Sublimação: como calcular custo, preço, valor e faturamento

Por João Leodonio em 01/05/2018
Saiba como formatar o preço dos seus produtos estampados por sublimação

Saiba como formatar o preço dos seus produtos estampados por sublimação

Será que vendo meu produto sublimado com o mesmo preço do concorrente? Ou cobro mais barato? Faturamento é igual a lucro? Como agregar valor à minha camiseta sublimada e me diferenciar da concorrência?

Muitos empreendedores, sobretudo os novatos, têm muitas dúvidas sobre composição de preços no segmento de impressão sublimática. Mas antes de dar algumas respostas, vamos definir alguns conceitos:

- Custo: é todo o esforço e trabalho empregado para a produção de bens e serviços e divide-se em fixo e variável. O primeiro é todo custo que não varia com a produção, ou seja, está fixado. Exemplos: limpeza, conservação, aluguel, mobiliário e equipamentos. Já o variável é todo custo que varia de acordo com o produto e o volume. Exemplos: caneca, papel impresso, camiseta, entrega, matérias-primas, insumos diretos, embalagens, impostos de venda, mão de obra e fornecedores.

- Preço: é o valor monetário de um bem, serviço ou patrimônio. É composto por custos, despesas e lucro.

- Valor: é criado de acordo com a importância dada por aqueles que adquirem os produtos ou serviços. Exemplo: Quanto você estaria disposto a pagar por um copo de água mineral no deserto? E ao lado de uma nascente de água potável? Independentemente do quanto custou a produção desse copo com água, seu valor será dado pela importância ou necessidade de seu consumo.

- Faturamento: é o montante que a empresa recebe por uma venda do bem ou serviço, ou seja, é o valor total que está impresso na nota fiscal.

Antes de entendermos como chegar à composição de preços, é preciso avaliar o que produzir, para quem vender, quais serão os fornecedores e parceiros, a forma de distribuição e como a concorrência trata o produto ou serviço. Após a fase prévia de produção, deve-se passar para as contas.

Custo fixo

Por trabalhar em casa, muitos acabam não considerando o custo fixo na composição do preço; Mas assim como um imóvel alugado, precisamos valorar o m² da área ocupada e ratear água, luz, telefone e qualquer outra despesa de produção.

Custo variável

É necessário escolher um bom fornecedor de matéria-prima, saber valorar a mão-de-obra envolvida na produção (a própria ou terceirizada), o consumo de energia e o transporte, além de saber negociar desconto para compras maiores, o que ajudará na composição de um preço menor.

Preço

É necessário avaliar todos os rateios de custo fixo, aplicar todos os custos variáveis, lucro esperado, impostos e todos os valores envolvidos na fabricação e distribuição do bem ou serviço. Muitas empresas não consideram os custos de pós-venda e acabam por não dar um atendimento adequado ao cliente após entregar os produtos ou serviços. Assim, não fidelizam a clientela.

Valor

Trata-se de algo a ser estabelecido depois da formatação do preço. Portanto, é preciso muito cuidado para valorar a importância do produto ou serviço. A valoração vai depender da necessidade, local, oferta, demanda e algo muito importante, que é a qualidade final do que se oferece. A qualidade de um produto final (matéria-prima, insumos e controle nos processos de produção) pode fazer com que o valor suba.

Faturamento

Como já explicado, não é ganho, nem lucro. Trata-se apenas do registro dos valores totais das vendas.

Concorrência

Após levantar informações e compor o preço do produtos, você descobre que a concorrência vende mais barato. O que fazer? Quanto mais barato? Vende para o mesmo público? Que matéria-prima utiliza?

Essas são questões que, se respondidas de forma adequada, poderão ajudar a rever o preço de venda ou mantê-lo e investir na valorização do produto, mantendo as margens originais de lucro.

Mas isso é possível num mercado tão concorrido quanto o da sublimação?

Sim, e a cada momento aparece um novo fornecedor. Quase na mesma velocidade, saem do mercado aqueles que ofereceram produtos e serviços de má qualidade. Portanto, se ao formatar um preço, a empresa considerar todos os tópicos tratados acima, possivelmente terá sucesso. Em caso de insucesso, saberá onde errou.

Sugerimos também fazer a alocação dos custos de forma mais coerente possível, usando o sistema R.K.W (um assunto a ser tratado num próximo artigo).

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



Unitrama lança chapas de ACM

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 25/09/2019
Cinco opções de cores fazem parte da linha ACM Unibond Sign

Cinco opções de cores fazem parte da linha ACM Unibond Sign

A Unitrama, fornecedora nacional de mídias e insumos para comunicação visual e impressão digital, anunciou o lançamento da ACM Unibond Sign, linha de chapas de alumínio composto com pintura de poliéster brilhante.

Disponível nas opções Preto, Branco, Azul, Vermelho e Prata, a chapa ACM Unibond Sign é vendida no formato de 1,25m x 5m e vem com miolo inquebrável e alumínio com espessura de 0,17mm.

Embora não seja indicada para uso externo, a ACM Unibond Sign pode ser usada na produção de diversas peças de sinalização e comuniação visual.

Sediada em Maringá (PR), a Unitrama atua há quase uma década e conta com uma equipe de mais de 70 colabores e um portfólio de 707 produtos.

Além da sede em Maringá (PR), a fornecedora opera com mais três unidades, em Ribeirão Preto (SP), Cuiabá (MT) e Itajaí (SC).

Fonte: Unitrama



Nova cabeça Epson PrecisionCore chegará ao Brasil em 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 04/12/2013

Chip da PrecisionCore

Chip da PrecisionCore, que tem previsão de chegada ao Brasil em 2014

A PrecisionCore, nova tecnologia de cabeças de impressão da Epson, vai chegar ao Brasil em 2014. A peça tem formato compacto e modular, o que possibilitou o desenvolvimento da SureColor F2000, impressora digital com estrutura fixa de cabeças em linha (linehead) totalmente voltada para o mercado têxtil. Com as novidades, a Epson Brasil espera crescer 30% no setor em 2014.

"Com a PrecisionCore, criamos sistemas de impressão de alto desempenho e sob medida para novos segmentos", declarou Paulo Ferraz, presidente da Epson Brasil. "A nova cabeça está entre as mais rápidas do mundo, dispara gotas de tamanho variável e tem controle de ponto mais preciso, garantindo excelentes resultados de impressão."

Para Simone de Camargo, diretora de marketing da Epson Brasil, a PrecisionCore pode ser aplicada em vários segmentos: "Estamos lançando uma nova geração de tecnologia de impressão em tecidos e rótulos e etiquetas. Mas ela poderá ser estendida a toda linha de produtos, inclusive de impressão doméstica".

As cabeças de impressão Epson

Em 1990, a Epson revolucionou o mercado de impressão ao lançar cabeças piezoelétricas. Em 2007, a fabricante introduziu a tecnologia MicroPiezo TFP (Thin Film Piezo), que aumentou a resolução e a velocidade das impressoras a jato de tinta.

PrecisionCore: nova geração de cabeças de impressão da Epson

PrecisionCore: nova geração de cabeças de impressão da Epson

Em 2013, a Epson apresentou uma nova geração de tecnologia de impressão, a PrecisionCore. Resultado de um investimento de 300 milhões de dólares e 10 anos de pesquisa, a novidade possui componentes com precisão micrométrica. Esses dispositivos dobram a potência de saída de tinta da peça.

Fonte: Epson Brasil