Vinil adesivo: conheça as superfícies onde ele pode ser aplicado

Por Eduardo Yamashita em 28/03/2014

Na comunicação visual, há muitos projetos confeccionados com vinis adesivos, que podem ser processados por meio de recorte eletrônico ou impressão (digital, serigrafia e flexografia). As imagens obtidas com essas mídias precisam ser aplicadas (instaladas) numa determinada superfície (ou substrato). Em relação a isso, a pergunta mais importante a fazer é: A imagem ficará adesivada na superfície?

Para isso, precisamos entender o conceito técnico e as características das superfícies. Com essas informações, é possível responder à pergunta sem errar. A classificação das superfícies pode estar relacionada ao tipo, à curvatura e ao acabamento.

Conheças as principais características das superfícies onde o vinil adesivo pode ser aplicado

Conheças as principais características das superfícies onde o vinil adesivo pode ser aplicado

Tipo de superfície

Nada mais é que o material de que é composta a superfície, como:

  • metal: ferro, aço e alumínio;
  • plástico: vinil (PVC), poliéster, polipropileno, polietileno e acrílico;
  • madeira: compensada, aglomerada, laminada e maciça;
  • alvenaria: concreto, argamassa e gesso.

Há também superfícies com revestimentos, uma vez que elas terão contato direto com o adesivo da película:

  • papel;
  • PVC/vinil;
  • pintura;
  • verniz;
  • melamínico.
Antes de realizar a aplicação, considere sempre o material de que é composta a superfície

Antes de realizar a aplicação, considere sempre o material de que é composta a superfície

Curvatura da superfície

São as "deformações" que a superfície apresenta:

  • plana: sem curva (não confundir com o termo "lisa"). Exemplo: uma parede "reta";
  • curva: pode ser dividida em:
  1. simples: curva com um único sentido. Exemplo: um tubo cilíndrico;
  2. composta: curva em dois ou mais sentidos. Exemplo: uma bola;
  • combinada: possui a conjugação das superfícies citadas anteriormente, e pode ser:
  1. corrugada: composição de superfícies planas. Exemplo: um caminhão baú corrugado;
  2. baixo-relevo: composição de superfícies planas, pode ter curvas simples (exemplo: canaleta de van) e/ou curvas compostas (exemplo: quina da canaleta de van, maçanetas e frisos de veículos).
Exemplo de superfície corrugada

Exemplo de superfície corrugada

Acabamento da superfície

Outro aspecto que o aplicador deve conhecer para fazer a instalação correta do vinil é o tipo de acabamento da superfície, que pode ser:

  • liso: sem irregularidade, totalmente regular, como se fosse polida;
  • poroso: apresenta uma desigualdade, é assimétrica, com "lacunas".
Exemplo de superfície porosa

Exemplo de superfície porosa

Classificação

É importante ressaltar que as classificações (tipo, curvatura e acabamento) são intercambiáveis, ou seja, há diversos tipos de superfícies combinadas. A figura abaixo ajuda a compreender melhor o conceito.

Classificação das superfícies

Classificação das superfícies

Após esse entendimento é possível julgar se a superfície responderá à expectativa de resultado em relação à imagem aplicada. Pode-se também definir quais são os tratamentos que as superfícies específicas devem receber, para atender aos requisitos de durabilidade do projeto. E importante: jamais esqueça as técnicas de aplicação para cada tipo de superfície.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Durst promete lançar impressora à base d’água na Fespa 2015

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/05/2015

Rho WT 250 HS é nova aposta ecológica da Durst

Rho WT 250 HS é nova aposta ecológica da Durst

A Durst, fabricante de impressoras digitais, participará da Fespa 2015, feira que ocorre entre os dias 18 e 22 de maio, na Alemanha, para apresentar uma série de equipamentos que contam com a nova tecnologia de tinta à base d’água sustentável e patenteada pela empresa. As tintas não apresentam toxicidade quando em contato com a pele dos operadores.

Ricardo Pi, diretor geral da Durst Brasil, declarou: "O que a Durst apresentará na Fespa 2015 é algo totalmente novo, que inaugura uma nova fase para impressão digital de grandes formatos. A Durst Brasil também estará representada, pronta para receber clientes brasileiros e de outros países da América Latina".

Entre as novidades exibidas pela Durst na Fespa 2015 estarão:

- Rho WT 250 HS: opera em ambiente de produção totalmente sustentável. Trata-se de um equipamento de alta produção e velocidade, que utiliza tintas à base d’água e imprime em uma ampla gama de substratos.

- Rhotex HS: para a aplicações soft signage e impressão em tecidos para os mercados de decoração e móveis. A máquina trabalha com mídias de largura máxima de 330cm e velocidade máxima de 900m2/h.

- Kappa 320: voltada ao segmento têxtil, produz em velocidade de 892m2/h, em mídias com até 330cm de largura. Utiliza tintas reativas, ácidas e dispersivas à base d’água, para impressão em tecidos diversos.

- Rhotex 180 TR: novo modelo da linha de impressoras com tecnologia sublimática, para estampar roupas, mobiliários e soft signage. Trabalha na velocidade de 200m2/h e suporta mídias de até 185cm de largura.

- Rho 1312 AF: apresenta sistema de transporte de mídia redesenhado para ampliar os níveis de produtividade e automação. Graças aos seus canais de mídia selecionáveis, a máquina imprime altas tiragens em diferentes tipos de mídia.

Fonte: Durst



Konica Minolta inaugura Digital Imaging Square no Brasil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/07/2014

Ambiente funciona como showroom e espaço de interação com clientes latino-americanos

Ambiente funciona como showroom e espaço de interação com clientes latino-americanos

A filial brasileira da Konica Minolta, fabricante de impressoras digitais, inaugurou, na cidade de São Paulo, o Digital Imaging Square (DIS), centro que funciona como showroom e serve de espaço de interação com clientes.

Atualmente, o ambiente conta com equipamentos da linha bizhub e receberá, em breve, outros modelos de impressoras digitais, utilizados em vários mercados. Além disso, o DIS expõe trabalhos de Vincent Kusuma, da Veka Idea (de Jakarta, na Indonésia), que reinventam o conceito de fotoprodutos.

O evento de inauguração do showroom, no dia 17 de julho, foi marcado pela presença de executivos brasileiros e japoneses da fornecedora.

Takashi Abe, gerente geral para o segmento de Production Printing da Konica Minolta japonesa, declarou: "Este novo centro ilustra a importância que o mercado brasileiro tem para a empresa. Enxergarmos um alto potencial no Brasil, que é o maior mercado da América Latina".

Abe destacou a importância do segmento fotográfico: "Ele vem se reinventando e encontra nos fotoprodutos uma forma de crescer".

O novo DIS da Konica Minolta do Brasil está localizado na Alameda Santos.

Fonte: Konica Minolta