WiPrime lançará vinil e impressora têxtil na Fespa Brasil 2019

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/03/2019
Máquina será apresentada em primeira mão na feira

Máquina será apresentada em primeira mão na feira

A WiPrime, fornecedora latino-americana de soluções para impressão digital, estará presente na Fespa Brasil 2019, feira que ocorre entre os dias 20 e 23 de março, no Expo Center Norte, em São Paulo.

A WiPrime disponibiliza uma grande variedade de soluções. Entre elas, estão mídias para comunicação visual, mídias têxteis, tintas digitais e impressoras de grande formato.

Walter Tolosa, diretor da WiPrime, declarou: “Estamos em plena expansão, ofertando novos produtos e tecnologias que visam revolucionar os segmentos no país. Neste cenário, a Fespa Brasil é uma valiosa ferramenta de divulgação de nosso portfólio, proporcionando-nos visitantes altamente qualificados”.

Atexco Model X

No evento, a fornecedora promete lançar a Atexco Model X, impressora com oito cabeças industriais que possibilitam a profução de 5 mil metros por dia (ou 220 metros lineares por hora). De acordo com a empresa, a máquina oferece autonomia de alimentação de papel em bobinas minijumbo ou jumbo completa, desde que o acessório adequado esteja instalado. Isso assegura a qualidade de impressão pela estabilidade funcional do equipamento.

A fabricante Atexco produz diversos equipamentos dedicados à estamparia têxtil, com tintas de sublimação (direta e indireta) e impressão direta (reativa, ácida, dispersa e pigmentada).

Vinil Premium X-Film

Outra novidade da WiPrime para a Fespa Brasil 2019 será o Premium X-Film, vinil autoadesivo produzido na Alemanha. Segundo Tolosa, o estande da empresa foi desenhado para permitir demonstrações práticas da mídia, e especialistas poderão sanar dúvidas em relação ao material.

Fonte: Fespa Brasil 2019



HP atualiza linha de impressoras HP Latex 300

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/09/2016
Impressoras HP Latex 315, 335 e 365

Impressoras HP Latex 315, 335 e 365

A HP, desenvolvedora de tecnologias, anunciou três novos modelos (315, 335 e 365) de impressoras de grande formato da linha HP Latex 300. Indicadas tanto para pequenas como para grandes empresas, as máquinas produzem peças para aplicações indoor e outdoor de sinalização e comunicação visual comercial.

As impressoras podem trabalhar na velocidade de até 31m2/h e resolução de 1200dpi. Entre suas tecnologias destacadas estão a HP Latex Optimizer e a HP Optical Media Advance Sensor (OMAS).

A HP Latex 365 conta com o exclusivo Custom Substrate Profiling, que gera perfis ICC, e o espectrofotômetro integrado i1. A impressora também vem com o novo HP Quick Solutions, que pode ser acessado pelo painel frontal e serve para solucionar rapidamente problemas relacionados à qualidade de imagem. Já as HP Latex 315 e 335 oferecem possibilidade de criação de perfis por meio do HP Quick Substrate Profiling e do RIP FlexiPrint HP Edition. Além disso, os três equipamentos HP Latex 300 possuem um cortador automático para acabamento.

A HP também disponibilizou novos de treinamentos on-line de operação, que mostram como tirar o máximo de proveito dos equipamentos.

Com base na terceira geração da tecnologia látex HP, as impressoras oferecem ainda benefícios ambientais em função da tinta à base d’água que empregam.

Fonte: HP



Dicas para produção de sublimação por calandra

Por João Leodonio em 04/03/2018
Calandra pode aumentar a produtividade, desde que bem utilizada

Calandra pode aumentar a produtividade, desde que bem utilizada

A sublimação por calandra é o processo de transferência de imagens realizada por equipamentos cilíndricos que produzem de forma ininterrupta. Pode ser direta ou realizada por meio de rolos de papel impresso.

Há duas formas de estampagem na sublimação por calandra: imagem localizada ou imagem corrida cobrindo toda a área do papel (posterior do tecido). Nos dois casos, pode-se utilizar o rolo de tecido ou o tecido já cortado.

A sublimação por calandra é uma excelente opção para quem quer sublimar tecidos em rolos e estampas corridas exclusivas, pois trata-se de um processo que oferece velocidade de produção rápida. É também uma boa opção para estampas localizadas e com o corte já feito. Antes de adquirir uma calandra, recomenda-se analisar a relação custo x benefício e compará-la com o processo folha a folha de prensa plana.

Cuidado: papéis e tecidos já cortados podem enrugar durante o processamento na calandra

Limites de largura

As larguras são estipuladas de acordo com o tecido e a estampa (dimensionada com a produção). As mais comuns são 1,20m; 1,50m; 1,60m e 1,80m, mas há exceções.

Tipo de tecido

Quanto à composição do tecido, o ideal é 100% poliéster ou composto com outro tipo de fio com alta quantidade de poliéster. O tecido tubolar não pode ser utilizado em função de seu tipo de fabricação.

Problemas

Papéis ou tecidos já cortados podem enrugar no processo e causar problemas de estrias. Eles também podem sair do lugar, e a estampa será transferida erroneamente. Portanto, é prudente evitar passar na calandra papel e tecido já cortados.

Quando se utiliza rolo de tecido e papel impresso, um dos problemas mais comuns é a falta de tensão por igual nos lados da calandra. Neste caso, a habilidade do operador faz toda a diferença. Além do acerto inicial, é preciso atentar-se durante todo o processo, para evitar que não aconteçam falhas na sublimação.

Quando o serviço colocado em máquina não está no rolo ou as imagens estão para fora do tecido (sangria), a manta de apoio da calandra pode manchar. O ideal é passar, entre o tecido e a manta, um papel kraft de 100g/m2, para ele absorver o excesso de tinta e proteger a manta.

Regule corretamente as varáives do processo, para evitar falhas e retrabalhos

Temperatura e velocidade

São as variáveis que limitam o processo e o tipo de tecido utilizado. Para sublimar alguns tipos de tecido, é preciso mudar as regulagens de temperatura e velocidade porque elas podem alterar a estrutura do fio.

Com a necessidade de maior produtividade, algumas empresas aumentam a velocidade da passada. Porém, se ela for superior ao mínimo para um serviço de qualidade, poderá acontecer falhas causadas pela pouca transferência e pouca exposição, como manchas mais claras. O ideal de velocidade é de 1 a 3 m/min.

Quanto à temperatura, a média é de 200ºC. O ideal é variar entre 195ºC e 220ºC. O recomendado é ajustar essa variável de acordo com o tipo de tecido, pois há materiais que não suportam temperaturas muito altas. Porém, deve-se observar a qualidade do serviço em temperaturas mais baixas.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático