Razões para começar a usar mídias sem PVC

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 15/07/2021
“PVC-Free” é tendência na Europa

“PVC-Free” é tendência na Europa

Há mais de 15 anos, o segmento de comunicação visual, no mundo, vem tendo discussões sobre os perigos do PVC. Embora o assunto tenha evoluído, os produtos compostos por PVC continuam a ser, de longe, os mais usados no setor.

Atualmente, atingimos um ponto de inflexão e as tendências de sustentabilidade, saúde e bem-estar convergiram para um foco intenso sobre os materiais utilizados, e o foco, no momento, está centralizado sobre o material onipresente em nossa indústria: o PVC.

Devido à sua química clorada e aos seus muitos aditivos tóxicos, o PVC é supostamente responsável por uma série de riscos graves para o meio ambiente e para a saúde humana, a contaminação da água ao câncer, infertilidade e defeitos congênitos.

Desde a fabricação até o seu descarte, o PVC emite compostos tóxicos. Durante a fabricação de seus ingredientes básicos (como o monômero de cloreto de vinila), muitos poluentes persistentes são emitidos no ar, na água e nos ecossistemas - e apresentam riscos agudos e crônicos à saúde. Durante o uso, os produtos de PVC podem lixiviar aditivos tóxicos, como e ftalatos e componentes orgânicos voláteis. Quando o PVC queima acidentalmente (por exemplo, em um incêndio em um prédio alto), ele emite dioxina e um gás (cloreto de hidrogênio) altamente tóxico.

Quando o PVC chega ao fim de sua vida útil, ele pode ser depositado em aterro sanitário, onde lixivia as toxinas. Pode ser incinerado, mas emite dioxinas. Ou, em alguns casos, pode ser reciclado, mas nesse processo, gases tóxicos também são emitidos.

Sistemas de classificação de materiais, como o “Cradle to Cradle” e o “Living Building Challenge”, recomendam evitar o PVC. Além disso, continua crescendo a lista de marcas (Apple, Microsoft, Nike, Adidas, Mars e Unilever), instituições e gráficas que adotaram políticas de alternativas ao PVC.

Por causa desses fatores, combinados com novas alternativas sem PVC, a pressão para substituir o PVC nunca foi tão forte.

Nas aplicações de decoração e comunicação visual, embora a maioria das aplicações seja em ambientes internos ou externos de curto prazo em superfícies simples, os vinis monoméricos são a escolha padrão. Os principais motivadores dessa escolha são o preço, o desempenho e o hábito, uma vez que os produtos historicamente sem PVC tiveram um desempenho ruim e foram eliminados do mercado. No entanto, essa realidade mudou, e precisamos nos desafiar a pensar de forma diferente sobre os materiais escolhidos para esses tipos de aplicações.

Alternativas autoadesivas sem PVC, como PP e PET, certamente são um passo na direção certa. Sem nenhum impacto mensurável na saúde humana e um impacto significativamente menor no meio ambiente, elas são, em geral, escolhas mais sustentáveis para quase todas as aplicações internas ou externas de curto prazo.

Muitos fabricantes de mídias têm expandido suas ofertas de produtos sem PVC. Por exemplo, metade do portfólio da europeia Neschen, atualmente, é composto por substratos “PVC-free”. Entre eles, estão filmes para design de interiores, películas para pisos e janelas, papéis e revestimentos de parede e laminados de proteção. A Neschen também vende uma opção sem PVC para quase todas as aplicações internas e externas de curto prazo.

Além dos óbvios benefícios ambientais e de saúde, as alternativas sem PVC oferecem desempenho desejado e são competitivos em preços. Em alguns casos, são mais baratos do que seus equivalentes com PVC.

Dadas as tendências ambientais, de saúde e sociais, além das melhorias no desempenho e no preço das alternativas sem PVC, você poderia estar se perguntando: “Qual é a minha desculpa para não abandonar o PVC?”

Este artigo é de autoria de Matt Manteit, gerente de vendas internacionais da Neschen.



Onyx passa a suportar impressoras Mimaki JFX200 e JV300

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 04/05/2015

Novos drivers para equipamentos Mimaki foram adicionados à versão 11.1.2 do RIP Onyx

Novos drivers para equipamentos Mimaki foram adicionados à versão 11.1.2 do RIP Onyx

A Onyx, desenvolvedora de softwares, anunciou que a versão 11.1.2 do RIP homônimo passou a suportar as impressoras Mimaki JFX200-2513 e Mimaki JV300.

Plana, a Mimaki JFX200-2513 emprega tecnologia UV LED e é indicada para displays, sinalização, posters, decoração e painéis de vidro. Já a Mimaki JV300 é uma série de equipamentos rolo a rolo que empregam cabeças de impressão recém-lançadas. Indicadas para comunicação visual, as máquinas usam tinta ecossolvente e trabalham com diversas mídias.

A Onyx recomenda o software de fluxo de trabalho Onyx Thrive para os modelos Mimaki mencionados. Trata-se de uma solução baseada em tecnologia Adobe PDF Print Engine, que oferece opções para obter imagens mais brilhantes e vivas, além de reduzir a intervenção manual e eliminar tarefas repetitivas.

Fonte: SGIA



Coralis disponibiliza cartilha grátis sobre gerenciamento de cores

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/03/2014

A ideia da publicação é derrubar os mitos sobre gerenciamento de cores na impressão digital

A ideia da publicação é derrubar certos mitos sobre gerenciamento de cores na impressão digital

A Coralis, especializada em soluções de gerenciamento de cores, está disponibilizando gratuitamente um documento informativo intitulado "Queda dos 10 mitos do gerenciamento de cores na impressão digital".

De autoria de Matheus Pimentel, o material desmistifica tópicos desvirtuados sobre o gerenciamento de cores em birôs e gráficas digitais, respondendo às seguintes questões:

  1. O número de passadas aumenta o consumo de tinta?
  2. A extensão do arquivo pode interferir no resultado de cor?
  3. O que é um perfil de cor genérico?
  4. Preciso ter meus aplicativos sincronizados?
  5. O perfil ICC resolve tudo?
  6. Se reduzir a resolução ganho em velocidade, mas posso comprometer o resultado de cor?
  7. Matéria-prima de baixa qualidade pode comprometer o resultado das cores?
  8. Por que devo utilizar um software RIP e qual é configuração ideal dele?
  9. Sou bom de olho. Isso ajuda?
  10. O meu CMYK é igual ao seu CMYK?

O para obter o material, basta fazer um cadastro simples no site da Coralis.

Fonte: Coralis