Impressora digital (grande formato): dicas para escolher a ideal

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/11/2012

Não, escolher uma impressora digital não é fácil. O empresário, além de correr inúmeros riscos ao investir num equipamento, depara com centenas de modelos, entre novos e usados, na hora de adquirir a máquina. O assédio dos fornecedores é grande. A concorrência é acirrada. Então, o que fazer para acertar — ou diminuir as incertezas — na hora de escolher a impressora? O InfoSign mostra algumas dicas rápidas, mas não rasteiras, principalmente para os empresários iniciantes.

Conheça a sua clientela

Comprar uma nova impressora para quê? Fazer e responder a essa questão é o primeiro passo. A sua empresa tem essa necessidade para atender quais clientes e demandas? Se você não souber, corra imediatamente atrás dessas informações. Quanto mais foco e clareza você tiver, melhor. Há muitas possibilidades de aplicações. E saiba que não existe uma impressora que dê conta de todas elas.

Qual é o tipo de serviço que o seu cliente demanda? PDV é opção

A verba que você dispõe para o investimento

Ok, você já conhece o seu foco. Por exemplo: estamparia e personalização de tecidos. Ao saber disso, você naturalmente vai restringir as suas possibilidades de investimento (o que aumenta as suas chances de acerto). Porém, há outras limitações, como o montante que a sua empresa dispõe para o investimento.

E mais: não pondere apenas o preço da máquina. O investimento vai além: há gastos com periféricos (no-break e computador, por exemplo) e instalação (aterramento, ar condicionado, sala de impressão, entre outros). Se você dispõe de 50 mil reais, por exemplo, gastará aproximadamente 20 mil reais para a correta acomodação do equipamento. O restante do valor fica para a impressora (esse é apenas um exemplo; há muitos outros).

Conheça as impressoras e as tecnologias agregadas

Aprenda o máximo possível sobre impressoras digitais e suas aplicações. Aos olhos do leigo, parece não haver muita diferença entre as tecnologias UV e látex. Mas quem as conhece a fundo sabe que ambas têm características bem particulares.

É fundamental dominar informações sobre dispositivos, auxiliares, periféricos, softwares, tipos de tintas, sistemas de alimentação de substratos, entre outros elementos essenciais de uma impressora. Saiba, também, que a tecnologia digital está em evolução constante e que as máquinas entram em rápida defasagem. Portanto, use mídias, como o InfoSign, para conhecer mais a tecnologia e se manter atualizado.

Conheça o mercado: fabricantes, distribuidores, concorrentes e parceiros

Procure empresas com as quais você possa fechar uma parceria. Tenha em vista que a compra de uma impressora não envolve apenas a negociação, mas também toda uma série de atividades pós-venda, como entrega, instalação, assistência técnica entre outros serviços.

Busque conhecer empresas que tenham credibilidade e solidez. Para tanto, consulte empresários que já adquiriram impressoras digitais. Colha informações. Não hesite em ir aos show rooms das fornecedoras. Converse com os vendedores e técnicos. Visite feiras de negócios e eventos nos quais você possa ter contato com profissionais da área, além de poder ver as impressoras em ação.

Feiras oferecem ótimas oportunidades para pesquisar e comprar impressoras



Fujifilm introduz impressora digital Uvistar Pro-8W (com tinta branca)

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 30/10/2013

Novidade da Fujifilm, a Uvistar Pro-8W emprega tinta branca

Novidade da Fujifilm, a Uvistar Pro-8W emprega tinta branca

A Fujifilm, fabricante de produtos gráficos, anunciou a Uvistar Pro-8W, impressora UV de grande formato que usa tinta branca. Indicada para empresas que produzem grande quantidade de materiais para PDV, a máquina possibilita a aplicação do branco embaixo das tintas CMYK ou sobre elas.

O equipamento possui também um sistema automático de alimentação de substrato que permite ao operador imprimir até dez peças de substrato rígido, sem se preocupar em fazer o carregamento ou descarregamento do material.

A máquina tem sensores para impressão frente e verso e apresenta dispositivos de corte em linha, que permitem o acabamento das peças logo após a impressão.

A Uvistar Pro-8W está disponível em modelos com 3,5m ou 5,0m de largura de impressão e pode trabalhar com mídias rígidas ou flexíveis, em processo rolo a rolo ou rolo a folha. De acordo com a empresa, oito cabeças de impressão são dedicadas à disparar a tinta branca.

Fonte: Fujifilm



Tipos de adesivos usados em vinil – parte 1

Por Eduardo Yamashita em 02/06/2015

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Uso vinis com adesivo solvente ou acrílico? Qual a diferença entre adesivo removível e reposicionável? Quando um adesivo removível torna-se permanente? Essas são algumas perguntas comumente feitas por instaladores e que serão respondidas neste artigo dividido em duas partes. A matéria também aborda questões sobre compostos adesivos usados em filmes autoadesivos e examina suas forças, fraquezas e aplicações exclusivas.

Confira também a segunda parte deste artigo

As opções de adesivos compreendem polos opostos, como permanente ou removível. Qual é o melhor? Depende da aplicação. A maioria das opções diz respeito a domínios específicos, como envelopamento de veículos, imagens em parede e sinalização externa de longo prazo. Por exemplo, um adesivo que faz um perfeito envelopamento de uma Ferrari pode não funcionar em uma bicicleta. Então, qual deve ser usado? E quando? Confira as opções:

Adesivo à base d’água versus solvente

A diferença crítica entre esses dois adesivos está na maneira como eles respondem à presença de água e solventes. A diferença de preço entre eles também é um questão relevante. Os vinis com adesivo solvente tendem a custar um pouco mais, pois para serem fabricados requerem controles rigorosos e demandam compostos que podem ser inflamáveis e/ou emitem VOCs (compostos orgânicos voláteis). Os adesivos acrílicos são geralmente à base d’água e, portanto, custam menos para fabricar.

Vinil com adesivo acrílico

Os adesivos acrílicos são à base d’água, portanto, mais suscetíveis à umidade e aos solventes, o que afeta tanto a aplicação quanto a durabilidade dos vinis. Muitos instaladores gostam de usar água com detergente ao aplicar películas. Ela "lubrifica" o substrato de modo que ele pode ser deslizado durante a aplicação. Depois que a imagem é posicionada, a espátula empurra a água de debaixo do vinil pra fora, o que coloca a água em contato direto com o adesivo. Isso enfraquece a adesão do adesivo acrílico, resultando em menor aderência. Por conseguinte, leva muito mais tempo para que o adesivo cure sobre o substrato.

A durabilidade do vinil também é afetada. Depois de instalada, a película é exposta ao envelhecimento, e um adesivo aquoso não tem grande resistência às intempéries. Excesso de chuva ou umidade podem enfraquecer o adesivo e encurtar sua vida. Da mesma forma, se exposto a produtos químicos ou solventes (mesmo em formas gasosas), um vinil econômico não terá a durabilidade esperada – o que vai decepcionar o cliente. Se o ambiente estiver seco e isento de solventes, a imagem deve durar tanto quanto o previsto.

Adesivos à base d'água retraem com mais facilidade

Adesivos à base d’água retraem com mais facilidade

Durante a exposição, o excesso de umidade no ambiente pode ser um problema. Produtos com adesivos à base d’água mostram sinais de retração maior do que produtos com os adesivos solventes. Isso ocorre quando o material não está adequadamente armazenado ou quando sofre flutuações de umidade e temperatura. Todos os vinis adesivos devem ser armazenados em ambientes com umidade relativa do ar entre 50% e 60% e temperatura entre 15°C e 25°C.

Material de "emulsão adesiva"

Alguns fabricantes utilizam adesivos à base d’água sob um termo diferente. Como há um estigma contra acrílico, é possível ver o termo "emulsão" em muitos materiais. Emulsão é simplesmente outro termo para "à base d’água". No entanto, um vinil com adesivo de emulsão não é necessariamente um produto inferior. Ele apenas não foi projetado para uso em longo prazo. A chave é usá-lo em aplicações para as quais é adequado, como sinalizações interiores, decoração interior, sinalizações de promoção em curto prazo e banners promocionais. Se o vinil tiver de ficar exposto a intempéries por mais de quatro anos, este não é o produto correto.

Vinil com adesivo à base de solvente

Adesivos solventes são compostos por materiais mais resistentes. Eles não são facilmente diluídos pela umidade, nem são facilmente afetados por solventes industriais. Isso resulta em vinis que podem ser utilizados em aplicações úmidas, sem afetar drasticamente o tempo de cura.

Uma vez instalado, o vinil com adesivo à base de solvente não é afetado por chuva, umidade e exposição ocasional a solventes industriais e compostos orgânicos voláteis. Como já mencionado, o adesivo solvente é mais caro, mas é definitivamente o produto que vale a pena para aplicações externas em longo prazo.

Os vinis com adesivos à base de solvente podem ser usados para sinalizações em longo prazo, imagens em veículos personalizados e envelopamentos, identificação de frotas, sinalização de segurança industrial e de tráfego e muito mais.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual