Mimaki Expo em Porto Alegre

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/11/2014

No evento, participantes puderam ver de perto tecnologias de ponta da fabricante japonesa

No evento, participantes puderam ver de perto tecnologias de ponta da fabricante japonesa

A filial brasileira da Mimaki, fabricante de impressoras digitais, promoveu mais uma edição do Mimaki Expo entre os dias 12 e 13 de novembro. O evento foi realizado no showroom da Plotertec, distribuidora autorizada que atua com toda linha de equipamentos Mimaki em Porto Alegre (RS).

A exposição contou com mais de 60 clientes e empresários da região e especialistas técnicos e comerciais das empresas fornecedoras. Além de ver os equipamentos em funcionamento, os participantes também puderam assistir a uma palestra sobre a recém-lançada impressora flatbed JFX200-2513.

No coquetel do evento, foi possível colher várias informações técnicas e comerciais e produzir amostras de impressão em tempo real.

Os equipamentos apresentados foram: CJV30-160BS, SWJ-320, JV400-LX, UJF3042-HG, CGSRIII e JV33-160. A Mimaki e a Plotertec destacaram também as impressoras JFX200-2513 e JV300-160.

Mimaki Expo permite que participantes vejam de perto as impressoras digitais

Mimaki Expo permite que participantes vejam de perto as impressoras digitais

Amostras de impresso são expostas durante evento

Amostras de impresso são expostas durante evento

Nova impressora flatbed UV foi apresentada no evento

Nova impressora flatbed UV foi apresentada no evento

Fonte: Mimaki Brasil



Entrevista: os campeões do Decor Wrapping 2019

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/07/2019
Bismarkis e André: planejar com antecedência foi o trunfo da dupla vencedora do Decor Wrap 2019

Bismarkis e André: planejar com antecedência foi o trunfo da dupla vencedora do Decor Wrap 2019

Um é do litoral paulista. O outro trabalha e mora em Botucatu, interior de São Paulo. Mesmo separados por centenas de quilômetros, Bismarkis Santos (da Magnata Comunicação Visual) e André William Alves Evangelista (da André Adesivos Carwrap) uniram habilidades, conhecimentos e muita estratégia para ter um desempenho excelente na edição 2019 do Decor Wrapping, campeonato de adesivação decorativa promovido pela Imprimax. A dupla foi a vencedora da competição, realizada entre os dias 10 e 13 de julho, no estande da marca, na feira FuturePrint (sucessora da Serigrafia Sign).

Quis o destino que a dupla se conhecesse em 2017 durante um curso de envelopamento promovido pela LuukFilm, na cidade de São Paulo. A empatia instantânea fez com que André e Bismarkis ficassem amigos e mantivessem contato contínuo, mesmo distantes. Os dois passaram a frequentar juntos as feiras do setor e viram no Decor Wrapping uma ótima oportunidade para mostrar todo o potencial de suas técnicas de adesivação. Então, inscreveram-se na 1ª edição da competição, em 2018, e conseguiram ficar em 3º lugar. Um pouco frustrados por não terem vencido o campeonato, os adesivadores determinaram que em 2019 voltariam para triunfar. Treinaram, observaram e, sobretudo, criaram estratégias exclusivas de instalação. Resultado? Sangraram-se campeões, com louvor, na 2ª edição da disputa.

André começou bem cedo, aos 12 anos, ajudando na empresa do pai, a HB Arte Visual, de Botucatu. Na época, também criava desenhos e adesivos no CorelDraw. Atualmente, trabalha com aplicação de insufilm em arquiteturas e de vinis automotivos e decorativos.

Bismarkis, apelidado de “Homem-Aranha” por fazer adesivagem em altura, começou a envelopar carros em 2011, quando trabalhava em uma siderúrgica. Aprendeu a técnica sozinho e, ao adesivar na rua o seu próprio carro, uma pessoa se interessou pelo serviço e pediu um orçamento. Foi um sinal. Bismarkis, então, deixou o trabalho na fábrica e passou a se dedicar ao envelopamento. Atualmente, além de personalizar carros, ele trabalha com adesivação decorativa e arquitetônica (onde se “pendura” para colar películas em fachadas de prédios).

Exultante pela conquista de 2019, a dupla conversou com o InfoSign:

Vocês ficaram em 3º lugar em 2018. Como foi a participação de vocês em 2019?

André: Este ano a competição foi mais elaborada, com um espaço mais amplo e dificuldades maiores na hora do envelopamento, além dos competidores serem feras na espátula.

Bismarkis: Procuramos corrigir nossos erros do ano passado. Dividimos nossas funções no jogo, que estava mais difícil. Isso é ótimo, porque vai para final quem realmente sabe jogar. Além disso, algumas regras mudaram. Em 2018, era mata-mata. Esse ano, contava a soma da pontuação. Fomos para final, e o segundo lugar já estava garantido. Mas brigamos pelo primeiro. Nos deram três horas para concluir o cenário que simulava uma cozinha. Tivemos que escolher as cores que iríamos usar em cada móvel. Alguns obstáculos nos fizeram perder tempo. Começamos pelas partes mais difíceis, mas recuperamos na última hora. Concluímos antes do tempo e aproveitamos a sobra para revisar todos os itens.

Antes de começar as disputas, vocês criaram uma estratégia para de otimização de trabalho?

Bismarkis: Sim, montamos uma espécie de diagrama, que foi a chave do jogo. Cada um sabia o que faria. Estávamos bem confiantes, fomos uns dos últimos a competir e isso nos ajudou a ter tempo para estudar o jogo dos demais participantes,

André: Conversamos bastante sobre as cores dos vinis que utilizamos, para um não atrapalhar o outro, além de manter sempre o ambiente de trabalho organizado.

Na primeira etapa, o trabalho da dupla foi terminado antes do tempo estipulado

A competição teve duas etapas. Como foi a etapa inicial?

Bismarkis: Na primeira fase, quem concluísse antes ganhava 500 pontos. Concluímos antes. Nossa técnica de adesivação do vinil “tijolinho” foi fundamental. Não vi ninguém fazer igual. No caso, você corta a primeira peça já na medida. Sem cortar a segunda peça, você procura a posição correta. Para que meus adversários não vissem a minha técnica, usei o próprio adesivo de tijolinho para marcar, cortamos na medida aproximada, instalamos a primeira peça, e a segunda já estava marcada na posição da primeira.

André: Com o tempo que sobrou, fomos corrigindo imperfeições para melhorar a qualidade do trabalho.

Em quanto tempo vocês adesivaram essa primeira etapa?

Bismarkis: Em 1h45. Na verdade, acabamos antes. Porém revisamos tudo. Nossa pontuação ficou bem à frente de todos. A pontuação máxima era 5.000 pontos, e fizemos 4.980 pontos.

E como foi a etapa final?

Bismarkis: Tínhamos que montar o projeto, e a arquiteta avaliava, e não sabíamos se o nosso projeto seria aceito por ela. Tivemos que usar a criatividade, e acredito que fizemos uma boa combinação. Isso pesou na pontuação total. Estávamos confiantes, mesmo sabendo que nosso adversário era um bom profissional. Observamos os trabalhos que tinham maior chance de ir para a final e observamos seus pontos fracos.

André: Utilizei a prateleira como base para o alinhamento das pastilhas, que deveriam ser coladas na parede. Assim, colei com mais facilidade.

Na segunda etapa, o planejamento do projeto de adesivação foi um diferencial 

Vocês já fizeram algum trabalho juntos além do campeonato?

Bismarkis: Nunca trabalhamos juntos, só no campeonato. Sempre conversamos por telefone quando temos dúvidas, mandamos vídeos um para o outro.

O que motivou vocês a participar do campeonato?

André: Participei do Decor Wrapping para mostrar o conhecimento e as técnicas que aprendemos no dia a dia.

Bismarkis: O que me motiva é estar entre os melhores. A premiação também é um grande motivador. Com os prêmios que ganhamos, dá para fazer um bom dinheiro. Tudo isso nos ajuda a crescer cada vez mais. A confiança aumenta. É muito gratificante chegar na sua cidade e receber parabéns das pessoas que conhecem seu trabalho. Chegar na revenda e ser bem visto e indicado. Hoje mesmo recebi três indicações de uma revenda.

Qual a importância do campeonato para o mercado?

Bismarkis: É muito importante que os fabricantes realizem eventos desse tipo. Eles ajudam a desenvolver o mercado. Mais clientes passam a acreditar que a adesivação é uma forma de renovar a decoração de suas casas. Muitos ainda não sabem disso, acham que é "contact" ou acham que o vinil danifica as superfícies. E é muito bom para nosso mercado quando o fabricante investe em publicidade.

A adesivação decorativa tem crescido. O que falta para ela se desenvolver mais?

Bismarkis: Precisa olhar os adesivadores com outros olhos. Somos nós que movimentamos o mercado, nós que vendemos.

André: Ter mais profissionais capacitamos para fazer um bom trabalho de qualidade e sempre inovar nas tendências de cores e texturas.

Ganhar esse título ajuda vocês de que maneira?

Bismarkis: A conquista desse título nos faz ter a certeza que estamos no caminho certo. Estamos muito felizes. A premiação nos nossos negócios. Novas portas serão abertas. Dá mais confiança para os nossos clientes. Saber que estou entre os melhores adesivadores do país é um grande retorno, me deixa feliz por saber que estou no caminho certo. E muito gratificante ver centenas de pessoas curtindo o seu trabalho, reconhecendo nosso esforço.

Vocês vão participar de novo na próxima edição?

Bismarkis: Certamente! Se formos selecionados, iremos participar novamente. Gostaríamos de agradecer os apoiadores Exfak e Roland e agradecer a Imprimax, por realizar esse belo evento, que ajuda o nosso mercado a crescer.

André: Também gostaria de agradecer à organização da Imprimax e aos patrocinadores do Decor Wrapping, pela oportunidade de participar e ganhar esse título tão cobiçado pelos adesivadores brasileiros.    



O que você precisa saber para comprar uma impressora de grande formato

Por Evelin Wanke em 08/11/2013

Está pensando em adquirir uma impressora digital de grande formato? Pois saiba que essa é uma decisão que tem várias implicações técnicas e financeiras. A seguir, conheça algumas delas, que certamente serão de grande valia antes, durante e depois de você ter comprado um equipamento inkjet.

Cliente

Qual é o perfil dos clientes que você deseja atingir? Responder a essa questão é fundamental para definir a categoria da impressora a ser escolhida, considerando as características de produtividade e de qualidade de impressão.

Custos

Leve em consideração o preço do equipamento e dos consumíveis (tinta, cabeça e insumos). Porém, tome o cuidado de também analisar o custo total de impressão. Geralmente, os interessados em impressoras fazem apenas o levantamento do custo da tinta ou do metro quadrado da mídia impressa.

Importante: considere o custo total de impressão

Importante: considere o custo total de impressão

Consumo real de tinta por metro quadrado

Antes de adquirir a impressora, visite o showroom do fornecedor e meça o consumo de tinta – usando o software do equipamento. A diferença de consumo entre diferentes equipamentos é facilmente notada. Além disso, verifique o tipo de cabeça de impessão usada na máquina. Existem tecnologias mais avançadas que otimizam o formato e o volume (picolitro) das gotas disparadas, também definem o local certo no qual elas serão posicionadas.

Cabeça de impressão

É necessário trocar as cabeças de impressão periodicamente, e dois fatores influenciam sua durabilidade: tecnologia e tipo de tinta. Para saber o custo delas para que você acrescente ao custo de impressão, pergunte ao fornecedor o preço de uma cabeça nova e quantos metros ela é capaz de imprimir. Divida um valor pelo outro e multiplique o resultado pelo número de cabeças do equipamento.

Consumo de energia

Veja quanto o equipamento consome em operação e em modo stand-by. Existem impressoras que consomem 650W, ao passo que há máquinas que gastam sete vezes mais. Analise também a manutenção de seu equipamento. Ele precisa ficar ligado nos momentos de descanso (finais de semana, feriados, férias)? Lembre-se de que nesse modo, a impressora consome energia.

Itens opcionais

Não se deixe enganar pelo preço de uma proposta. Questione se estão inclusos itens como instalação, nobreak e rebobinador. Muitos fornecedores costumam apresentar orçamentos básicos para chamar a atenção dos clientes, que depois descobrem que precisam comprar uma série de itens opcionais para ter uma impressora completa.

Compre o equipamento de um fornecedor sólido e idôneo

Compre o equipamento de um fornecedor sólido e idôneo

Sistema de tintas

Se considerar as tintas à base de solvente livres de metais pesados, é possível eliminar o investimento em sistemas de exaustão. Porém, tome cuidado com o termo "eco", que pode significar "econômico", em vez de "ecológico".

Suporte técnico

Avalie o suporte técnico do fornecedor no Brasil. É importante pesquisar a qualidade e a localização dos centros técnicos. Compre produtos com garantia. Muitas empresas tiveram experiências negativas com equipamentos importados, porque não analisaram o posterior fornecimento de peças.

Dica: procure um empresário que já use o equipamento que você quer comprar e pergunte-lhe sobre o atendimento pós-venda do fabricante.

Muitas vezes, vale a pena gastar um pouco mais no equipamento com mais tecnologia, pois o investimento pode ser recuperado em pouco tempo. Além disso, a economia do processo pode ajudar a aumentar a rentabilidade e possibilitar futuros investimentos em outras máquinas.

Evelin Wanke é especialista de produtos Epson para a linha de Grandes Formatos.