RIP da Caldera chega à versão 11.2

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/02/2018
Software será demonstrado na feira C!Print 2018

Software será demonstrado na feira C!Print 2018

A desenvolvedora Caldera anunciou a versão 11.2 de seu software RIP homônimo, que será exibida na C!Print, feira que ocorrerá entre os dias 6 e 8 de fevereiro, na França.

Segundo a empresa, três novos recursos foram inseridos no aplicativo: o HelpLinks, o ContourNesting 180º e o MultiLayer. Além disso, o RIP passou a suportar a plataforma para espectrofotômetros TotalColor qb.

O HelpLinks permite que os usuários adicionem links nas páginas do CalderaDesk por meio dos módulos Caldera RIP. A ContourNesting 180º é uma ferramenta que ajuda a economizar o gasto com mídias por executar a impressão seguindo a direção da fibra, uma característica especialmente útil para clientes que trabalham com tecidos. A MultiLayer é capaz de imprimir várias camadas com imagens diferentes. Esse recurso, indicado para aplicações retroiluminadas, permite que diferentes versões da mesma imagem apareçam de acordo com a iluminação do espaço onde a mídia foi instalada.

A versão 11.2 do Caldera também recebeu aprimoramentos nos recursos de corte, como a nova opção Background, que define a cor em torno das marcas de registro, para ajudar a detecção das próprias marcas. O software também oferece a capacidade de adicionar um quadro cortável em torno de códigos de barras ou QR codes. Outra função de corte é a Rewind At End, que permite rebobinar a mídia (ou não) após o corte, para mudar a lâmina ou terminar o trabalho.

A empresa também destacou aperfeiçoamentos em algumas ferramentas de cores, como os mapas Rosing Overinking e Flower Bleeding, que podem ser usados para melhorar a limitação das tintas, e a opção Spot Channels permite o carregamento de cores especiais duas vezes mais rápido em arquivos Tiff e PSD.

Fonte: Caldera



Ampla Digital faz inauguração de filial em Recife

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 10/11/2012

Para aumentar a sua influência na Região Nordeste do país, a Ampla Digital, fabricante de impressoras, inaugurou em novembro uma filial em Recife (PE). É a nona unidade da empresa — e a segunda no Nordeste (a outra base localiza-se em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, BA).

A filial pernambucana conta com estoque de tintas originais, peças de reposição e equipes de suporte técnico e de vendas. "Com a iniciativa, intensificamos a nossa presença no Nordeste, reforçando a nossa parceria com os empresários da região", destaca Lie Tji Tjhun, diretor presidente da fabricante.

Fundada em 2004, a Ampla Digital abriu sua primeira filial em São Paulo (SP) em 2007. As demais unidades ficam em Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Belém (PA), Canoas (RS) e Cuiabá (MT).

A empresa também inaugurou, em junho de 2012, sua nova fábrica, na cidade de Pinhais (PR), na Região Metropolitana de Curitiba (PR). Uma planta industrial com mais de 8.000m² de área construída.

Diretores da Ampla festejam a abertura de nova filial da fábrica

Diretores da Ampla festejam a abertura de nova filial da fábrica

Fonte: Ampla. Texto: InfoSign



Sinalização em Nova York vai garantir Wi-Fi grátis para a cidade inteira

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 30/11/2014

Telefones públicos serão substituídos por consoles que fornecerão conexão de internet pública e grátis

Telefones públicos serão substituídos por consoles que fornecerão conexão de internet pública e grátis

O espaço público de Nova York, nos Estados Unidos, será definitivamente transformado pela tecnologia do século XXI. Isso porque os antigos orelhões da cidade serão sistematicamente substituídos por dispositivos que distribuirão sinal Wi-Fi grátis aos nova-iorquinos. O plano de implementar internet gratuita 24 horas por dia na cidade foi apelidado de LinkNYC.

Os novos dispositivos também oferecerão chamadas gratuitas para a polícia e outros serviços públicos. Além disso, possuirão estações de carregamento para telefones e uma interface touchscreen que fornece informações sobre a cidade.

Os consoles de Wi-Fi grátis serão mantidos com o dinheiro de publicidade – eles possuem telas laterais para veiculação de sinalização e promoções. O projeto estima gerar mais de 500 milhões de dólares para Nova York nos primeiros 12 anos.

Fonte: The Verge