Esko conclui venda da marca Kongsberg

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 14/04/2021
Fabricante de mesas de corte desligou-se da Esko

Fabricante de mesas de corte desligou-se da Esko

Iniciado em dezembro de 2020, o processo de venda da Kongsberg para a empresa de investimentos Open Gate Capital foi concluído com sucesso. Portanto, a fábrica de mesas de corte desligou-se em definitivo da Esko.

A OpenGate Capital é uma empresa de “private equity” sediada em Los Angeles (EUA), com investimentos em cinco continentes. Seu novo negócio, o Kongsberg Precision Cutting Systems, emprega cerca de 400 ex-funcionários da Esko, operando nas instalações originais da Kongsberg (Noruega), nas instalações de produção em Brno (República Tcheca) e em uma nova sede em Gent (Bélgica).

A Esko, desenvolvedora de soluções integradas de software e hardware para embalagens, confirmou o fechamento bem-sucedido da venda da Kongsberg para a OpenGate Capital.

A venda permitirá que a Esko a Kongsberg (agora sob a liderança de Stuart Fox) desenvolvam suas próprias direções estratégicas.

Fonte: OpenGate Capital



Ricoh lança impressora látex de grande formato

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/01/2014

Ricoh Pro L4100: nova látex do mercado de grandes formatos

Ricoh Pro L4100: nova látex do mercado de grandes formatos

A Ricoh, fabricante de equipamentos para impressão, acaba de anunciar no mercado internacional o lançamento da Ricoh Pro L4100, impressora látex de grande formato com sistema rolo a rolo. Disponível em dois formatos (de 1,3m e 1,6m de largura), a máquina emprega a paleta de cores CMKY e vem com as tintas laranja, verde e branca (que ampliam a gama de cores reproduzíveis).

Tinta

A tinta original da máquina é uma solução à base d’água que gera poucos compostos orgânicos voláteis. Além de inodora, a tinta cura à temperatua de 60°C, o que possibilita a impressão de mídias mais sensíveis ao calor. Segundo a fabricante, as tintas Ricoh oferecem durabilidade indoor de um a dois anos.

Além disso, a impressora conta com um sistema de fornecimento ininterrupto de tinta, que substitui automaticamente um cartucho vazio por outro novo e cheio de tinta.

Mídias

A Ricoh Pro L4100 imprime em substratos de PVC, lonas, ​​papéis sintéticos, papéis revestidos, papéis não revestidos, filmes, tecidos, entre outros materiais. A fabricante afirma estar ampliando a gama de substratos compatíveis por meio de um programa de certificação de mídias, realizado em parceria com a Color Concepts, empresa de normas e certificação de materiais.

Cabeças de impressão

Usando as mais recentes cabeças piezoelétricas da Ricoh, a Pro L4100 consegue imprimir com pontos variáveis, disparando gotas de tinta com volume de 4 picolitros, o que pode gerar gradações de cores mais suaves e detalhes finos, incluindo linhas e fontes pequenas.

RIP

A Ricoh Pro L4100 vem com o RIP Colorgate com padrões configuráveis, para personalização do menu de ferramentas do aplicativo, tornando-o mais intuitivo e fácil de operar.

Características técnicas

  • 7 cores: CMYK, branca, laranja e verde;
  • Última geração de cabeças de impressão Ricoh, que disparam gotas de tinta com volume de 4 picolitros;
  • Tinta látex à base d’água;
  • Velocidade de impressão: 8,2m2/h;
  • Secagem rápida da tinta;
  • Duas larguras de impressão: 1,3m e 1,6m;
  • Menor consumo de energia;
  • Temperaturas de cura mais baixas, o que reduz o consumo de energia e possibilita a impressão de materiais mais sensíveis ao calor;
  • RIP Colorgate.

Fonte: Ricoh Europa



Museu londrino usa sinalização digital em mostra

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 26/11/2012

As mídias de sinalização digital já fazem parte do nosso cotidiano, não apenas em cafés e restaurantes, mas em locais como museus e galerias. Prova disso é uma recente mostra realizada no Victoria and Albert Museum, de Londres (Inglaterra).

Para a exibição "British Glamour Since 1950", o museu fez uma instalação inusitada: contou com projetores Projectiondesign F32 para apresentar imagens na parte superior das quatro alcovas do ambiente (construído na segunda metade do século XIX, o edifício conta com formas abaloadas em seu interior).

O sistema desenvolvido pela Sysco em parceria com a Electrosonic usou o software Watchout (da Dataton), para ajustar as imagens projetadas.

"As alcovas do museu têm curvaturas que produzem uma superfície de projeção incomum, por causa disso foi preciso deformar as imagens projetadas, para que elas casassem perfeitamente com o ambiente".

Para Fredrik Svahnberg, diretor da de marketing da Dataton, essa foi uma boa oportunidade para mostrar o quanto a sinalização digital pode enaltecer um local público: "Estão usando a nossa tecnologia como um meio de explorar a beleza da arquitetura", concluiu.

Uma das dificuldades da instalação foi projetar imagens nas superfícies curvas dos ambientes internos do museu

Uma das dificuldades da instalação foi projetar imagens nas superfícies curvas dos ambientes internos do museu

Fonte: ScreenMedia. Texto: InfoSign