Substratos não tecidos usados para sublimação

Por João Leodonio em 10/04/2018
Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Além dos tecidos com poliéster, é possível sublimar muitos outros tipos de substratos, desde que sejam resistentes a temperaturas superiores a 200ºC. Outra característica fundamental dessas mídias é que elas apresentam uma camada superficial de resina à base de poliéster, cuja função é fixar a sublimação. Portanto, o substrato não é sublimado, mas sim a resina aplicada na superfície dele.

Além de substratos planos, o processo sublimático permite estampar materiais e objetos curvos e com formatos diversos, como canecas, copos, porta-retratos, relógios, chaveiros, squeezes, tapetes, placas, descansos de panelas, caixas de presente, quebra-cabeças, entre outros.

A despeito do surgimento contínuo de novos substratos passíveis de receber a sublimação, os materiais mais comumente utilizados no mercado são: cerâmica, metais, madeiras, pedras, EVA, borracha, vidros, cartões, PVC e alguns polímeros.

Cuidados

- Antes de sublimar, limpe os substratos com produtos indicados pelo fabricante. Elimine qualquer tipo de impureza oriunda do manuseio e da aplicação de resina;

- Obedeça o tempo e a temperatura indicados pelos fabricantes. Essa relação varia de acordo com o tipo de substrato;

- Faça uma inspeção visual no ato da compra do produto para detectar possíveis falhas provocadas na aplicação da resina;

- Para sublimar em prensas planas, recomenda-se o uso de um gabarito de altura para cada substrato. Há materiais, como azulejos e vidros, que são muito sensíveis à pressão da prensa. Com os gabaritos, é preciso fazer apenas o ajuste fino, o que evitará perdas desnecessárias;

- Para todos os casos, indica-se o uso de fita adesiva térmica específica para a fixação do papel ao substrato. Não utilizar outros adesivos, pois corre-se o risco de manchar o produto.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



InkTec lança impressora UV Jetrix LX5

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 23/03/2016
Jetrix LX5 é o primeiro equipamento com tecnologia UV lançado pela InkTec

Jetrix LX5 é o primeiro equipamento com tecnologia UV lançado pela InkTec

A InkTec, fabricante de tintas digitais, lançou sua primeira impressora UV, a Jetrix LX5, que pode trabalhar na velocidade de 39m2/h (em modo produção) e emprega cabeças Konica Minolta capazes de disparar gotas de 6 picolitros.

A empresa decidiu desenvolver um modelo de impressora plana que empregasse tanto lâmpadas tradicionais UV quanto LED, para oferecer aos clientes os benefícios de ambas as tecnologias.

A impressora foi lançada na Fespa Digital 2016, feira que ocorreu entre os dias 8 e 11 de março, na Holanda. Durante a exposição, a InkTec imprimiu amostras de mídias com a Jetrix LX5. Segundo a empresa, os materiais chamaram a atenção dos visitantes que passavam pelo estande, sobretudo por causa da alta qualidade de imagem e das cores vibrantes.

Ben Woodruff, diretor comercial da InkTec, declarou: “Passamos um bom tempo desenvolvendo a tinta UV para essa impressora. Fizemos algo em torno de cinquenta formulações diferentes a fim de chegar no ponto ideal”.

Fonte: InkTec
 



3M apresenta linha de fitas cortantes para acabamento de vinis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/03/2017
Ferramenta é indicada para corte e acabamento de filmes aplicados em envelopamento de carros

Ferramenta é indicada para corte e acabamento de filmes aplicados em envelopamento de carros

A 3M, desenvolvedora de tecnologias, anunciou a disponibilidade no mercado europeu da série Knifeless Tape, formada por fitas para corte e acabamento de vinis adesivos aplicados em envelopamentos de carro. A tecnologia, que dispensa lâminas, executa curvas e linhas nítidas e limpas, sem causar danos à superfície das películas.

A fita, que é composta por um filamento embutido, deve ser colocada sob os vinis, e o corte é obtido ao puxar o fio para cima, através da película. A fita é flexível, sem lâmina e permite que os instaladores cortem ao longo dos contornos da superfície, com precisão e sem risco de danificar as películas.

Fornecidas em rolos de 50m, as fitas são comercializadas em embalagens especiais, para facilitar o estoque e evitar danos. Além disso, empregam tecnologia patenteada da Knifeless Tech Systems, fabricante canadense adquirida pela 3M em meados de 2016. Conheça as três séries que compõem a linha Knifeless Tape:

- Classic: indicada para iniciantes, a série Classic executa contornos e curvas de veículos diversos;

- Design: desenvolvida para executar contornos limpos e finos em bordas. Da série Design, é oferecida a Tri-Line Knifeless, fita com três linhas para garantir cortes mais largos;

- Premium: mais sofisticada, a linha é indicada a instaladores mais experientes. A fita possui um filamento ultrafino e ultra-afiado, que corta vinis reflexivos, metálicos, cromados e especiais.

Fonte: 3M