Como escolher o papel transfer: adesivo, inkjet, laser ou sublimático

Por Jimmy Lamb em 30/01/2013

Quando se fala em transferência térmica, o papel transfer desempenha uma função chave nesse processo. E a combinação errada entre o substrato e a tinta pode culminar em verdadeiros desastres. Portanto, para obter resultados de excelência, utilize corretamente esses materiais. A seguir, conheça os papéis transfer, saiba aplicá-los, evite erros e melhore os processos usados por você.

      Saiba mais sobre sublimação:

 

Entenda o processo

O papel não é um componente isolado: ele faz uma combinação (que deve ser apropriada) com a tinta, o perfil de cor e a impressora. E as características desses substratos mudam conforme as particularidades dos demais elementos do processo. Portanto, há uma grande variedade de papéis disponíveis hoje no mercado. A despeito disso, eles podem ser divididos em dois grupos: adesivo e transportador. Veja a seguir as diferenças entre eles.

Papel transfer adesivo (ou aplicações superficiais)

Material que possui uma película adesiva sensível ao calor. Ela recebe a impressão para que, depois, seja aplicada na superfície da peça de roupa, por meio de uma prensa térmica. Trata-se de um processo que “solda” a película à superfície do substrato. Essa é a velha maneira de se fazer transfer. É como aplicar um emblema.

Nesse processo, é essencial que o excesso de papel/adesivo seja cortado de modo que apenas a imagem (e seus contornos) fique na transferência. Assim, uma plotter de recorte é bastante recomendável para qualquer empresa que esteja planejando produzir grandes volumes.

Esses transfers, antigamente, não davam bons resultados de resolução e duração das imagens transferidas. Depois de poucas lavagens, elas começavam a rachar e descascar da camiseta. Mas os materiais atuais dão resultados muito melhores.

Uma das vantagens do transfer adesivo é que ele é branco, então você pode imprimir a imagem (em CMYK), deixando as áreas vazadas na arte, para que a cor de fundo (o branco) do papel surja na transferência.

Observação: nem todos os adesivos trabalham bem com todos os tipos de tecidos. Consulte sempre o fornecedor sobre as características de desemprenho do transfer.

Para cada tipo de impressora, existe uma papel transfer mais adequado

Para cada tipo de impressora, existe uma papel transfer mais adequado

Papel transfer transportador (intermediário)

Esse substrato recebe uma camada de tinta que depois será transferida, por meio de uma prensa térmica, para outro material (geralmente, tecido). Em suma: esse papel serve de intermediário para o transporte da tinta. Ao término do processo, ele é removido e descartado. Os papéis transfer transportadores são classificados em três grupos (cada qual para uma função, e não intercambiáveis): inkjet (a jato de tinta), laser (toner) e sublimático. Veja a seguir a diferença entre eles:

Papel transfer (para impressão) inkjet

Desenvolvido para uso em impressoras a jato de tinta (de mesa, desktop de pequenos formatos). As tintas que vêm nesses equipamentos são fabricadas para papéis de impressão, e não para estamparia de tecidos. Portanto, atente-se a esse detalhe, e empregue as tintas apropriadas para estampar peças têxteis.

Os papéis inkjet geralmente possuem várias camadas. A superior tem a função de “gerenciamento de tinta” e é composta de polímeros microporosos, que recebem e encapsulam a tinta, preservando os pontos que compõem a imagem e protegendo-a contra a umidade. Logo abaixo, ficam as camadas de ligação, compostas por um material termoplástico que promove a adesão da tinta durante a prensagem. Já a próxima camada garante que a tinta e os elementos de ligação sejam desprendidos do papel, de modo que ele possa ser removido e descartado ao término do processo.

Em função dos agentes de ligação contidos no papel inkjet, toda a superfície dele (não somente a área impressa) acaba sendo transferida para a peça de roupa. Isso gera o que é conhecido como “transfer de janela”. Ou seja, no tecido, aparecem traços visíveis de áreas que, na verdade, não foram impressas no papel.

Com peças de roupa brancas, simples ajustes de temperatura, tempo e pressão (na prensa) podem tornar esse efeito imperceptível, mas em roupas coloridas, pode não ser possível elimina-lo. Para evitar que isso ocorra, muitos profissionais cortam o papel transfer, retirando as áreas sem imagem.

Inkjet, sublimático ou laser: procure sempre comprá-los em fornecedores confiáveis

Inkjet, sublimático ou laser: procure sempre comprar papéis de fornecedores confiáveis

Papel transfer (para impressão) laser

Apesar de parecer com o papel inkjet, o laser é bem diferente em relação ao que contém abaixo da camada superficial. Na impressão laser, muito calor é gerado. Esse é um problema para o papel.  Além disso, há diferentes toners no mercado. Razão pela qual recomenda-se fazer testes prévios entre os sistemas de impressão e os papéis, a fim de encontrar a melhor combinação entre eles.

Ao contrário do inkjet, em que a tinta fica encapsulada, a película de toner fica apenas na superfície papel. Mas os agentes de desprendimento (destaque) também são usados.

Assim como o papel inkjet, toda a área (além da imagem) é transferida para o substrato. Mas você pode cortar as áreas em excesso. Alguns fabricantes, no entanto, oferecem um papel especial com o qual apenas a imagem (o toner, na verdade) é transferida, e não a superfície toda.

Papéis toner possuem agentes de ligação quimicamente compatíveis com as fibras do tecido. E eles geralmente funcionam bem para o algodão e misturas de algodão. Eles podem até trabalhar com o poliéster, mas os resultados de cor e vida útil podem não ser os melhores. Sempre verifique isso com o fornecedor do material.

Papel transfer para sublimação

Usado para receber tinta sublimática de impressoras a jato de tinta (inkjet). As propriedades químicas dessa tinta (que é feita de corante) são radicalmente diferentes das pigmentadas. Portanto, o papel é especialmente desenvolvido para o processo de sublimação.

Enquanto a tinta inkjet padrão usa agentes de ligação para que fique retida na superfície do tecido, a tinta sublimática penetra, liga-se e colore as fibras do tecido. Isto é, ela fica impregnada. Portanto, em função dessa particularidade, não é necessário usar agentes de ligação. Assim, o papel para sublimação é composto por uma camada de polímeros combinada com agentes de destaque (release).

Ao contrário dos papéis inkjet e laser, por não ter agentes de ligação, nem toda a superfície do papel sublimática acaba sendo transferida. A tinta sublimática simplesmente transforma-se em gás durante a prensagem, e depois solidifica-se, penetrando nas fibras de polímero do substrato.

Existe um novo papel sublimático, vendido apenas em bobinas, que possui um adesivo muito leve em sua superfície; ideal para prevenir o efeito fantasma (que acontece quando o papel se movimenta na hora da prensagem). Para aqueles que não podem imprimir em materiais em forma de bobina, há uma opção do adesivo em forma de spray.

Vale lembrar que as diversas marcas de papéis sublimáticos usam diferentes receitas de fabricação. Explore as opções no mercado. Não se concentre em custo. Procure produtos que garantam a reprodução de imagens de alta qualidade. E lembre-se: corantes de sublimação trabalham apenas com fibras sintéticas.

Na sublimação, para obter o melhor resultado de cor, utilize papel transfer sublimático

Na sublimação, para obter o melhor resultado de cor, utilize papel transfer sublimático

Na hora de comprar

Quando você for comprar papéis transfer, comece consultando os fornecedores dos equipamentos usados na sua empresa. Eles têm conhecimento para mostrar as melhores opções.

Atenção: alguns papéis podem parecer profissionais, mas não têm essa qualidade. Portanto, concentre-se nas marcas e fornecedores conceituados.

Se você pretende produzir trabalhos de qualidade, não faça economia porca na hora de comprar tintas e papéis transfer.

Dê atenção a todos os elementos da produção (tintas, papéis, impressoras e tecidos) para obter resultados de alta qualidade. E nunca sacrifique a qualidade para economizar alguns poucos centavos. É preciso usar material de alto nível para fazer produtos de alto nível.

 

Sobre o autor: Jimmy Lamb escreve e palestra sobre sublimação e impressão em tecidos mundo afora. Tem mais de 20 anos de experiência no negócio de vestuário e decoração. Atualmente, é o gerente de comunicação na Sawgrass Technologies.
 
Esse artigo técnico foi cedido, com exclusividade, pela Sawgrass ao portal InfoSign, que traduziu e adaptou o texto.
 



Como evitar um envelopamento com falhas e malfeito

Por Eduardo Yamashita em 09/05/2016
O envelopamento falhou? Veja as razões para que isso tenha acontecido

O envelopamento falhou? Veja as razões para que isso tenha acontecido

Veículos comerciais envelopados com imagens muitas vezes criam a primeira impressão (positiva, negativa ou indiferente) que o público tem de uma empresa. O envelopamento de alta qualidade, atraente e bem conservado pode transmitir a mensagem de que a empresa e sua marca – por extensão, seus serviços – são sérias e idôneas.

O envelopamento exige um investimento que pode variar de centenas a milhares de reais por veículo, para a concepção e instalação de imagens. Portanto, há pouco espaço para erro. Por exemplo, o logotipo da empresa pode não aparecer corretamente. Se o projeto for ineficaz ou se o filme perde a coloração, podem aparecer rachaduras e falhas prematuras. Se isso acontecer, as imagens instaladas projetarão uma impressão que pode afetar negativamente a empresa.

Saiba que um envelopamento pobre ou com defeito pode dar prejuízos e custar para corrigir, reparar ou substituir, além de aumentar o tempo de inatividade do veículo. Portanto, evite erros levando em consideração os tópicos a seguir:

Projeto ruim

Muitos projetos iniciados por agências podem ficar fora da escala do veículo. Várias vezes, são omitidas partes importantes do veículo, como maçanetas e dobradiças. Portanto, é fundamental projetar imagens em escala correta e criar modelos com todas as funcionalidades incorporadas. Isso evita atrasos e alterações nos projetos.

Ao criar o projeto, garanta que a imagem esteja na escala correta do veículo

Lembre-se que um único tamanho de imagem não serve para todos os veículos. Uma imagem que funciona bem para uma van de carga não tem o formado proporcional de um caminhão, e vice-versa. Imagens aplicadas ao painel traseiro de um caminhão não terão a mesma aparência em uma caminhonete. Portanto, certifique-se de que os designers ajustem as imagens de acordo com cada veículo.

Concepção exagerada

Evite colocar muitas imagens e textos no projeto de envelopamento. Muita informação causa ruído e perdas de oportunidades de vendas. A tendência é querer sobrecarregar. Mas lembre-se: há apenas alguns segundos para agarrar a atenção do público e passar a mensagem. Portanto, crie projetos simples e rapidamente compreensíveis. Certifique-se de inserir as informações essenciais, como números de telefone, site e outros contatos claros e legíveis.

Investimento malfeito

Evite usar materiais, sobretudo vinis adesivos, mais baratos e leve em consideração o ambiente ao redor do veículo. E possível assumir custos de fora com materiais mais em conta para executar o envelopamento, mas isso pode ter consequências ruins, como um prejuízo no longo prazo. Além disso, com materiais de qualidade inferior, a instalação pode demorar, o que pode elevar o custo da produção. E também é possível que bolhas e rugas apareçam prematuramente.

A removibilidade do adesivo também deve entrar na composição do custo do ciclo de vida da imagem. Retirar filmes de alta qualidade é mais rápido e fácil, ao passo que películas de baixa qualidade tendem a rasgar em pedaços pequenos, o que exige mais trabalho.

Escolher o vinil adequado para o serviço é fundamental para o sucesso do envelopamento

Tipo de superfície

Há trabalhos que exigem mais cuidado para serem executados. Veículos com contornos profundos ou canais requerem o mais alto nível de engenharia de vinis para garantir que eles não levantem ou rasguem prematuramente. Como alternativa, é possível utilizar o material refletivo, que custa mais, mas oferece marketing e valor de segurança para as frotas que operam durante a noite ou no início da manhã. Afinal, eles ajudam a manter os motoristas mais seguros porque os veículos ficam mais visíveis, e a mensagem continua a ser veiculada durante a noite. Perde-se essa oportunidade com materiais convencionais não refletivos.

Quanto maior a complexidade da superfície, maior qualidade deverá ter o vinil adesivo

Pense em termos de ciclo de vida versus custo dos materiais. Ao avaliar os custos do ciclo de vida, não se esqueça de considerar fatores como durabilidade, longevidade, facilidade de manutenção e propriedades de reflexão e remoção.

Não perca: na segunda parte deste artigo, confira tópicos como tempo para o serviço, falhas na instalação e problemas na manutenção.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

 



Durst Brasil anuncia impressora Kappa 180, para estamparia digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 08/01/2013

impressora para estamparia digital

Kappa 180: impressora Durst para estamparia digital

Além de apresentar expansão no mercado nacional de impressoras UV, a Durst Brasil anuncia mais um lançamento para 2013: a Kappa 180, equipamento para estamparia digital.

Segundo Flávio Hirata, CEO da fornecedora, o equipamento chegará no primeiro bimestre de 2013. O executivo comemora: "Com a Kappa 180, nosso portifólio ficará mais completo. Vamos oferecer aos clientes a mesma qualidade de impressão, mas, desta vez, para produção em tecidos".

Características da nova impressora para estamparia digital

A velocidade máxima estimada da Kappa 180 é de 600m2/h. A máquina trabalha com resolução máxima de 1.056 x 600dpi. E o volume das gotas disparadas pode variar: de 7 a 21 picolitros.

A impressora emprega o sistema QuadroZ, de cabeças de impressão, adaptado para disparar as tintas Kappa Inks, desenvolvidas especialmente para estamparia digital.

O conjunto de cores também é diferenciado. Além da paleta CMYK, a Kappa 180 usa tintas especiais: azul, vermelho, laranja e cinza – o que permite a reprodução de uma gama bem grande de tonalidades.

Segundo a Durst, a Kappa 180 tem rápido acerto. Isso porque o equipamento possui sistema de entrada de mídia automatizado (que pode trabalhar com substratos de até 195cm de largura). Além disso, a blanqueta de impressão está integrada ao sistema de limpeza, o que aumenta a produtividade e encurta o tempo de ajuste entre as trocas de trabalho.

Fonte: Durst Brasil. Edição: InfoSign