Substratos não tecidos usados para sublimação

Por João Leodonio em 10/04/2018
Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Além dos tecidos com poliéster, é possível sublimar muitos outros tipos de substratos, desde que sejam resistentes a temperaturas superiores a 200ºC. Outra característica fundamental dessas mídias é que elas apresentam uma camada superficial de resina à base de poliéster, cuja função é fixar a sublimação. Portanto, o substrato não é sublimado, mas sim a resina aplicada na superfície dele.

Além de substratos planos, o processo sublimático permite estampar materiais e objetos curvos e com formatos diversos, como canecas, copos, porta-retratos, relógios, chaveiros, squeezes, tapetes, placas, descansos de panelas, caixas de presente, quebra-cabeças, entre outros.

A despeito do surgimento contínuo de novos substratos passíveis de receber a sublimação, os materiais mais comumente utilizados no mercado são: cerâmica, metais, madeiras, pedras, EVA, borracha, vidros, cartões, PVC e alguns polímeros.

Cuidados

- Antes de sublimar, limpe os substratos com produtos indicados pelo fabricante. Elimine qualquer tipo de impureza oriunda do manuseio e da aplicação de resina;

- Obedeça o tempo e a temperatura indicados pelos fabricantes. Essa relação varia de acordo com o tipo de substrato;

- Faça uma inspeção visual no ato da compra do produto para detectar possíveis falhas provocadas na aplicação da resina;

- Para sublimar em prensas planas, recomenda-se o uso de um gabarito de altura para cada substrato. Há materiais, como azulejos e vidros, que são muito sensíveis à pressão da prensa. Com os gabaritos, é preciso fazer apenas o ajuste fino, o que evitará perdas desnecessárias;

- Para todos os casos, indica-se o uso de fita adesiva térmica específica para a fixação do papel ao substrato. Não utilizar outros adesivos, pois corre-se o risco de manchar o produto.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



Fujifilm e Inca Digital estreiam impressora Onset S40i na SGIA 2013

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 24/10/2013

A filial norte-americana da Fujifilm e a Inca, fabricante de impressoras digitais, apresentaram na feira SGIA 2013 a Inca Onset S40i, equipamento de impressão que usa seis cores (CMYKLcLm) e tinta branca.

Indicada para empresas que produzem altas tiragens de peças de PDV e comunicação visual nas quais é preciso imprimir o branco como fundo ou cor especial, a Onset S40i emprega 224 cabeças da Fujifilm Dimatix, 56 dedicadas à tinta branca — o que possibilita a impressora trabalhar em alta velocidade.

Segundo a fabricante, a máquina é capaz de imprimir com alta qualidade a uma velocidade de 112 folhas completas (de tamanho máximo) por hora, em substratos de até 5cm de espessura.

Onset S40i usa nada menos que 224 cabeças de impressão

Onset S40i usa nada menos que 224 cabeças de impressão

Fonte: Fujifilm USA



Mercado global de impressão digital têxtil pode crescer 16,3% até 2027

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/11/2018
Previsão de expansão foi levantada pela Future Market Insights

Previsão de expansão foi levantada pela Future Market Insights

A consultoria internacional Future Market Insights (FMI) publicou recentemente um estudo específico sobre o mercado global de impressão digital têxtil. Intitulada “Digital Textile Printing Market: Global Industry Analysis 2013-2017 and Opportunity Assessment 2018-2027”, a pesquisa aponta que, em termos de receita, o mercado global de impressão digital têxtil pode crescer 16,3% (CAGR) durante o período previsto (até 2027). Espera-se que o mercado da Ásia-Pacífico permaneça na posição de liderança durante a previsão.

No relatório da Future Market Insights, há a sugestão de que o crescimento do mercado de impressão digital têxtil pode ser atribuído às contribuições dos países emergentes, como a Índia e a China. Espera-se que a China lidere o crescimento do mercado durante o período previsto.

A receita da impressão digital têxtil na América do Norte é estimada em mais de 43% da receita global do mercado de impressão digital têxtil, em 2018.

O estudo aponta que os usuários finais da impressão digital têxtil estão adotando cada vez mais a tecnologia para a promoção de vendas, em aplicações como displays e banners de PDV, que atraem clientes para testar e comprar produtos. A estamparia digital também está cada vez mais presente em indústrias de segmentos diversos.

Fonte: WhatTheyThink