Foster lança carregador de bobinas de grande formatos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 24/07/2017
On-a-Roll Lifter Jumbo levanta rolos com até 450kg

On-a-Roll Lifter Jumbo levanta rolos com até 450kg

A fabricante Foster anunciou o Foster On-a-Roll Lifter Jumbo, novo levantador de bobinas desenvolvido em colaboração com a EFI. O dispositivo foi projetado para ser usado em conjunto com as impressoras Vutek e Reggiani, mas também é indicado para máquinas similares.

Com o Foster On-a-Roll Lifter Jumbo, os operadores podem manipular com segurança bobinas de até 450kg e diâmetro de até 50 cm. O levantador tem uma bandeja de rolo que facilita o carregamento e o transporte dos rolos.

Ted Borowsky, CEO da Foster, declarou: “Os grandes rolos de mídia, como os usados ​​pelas impressoras EFI, são difíceis de manipular. O novo On-a-Roll Lifter Jumbo permite aos operadores carregar e descarregar os rolos de forma rápida e fácil. Também permitem manobrar as bobinas ​no armazém e no chão de fábrica”;

Fonte: Foster



Summa lança máquina a laser com 3,2m de largura

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/06/2019
L3214 pode rodar a 400 metros quadrados por hora

L3214 pode rodar a 400 metros quadrados por hora

A fabricante Summa anunciou no mercado europeu a L3214, nova máquina a laser equipada com mesa de 1,4m (comprimento) x 3,2m (largura).

Com velocidade máxima de corte 400m2/h, a máquina é indicada para aplicações de sinalização, decoração e vestuário.

Segundo a empresa, um dos diferenciais da máquina é o corte “on-the-fly”, que possibilita a alimentação contínua das mídias. Isso significa que, enquanto o equipamento corta, o material recém-acabado fica prontamente disponível para retirada.

A L3214 vem com o sistema Vision, que escaneia continuamente as mídias e cria automaticamente o vetor de corte necessário para os trabalhos. O sistema também assegura a produção contínua.

A Summa garante que o desenrolador motorizado da L3214 elimina distorções no tecido durante o corte, além de oferecer uma alimentação de mídia constante e estável.

Outras tecnologias de destaque da máquina são o corte sem contato e as câmeras inteligentes (que compensa as deformações automaticamente). Além disso, os vapores são removidos pelo sistema de extração interno e o laser não produz poeira fibrosa. A máquina é fechada e a fonte laser é coberta durante as operações. O equipamento para de rodar se a tampa abrir.

Fonte: Summa



Confecção 4.0: tecnologia que revoluciona o setor têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 04/07/2019
Soluções poderão ser encontradas na feira FuturePrint 2019

Soluções poderão ser encontradas na feira FuturePrint 2019

A Indústria 4.0 engloba automação, robótica e tecnologia da informação (computação em nuvem, big data, simulação e realidade aumentada). Tais inovações, quando aplicadas ao setor têxtil, podem contribuir para a redução de desperdícios e a otimização dos processos, além de possibilitar a manufatura de produtos personalizados em massa, o controle de dados em tempo real e a capacidade de simular processos.

Segundo o especialista em impressão digital, Pedro Dupláa, o setor de confecção foi beneficiado pelas tecnologias da Indústria 4.0: “Essas tecnologias possibilitaram a redução do tempo de produção, de custo, de sobras e de poluentes, por exemplo, e ainda o aumento da produtividade e do faturamento”.

Dupláa explica que as indústrias estão utilizando softwares de Inteligência Artificial (IA) para pesquisar e identificar demandas sem precisar visitar grandes centros de moda como Tóquio, Paris e Nova York. Já na criação de produtos, o software de realidade aumentada está sendo utilizado para expor o produto de forma virtual, removendo a necessidade de criar peças físicas sem antes saber se darão certo. “Com a tecnologia 4.0, as empresas conseguem modelar, prototipar, avaliar modelo, medidas e tamanhos, tudo isso virtualmente. E depois, só então, quando o produto demonstrar real potencial é que as empresas estão partindo para a criação de um modelo físico”, detalha.

De acordo com Dupláa, testes da prototipagem estão sendo substituídos por testes interativos graças ao UI (Interface do Usuário) e UX Design (Design da Experiência do Usuário). “Isso não só economiza tempo e dinheiro como também expõe o produto de teste a uma capilaridade e alcance muito maiores do que a vitrine física de uma loja”, explica.

Na produção, estão disponíveis hoje equipamentos em linha e automatizados. Por exemplo: o tecido passa pela preparação (pré-tratamento), segue para a impressão digital e já é direcionado para a fixação e acabamento, finalizando na mesa de corte a laser. Isso tudo em um espaço menor, se comparado às indústrias convencionais têxteis, e gerenciado por uma equipe reduzida. O processo diminui a emissão de poluentes e sobras, reduz o tempo de produção e melhora a qualidade do produto.

O especialista explica ainda que existem softwares de inteligência artificial, algoritmos e BOTS que estão alterando por completo como a venda é feita e direcionada. Segundo ele, as empresas que estão fazendo uso dessas tecnologias e se inserindo na Indústria 4.0 se conectam não só com a sua região, mas com o mundo inteiro, de forma assertiva, pré-programada e altamente persuasiva, já que o anúncio e a proposta de venda são direcionados sob demanda.

Impressão Digital Têxtil na FuturePrint

As soluções oferecidas na impressão digital têxtil poderão ser conferidas na 29ª FuturePrint (Feira de Tecnologia de Impressão para Mercados de Serigrafia, Sign e Têxtil), que ocorre de 10 a 13 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo. A feira reunirá 250 expositores que representam 650 marcas e espera atrair cerca de 40 mil visitantes.

A feira contará com o Circuito de Impressão Digital Têxtil, chamado de Future Têxtil, que será todo baseado nas indústrias 4.0. O espaço terá sete estações, com o passo a passo da produção de uma estamparia digital têxtil: a pesquisa de mercado, o desenvolvimento do produto, a definição e preparação da imagem a ser impressa, a preparação do tecido, a escolha da melhor tecnologia de impressão e seu respectivo equipamento, o acabamento do tecido e a entrega do produto finalizado para os setores de moda, decoração e calçadista.

Fonte: FuturePrint 2019