Sinalização digital 3D é instalada nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 01/02/2014

Os rostos dos participantes eram scaneados e projetados em 3D

As faces dos participantes são escaneadas e projetadas em imagens 3D

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, realizados de 7 a 23 de fevereiro, em Sóchi (Rússia), reunirão não apenas a nata dos esportes de competição, mas também a elite da sinalização digital. Os atletas e os espectadores dos Jogos poderão ver de perto a inusitada instalação chamada Monte Rushmore da Era Digital. Trata-se de um display que projeta imagens tridimensionais das pessoas que interagem com ele.

Instalação recebeu a alcunha de Mt. Rushmore of the Digital Age

Instalação recebeu a alcunha de Monte Rushmore da Era Digital

Criada pela MegaFon, maior empresa de telecomunicações da Rússia e parceira da competição olímpica, a instalação tem 2 mil metros quadrados e é composta por 10 mil cilindros (atuadores) de LDEs RGB. Eles se acendem atrás do véu que cobre o prédio.

As faces dos participantes são escaneadas dentro de uma cabine, que captura a imagem de cinco ângulos diferentes. Em um minuto, um modelo 3D é criado e, por fim, uma imagem (de 8 metros) do rosto do visitante é projetada por 20 segundos.

A instalação fica localizada na entrada do Parque Olímpico e permancerá lá ao longo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno de 2014.

Assista ao vídeo da sinalização digital 3D em funcionamento:

Fonte: Digital Signage Connection



Esko anuncia novo pacote de softwares para pré-impressão e sinalização

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 19/06/2014

Suite 14 tem ferramentas novas e melhoradas

Suite 14 tem ferramentas novas e melhoradas

A Esko, fabricante de soluções digitais, anunciou a versão 14 do Esko Suite, pacote de softwares para produção gráfica. A novidade contém uma série de programas novos e aperfeiçoados indicados para birôs e gráficas. As inovações da nova suite da Esko concentraram-se em cinco tópicos:

  • aumento do fluxo de trabalho automatizado;
  • uso de tamplets inteligentes, para lidar com protótipos de embalagens e peças de sinalização;
  • qualidade na produção;
  • software multitarefa com interface voltada para o aumento da produtividade;
  • integração entre a cadeia de fornecimento e compartilhamento de dados por meio da nuvem (cloud computing).

O Esko Suite 14 reúne soluções para todas as etapas da cadeia produtiva, com recursos necessários para obter sucesso num mercado dinâmico.

Fonte: SGIA



Sinalização digital externa e as cidades inteligentes

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/03/2019
Tecnologia pode ser usada para melhorar os centros urbanos

Tecnologia pode ser usada para melhorar os centros urbanos

Não há dúvida de que a sinalização digital externa está mudando a cara de muitas cidades. Não se trata apenas de empresas tentando aumentar suas receitas por meio da tecnologia; ela faz parte das mudanças pelas quais estão passando as “cidades inteligentes”.

Em 2018, 55% da população mundial estava vivendo em áreas urbanas. O número deve aumentar para 68% até 2050. São mais 2,5 bilhões de pessoas procurando por lares, serviços e empregos em centros urbanos já lotados.

As “cidades inteligentes” adotam tecnologias para melhorar serviços, e a sinalização digital externa parece ser parte fundamental desse processo, pois está em linha com as tendências físicas, tecnológicas e ambientais da atualidade. Há instalações que melhoram a vida em áreas urbanas, ao oferecer bons serviços, manter as pessoas seguras e melhorar a qualidade de vida.

Serviços melhores

A sinalização digital de autoatendimento é cada vez mais comum. Elas são quiosques interativos, máquinas de bilhetes, telas tácteis usadas em varejo e exibições automáticas em compras de drive-thru.

O reconhecimento facial pode ser o próximo passo para a sinalização digital de autoatendimento. O KFC na China está empregando exibições que sugerem refeições com base no sexo e na idade do cliente. Também na China, alguns displays externos de reconhecimento facial são usados pela polícia para monitoramento e identificação.

Segurança

Nos EUA, a sinalização digital também tem sido usada para fins não comerciais. Com as instalações existentes, as autoridades conseguem fornecer alertas meteorológicos em vários estados, a fim de avisar a população sobre furacões e possíveis desastres naturais. É um indicativo de que, em breve, veremos a sinalização digital sendo usada em tempos de crise nas cidades de todo o mundo.

Qualidade de vida

A sinalização digital pode tornar os centros urbanos lugares mais agradáveis. A cidade de Bentonville, no Arkansas (EUA), recentemente trocou alguns de seus outdoors estáticos por digitais, que permitem que vários anunciantes compartilhem o mesmo espaço, em um loop contínuo de conteúdo. Por isso, a cidade conseguiu reduzir o número total de outdoors e melhorar a aparência da região.

As tendências relacionadas às características físicas, tecnológicas e ambientais da sinalização digital externa permitem que empresas e governos ofereçam serviços melhores para um número maior de pessoas. Essas tendências e seus benefícios garantem o crescimento contínuo da sinalização digital externa nos centros urbanos. Com essa integração, todos saem ganhando.

Fonte: DigitalSignageToday