Tecnologia HP leva cor à vida de pacientes infantis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 02/10/2015
F9 e HP criam arte interativa para crianças internadas em hospital infantil

F9 e HP criam arte interativa para crianças internadas em hospital infantil

A F9, gráfica digital curitibana de comunicação visual, instalou recentemente um papel de parede para pintar no Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (Paraná). A parede decorada (impressa com tecnologia látex da HP) foi doada pela F9 e desenvolvida para que as crianças pudessem colorir com giz de cera, canetinha ou tinta guache, a fim de levar diversão para os pequenos que passam por momentos difíceis de internação.

Os desenhos são assinados pela artista plástica paranaense Lucile Justus e a cor ficou por conta dos pequenos artistas. A arte foi impressa com a HP Látex 260 e segue os padrões de livros para colorir. A mídia (papel de parede para pintar) substitui adesivos e papéis convencionais. É antimofo, antibolor e resistente à chama.

HP e F9
Parede pôde ser rabiscada à vontade

Ety Cristina Forte Carneiro, diretora executiva do Hospital Pequeno Príncipe, declarou: “A possibilidade de pintar uma parede agrada qualquer criança - é algo inusitado. A surpresa e o prazer de colorir vai deixar uma marca da sua passagem no hospital. Será o grande diferencial desta ação, que com certeza trará muita diversão. É o que elas precisam”.

Para Luis Otavio Palacios, diretor de marketing e vendas da área de impressão de grandes formatos da HP do Brasil, “a HP Látex é a tecnologia de impressão mais versátil e com a maior quantidade de certificações ecológicas do mercado de comunicação visual e decoração, desenvolvida com preocupação ambiental, tintas à base d’água sem cheiro e sem poluentes de ar nocivos à saúde, entre outros benefícios”.

HP e F9
Brincadeira trouxe diversão e alívio às crianças

Fontes: HP e Complexo Pequeno Príncipe



Como escolher e armazenar papéis para sublimação

Por João Leodonio em 28/11/2017
Em rolos ou folhas, os papéis sublimáticos são essenciais no processo

Em rolos ou folhas, os papéis sublimáticos são essenciais no processo

O mercado oferece muitos tipos de papéis para sublimação, vendidos em folhas ou rolos. Por isso, muitos compradores desses itens fundamentais acabam se confundindo diante de tantas opções e, consequentemente, adquirem materiais inadequados. A seguir, compilamos informações cruciais sobre tipos, gramaturas e armazenamento de papéis sublimáticos. Com o conhecimento delas, o usuário certamente poderá adquirir, utilizar e manipular de forma correta esses artigos básicos da sublimação.

Recomendação importante para todos os casos de papéis listados abaixo: após a impressão e até a prensagem, os materiais devem ser mantidos como antes da impressão, ou seja, sem contato com umidade, poeira e, principalmente, luz.

Papéis sublimáticos para impressão offset (folha a folha)

Para o processo de impressão offset, não há a necessidade de usar papel tratado, que pode ser offset ou jornal. No entanto, a carga de tinta (densidade) tem de ser controlada. Além disso, as pilhas de papel na saída da impressora têm de ser menores, para não ocorrer a transferência de imagem de uma folha para o verso da outra, o que compromete a qualidade da imagem, sobretudo no momento da prensagem.

Gramatura: varia de 54g/m² a 75g/m².

Armazenamento: recomendável manter em local sem umidade, pó e calor excessivo. Conservar os papéis empacotados até o momento da utilização, pois se a umidade relativa do ar estiver muito alta, eles podem ondular, o que dificulta a entrada em máquina. Já a umidade baixa pode provocar estática, que também dificulta a entrada da mídia na impressora. Recomenda-se o controle de temperatura (entre 20ºC e 25ºC) e umidade relativa (entre 45% e 60%).

Modo correto de armazenar papel offset em pacotes

Papéis sublimáticos para impressoras A3 e A4

Nas impressoras “caseiras” são utilizados, normalmente, os formatos A3 e A4. Nesses casos, os papéis sem tratamento não são recomendados, pois a tinta tende a ancorar na massa mecânica da mídia, o que dificulta a pssagem do insumo para o tecido. Para compensar esse problema, muitas empresas aumentam a carga de tinta impressa, o que, consequentemente, onera o processo. Além disso, é importante frisar que a maioria dos perfis de cor disponíveis no mercado não estão preparados para materiais não revestidos. Portanto, o recomendado é usar papéis tratados (resinados) e perfis adequados.

Gramatura: varia de 75g/m² a 125g/m², dependendo de tipo de serviço a ser executado. Muitas fornecedoras oferecem papéis com bom desempenho, e vale testar qual deles entrega a quantidade de tinta adequada para a prensagem correta.

Armazenamento: não expor a umidade, pó e calor excessivo. Manter em pacotes fechados até o momento da utilização. Recomenda-se usar estufas de armazenagem para manter a integridade física do substrato.

Estufa para papéis A3

Papéis sublimáticos para impressão de grande formato

Para impressões em grande formato, utiliza-se tanto papel tratado como papel offset sem tratamento. A largura e o comprimento das mídias variam de acordo com a capacidade de cada impressora digital.

Gramatura: varia entre 56g/m² e 90g/m², dependendo do tipo de serviço a ser executado (textos ou chapados).

Armazenamento: recomenda-se manter os rolos em ambiente controlado (temperatura e umidade relativa) e sem exposição a poeira e luz. Mantê-los empacotados até o momento da utilização.

Modo correto de armazenar papel em rolo

 

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático  

 



Shows do Kraftwerk contarão com recursos de sinalização digital 3D

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/01/2013

Pais do electropop, os integrantes da banda alemã Kraftwerk vão contar com recursos visuais tridimensionais em suas apresentações. A tecnologia escolhida para compor o aparato foi a Watchout 3D, da Dataton, especializada em soluções de sinalização digital.

Todas as apresentações de 2013 contarão com esse efeito. Em 2012, dois shows serviram como teste, um no Museu de Arte Moderna (de Nova York) e outro no festival sueco Way Out West.

Nas apresentações, a Watchout será responsável pelo gerenciamento do conteúdo 3D, que será projetado em um telão central de LED. A plateia deverá usar óculos 3D polarizados para visualizar o efeito.

Novas funcionalidades no Watchout vão permitir que o conteúdo seja manipulado em tempo real por meio de controladores externos, instrumentos musicais, consoles de iluminação, dispositivos móveis e sensores.

Kraftwerk inova mais um vez, ao usar recursos visuais tridimensionais em suas apresentações

Kraftwerk inova mais um vez, ao usar recursos visuais tridimensionais em suas apresentações

Fonte: OutPut Magazine. Texto: InfoSign