Envelopamento de carro: dicas para uma aplicação profissional

Por Eduardo Yamashita em 28/11/2015

É fato: o grande público está apaixonado pelo envelopamento de carros. Personalizar, proteger e diferenciar o próprio veículo, para deixá-lo com aparência fosca, brilhante, supercolorida ou mutante: a febre veio mesmo para ficar. E, além disso, não podemos esquecer a adesivação de veículos corporativos, que sempre foi um belo filão do mercado de comunicação visual — e também está em franca expansão.

Envelopamento de carro: adesivação de retrovisor (passo a passo)
Envelopamento de carro: adesivação de porta (passo a passo)
 

A evidência e o crescimento fazem com que mais profissionais entrem e passem a competir no segmento, o qual podemos dividir em três núcleos de empresas:

- Fornecedoras de materiais: fabricantes e distribuidores de vinis e películas adesivas e acessórios para a aplicação, como sopradores térmicos e espátulas;

- Adesivadoras: empresas ou profissionais que fazem a instalação das películas sobre a superfície dos veículos;

- Clientes: consumidores e empresas que solicitam e compram o envelopamento de carro.

Se você faz parte de algum desses grupos, confira as dicas abaixo. Elas tratam tanto da escolha quanto da aplicação correta no envelopamento de carro.

Saiba quando escolher entre o vinil cast e o calandrado

Tipo de vinil

Para saber de antemão qual será o comportamento da película adesiva (vinil) na superfície a ser adesivada, você tem que conhecer as seguintes variáveis:

Filme de PVC:

- Calandrado (mais espesso): use em superfícies planas e curvas simples;

- Cast (mais fino): use em todos os tipos de superfícies (planas, curvas simples, compostas, baixos relevos).

Adesivo:

- Sensível à pressão (adere muito fácil à superfície): use para superfícies planas e curvas simples. Recomendado o método de aplicação úmida;

- Ativado por pressão (a adesão inicial é menor): use para todas as superfícies. Método recomendado: aplicação a seco.

Tipo de imagem

Há uma série de películas coloridas (com ou sem textura) disponíveis no mercado. Também existem as películas brancas sobre as quais pode-se imprimir imagens por meio de impressoras digitais. Nesse caso, atente-se ao solvente da tinta: ele deve estar totalmente seco (evaporado). Saiba também que ele pode agredir o filme de PVC e, em alguns casos, o adesivo.

Tipo de superfície

O envelopamento de carro contempla superfícies bem irregulares e curvas complexas (que exigem habilidade do adesivador). E antes de aplicar a película, não deixe de checar a ancoragem (adesão) da pintura (verniz e tinta) em toda a extensão da lataria. Se ela não estiver adequada, nem pense em começar a aplicação. No caso de metais sem pintura, verifique se não há oxidação, que também atrapalha o envelopamento.

Envelopar carro exige habilidade do adesivador: ele encontrará muitas superfícies complexas

Limpeza da superfície

Para a adesão adequada da película, a superfície deve estar limpa, ou seja, isenta de elementos que diminuam a ancoragem do adesivo. Veja exemplos de contaminantes: graxa, gordura, óleo, silicone, poeira, fiapos de pano, entre outros. Para a limpeza, use:

- Água e detergente neutro: remove poeira e fiapos;

- Solventes: retira graxa, gordura, silicone, óleo, piche. Exemplos: álcool comercial (para plásticos, em geral), álcool isopropílico (para vidros) e desengraxante comercial (para superfícies pintadas e metais);

- Removedores de adesivos: remove colas deixadas por outras películas autoadesivas.

Dica importante: tente começar a aplicação logo em seguida da limpeza. Não espere. Nesse meio tempo, a superfície pode ser novamente contaminada por sujeira.

Antes da aplicação, é fundamental limpar a superfície do veículo

 

Aplicação da película

Em superfícies complexas (como as encontradas no envelopamento de carros), a aplicação deve ser a seco. No método úmido, vestígios de água permanecerão entre o adesivo e a superfície — o que formará bolhas. Nessa hora, o uso de ferramentas adequadas ajuda muito na instalação:

- Fita crepe: para posicionar a imagem. Dispositivos com imãs também podem ser usados nesta etapa;

- Espátula: para aplicação do vinil. Muitas vezes, é necessária uma proteção na espátula para não riscar a imagem;

- Estilete e lâmina: para refilar a imagem. O corte da lâmina deve estar afiado, para evitar riscos na superfície do veículo;

- Furador de bolhas: para remover as bolhas deixadas na aplicação. O estilete não é a ferramenta adequada nessa operação. Deve-se usar agulhas, porque elas perfuram o vinil, e não causam cortes;

- Soprador térmico: para “moldar” o vinil adesivo nas curvas complexas.

Para uma aplicação profissional, use instrumentos, como o furador de bolhas, na hora da instalação

Checklist

Para cada envelopamento de carro, antes e depois da aplicação, recomenda-se fazer um checklist. Ele registra as evidências de cada trabalho, para futuros problemas ou para o fornecimento de uma garantia ao cliente. Esse documento deve conter todas as condições iniciais do veículo, bem como os materiais utilizados — e até fotos do trabalho finalizado.

Texto originalmente publicado com exclusividade no InfoSign, no dia 28 de novembro de 2012.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis, envelopamentos de carro e comunicação visual.



Azonprinter lança impressora Azon Matrix

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 26/12/2016
Equipamento é capaz de trabalhar com mídias de até 200mm de espessura

Equipamento é capaz de trabalhar com mídias de até 200mm de espessura

A fabricante Azonprinter anunciou no mercado internacional a Azon Matrix, impressora plana UV LED com mesas opcionais nos formatos de 700mm x 1.900mm, 700mm x 25.000mm e 1.200mm x 3.300mm. Capaz de trabalhar com mídias de até 100kg e 200mm de espessura, o equipamento estampa diretamente materiais como PET, ABS, TPU, policarbonato, madeira, pedra, vidro, lona, cerâmica, alumínio e couro.

De acordo com a empresa, a impressora é indicada para empresas de couro, eventos, decoração interna, sinalização e móveis, para a produção de peças como painéis diversos, sinalizações ambientais, displays para bares e restaurantes, entre outras aplicações indoor e outdoor.

Com software Azon RIP e tintas Azon TurboJet, a impressora também possui ferramenta de segurança que detecta automaticamente a espessura de mídia, para evitar que as cabeças sejam danificadas durante a produção. Além disso, um sistema de vácuo mantém as mídias planas e permite a impressão em materiais macios e finos com precisão.

Para manter a produção por longos períodos, a Azonprinter incorpora seis tanques de tinta com 500ml, projetados com sensores de monitoramento. A tinta branca, inclusive, pode ser utilizada como base para a impressão das cores CMYK de alta densidade, para proporcionar texturas diferenciadas às mídias.

A fabricante também disponibiliza um sistema opcional rolo a rolo, o adaptador Azon Rotax, para a impressão de mídias em bobinas.

Fonte: Azonprinter



Drytac lança segunda geração de laminadoras

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/05/2015

JM63 Pro XD faz parte da linha JetMounter, segunda geração de máquinas para laminação vendidas pela Drytac

JM63 Pro XD faz parte da linha JetMounter, segunda geração de máquinas para laminação vendidas pela Drytac

A Drytac, fabricante de equipamentos e materiais para acabamento e comunicação visual, anunciou no mercado internacional o lançamento da JM63 Pro XD, laminadora que faz parte da série JetMounter.

Com largura de 1.600mm, o modelo faz parte da segunda geração de máquinas para laminação fabricadas pela Drytac.

Segundo a empresa, a máquina pode ser usada com laminados térmicos, filmes sensíveis a pressão e adesivos. Ela reúne diversos recursos, como rolo superior com temperatura ajustável (120ºC), grandes rolos de silicone antiaderente, controle de velocidade ajustável, abertura máxima de 50,8mm e take-up com o controle de tensão.

Nate Goodman, gerente de produto da Drytac, declarou: "A Pro XD foi desenvolvida para durar. Uma das grandes vantagens da máquina é a sua capacidade de repetir trabalhos constantemente, além de funções que oferecem grande controle ao operador".

Fonte: Drytac