Dicas para comprar o vinil adesivo correto para trabalhos de sinalização e comunicação visual

Por Eduardo Yamashita em 11/05/2015

O vinil adesivo oferece muitas vantagens. Na decoração ou no envelopamento de veículos, por exemplo, a película dá a oportunidade de sinalizar e comunicar sem danificar a superfície do carro ou da parede. Além disso, pode-se trocar essa comunicação em pouco tempo, prescindindo de materiais permanentes, como as tintas. Portanto, trata-se de uma estratégia acessível e de ótimo custo-benefício.

Saiba o que você precisa saber para escolher o vinil adequado para as suas produções

Veja o que você precisa saber para escolher o vinil adequado para as suas produções

Tipos de vinis adesivos

Em primeiro lugar, saiba que há vários tipos de películas adesivas. Elas podem ser classificadas conforme o PVC, adesivo ou liner:

PVC:

- Fabricação: cast, calandrado monomérico ou calandrado polimérico;
- Propriedade óptica: opaco, translúcido, transparente ou cristal;
- Acabamento: brilhante, fosco, semibrilhante ou semifosco.

Adesivo:

- Borracha;
- Acrílico: à base de solvente ou à base d’água (permanente, removível, reposicionável).

Liner:

- Sintético;
- Papel sem tratamento;
- Papel com tratamento sintético.

Essas características técnicas determinam o desempenho dos vinis:

- Calandrado x cast: espessura, aplicação e durabilidade;
- Monomérico x polimérico: durabilidade;
- Opaco x transparente x translúcido x cristal: passagem de luz;
- Brilhante x fosco x semifosco x semibrilhante: acabamento superficial;
- Adesivo de borracha x adesivo acrílico: durabilidade;
- Adesivo à base d’água x adesivo à base de solvente: durabilidade;
- Permenente x reposicionável x removível: adesão inicial e final;
- Liner: estabilidade.

Vinil cast e vinil calandrado

Aplicação: o cast pode ser aplicado em todos os tipos de superfícies (planas, curvas simples, curvas compostas, corrugadas, sem ou com rebites). Já o calandrado é limitado a superfícies planas e curvas simples.

Produção: o calandrado é produzido em calandras. O cast é confeccionado em equipamentos parecidos com os que fazem cobrimentos de materiais líquidos. Veja detalhes da produção de ambos os processos nesse outro artigo.

Custos de fabricação: as tecnologias e matérias-primas empregadas na fabricação do cast aumentam o custo do vinil. Portanto o cast é mais caro que o calandrado.

Características:

- Espessura: o cast é mais fino, ao passo que o calandrado é mais espesso;

- Flexibilidade: o cast é mais flexível, enquanto que o calandrado é mais rígido;

- Memória elástica: o calandrado tem mais memória;

- Durabilidade: as matérias-primas utilizadas nos filmes calandrados não proporcionam performances tão boas quanto às dos cast. Os filmes cast têm excelente durabilidade.

Saiba quando escolher entre o vinil cast e o calandrado

Saiba quando escolher entre o vinil cast e o calandrado

Na hora de escolher

Em primeiro lugar, você precisa entender o que o seu cliente precisa e deseja. Pergunte-se: qual é a durabilidade do projeto? Em qual superfície de aplicação ele será instalado? Qual é o processo de imagem que será utilizado? A escolha do vinil adesivo vai depender das respostas a essas questões.

Por exemplo, em superfícies de curvas simples ou planas, você pode utilizar qualquer filme. Mas as curvas complexas pedem vinis cast. Conhecer a durabilidade do projeto também é muito importante, pois os vinis calandrados têm menor desempenho que os cast.

No processamento da imagem, verifique a tecnologia utilizada: recorte eletrônico, impressão digital ou serigrafia. No caso da impressão solvente, a recomendação é que, depois de impresso, o material deve ser evaporado totalmente e, de preferência, muito rápido, para que a qualidade da película não se altere.

Assim, em trabalhos promocionais, deve-se usar vinis promocionais. Já trabalhos que exigem alta durabilidade, vão exigir películas de alta performance. Para aplicações em curvas complexas, use películas cast. Os backlits requerem películas translúcidas.

Na hora de comprar o vinil, atente-se aos seguintes itens:

- Procedência (fabricante);

- Validade (shelf life do produto);

- Boletim técnico (informações técnicas do produto);

- Garantia do produto;

- Suporte comercial e técnico.

 

***

Texto originalmente publicado com exclusividade no InfoSign, no dia 11 de maio de 2013.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis, envelopamentos de carro e comunicação visual.



Prensa térmica e calandra para sublimação

Por Zuzana Cloete em 05/09/2014

A sublimação provou que é a alternativa para a decoração, substituindo os métodos tradicionais de impressão

A sublimação provou que é a alternativa para a decoração, substituindo os métodos tradicionais de impressão

A impressão digital sublimática tem se popularizado. Os custos de tintas e impressoras estão caindo. O mercado está mais maduro e a tecnologia, mais disponível. Atualmente, a sublimação reproduz imagens com nitidez, durabilidade, tons mais vivos, maior gama de cores, além de permitir personalização, retorno de investimento e produções de pequenas tiragens.

O crescimento do mercado sublimático pode ser atribuído ao aumento de empresas de impressão digital e à capacidade da tecnologia de imprimir em uma variedade de produtos. Além disso, a sublimação provou ser a alternativa para a decoração, substituindo os métodos tradicionais de estamparia.

      Saiba mais sobre sublimação:

A aplicação da sublimação na mídia pode ser feita com processo de uma ou duas etapas – e a prensa térmica é necessária em ambos os casos.

O processo de duas etapas emprega um método mais tradicional, no qual um papel especial transfere a tinta para um substrato de poliéster, revestido de poliéster ou uma mistura de poliéster. Quando o papel impresso entra em contato como substrato na prensa térmica, o calor e a pressão (e o tempo) sublimam a tinta.

No processo alternativo, o papel transfer não faz parte da equação, o que permite que as tintas dispersem diretamente. Porém, nesse caso, uma prensa térmica também é imprescindível para fixar a tinta no substrato.

Como há muitos fabricantes de prensas térmicas no mercado, isso pode causar um pouco de confusão na cabeça de quem está interessado em adquirir a tecnologia. Nessa hora, algumas perguntas fundamentais deverão ser respondidas:

  • Usarei diariamente esse equipamento?
  • O que pretendo transferir por meio dessa máquina?
  • O que acontece se a prensa quebrar?
  • Onde posso comprar peças e contratar serviços de manutenção?

O custo da prensa é uma questão importante e a regra de ouro é comprar a melhor máquina de um fabricante confiável. O perigo de comprar um equipamento mais barato é que ele pode não durar muito, e isso vai exigir reinvestimento em outra máquina. Portanto, procure prensas com garantia.

Mais uma recomendação: entre em contato com outras empresas que trabalham na área. Tente absorver suas experiências e informações. Depois, conte com um fornecedor que dê assistência técnica e comercial.

Prensas planas

A prensa plana emprega duas chapas (pranchas) para a termotransferência. Uma delas é fixa e dá suporte ao substrato. A outra é móvel: vai ao encontro da chapa fixa para prensar o papel transfer contra a mídia (uma camiseta, por exemplo). A dimensão das chapas varia de acordo com o tamanho dos substratos que serão sublimados.

As prensas planas servem para tecidos e materiais planos mais pesados e duros, como plástico, madeira e alumínio. Algumas aplicações incluem: personalização de camisetas e vestuário, peças cortadas, mouse pads, bandeiras, banners, tapetes, meias, entre outras.

As máquinas planas possuem aquecedor no topo. Por isso, o operador insere em primeiro lugar o substrato e depois o papel transfer impresso. Outra possibilidade é ter aquecedores tanto no topo quanto na parte de baixo, o que permite o duplo aquecimento. As prensas planas podem ser divididas em:

Prensa plana com abertura lateral (swing away)

Apresenta um aquecedor (superior) que oscila para longe da base (inferior) a fim de permitir que tanto o carregamento quanto o descarregamento das mídias sejam realizados longe da área de calor. Para a sublimação, basta posicionar a chapa superior no local original, em paralelo à chapa inferior. Esse tipo de máquina também permite a prensagem de substratos mais grossos.

Exemplo de prensa plana com abertura lateral (swing away)

Exemplo de prensa plana com abertura lateral (swing away)

Prensa plana com boca de jacaré (clam shell)

A parte superior da máquina tem abertura de até 90º, para expor a chapa inferior, sobre a qual são inseridos o papel transfer e a mídia. Quando a prensa é acionada, a placa superior desce, indo de encontro à inferior. A facilidade de operação faz com que esse tipo de equipamento seja a opção mais acessível e popular no mercado.

Exemplo de prensa plana com boca de jacaré (clam shell)

Exemplo de prensa plana com boca de jacaré (clam shell)

Prensa plana de gaveta (drawer)

A grande vantagem dessa prensa é que ela permite o carregamento e o descarregamento da mídia longe da fonte de calor. No sistema de gaveta, enquanto uma base realiza a termotransferência, a outra afasta-se do aquecimento, para que a mídia seja inserida ou retirada. Essa prensa é indicada para alta produção e é mais barata que a prensa industrial.

Exemplo de prensa plana de gaveta (drawer)

Exemplo de prensa plana de gaveta (drawer)

Prensa plana industrial (com três chapas)

Desenvolvida para alta produção, essa prensa apresenta três chapas. Geralmente, essa máquina tem uma chapa superior e duas inferiores. Enquanto uma delas está no ciclo da transferência, o operador pode ajustar a outra chapa para o próximo trabalho. Ao término do ciclo, a chapa superior levanta e corre em direção à outra placa inferior, começando novo ciclo. A máquina suporta o trabalho em alta pressão (de até 100 toneladas). As prensas planas industriais são indicadas para fábricas de bandeiras e de pisos de borracha.

Exemplo de prensa plana industrial (com três chapas)

Exemplo de prensa plana industrial (com três chapas)

Pressão da prensa térmica plana

É importante considerar a escolha entre equipamento com pressão manual ou automática (pneumática). Em máquinas de pressão manual, a fixação é realizada por alavanca. Ela pode ser cansativa para o operador, principalmente em produções abundantes e rápidas.

A pressão automática utiliza ar comprimido produzido por cilindro ou bolsa de ar, que controla e aplica pressão uniformemente. O cilindro deve proporcionar força suficiente para que a tinta sublime e fique impregnada em todas as fibras do tecido ou para que a tinta seja transferida por completo nos substratos mais duros. Máquinas com pressão automática cansam menos o operador.

Temperatura da prensa térmica plana

O aquecimento é outro ponto importante para ter em mente (provavelmente o mais importante). As máquinas precisam ter consistência. Caso contrário, o calor não será uniforme por toda a área sublimada, o que afeta o resultado das cores impressas. As prensas planas maiores precisam ter, pelo menos, duas zonas de aquecimento. Apenas uma não é capaz de manter a temperatura adequada.

Exemplo de tecido com rugas: resultado de problemas relacionados ao processos de sublimação realizado com prensas térmicas

Exemplo de tecido com rugas: resultado de problemas relacionados ao processos de sublimação realizado com prensas térmicas

Calandra (prensa rotativa)

A calandra pode ser empregada para sublimação ou para fixar e curar tecidos pré-impressos. É indicada para aplicações rolo a rolo e para termotransferência de peças cortadas em larguras que variam de 25 a 560 centímetros. Com a máquina, é possível estampar banners, bandeiras, toalhas de mesa, sinalização, exposições, roupas esportivas, mouse pads, fitas e muito mais.

Ao instalar uma mesa opcional, o operador da calandra pode utilizá-la em três configurações:

  • Rolo a rolo;
  • Rolo de papel impresso e peças de substrato;
  • Papel em peça e substrato em peça.

Em resumo, o tecido pode ser cortado antes ou depois de ter sido transferido.

É comum realizar o corte após a transferência, empregando máquinas cortadoras com reconhecimento óptico de contornos das peças sublimadas.

As calandras precisam ter uma área de transferência maior que a largura da mídia a ser impressa. Portanto, a largura da calandra que você vai comprar tem de ser maior que a largura da impressora que você usa. Atente-se a esse detalhe.

Calandra que possibilita a sublimação de mídias cortadas

Calandra que possibilita a sublimação de mídias cortadas

Outro fator importante é a velocidade. Calandras têm diferentes tamanhos de cilindros de aquecimento. Quanto maior o diâmetro do cilindro, mais rápida será a máquina. Um cilindro de 12 polegadas de diâmetro pode transferir 3,9 pés por minuto, com 35 segundos de permanência. Essa velocidade pode dar conta do trabalho de três impressoras.

Geralmente, a calandra é equipada com cilindros para desenrolar e rebobinar os materiais. O cilindro que desenrola o tecido conta com dispositivos que previnem o movimento lateral. Um dispositivo de controle de tensão pode ser rodado para aumentar o nível de tensão, quando necessário.

Temperatura da calandra

Nas calandras, o sistema de aquecimento pode ser de ar aquecido (radiante) ou óleo quente. Há vantagens e desvantagens nos dois casos. Os sistemas com óleo são um pouco mais caros, mas são mais consistentes. O sistema de tambor fechado de óleo é mais denso do que o ar que circula nas máquinas radiantes. Por isso, é mais resistente às mudanças de temperatura e de flutuação. O óleo mantém a homogeneidade da temperatura em todo o tambor, além de oferecer um sistema de controle de temperatura mais eficiente, com uma única zona de calor, ao passo que outros sistemas de aquecimento empregam diversas zonas de calor. No entanto, as calandras com aquecimento a ar aquecem e esfriam mais rapidamente em comparação aos equipamentos com sistema a óleo.

Exemplo de calandra para sublimação

Exemplo de calandra para sublimação

A curva de aprendizado para operar uma calandra é baixa. É questão de controlar três variáveis​​: calor, pressão e tempo. Cada fabricante de tinta sublimática indica os tempos adequados. Com base neles, pode-se regular a temperatura tomando também o substrato como referência.

Outras variáveis na sublimação da calandra

Há mais variáveis no processo de sublimação com calandra, como umidade do tecido e do papel transfer e temperatura e encolhimento do tecido, que pode provocar rugas e efeito fantasma.

Outra consideração é o carregamento de mídia e de papel transfer. Os materiais desenrolados na máquina precisam estar em rolos retos. Papel e mídia devem estar devidamente esticados a fim de evitar rugas e manter a tensão durante a produção.

Cada tipo de tecido e papel requer determinada tensão, dependendo da qualidade e da umidade deles. Papéis e fitas especiais poderão ser utilizados na inserção do papel transfer.

Se todas as variáveis apresentadas estiverem controladas, a sublimação ocorre com sucesso.

Sobre a autora: Zuzana Cloete (zuzanap@practix-usa.net) faz parte da equipe comercial da Practix Mfg, fabricante de prensas térmicas e máquinas para sublimação e laminação

Sobre a autora: Zuzana Cloete (zuzanap@practix-usa.net) faz parte da equipe comercial da Practix Mfg, fabricante de prensas térmicas e máquinas para sublimação e laminação

Este artigo foi publicado inicialmente no SGIA Journal e reproduzido pelo InfoSign com a permissão da SGIA (this article first appeared in the SGIA Journal and is reprinted with permissions from the SGIA)



Mutoh lança impressoras e plotters de corte na Fespa 2013 de Londres

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 08/05/2013

Impressora com tinta branca está entre as novidades da Mutoh

Impressora com tinta branca está entre as novidades da Mutoh

A Mutoh, fabricante de equipamentos para comunicação visual, promete lançar três impressoras e uma nova série de plotters de corte durante a Fespa 2013, em Londres, que ocorre em junho.

Entre as novidades, está a ValueJet VJ-161H, impressora de 1,6m de largura. Híbrida, ela vem equipada com tinta branca. Outro lançamento será a ValueJet 1624W, que trabalha com tinta sublimática. A empresa vai mostrar também a DraftStation RJ-900x, uma impressora de sublimação que trabalha com a resolução máxima de 1440dpi.

Já a nova série ValueCut conta com plotters de 610mm, 1320mm e 1830mm, que irão substituir a linha de plotters Kona.

Fonte: Output Magazine