Serilon tem parceria exclusiva na distribuição de lonas Starflex

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/01/2018
Mídias passam por dezenas de controles na fabricação

Mídias passam por dezenas de controles na fabricação

A Serilon, fornecedora nacional de materiais para comunicação visual e impressão digital, tem há 9 anos a distribuição exclusiva das lonas Starflex no Brasil.

Com mais de 33 anos, a Starflex, líder no segmento de mídias para comunicação visual, conta com uma equipe dedicada a produzir qualidade e atender da melhor forma as necessidades de seus clientes e parceiros ao oferecer lonas de alta qualidade.

Entre os diferenciais dos produtos da Starflex estão a alta tecnologia de laminação, a garantia de qualidade superior na impressão, a alta durabilidade e sinalização metro a metro para controle de uso.

A empresa disponibiliza um portfólio de lonas que atende a diversos tipos de aplicação, como promocional e outdoor, painel de grande formato, comunicação interna, painel backlight, comunicação em alta resolução, entre outras.

Fonte: Serilon



Os iluminantes: fundamentais no gerenciamento de cores

Por Pedro Gargalaca em 05/12/2012

Neste artigo técnico, há informações sobre os iluminantes CIE usados para o controle e gerenciamento de cores.

Luz e iluminantes

Qualquer luz emite energia nas diferentes faixas de comprimento de onda do espectro visível. Ao resultado gráfico disso, damos o nome de "curva de distribuição de energia espectral dos iluminantes".

O gráfico abaixo mostra a emissão energética da luz do dia (com temperatura de cor de 6500K). O eixo horizontal representa os comprimentos de onda (entre 300 e 820nm). Já o eixo vertical representa a energia relativa espectral. O pico da curva ocorre aos 460nm, na região dos azuis. Ou seja, a aparência dessa luz será azulada. Portanto, os objetos observados sob este iluminante tenderão a parecer mais azulados.

Emissão energética espectral da luz do dia, com temperatura de cor de 6500K

Iluminante e fonte luminosa

Também é importante entender a diferença entre fonte luminosa e iluminante. De acordo com Billmeyer e Saltzman, uma fonte depende de energia para gerar iluminamento. Por exemplo: as lâmpadas que usam energia elétrica. Já um iluminante é definido por sua curva de energia espectral, que não precisa existir necessariamente.

Para a análise das fontes, usa-se um espectroradiômetro (ou um equipamento EyeOne). Os iluminantes são especificados por curvas de energia espectrais teóricas. Assim, podemos desenhar um gráfico, e ele passa a ser um padrão de iluminante.

Índice de Reprodução de Cor (IRC)

Os testes para verificar se uma fonte luminosa se aproxima de um padrão internacional (iluminante) é conhecido como CRI ("Color Rendering Index", ou Índice de Reprodução de Cor, o IRC).

A escala que classifica as fontes luminosas vai de 0 a 100 (o ponto 100 simula a luz do dia, isto é, a visualização do iluminante padrão D65).

A recomendação de algumas normas internacionais, como a ISO 3664, é que este índice seja sempre superior a 90, para que as fontes luminosas sejam confiáveis (para análise e gerenciamento de cores).

Porém, quanto maior o CRI de uma fonte, mais cara ela é: uma lâmpada com CRI acima de 90 custa mais do que uma com CRI inferior a 90.

Saiba que não existe nenhuma fonte luminosa que atinja o valor de CRI igual a 100.

Como os iluminantes afetam a cor

Vamos dar um exemplo: temos uma caixa nas cores preta, azul e verde. Ela fica numa sala com luz vermelha. Nessas condições, aos nossos olhos, vai parecer que a caixa é preta, pois todas as cores dela absorvem a cor vermelha e, portanto, nenhuma luz chega a nós.

Outro fenômeno é a metameria de iluminante. Duas cores parecem iguais quando vistas sob a mesma fonte luminosa, mas se tornam diferentes quando observadas sob outra. Por exemplo: uma cor com três pigmentos (vermelho, azul e amarelo) gerou a seguinte curva de reflectância espectral:

Na produção de um novo lote desta cor, o colorista teve que utilizar um tom alternativo, pois o vermelho que ele usava parou de ser fornecido. O resultado da formulação gerou a seguinte curva de reflectância:

Assim, chegamos a algumas conclusões:

  • Quando as duas cores são observadas sob a luz do dia, que ressalta as deficiências de azul, elas ficam com aparência idêntica. Isto se deve ao fato de que as duas curvas de reflectância espectral não possuem diferenças na região do azul;
  • Quando as duas cores são observadas sob a fonte de luz CWF, que é a lâmpada fluorescente branca fria, a aparência das duas cores começa a parecer diferente, pois a CWF ressalta os defeitos da região de verde. Como as duas curvas de reflectância já apresentam certa deficiência nesta região, os defeitos ficam mais evidentes;
  • Quando estas cores são observadas sob a fonte de luz incandescente, que ressalta as deficiências de vermelho e amarelo, a diferença fica muito perceptível, pois as curvas de reflectância são muito diferentes nesta região do gráfico.

Escolha o iluminante

Qual o iluminante correto para avaliar as cores do impresso? Resposta: aquele que mais se aproxima ao iluminante do local onde o impresso será visto e ficará exposto.

Por exemplo: se o impresso ficar em ambientes externos, escolha iluminantes que representem as variações da luz do dia. Se o impresso for instalado numa loja de departamento, escolha os iluminantes fluorescentes.

Saiba qual é a fonte luminosa (e o seu fabricante) utilizada no ponto de venda. Assim, você pode obter a curva de distribuição espectral da fonte e compará-la com as curvas dos iluminantes padrão CIE.

Outro exemplo: se a fonte utilizada no ponto de venda for a GE Branca Fria, pesquise as curvas de distribuição espectral nos catálogos da General Electric.

iluminante para gerenciamento de cores

Comparação entre iluminante de uma fonte GE e o iluminante CIE F2

O padrão para o iluminante CIE F2 foi baseado numa média de fontes fluorescentes "branca fria" disponíveis no mercado. Comparando as duas curvas de distribuição energética espectral acima, podemos observar que a curva da lâmpada da GE não é igual à curva do iluminante CIE F2. Mas elas são similares.

Se medirmos o CRI da lâmpada da GE, vamos obter algo próximo de 90. Portanto, ao medirmos com o espectrofotômetro usando o iluminante F2, estaremos simulando como o impresso será visto no ponto de venda.

Porém, nem todos os fabricantes permitem acesso às curvas de distribuição espectral de seus produtos. Nesta situação, precisamos saber se as cores produzidas não são metaméricas, e devemos avaliar a reprodução da cor em três iluminantes: D65 (luz do dia), F2 e A (Incandescente).

Se as variações de delta E não forem grandes entre esses três iluminantes, não haverá problemas em qualquer que seja o ambiente onde o impresso será exposto.

Fonte: Coralis. Edição do texto: InfoSign



Entrevista com Liliane Bortoluci, diretora da feira Serigrafia Sign FutureTEXTIL

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/11/2016
Liliane Bortoluci, diretora da feira Serigrafia Sign FutureTEXTIL

Liliane Bortoluci, diretora da feira Serigrafia Sign FutureTEXTIL

A história da serigrafia e da impressão digital no Brasil está inevitavelmente atrelada à feira Serigrafia Sign FutureTEXTIL. Ao longo de suas 26 edições (em 2017 será realizada a 27ª), o evento angariou a estima de seus visitantes e expositores, tanto do Brasil como de países da América Latina. Esse mesmo público cativo, em décadas de assiduidade, foi aumentando sua afeição na mesma proporção que a feira ganhou designações informais. “Feira de serigrafia”, “Feira Signs” e “Feira de julho” são algumas delas. E a tal feira de julho, que em algumas edições recentes ocorreu em maio, volta e fica de vez estabelecida no mês que se firmou na cabeça de seus visitantes. Em 2017, entre os dias 12 e 15 de julho, no Expo Center Norte, os fornecedores de sign e serigrafia poderão expor seus produtos e serviços a um público exigente que procura cada vez mais ofertas e informações.

Para falar sobre esses e outros assuntos, o InfoSign entrevistou Liliane Bortoluci, a diretora da feira Serigrafia Sign FutureTEXTIL. A executiva é engenheira graduada pela Faculdade Armando Álvares Penteado (Faap) e tem mais de 25 anos de experiência no mercado de feiras de negócios. Ela também é responsável por outros eventos do portfólio da Informa Exhibitions, como a Feimec, Expomafe, Plástico Brasil e ForMóbile. Nesta entrevista, foram abordadas questões relacionadas ao mercado e ao perfil dos visitantes e expositores, além de novidades e diferenciais da próxima edição.

InfoSign: Em 2017, a feira voltará a ser realizada no Expo Center Norte, no mês de julho. As próximas edições também serão nesta data e neste local, ambos já tradicionais?

Liliane Bortoluci: É isso mesmo, a feira volta ao local e período que nossos expositores e visitantes estavam habituados. Nosso planejamento é manter isso como padrão para o futuro. A próxima edição será de 12 a 15 de julho, no Expo Center Norte.

Quais são as novidades preparadas pela Informa que os visitantes encontrarão na feira de 2017?

Atendendo a demanda dos visitantes da feira, estamos planejando muitas novidades e atrações interativas. Teremos a “Serigrafia em Ação”, uma área destinada a mostrar as inúmeras possibilidades da utilização da serigrafia por meio de demonstrações ao vivo. Teremos também a “Arena do Conhecimento”, com conteúdo técnico, palestras e workshops, para que os visitantes possam se atualizar e obter aprimoramentos em impressão digital, grandes formatos e muitas outras aplicações e ainda aproveitar para fazer relacionamento.

Vocês têm percebido mudanças nas demandas e comportamentos dos visitantes e expositores? Como isso afeta a maneira de organizar a feira?

Sim, os visitantes estão buscando cada vez mais conteúdo, demonstrações e aulas práticas. Esse comportamento impulsionou a Informa a inovar e criar uma área de marketing de conteúdo, que conta com uma equipe de jornalistas responsáveis pelo contato com os visitantes durante todo o ano. Assim, nós temos um canal aberto de comunicação para contar as novidades da feira para o mercado e para divulgar materiais técnicos, como e-books, gráficos e textos relevantes e segmentados por interesse.

Quanto aos expositores, o comportamento deles tem se mostrado muito mais seletivo. As marcas buscam a participação que gere o melhor retorno sobre o investimento. Em um tempo difícil, como o que estamos enfrentando agora, é natural que as empresas decidam participar da feira que dará o melhor retorno. Nesse cenário, a Serigrafia SIGN FutureTEXTIL é certeza de resultado positivo.

Além da feira, a Informa oferece quais outros serviços ao público de sinalização e impressão digital?

Além da feira, onde o visitante pode conferir de perto as novidades de cada marca expositora, a Informa criou a área de marketing de conteúdo para manter o contato com os expositores, visitantes e público interessado nas nossas feiras, ao longo do ano. Os conteúdos são produzidos de acordo com os principais interesses do nosso público visitante e difundido por meio de newsletters e redes sociais. Cada segmento de exposição na feira é representado em nosso blog (canal de conteúdo). Também temos convidados especialistas que contribuem ainda mais com a disseminação de conteúdo relevante.

Nós também manteremos nosso catálogo de expositores impresso, um diferencial muito solicitado por nossos visitantes, além de ser uma vitrine de exposição importante para os nossos parceiros. Além disso, buscamos os melhores serviços para ajudar os visitantes a se programar para a feira: parcerias com companhias aéreas e agências de turismo, com associações e com as mídias, para trazer conteúdo e relevância ao evento.

Por quais mudanças a feira e o mercado passaram desde que a Informa adquiriu o portfólio da Sertec em 2011?

Muitas mudanças. Do ponto de vista mercadológico, em 2010 e 2011 estávamos diante de um cenário econômico muito mais favorável. A economia brasileira registrava altos índices de crescimentos, o acesso ao crédito era mais amplo e fácil. Os investimentos internacionais no país eram pujantes. Já a partir de 2015, o desemprego subiu e a renda caiu. O PIB em 2015 teve o pior resultado em 25 anos. O sentimento de desconfiança no país aumentou e o acesso ao crédito ficou mais difícil. Isso foi muito sentido nas feiras de negócios.

Na feira, vimos o impacto, principalmente, na mudança do perfil do visitante. Passamos a receber muitos novos entrantes, pessoas que queriam mudar de mercado, abrir sua própria empresa. Para isso, temos de ser muito assertivos e dar direcionamentos e informação adequada para esse público.

A falta de crédito também é uma característica atual e estamos tentando, como feira de negócios, nos aproximar de instituições financeiras que possam dar apoio aos nossos parceiros.

Além do econômico, o comportamento das pessoas mudou com o uso das mídias sociais, tecnologias e mapeamentos dos usuários on-line. Os Millennials, geração composta por pessoas nascidas de 1980 aos anos 2000, apresentam uma forma de se relacionar com as marcas, produtos e serviços bem diferente da forma da geração anterior. Entender as ambições, desejos, dores, necessidades e a forma de se relacionar dessas gerações está diretamente ligado ao nosso futuro e dos nossos expositores.

Dentro de um cenário bastante desafiador da economia brasileira, esse é um momento propício para refletirmos e irmos a fundo em nossos negócios, acompanhando o ritmo das mudanças e evoluções da sociedade e do mercado consumidor como um todo. O lado bom disso tudo é que a feira tem conseguido acompanhar todas essas mudanças e continua sendo referência no mercado.

Quais medidas a organização tomou para contornar a crise e continuar a prestar um serviço com diferenciado ao visitante?

A crise afetou o país todo e fez com que os brasileiros repensassem sobre como ser mais eficiente e conseguir gerir melhor a receita disponível. Nosso papel é organizar uma feira que atenda às expectativas dos expositores e dos visitantes. Para isso, já executamos algumas atividades como o “focus group segmentado”, um conselho consultivo que trabalha para termos a melhor entrega para o mercado. Também realizamos pesquisas com expositores e visitantes, e o resultado foi um mapeamento de todas as necessidades e expectativas. Isso é o orientador de nosso trabalho atual.

A feira ainda é relevante para o mercado? Por quê?

Sim, muito. A feira é relevante e icônica para o mercado. Ela é responsável por fomentar, aglutinar e gerar leads nos setores de impressão digital, grandes formatos, impressão digital têxtil, brindes, serigrafia, comunicação visual, sinalização e sublimação. Uma feira de negócios como a Serigrafia SIGN FutureTEXTIL reúne em um único local muitos compradores, marcas, mídias e associações, e essa concentração de negócios é importante para o mercado de impressão. Os expositores estão cientes desse papel e isso faz com que eles tenham a preocupação de levar para a feira lançamentos, novidades, novos materiais e novas técnicas, porque esse setor tem um relevante número de empreendedores.