Entrevista: os campeões do Decor Wrapping 2019

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/07/2019
Bismarkis e André: planejar com antecedência foi o trunfo da dupla vencedora do Decor Wrap 2019

Bismarkis e André: planejar com antecedência foi o trunfo da dupla vencedora do Decor Wrap 2019

Um é do litoral paulista. O outro trabalha e mora em Botucatu, interior de São Paulo. Mesmo separados por centenas de quilômetros, Bismarkis Santos (da Magnata Comunicação Visual) e André William Alves Evangelista (da André Adesivos Carwrap) uniram habilidades, conhecimentos e muita estratégia para ter um desempenho excelente na edição 2019 do Decor Wrapping, campeonato de adesivação decorativa promovido pela Imprimax. A dupla foi a vencedora da competição, realizada entre os dias 10 e 13 de julho, no estande da marca, na feira FuturePrint (sucessora da Serigrafia Sign).

Quis o destino que a dupla se conhecesse em 2017 durante um curso de envelopamento promovido pela LuukFilm, na cidade de São Paulo. A empatia instantânea fez com que André e Bismarkis ficassem amigos e mantivessem contato contínuo, mesmo distantes. Os dois passaram a frequentar juntos as feiras do setor e viram no Decor Wrapping uma ótima oportunidade para mostrar todo o potencial de suas técnicas de adesivação. Então, inscreveram-se na 1ª edição da competição, em 2018, e conseguiram ficar em 3º lugar. Um pouco frustrados por não terem vencido o campeonato, os adesivadores determinaram que em 2019 voltariam para triunfar. Treinaram, observaram e, sobretudo, criaram estratégias exclusivas de instalação. Resultado? Sangraram-se campeões, com louvor, na 2ª edição da disputa.

André começou bem cedo, aos 12 anos, ajudando na empresa do pai, a HB Arte Visual, de Botucatu. Na época, também criava desenhos e adesivos no CorelDraw. Atualmente, trabalha com aplicação de insufilm em arquiteturas e de vinis automotivos e decorativos.

Bismarkis, apelidado de “Homem-Aranha” por fazer adesivagem em altura, começou a envelopar carros em 2011, quando trabalhava em uma siderúrgica. Aprendeu a técnica sozinho e, ao adesivar na rua o seu próprio carro, uma pessoa se interessou pelo serviço e pediu um orçamento. Foi um sinal. Bismarkis, então, deixou o trabalho na fábrica e passou a se dedicar ao envelopamento. Atualmente, além de personalizar carros, ele trabalha com adesivação decorativa e arquitetônica (onde se “pendura” para colar películas em fachadas de prédios).

Exultante pela conquista de 2019, a dupla conversou com o InfoSign:

Vocês ficaram em 3º lugar em 2018. Como foi a participação de vocês em 2019?

André: Este ano a competição foi mais elaborada, com um espaço mais amplo e dificuldades maiores na hora do envelopamento, além dos competidores serem feras na espátula.

Bismarkis: Procuramos corrigir nossos erros do ano passado. Dividimos nossas funções no jogo, que estava mais difícil. Isso é ótimo, porque vai para final quem realmente sabe jogar. Além disso, algumas regras mudaram. Em 2018, era mata-mata. Esse ano, contava a soma da pontuação. Fomos para final, e o segundo lugar já estava garantido. Mas brigamos pelo primeiro. Nos deram três horas para concluir o cenário que simulava uma cozinha. Tivemos que escolher as cores que iríamos usar em cada móvel. Alguns obstáculos nos fizeram perder tempo. Começamos pelas partes mais difíceis, mas recuperamos na última hora. Concluímos antes do tempo e aproveitamos a sobra para revisar todos os itens.

Antes de começar as disputas, vocês criaram uma estratégia para de otimização de trabalho?

Bismarkis: Sim, montamos uma espécie de diagrama, que foi a chave do jogo. Cada um sabia o que faria. Estávamos bem confiantes, fomos uns dos últimos a competir e isso nos ajudou a ter tempo para estudar o jogo dos demais participantes,

André: Conversamos bastante sobre as cores dos vinis que utilizamos, para um não atrapalhar o outro, além de manter sempre o ambiente de trabalho organizado.

Na primeira etapa, o trabalho da dupla foi terminado antes do tempo estipulado

A competição teve duas etapas. Como foi a etapa inicial?

Bismarkis: Na primeira fase, quem concluísse antes ganhava 500 pontos. Concluímos antes. Nossa técnica de adesivação do vinil “tijolinho” foi fundamental. Não vi ninguém fazer igual. No caso, você corta a primeira peça já na medida. Sem cortar a segunda peça, você procura a posição correta. Para que meus adversários não vissem a minha técnica, usei o próprio adesivo de tijolinho para marcar, cortamos na medida aproximada, instalamos a primeira peça, e a segunda já estava marcada na posição da primeira.

André: Com o tempo que sobrou, fomos corrigindo imperfeições para melhorar a qualidade do trabalho.

Em quanto tempo vocês adesivaram essa primeira etapa?

Bismarkis: Em 1h45. Na verdade, acabamos antes. Porém revisamos tudo. Nossa pontuação ficou bem à frente de todos. A pontuação máxima era 5.000 pontos, e fizemos 4.980 pontos.

E como foi a etapa final?

Bismarkis: Tínhamos que montar o projeto, e a arquiteta avaliava, e não sabíamos se o nosso projeto seria aceito por ela. Tivemos que usar a criatividade, e acredito que fizemos uma boa combinação. Isso pesou na pontuação total. Estávamos confiantes, mesmo sabendo que nosso adversário era um bom profissional. Observamos os trabalhos que tinham maior chance de ir para a final e observamos seus pontos fracos.

André: Utilizei a prateleira como base para o alinhamento das pastilhas, que deveriam ser coladas na parede. Assim, colei com mais facilidade.

Na segunda etapa, o planejamento do projeto de adesivação foi um diferencial 

Vocês já fizeram algum trabalho juntos além do campeonato?

Bismarkis: Nunca trabalhamos juntos, só no campeonato. Sempre conversamos por telefone quando temos dúvidas, mandamos vídeos um para o outro.

O que motivou vocês a participar do campeonato?

André: Participei do Decor Wrapping para mostrar o conhecimento e as técnicas que aprendemos no dia a dia.

Bismarkis: O que me motiva é estar entre os melhores. A premiação também é um grande motivador. Com os prêmios que ganhamos, dá para fazer um bom dinheiro. Tudo isso nos ajuda a crescer cada vez mais. A confiança aumenta. É muito gratificante chegar na sua cidade e receber parabéns das pessoas que conhecem seu trabalho. Chegar na revenda e ser bem visto e indicado. Hoje mesmo recebi três indicações de uma revenda.

Qual a importância do campeonato para o mercado?

Bismarkis: É muito importante que os fabricantes realizem eventos desse tipo. Eles ajudam a desenvolver o mercado. Mais clientes passam a acreditar que a adesivação é uma forma de renovar a decoração de suas casas. Muitos ainda não sabem disso, acham que é "contact" ou acham que o vinil danifica as superfícies. E é muito bom para nosso mercado quando o fabricante investe em publicidade.

A adesivação decorativa tem crescido. O que falta para ela se desenvolver mais?

Bismarkis: Precisa olhar os adesivadores com outros olhos. Somos nós que movimentamos o mercado, nós que vendemos.

André: Ter mais profissionais capacitamos para fazer um bom trabalho de qualidade e sempre inovar nas tendências de cores e texturas.

Ganhar esse título ajuda vocês de que maneira?

Bismarkis: A conquista desse título nos faz ter a certeza que estamos no caminho certo. Estamos muito felizes. A premiação nos nossos negócios. Novas portas serão abertas. Dá mais confiança para os nossos clientes. Saber que estou entre os melhores adesivadores do país é um grande retorno, me deixa feliz por saber que estou no caminho certo. E muito gratificante ver centenas de pessoas curtindo o seu trabalho, reconhecendo nosso esforço.

Vocês vão participar de novo na próxima edição?

Bismarkis: Certamente! Se formos selecionados, iremos participar novamente. Gostaríamos de agradecer os apoiadores Exfak e Roland e agradecer a Imprimax, por realizar esse belo evento, que ajuda o nosso mercado a crescer.

André: Também gostaria de agradecer à organização da Imprimax e aos patrocinadores do Decor Wrapping, pela oportunidade de participar e ganhar esse título tão cobiçado pelos adesivadores brasileiros.    



Epson lançará impressoras sublimáticas na Fespa Brasil 2013

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/03/2013

Impressora Epson para sublimação

Uma das grandes atrações da Fespa Brasil será a nova impressora sublimática da Epson

As aguardadas impressoras para sublimação da Epson aportarão, finalmente, no Brasil. E o palco dessa estreia será a Fespa 2013, feira na qual serão exibidos os modelos SureColor F6070 e SureColor F7070 (ambos lançados no mercado internacional em novembro de 2012).

Confira os detalhes técnicos das máquinas.

Para a Epson, a Fespa chegou ao Brasil em um momento importante da empresa, que está investindo nas áreas de comunicação visual e sublimação. "Acreditamos que este evento contribuirá para o crescimento destes mercados, e sinaliza que a Epson está atenta às necessidades do segmento de impressão", ressalta Evelin Wanke, especialista de produtos na linha de grandes formatos da empresa.

Além das impressoras sublimáticas, a marca vai apresentar o modelo SureColor S30, entre outras soluções para os visitantes interessados em impressão digital.

O estande da Epson é o C30, que fica entre a Rua 4 e a Avenida C.

A Fespa Brasil ocorre de 13 a 16 de março, das 13h às 20h (sábado, das 10h às 17h), no Expo Center Norte (Pavilhão Azul), em São Paulo (SP).

Fonte: Epson Brasil



Roland DG adota medidas internas de conscientização ambiental

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/10/2019
Conduta é exemplar no segmento

Conduta é exemplar no segmento

Das razões para evitar o uso de copos descartáveis destacam-se a demora na decomposição, o desperdício de água e os danos ao meio ambiente. Além disso, a maioria deles não passa por reciclagem – assim como a maior parte do lixo produzido no Brasil. No país, apenas 13% dos resíduos sólidos urbanos são reciclados, enquanto que em nações como Alemanha e Japão, o número sobe para cerca de 60%.

Por ter consciência dessa realidade, os colaboradores da Roland DG Brasil, fornecedora de plotters e impressoras digitais, vêm adotando ações de conscientização. São medidas simples, como dar garrafinhas e canecas aos funcionários para evitar o uso do copo plástico ou doar uniformes antigos para uma empresa de reciclagem.

Anderson Clayton, vice-presidente no Brasil da Roland DG, declarou: “A questão é o que você pode fazer tanto para a sua qualidade de vida quanto para o meio ambiente. Essa é a nossa preocupação, bem como incentivar mudanças de hábitos. Quanto à doação de roupas, é uma maneira, ainda que um grão de areia nesse oceano, de contribuir para reduzir a geração de lixo e ao mesmo tempo apoiar iniciativas que diminuam o desemprego e possam beneficiar toda a comunidade”.

Fonte: Roland DG Brasil

Tags: Roland DG,