Estamparias digitais podem ser fundamentais na retomada econômica do setor têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 30/04/2020
Produção ágil, pontual e diversificada são características das estamparias digitais

Produção ágil, pontual e diversificada são características das estamparias digitais

Os efeitos nocivos da pandemia de covid-19 já causam prejuízos na indústria têxtil. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), as vendas de 38% das empresas do setor caíram 10% em março de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019.

Neste contexto, em que redução de custos, estratégia assertiva e produção eficiente são imprescindíveis, a estamparia digital ganha destaque.

Os executivos da Global Química & Moda (GQM) acredita que o uso da técnica deve se fortalecer no Brasil, principalmente pela agilidade e redução de custos com estoque. “Ela permite produzir sob demanda e de forma rápida. Assim, a empresa não precisa ter estoque parado, nem custo sem previsão de venda”, comenta Felipe Sanchez, CEO da empresa.

A GQM acredita que a digitalização deve se fortalecer não só pelo custo-benefício, mas também porque produz novos formatos de consumo. “Já havia uma tendência muito forte na busca pela personalização e baixos volumes. A impressão digital possibilidade da produção exclusiva, o que é impossível na técnica tradicional de estamparia”, destaca Sanchez.

O executivo lembra que o enfrentamento da crise exige mudanças de comportamento e apostas em linhas de produção mais assertivas. “O objetivo é produzir mais com menos. A impressão digital necessita de menos recursos naturais para estampar e oferece melhor qualidade. Além disso, por permitir produção sob demanda, diminui as sobras. No fim, o investimento nessa tecnologia pode ser crucial no reposicionamento de mercado, quando a situação toda se normalizar”, aponta.

Fonte: GQM



Zünd e SA International fecham parceria

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 09/08/2015
Máquinas da linha Zünd G3 incorporaram software EnRoute Pro

Máquinas da linha Zünd G3 incorporaram software EnRoute Pro

A SA International, desenvolvedora de softwares, criou a versão “Zünd Edition” do EnRoute Pro, aplicativo específico para acabamento e gravação. A nova edição do programa suporta equipamentos da linha Zünd G3, composta por mesas de corte.

Segundo a empresa, o EnRoute Pro Zünd Edition oferece ferramentas para a criação rápida e fácil de efeitos exclusivos, como texturização de desenhos 3D. Outra opção do programa é a Smart Toolpathing, para nesting, vetorização e verificação de saída.

Pete Alsten, gerente de produto da Zünd America, declarou: “Graças à cooperação com a SA International, os clientes podem utilizar nossos sistemas de corte para novas oportunidades e negócios de sinalização”.

Em 2008, a Zünd lançou a série G3, com mesas de corte para trabalhos de acabamento em mídias rígidas e flexíveis. O emprego da nova versão do software EnRoute Pro aumenta a capacidade produtiva dos equipamentos.

Fonte: Large Format Review



Dicas para um envelopamento perfeito – Parte 2

Por Eduardo Yamashita em 17/09/2016
Segunda parte do artigo aborda os tópicos local de instalação, aplicação e pós-instalação, para executar um envelopamento profissional

Segunda parte do artigo aborda os tópicos local de instalação, aplicação e pós-instalação, para executar um envelopamento profissional

Na primeira parte deste artigo, foram abordados pontos importantes para um envelopamento profissional. Desta vez, falaremos sobre mais três requisitos essenciais para o serviço. São eles: local de instalação, aplicação e pós-instalação.

Local de instalação

Depois de criar o design correto, escolher o material adequado, obter uma grande impressão e preparar perfeitamente o veículo, é necessário cuidar do local onde será realizado o envelopamento. Onde será feita a instalação? Será interna ou ao ar livre? A instalação interna fica livre de poeira e tem a temperatura adequada para a instalação?

O envelopamento ao ar livre é um começo terrível. Não há nenhuma maneira de evitar que partículas de poeira caiam sobre a superfície do carro, e quando isso acontece, forma-se uma camada de sujeira que ficará sob o vinil. Um grande número de partículas de poeira poderá causar grandes rasgos no vinil, permitindo que a água penetre na imagem, o que leva o envelopamento ao fracasso.

É muito mais recomendado que o veículo seja adesivado dentro de um estabelecimento. Porém, a instalação interna deve ser livre de qualquer tipo de poeira e deve estar na temperatura correta.

A instalação de um vinil em alta temperatura fará com que ele estique em demasiado e falhe em longo prazo, apresentando altos índices de encolhimento. Já a instalação em temperaturas baixas fará com que o vinil fique mais rígido, o que exigirá muito do instalador durante a aplicação.

O local da instalação é extremamente importante para garantir que o resultado final do envelopamento seja excelente.

Prefira sempre realizar envelopamento em locais fechado e mais protegidos de sujeiras e outras interferências

Aplicação

Muita gente pensa que é fácil instalar vinis em veículos. Afinal, ele é simplesmente um adesivo gigante. Errado! Para que o instalador aprenda a maneira correta de envelopar carros, são dispendidos dinheiro, materiais e muitas horas.

Diferentes materiais se comportam de maneiras diversas e, portanto, o instalador deve ter uma vasta experiência com vários tipos de vinis. Muitos deles também desenvolvem suas próprias ferramentas para o trabalho.

Embora a instalação do vinil seja muito difícil, o corte final do acabamento é ainda mais desafiador. Pode-se ter o envelopamento perfeitamente instalado, mas se o material em excesso não for cortado e dobrado corretamente, o resultado final terá um acabamento falho. Refilar o vinil requer mãos firmes, paciência e técnica. Isso é o que diferencia um excelente instalador de um bom instalador. Executar um envelopamento que parece um trabalho de pintura é o que todos desejam.

Experiência com diversos tipos de vinis adesivos é pré-requisito para um bom instalador

Pós-instalação

A pós-instalação é a etapa mais negligenciada pelos instaladores. Trata-se de uma parte demorada e mais chata.

Nessa fase, o instalador deve passar soprador térmico por cima dos vinis aplicados nas áreas rebaixadas e curvas. Esse procedimento garante que o filme seja aquecido a certo grau, conforme exigido pelo fabricante (recomenda-se de 45ºC a 50ºC para vinis de cor sólida e de 85ºC a 90ºC para vinis impressos). Isso porque todos os envelopamentos usam vinis compostos por PVC. Este material permite que o vinil tenha memória. Isso quer dizer que quando ele for sobrecarregado e aquecido, vai voltar à sua forma original. No entanto, uma vez que o vinil é instalado, espera-se que ele não volte à sua forma original, pois isso significa que ele encolherá e puxará para trás o material.

A única maneira de sobrepujar a memória do PVC é garantir que as áreas esticadas ou sob pressão cheguem a essa temperatura específica. Isso garantirá que o vinil mantenha sua forma.

Enfim, digamos que todos os fatores acima foram atendidos e executados perfeitamente. O que acontece se ainda tivermos problemas com o envelopamento? Serviço ao cliente é o único recurso de que você pode depender, de modo que escolher uma empresa de envelopamento respeitável torna-se a parte mais importante do seu processo de decisão.

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual