Cobertura Fespa Brasil 2015 – Parte 2: Substratos e máquinas de corte e gravação

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/03/2015

Além das impressoras digitais, outros equipamentos abrilhantaram a Fespa Brasil 2015. Entre eles, dispositivos para corte, gravação e acabamento, como plotters, routers, máquinas a laser e mesas de corte. Além deles, não faltou um dos elementos fundamentais na produção de qualquer birô, o substrato. Veja a seguir um panorama do que os expositores dessas soluções apresentaram na feira.

Leia também as demais partes desta cobertura:

Substratos

Certamente, a Fespa Brasil 2015 mostrou maior pluralidade de mídias do que a edição anterior da feira, que ocorreu em 2013.

Os substratos mais destacados, como não poderia deixar de ser, foram os vinis adesivos. Porém, outros materiais flexíveis e rígidos chamaram a atenção do público visitante. Entre eles os laminados da Endutex, as mantas magnéticas da Flexmag, os plásticos da Maxpoli e as mídias especiais da LZ/Sihl.

Soluções para envernizamento e acabamento superficial também estiveram presentes, sobretudo no estande da New Time.

Mídia vendida pela Endutex

Mídia vendida pela Endutex

Vinis adesivos

Além de filmes da 3M e Avery Dennison distribuídas pela VinilSul e películas da Orafol revendidas pela Sign Supply, o visitante da Fespa Brasil 2015 encontrou as principais opções nacionais de vinis adesivos para comunicação visual e envelopamento de carros.

Um dos maiores destaques do evento foi o estande da Imprimax. A fabricante aproveitou a feira para lançar 150 itens. Além de cores adicionais de linhas já consolidadas, a empresa desenvolveu materiais com novas texturas, estampas e tons especiais fotoluminescentes. Além disso, lançou o Guia Imprimax, que reúne informações, dicas, manuais, aplicações e artigos técnicos. O catálogo conta também com DVDs com vídeos sobre produtos e aplicações.

Imprimax lançou 150 produtos na Fespa Brasil 2015

Imprimax lançou 150 produtos na Fespa Brasil 2015

Entre as novidades da Imprimax apresentadas no evento estava o adesivo para piso antiderrapante, disponível nos acabamentos branco, preto, transparente e fotoluminescente. Outro destaque foi a linha Gold Max, composta pelas séries Highlight (com 29 cores), Jateado (Opaco, Fibra Opaco e Fosco), Metálicos (Fibra Metálico, Jateado Metálico e Gold Colmeia), Croco (seis cores), Escovado (oito cores) e Madeira (sete cores).

A Aplike, fabricante nacional de vinis adesivos, aproveitou a feira para lançar opções da série Aplikdecor, com películas para revestimento e decoração, nos modelos Madeira Nogal, Madeira Carvalho, Madeira Madre Pérola, Mármore Marrom Imperador, Savana, Couro Preto e Mármore Ventura. Os materiais podem ser aplicados em portas, elevadores, painéis, cenários e paredes de locais e estabelecimentos como bancos, escritórios, restaurantes, bibliotecas, hotéis, aeroportos, hospitais, feiras de negócios, lojas de conveniência, lojas de varejo, clubes, postos de combustíveis, entre outros.

Linha de vinis para decoração da Aplike

Linha de vinis para decoração da Aplike

Além de promover o curso de envelopamento ministrado por Justin Pate, a Alko aproveitou a Fespa Brasil 2015 para anunciar novas opções de vinis adesivos. As películas lançadas na feira são parte da linha Alltak Tuning, indicadas para aplicações diversas, sobretudo para veículos. Entre as novidades mostradas na exposição estavam os vinis Jateado Verde Água, Jateado Amarelo, Roxo Fosco, Krusher Grafite e Krusher Branco.

Amostras de vinis adesivos fabricados pela Alko

Amostras de vinis adesivos fabricados pela Alko

Máquinas de corte, acabamento e gravação

As máquinas a laser compareceram em peso na exposição promovida pela APS e pela Fespa. Entre as fornecedoras de equipamentos para corte e gravação, estava a Solugrav, distribuidora tanto da Rayjet quanto da Trotec. A empresa destacou seu amplo portfólio de máquinas com mesa. Além disso, não dispensou equipamentos galvanométricos, como o ProMarker 300, que pode gravar objetos com 300mm x 300mm x 250mm, em velocidade de até 640 caracteres por segundo.

A Sitari também foi uma das expositoras. Além das máquinas R60, PL40K e T40, a empresa apresentou a BF1312. Lançamento, o equipamento possui laser CO2 com potência de 120W e apresenta área de trabalho de 1300mm x 1250mm, além de refrigeração do tubo feita com água.

Gravadora exposta pela Potencial Laser

Gravadora exposta pela Potencial Laser

Outro estande que exibiu máquinas a laser foi o da Potencial Laser, importadora de equipamentos Ruijie. A empresa, além de routers, comercializa uma série ampla de gravadoras a laser. Entre os modelos destacados na feira estava o RJ1060, que possui área de corte de 100cm x 60cm e pode trabalhar em potências de 60W, 90W e 120W.

A Glory Laser igualmente não deixou de expor seus trunfos na Fespa Brasil 2015. A fabricante possui um portfólio que abrange todos os tipos de equipamentos para corte e gravação, como routers e máquinas a laser galvanométricas e do tipo plotter.

Mais uma fornecedora que vende ampla variedade de equipamentos é a Mettalforma. Presente na feira, a empresa trabalha com máquinas galvanométricas (como a YAG 50DP), gravadoras de porte industrial (como a Profile Plus) e máquinas do tipo plotter (como a série CMA, cuja potência vai de 30W a 150W).

Gravadora a laser da Trotec

Gravadora a laser da Trotec

Já a Vitor Ciola exibiu sua consolidada série Scriba. As máquinas da linha, além de possuírem estrutura de aço e guias lineares prismáticas em aço temperado, vêm com dupla motorização do eixo x e controlador digital de movimentos.

As tradicionais mesas de corte Zund também estiveram presentes na Fespa Brasil 2015. O estande que as apresentou foi o da BG Soluções, revendedora da marca no país. A empresa comercializa linhas voltadas para o mercado de sign e comunicação visual, para trabalhos com diversos substratos flexíveis e rígidos, como PS, PVC, PET, PP, policarbonato, acrílico, MDF e alumínio, entre outros.

Máquina de corte da Zund, na BG

Máquina de corte da Zund, na BG

Plotters de recorte

Os estimados equipamentos de recorte eletrônico tiveram espaço na Fespa Brasil 2015. A tradicional Roland DG aproveitou a ocasião para lançar o modelo CAMM-1 GS-24, cujos carro de corte e suporte de lâmina foram redesenhados e aceitam maior gama de substratos, com espessuras que variam de 50mm a 700mm. A máquina apresenta área de corte de 584mm x 25000mm e pode trabalhar na velocidade máxima de 500mm/s.

Nova plotter de recorte da Roland

Nova plotter de recorte da Roland

No estande da Sign Supply, o visitante pôde conferir de perto plotters de recorte da japonesa Mutoh, como a VC-600, com largura máxima de corte de 610mm e força de 5g a 600g.

Já a Mimaki levou a série CGSRIII, composta por três máquinas que variam de largura máxima de corte e velocidade de produção. A CG-130 SR III, por exemplo, pode trabalhar materiais com até 1550mm de largura.

Outra empresa encarregada de expor plotters de recorte foi a T&C, que representa no Brasil a fabricante Summa, cuja Série S tem quatro modelos: S75 T (74,2cm de largura), S120 T (120cm), S140 T (135cm) e S160 T (158cm).

A Akad destacou as plotters da linha Novacut, composta pelos modelos PST630SS (largura útil de 630mm e sem sensor de corte de contorno), PST630CS (largura de 630mm e sensor de corte de contorno), PSR630CS (com motor servo e largura de 630mm), PST1260CS (com motor stepper e largura de 1260mm) e PSR1260CS (com motor servo e 1260mm de largura).



HP lança tecido para aplicações backlit

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 10/01/2018
HP Durable Backlit Fabric é compatível com impressoras látex

HP Durable Backlit Fabric é compatível com impressoras látex

A HP apresentou no mercado internacional o HP Durable Backlit Fabric, substrato têxtil leve e resistente a chama. Com tecnologia ColorPRO, a mídia foi desenvolvida para oferecer aspecto suave e orgânico a peças de sinalização e comunicação visual.

Indicado a empresas que empregam tecnologia de impressão digital látex, o substrato deve ser empregado em aplicações retroiluminadas, além de ser fácil de transportar e instalar em quadros e modulas.

Segundo a empresa, a mídia é capaz de reproduzir imagens com qualidade comparável à do papel ou filme de poliéster, o que a torna uma solução interessante para aplicações que serão visualizadas de perto.

Dione Metnick, gerente de produto para mídia de grande formato HP, declarou: “O HP Durable Backlit Fabric foi criado para reduzir danos causados durante o acabamento, o envio e a instalação. Essa mídia é durável, reforçada, reciclável e compatível com o REACH, ou seja, ela não contém substâncias químicas que prejudicam a saúde humana e o meio ambiente”.

Fonte: HP



Dicas para produção de sublimação por calandra

Por João Leodonio em 04/03/2018
Calandra pode aumentar a produtividade, desde que bem utilizada

Calandra pode aumentar a produtividade, desde que bem utilizada

A sublimação por calandra é o processo de transferência de imagens realizada por equipamentos cilíndricos que produzem de forma ininterrupta. Pode ser direta ou realizada por meio de rolos de papel impresso.

Há duas formas de estampagem na sublimação por calandra: imagem localizada ou imagem corrida cobrindo toda a área do papel (posterior do tecido). Nos dois casos, pode-se utilizar o rolo de tecido ou o tecido já cortado.

A sublimação por calandra é uma excelente opção para quem quer sublimar tecidos em rolos e estampas corridas exclusivas, pois trata-se de um processo que oferece velocidade de produção rápida. É também uma boa opção para estampas localizadas e com o corte já feito. Antes de adquirir uma calandra, recomenda-se analisar a relação custo x benefício e compará-la com o processo folha a folha de prensa plana.

Cuidado: papéis e tecidos já cortados podem enrugar durante o processamento na calandra

Limites de largura

As larguras são estipuladas de acordo com o tecido e a estampa (dimensionada com a produção). As mais comuns são 1,20m; 1,50m; 1,60m e 1,80m, mas há exceções.

Tipo de tecido

Quanto à composição do tecido, o ideal é 100% poliéster ou composto com outro tipo de fio com alta quantidade de poliéster. O tecido tubolar não pode ser utilizado em função de seu tipo de fabricação.

Problemas

Papéis ou tecidos já cortados podem enrugar no processo e causar problemas de estrias. Eles também podem sair do lugar, e a estampa será transferida erroneamente. Portanto, é prudente evitar passar na calandra papel e tecido já cortados.

Quando se utiliza rolo de tecido e papel impresso, um dos problemas mais comuns é a falta de tensão por igual nos lados da calandra. Neste caso, a habilidade do operador faz toda a diferença. Além do acerto inicial, é preciso atentar-se durante todo o processo, para evitar que não aconteçam falhas na sublimação.

Quando o serviço colocado em máquina não está no rolo ou as imagens estão para fora do tecido (sangria), a manta de apoio da calandra pode manchar. O ideal é passar, entre o tecido e a manta, um papel kraft de 100g/m2, para ele absorver o excesso de tinta e proteger a manta.

Regule corretamente as varáives do processo, para evitar falhas e retrabalhos

Temperatura e velocidade

São as variáveis que limitam o processo e o tipo de tecido utilizado. Para sublimar alguns tipos de tecido, é preciso mudar as regulagens de temperatura e velocidade porque elas podem alterar a estrutura do fio.

Com a necessidade de maior produtividade, algumas empresas aumentam a velocidade da passada. Porém, se ela for superior ao mínimo para um serviço de qualidade, poderá acontecer falhas causadas pela pouca transferência e pouca exposição, como manchas mais claras. O ideal de velocidade é de 1 a 3 m/min.

Quanto à temperatura, a média é de 200ºC. O ideal é variar entre 195ºC e 220ºC. O recomendado é ajustar essa variável de acordo com o tipo de tecido, pois há materiais que não suportam temperaturas muito altas. Porém, deve-se observar a qualidade do serviço em temperaturas mais baixas.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático