Konica Minolta lança equipamento para impressão têxtil industrial

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/06/2014

Nassenger Pro 1000 pode imprimir a mil metros quadrados por hora

Nassenger PRO 1000 pode imprimir a mil metros quadrados por hora

A Konica Minolta, fabricante de impressoras digitais, anunciou o lançamento internacional do Nassenger PRO 1000, equipamento de alta produtividade indicado para indústrias de estamparia têxtil.

Segundo a empresa, a máquina emprega cabeças capazes de imprimir na velocidade máxima de 1.000m2/h (na resolução de 540 x 360dpi). As peças exclusivas e desenvolvidas pela própria Konica Minolta apresentam um total de 1.024 nozzles, cada um com densidade de 360npi.

Manutenção

Para a limpeza e manutenção das cabeças, o equipamento serve-se de dispositivo que verifica e limpa regularmente os nozzles, o que permite uma produção ininterrupta e automatizada. Além disso, o equipamento tem função que possibilita a realização remota de procedimentos de limpeza.

Sistema de alimentação de substratos

A impressora possui função que detecta  automaticamente amassos e vincos nos tecidos e apresenta cabeças com design de superfície côncava. Ambas as ferramentas foram desenvolvidas para prevenir a colisão entre o substrato e o sistema de impressão, evitando falhas e interrupções durante a produção.

Cores e tintas

A máquina emprega nove cores de tinta, paleta que serve para aumentar a capacidade de reprodução tonal do equipamento. Os insumos empregados são à base de corantes dispersos, reativos ou ácidos. Segundo a empresa, essas tintas passaram por testes e demonstraram ser seguras para o corpo humano, além de terem resistência a lavagem e abrasão. A fim de melhorar o desempenho produtivo, a máquina possui dois tanques de tinta de 20 litros para cada cor.

Fazem parte da linha de impressoras têxteis da Konica Minolta outros equipamentos como o Nassenger PRO 60 (para pequenas tiragens) e o Nassenger PRO 120 (de médio porte).

Fonte: Konica Minolta



Innovia Films apresenta nova linha de películas de BOPP

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/11/2018
Películas podem durar até dois anos em aplicações outdoor

Películas podem durar até dois anos em aplicações outdoor

A Innovia Films, fabricante de mídias para impressão, estendeu seu portfólio de filmes de BOPP ao lançar, no mercado internacional, a linha Rayoart, composta por películas brancas brilhantes.

Richard Southward, gerente global de produtos da Innovia Films, declarou: “Esses filmes de 60µm são 33% mais finos do que nossos outros filmes gráficos. Eles oferecem alta estabilidade na laminação e na impressão, além de serem extremamente fáceis de aplicar ou remover em temperaturas altas e baixas”.

Indicados para aplicações indoor e instalações outdoor de curto prazo, os filmes são resistentes à luz UV e oferecem dois anos de duração.

As películas Rayoart podem ser estampadas por equipamentos flexográficos e serigráficos e impressoras inkjet UV e látex, o que as torna uma alternativa viável ao PVC calandrado.

Fonte: Innovia Films



RIP Caldera passa a integrar impressoras Ampla

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/03/2014

Programas da Caldera integrarão as impressoras Ampla a partir de março de 2014

Programas da Caldera integrarão as impressoras Ampla a partir de março de 2014

A Ampla, fabricante nacional de impressoras digitais, firmou em 2013 um contrato com a Caldera, desenvolvedora francesa de softwares gráficos.

Em função da parceria, a partir de março de 2014, os clientes da Ampla terão direito a instalar o novo RIP da Caldera. Para aqueles que possuem impressoras das linhas Targa XT, Samba XT e Targa UV e têm interesse em adquirir o software, a empresa recomenda entrar em contato com a equipe de vendas da fabricante brasileira.

Lie Tji Tjhun, diretor geral da Ampla, comentou: "Com esta parceria, demos um importante passo para continuar oferecendo as melhores soluções de impressão digital aos nossos clientes. O novo software Caldera é de simples operação e muito rápido no processamento de dados, o que vai poupar muito tempo na preparação dos arquivos".

Fonte: Ampla