Tecnologia HP leva cor à vida de pacientes infantis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 02/10/2015
F9 e HP criam arte interativa para crianças internadas em hospital infantil

F9 e HP criam arte interativa para crianças internadas em hospital infantil

A F9, gráfica digital curitibana de comunicação visual, instalou recentemente um papel de parede para pintar no Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (Paraná). A parede decorada (impressa com tecnologia látex da HP) foi doada pela F9 e desenvolvida para que as crianças pudessem colorir com giz de cera, canetinha ou tinta guache, a fim de levar diversão para os pequenos que passam por momentos difíceis de internação.

Os desenhos são assinados pela artista plástica paranaense Lucile Justus e a cor ficou por conta dos pequenos artistas. A arte foi impressa com a HP Látex 260 e segue os padrões de livros para colorir. A mídia (papel de parede para pintar) substitui adesivos e papéis convencionais. É antimofo, antibolor e resistente à chama.

HP e F9
Parede pôde ser rabiscada à vontade

Ety Cristina Forte Carneiro, diretora executiva do Hospital Pequeno Príncipe, declarou: “A possibilidade de pintar uma parede agrada qualquer criança - é algo inusitado. A surpresa e o prazer de colorir vai deixar uma marca da sua passagem no hospital. Será o grande diferencial desta ação, que com certeza trará muita diversão. É o que elas precisam”.

Para Luis Otavio Palacios, diretor de marketing e vendas da área de impressão de grandes formatos da HP do Brasil, “a HP Látex é a tecnologia de impressão mais versátil e com a maior quantidade de certificações ecológicas do mercado de comunicação visual e decoração, desenvolvida com preocupação ambiental, tintas à base d’água sem cheiro e sem poluentes de ar nocivos à saúde, entre outros benefícios”.

HP e F9
Brincadeira trouxe diversão e alívio às crianças

Fontes: HP e Complexo Pequeno Príncipe



Case: Sinais investe em impressora UV e expande negócios

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 12/11/2018
Ivan Larrubia, proprietário da Sinais Comunicação Visual, investiu em uma unidade da Durst Rho P10-160 para se diferenciar no mercado

Ivan Larrubia, proprietário da Sinais Comunicação Visual, investiu em uma unidade da Durst Rho P10-160 para se diferenciar no mercado

Sinal de bons auspícios é quando o empresário volta a investir e ter boas perspectivas sobre seus negócios. É o caso do proprietário da Sinais Comunicação Visual, Ivan Larrubia, que adquiriu recentemente uma impressora UV Durst Rho P10-160. Alguns meses atrás, o executivo plenajeva obter uma ferramenta que fosse um diferencial. No caso da Sinais, a diferenciação viria por meio de uma tecnologia que ainda não fazia parte do parque gráfico da empresa, a impressão UV industrial.

Foi nessa época que o gerente de máquinas industriais da VinilSul, Antonio Carlos Celete, entrou em contato com Larrubia: “Eu conhecia o Ivan há muito tempo, praticamente desde o começo das atividades da Sinais. Então, ofereci a Rho P10-160 sem nenhuma pretensão. Ele (Ivan) entendeu que o equipamento estava acima das possibilidades dele, não em termos de estrutura física e financeira, mas sim em função do momento. Mas a Sinais começou a receber pedidos de altos volumes, e isso abriu novas oportunidades”.

As pretensões por diferenciação e impressões múltiplas e o aumento das demandas por materiais rígidos precipitaram o investimento na Durst, que foi concluído na Serigrafia Sign 2018. “Pouco depois da visita da VinilSul, eu estive na feira, onde pude conhecer melhor a tecnologia, além de tirar dúvidas”, comenta o dono da Sinais. Como resultado, alguns meses depois, o birô estaria com uma unidade da Rho P10-160 rodando perfeitamente em suas instalações.

Impressão UV permitiu a impressão direta em diversos materiais rígidos

A tecnologia

A diferenciação e a nova demanda por produtividade – sobretudo em mídias rígidas – levou a Sinais a investir na impressora da Durst. A máquina cumpriu com as expectativas de Larrubia, não só em função da tecnologia UV, que possibilita a impressão direta em inúmeras mídias, mas também porque oferece a capacidade de estampar com a tinta branca.

A tinta branca é um dos diferenciais que o executivo procurava: “Oferecíamos placas de acrílico com impressão no verso. Mas como nossa impressora anterior não tinha tinta branca, precisávamos colar adesivo branco no verso dessas placas. Era necessária mão de obra manual para finalizar o serviço, o que aumentava muito o tempo de produção. Então, usamos a Durst para imprimir diretamente nas placas. Quando o cliente viu o resultado disso, ficou muito feliz com a qualidade".

Além do branco, a Durst Rho P10-160 emprega tintas CMYK, light cyan e light magenta da série Rho Premium WG, desenvolvida para aderir a materiais plásticos. Por esse motivo, os insumos estampam uma gama maior de mídias flexíveis e rígidas. Entre elas, o acrílico e o policarbonato (sem a necessidade de primers), além de chapas corrugadas. Há também as tintas laranja e verde, vendidas como opcionais. Outros opcionais são o kit para corrugados e o kit de impressão rolo a rolo (para a P10 200/250). Em função da capacidade de trabalhar com um maior número de substratos, a impressora é indicada a produção de artigos de sinalização comercial (displays e totens), decoração (cenografia e estandes) e aplicações especiais (teclados de membrana, por exemplo).

Com largura máxima de impressão de 1,6m, a Durst Rho P10-160 produz na velocidade de até 100m2/h (no modo produção) e roda com a resolução padrão de 1.000dpi, para produzir imagens com suavização e cores sólidas homogêneas e sem marcas de passadas em impressão biderecional. Isso porque a máquina emprega cabeças Quadro Array 10, com nozzles em silicone alinhados microscopicamente. Além disso, conta com sistema de motor magnético linear patenteado, para garantir a precisão no disparo das gotas.

Durst Rho P10-160 deu conta das novas demandas por alta produção de materiais rígidos na Sinais

Sinais de bons augúrios

Localizada em Campo Limpo Paulista, em SP, a Sinais é uma empresa de 22 anos. A despeito de atualmente despontar entre as grandes referências da região, ela começou bem pequena: “No início eram apenas alguns pincéis, uma escada e um faixeiro de madeira que ficava no fundo do quintal. Isso mesmo! Começamos com pintura de faixas de morim. Talvez os mais moderninhos não saibam o que é isso... Mas a Sinais tem tinta no sangue”, revela Larrubia.

O passo seguinte da Sinais foi adquirir uma plotter de recorte. Assim como muitos outros birôs nos anos 90, a tecnologia de recorte teve papel determinante ao abrir oportunidades e ampliar a oferta de serviços. Da pintura e do recorte, a empresa evoluiu para a impressão digital de grande formato: adquiriu um equipamento de tecnologia solvente. Dois anos depois, houve a ampliação do parque produtivo, com a aquisição de outra solvente: uma impressora com 3,2m.

Impressão de tinta branca e produtividade foram os diferenciais buscados pela Sinais 

Como empresa que evolui constantemente, seguindo as tendências do mercado, a Sinais fez a transição para as tecnologias látex e UV. A entrada da empresa no segmento UV indusrial se deu com a Durst Rho P10-160: “O objetivo (ao adquirir a impressora) era produzir com mais qualidade e velocidade, superando a tecnologia solvente”, explica Larrubia.

Instalada há poucas semanas no parque gráfico da Sinais, a Durst tem sido objeto de grande expectativa. Além de empregar tecnologia UV, o equipamento é de uma marca reconhecida por sua estabilidade e qualidade. “Com essa impressora, vamos poder atender um número maior de clientes. Assim, temos a expectativa de dobrar nosso faturamento em breve”, revela com exultação o proprietário do birô.

Este conteúdo teve a VinilSul como mecenas

 



Roland DG lança no Brasil tinta ecossolvente Element

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/01/2018
Insumo é vendido em embalagens de 500ml

Insumo é vendido em embalagens de 500ml

A filial brasileira da Roland DG, fabricante de impressoras digitais, anunciou no mercado nacional o lançamento da Element, tinta original indicada para equipamentos das séries TrueVIS VG e SG.

Vendidos em embalagens de 500 ml, os insumos também podem se encaixar perfeitamente em cartuchos reutilizáveis em um compartimento de tinta escondido, para uso limpo e com menos desperdício.

Anderson Clayton, gerente de marketing da Roland DG, declarou: “A nova tinta atende tanto os padrões ambientais rigorosos quanto as demandas dos usuários por um produto de custo reduzido e que, ao mesmo tempo, valoriza a qualidade da imagem”.

Fonte: Roland DG Brasil