficos com textura de até 0,5mm de altura. Combinada com o Mimaki Clear Control, a função também tira o máximo proveito das tintas transparentes da série LUS, pois remove bolhas e cria bordas mais nítidas.

A O JFX200-2513 EX utiliza tintas originais com selo GreenGuard Gold, vendidas em quatro e seis paletas de cores, além do branco e do verniz.

A Mimaki também destaca que a JFX200-2513 EX vem com as tenologias MAPS (Mimaki Advanced Pass System), Waveform, NCU (Nozzle Check Unit) e NRS (Nozzle Recovery System).

Fonte: Mimaki USA