Tipos de adesivos usados em vinil – parte 1

Por Eduardo Yamashita em 02/06/2015

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Em dúvida sobre qual adesivo escolher? Artigo dá dicas para a decisão correta

Uso vinis com adesivo solvente ou acrílico? Qual a diferença entre adesivo removível e reposicionável? Quando um adesivo removível torna-se permanente? Essas são algumas perguntas comumente feitas por instaladores e que serão respondidas neste artigo dividido em duas partes. A matéria também aborda questões sobre compostos adesivos usados em filmes autoadesivos e examina suas forças, fraquezas e aplicações exclusivas.

Confira também a segunda parte deste artigo

As opções de adesivos compreendem polos opostos, como permanente ou removível. Qual é o melhor? Depende da aplicação. A maioria das opções diz respeito a domínios específicos, como envelopamento de veículos, imagens em parede e sinalização externa de longo prazo. Por exemplo, um adesivo que faz um perfeito envelopamento de uma Ferrari pode não funcionar em uma bicicleta. Então, qual deve ser usado? E quando? Confira as opções:

Adesivo à base d’água versus solvente

A diferença crítica entre esses dois adesivos está na maneira como eles respondem à presença de água e solventes. A diferença de preço entre eles também é um questão relevante. Os vinis com adesivo solvente tendem a custar um pouco mais, pois para serem fabricados requerem controles rigorosos e demandam compostos que podem ser inflamáveis e/ou emitem VOCs (compostos orgânicos voláteis). Os adesivos acrílicos são geralmente à base d’água e, portanto, custam menos para fabricar.

Vinil com adesivo acrílico

Os adesivos acrílicos são à base d’água, portanto, mais suscetíveis à umidade e aos solventes, o que afeta tanto a aplicação quanto a durabilidade dos vinis. Muitos instaladores gostam de usar água com detergente ao aplicar películas. Ela "lubrifica" o substrato de modo que ele pode ser deslizado durante a aplicação. Depois que a imagem é posicionada, a espátula empurra a água de debaixo do vinil pra fora, o que coloca a água em contato direto com o adesivo. Isso enfraquece a adesão do adesivo acrílico, resultando em menor aderência. Por conseguinte, leva muito mais tempo para que o adesivo cure sobre o substrato.

A durabilidade do vinil também é afetada. Depois de instalada, a película é exposta ao envelhecimento, e um adesivo aquoso não tem grande resistência às intempéries. Excesso de chuva ou umidade podem enfraquecer o adesivo e encurtar sua vida. Da mesma forma, se exposto a produtos químicos ou solventes (mesmo em formas gasosas), um vinil econômico não terá a durabilidade esperada – o que vai decepcionar o cliente. Se o ambiente estiver seco e isento de solventes, a imagem deve durar tanto quanto o previsto.

Adesivos à base d'água retraem com mais facilidade

Adesivos à base d’água retraem com mais facilidade

Durante a exposição, o excesso de umidade no ambiente pode ser um problema. Produtos com adesivos à base d’água mostram sinais de retração maior do que produtos com os adesivos solventes. Isso ocorre quando o material não está adequadamente armazenado ou quando sofre flutuações de umidade e temperatura. Todos os vinis adesivos devem ser armazenados em ambientes com umidade relativa do ar entre 50% e 60% e temperatura entre 15°C e 25°C.

Material de "emulsão adesiva"

Alguns fabricantes utilizam adesivos à base d’água sob um termo diferente. Como há um estigma contra acrílico, é possível ver o termo "emulsão" em muitos materiais. Emulsão é simplesmente outro termo para "à base d’água". No entanto, um vinil com adesivo de emulsão não é necessariamente um produto inferior. Ele apenas não foi projetado para uso em longo prazo. A chave é usá-lo em aplicações para as quais é adequado, como sinalizações interiores, decoração interior, sinalizações de promoção em curto prazo e banners promocionais. Se o vinil tiver de ficar exposto a intempéries por mais de quatro anos, este não é o produto correto.

Vinil com adesivo à base de solvente

Adesivos solventes são compostos por materiais mais resistentes. Eles não são facilmente diluídos pela umidade, nem são facilmente afetados por solventes industriais. Isso resulta em vinis que podem ser utilizados em aplicações úmidas, sem afetar drasticamente o tempo de cura.

Uma vez instalado, o vinil com adesivo à base de solvente não é afetado por chuva, umidade e exposição ocasional a solventes industriais e compostos orgânicos voláteis. Como já mencionado, o adesivo solvente é mais caro, mas é definitivamente o produto que vale a pena para aplicações externas em longo prazo.

Os vinis com adesivos à base de solvente podem ser usados para sinalizações em longo prazo, imagens em veículos personalizados e envelopamentos, identificação de frotas, sinalização de segurança industrial e de tráfego e muito mais.

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

 

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Dover e MS Printing inauguram centro de impressão digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 03/05/2018
Centro conta com show room e salas de treinamentos

Centro conta com show room e salas de treinamentos

A Dover e a MS Printing, fabricantes de soluções de impressão digital, abriram um centro de excelência na província de Como, na Itália. Com 3 mil metros quadrados, a instalação oferece treinamentos técnicos para operadores, técnicos e designers da indústria de impressão digital têxtil, ministrados por especialistas experientes do setor.

A planta também conta com um showroom totalmente operacional com inovações da estamparia têxtil digital, sobretudo tecnologias mais sustentáveis, como a impressora LaRio, além de produtos de outras empresas recém-adquiridas pela Dover, como a Caldera (especialista em software RIP) e a JK Group (fabricante de tinta).

Abhi Agrawal, presidente da Dover Digital Printing, declarou: “No novo centro, temos tanto as demonstrações práticas quanto os desenvolvimentos de produtos. Queremos liderar a conversão das tecnologias analógicas para as digitais, e essa excelente instalação ajudará nossos clientes atuais e potenciais a conhecer as mais recentes tecnologias de impressão. Ele também será um recurso valioso para os clientes desenvolver e lançar produtos digitais”.

Fonte: Dover Digital Printing



MTEX lança tecnologia digital de produção de amostras têxteis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/11/2015
Mini-Lab foi desenvolvido para produzir amostras de tecidos estampados digitalmente

Mini-Lab foi desenvolvido para produzir amostras de tecidos estampados digitalmente

Durante a ITMA 2015, feira internacional que ocorre entre os dias 12 e 19 de novembro, na Itália, a MTEX, fabricante de equipamentos para estamparia têxtil, apresentará em primeira mão o Mini-Lab, sistema de produção de amostras de tecidos. A tecnologia é composta por um conjunto de equipamentos (coater, vaporizador, lavadora e secadora) combinado com uma impressora digital (com tinta pigmentada, ácida ou reativa).

Segundo a empresa, o Mini-Lab funciona da seguinte forma: o coater reveste a superfície de tecidos (algodão, linho e seda), a fim de prepará-los para a impressão digital. Depois de revestido, o material passa através de dois rolos para que o excesso de líquido seja retirado.

O tecido é então introduzido na secadora, para que fique pronto para a impressão. Logo após receber as imagens, o material é inserido no vaporizador, que possui um gerador de vapor embutido usado para manter a umidade sob controle.

No processo seguinte, o tecido é lavado em tanque específico e, finalmente, o material segue para o secador. Todo o fluxo de trabalho leva entre 20 e 30 minutos, dependendo do tipo de corante e do tempo no vaporizador.

Eloi Ferreira, CEO da MTEX, declarou: “Este é um dos lançamentos de 2015 mais importantes para a indústria. Trata-se de um sistema de estamparia digital têxtil de fácil operação e baixo custo, para produzir amostras sem comprometer o fluxo de trabalho”.

Fonte: MTEX