Substratos não tecidos usados para sublimação

Por João Leodonio em 10/04/2018
Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Além dos tecidos com poliéster, é possível sublimar muitos outros tipos de substratos, desde que sejam resistentes a temperaturas superiores a 200ºC. Outra característica fundamental dessas mídias é que elas apresentam uma camada superficial de resina à base de poliéster, cuja função é fixar a sublimação. Portanto, o substrato não é sublimado, mas sim a resina aplicada na superfície dele.

Além de substratos planos, o processo sublimático permite estampar materiais e objetos curvos e com formatos diversos, como canecas, copos, porta-retratos, relógios, chaveiros, squeezes, tapetes, placas, descansos de panelas, caixas de presente, quebra-cabeças, entre outros.

A despeito do surgimento contínuo de novos substratos passíveis de receber a sublimação, os materiais mais comumente utilizados no mercado são: cerâmica, metais, madeiras, pedras, EVA, borracha, vidros, cartões, PVC e alguns polímeros.

Cuidados

- Antes de sublimar, limpe os substratos com produtos indicados pelo fabricante. Elimine qualquer tipo de impureza oriunda do manuseio e da aplicação de resina;

- Obedeça o tempo e a temperatura indicados pelos fabricantes. Essa relação varia de acordo com o tipo de substrato;

- Faça uma inspeção visual no ato da compra do produto para detectar possíveis falhas provocadas na aplicação da resina;

- Para sublimar em prensas planas, recomenda-se o uso de um gabarito de altura para cada substrato. Há materiais, como azulejos e vidros, que são muito sensíveis à pressão da prensa. Com os gabaritos, é preciso fazer apenas o ajuste fino, o que evitará perdas desnecessárias;

- Para todos os casos, indica-se o uso de fita adesiva térmica específica para a fixação do papel ao substrato. Não utilizar outros adesivos, pois corre-se o risco de manchar o produto.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



Anunciada a terceira geração de impressoras UV da swissQprint

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 30/10/2018
Cinco modelos fazem parte da nova geração de máquinas swissQprint

Cinco modelos fazem parte da nova geração de máquinas swissQprint

A fabricante swissQprint apresentou sua terceira geração de impressoras UV LED durante a SGIA 2018, feira que ocorreu entre os dias 18 e 20 de outubro, em Las Vegas (EUA). A linha compreende cinco modelos: Nyala 3, Impala 3 e Oryx 3 (para produções menores) e Nyala 3S e Impala 3S (para operações de alto rendimento).

Indicadas para a produção de peças de PDV, displays, cartazes, banners e outras mídias, as impressoras vêm com arquitetura redesenhada e sistema de controle para aumentar a facilidade de uso, com funções como a regulação do efeito de vácuo.

Planos, os equipamentos podem incluir um sistema rolo a rolo opcional que contém um rolo de alisamento que suaviza a mídia antes de ela chegar à mesa. O rolo também dissipa a carga estática dos substratos.

Em combinação com a cura por LED, o opcional rolo a rolo possibilita o uso de maior número de mídias. A solução inclui outra variante: a opção de rolo duplo, para a impressão dois rolos em paralelo.

Fonte: swissQprint



Matan cria estação de operação móvel para impressoras Barak

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/06/2013

Dispositivo dá maior mobilidade ao operador da impressora

Dispositivo dá maior mobilidade ao operador da impressora

Você já deve ter notado que os operadores de impressoras digitais, principalmente industriais, estão sempre se movimentando: para fazer o carregamento de mídias, checar a qualidade de impressão e monitorar os trabalhos por meio do PC. E quando um trabalho desafiador está sendo impresso, o operador fica andando incessantemente do computador para a impressora. No caso de uma impressora de 5m de largura, isso pode ser ineficiente e exaustivo.

Pensando nisso, a Matan, fabricante de impressoras digitais, criou uma estação especial para ser utilizada no modelo Barak 8Q. Trata-se de um dispositivo móvel que desliza na parte frontal da máquina. Com ele, o monitor pode ser inclinado para cima e para baixo, para se adequar à altura do operador, ajudando-o a checar a impressão e, imediatamente, fazer os comandos no software da máquina.

Veja como o dispositivo funciona:

Fonte: Matan