Ricoh apresenta novos modelos de impressoras látex

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 22/10/2018
Pro L5130 e a L5160 são as novas apostas da Ricoh

Pro L5130 e a L5160 são as novas apostas da Ricoh

A fabricante Ricoh anunciou no mercado internacional duas novas impressoras látex de grande formato, a Pro L5130 e a L5160.

Com sistema rolo a rolo e cabeças Ricoh, as impressoras empregam tintas com certificação GreenGuard e produzem com resolução de 1.200 × 1.200dpi.

Segundo a fabricante, as tintas (CMYK e branco) oferecem alta opacidade e aderência, em impressões nítidas e claras para uma variedade de aplicações em substratos como revestimentos de parede e sinalização retroiluminada.

Capaz de carregar rolos com até 55kg e 1,62m de largura, os equipamentos produzem impressões prontas para acabamento imediato, e um aquecedor inteligente de três vias ajuda a evitar a deformação de substratos mais finos.

As impressoras vêm com recursos de manutenção diária automatizada das cabeças. Também têm ferramentas de detecção automática de falhas de nozzles.

Para monitorar o status das impressoras, os operadores podem usar o recurso remoto Web Image Monitor ou um painel com interface para o gerenciamento dos trabalhos.

Fonte: SGIA



Hexis lança películas adesivas sem PVC

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/02/2016
Nova linha de filmes da Hexis tem propriedades ambientalmente amigáveis

Nova linha de filmes da Hexis tem propriedades ambientalmente amigáveis

A Hexis, fabricante de películas adesivas, anunciou no mercado internacional três novos filmes sem PVC ambientalmente amigáveis para impressão digital e aplicações de comunicação visual.

De acordo com a empresa, os materiais foram desenvolvidos para reduzir impactos ambientais e serem uma alternativa ecologicamente correta aos vinis adesivos tradicionais. Além de não conter PVC, os filmes são livres de cloro, solventes, plastificantes e metais pesados. Conheça as mídias:

Hexis A5000

Trata-se de uma linha composta por 15 filmes de poliuretano coloridos para recorte eletrônico. Com 60µm de espessura, os filmes são cast, brilhantes e indicados para aplicações outdoor em diversos tipos de superfícies planas, côncavas ou convexas, em ambientes como escolas, faculdades, universidades, hospitais, museus, parques infantis, entre outros. Com adesivo acrílico, as películas podem ser aplicadas com técnica úmida e resistem a baixas e altas temperaturas e ambientes úmidos.

Hexis HX500WG2

Compatível com impressão digital solvente, ecossolvente, látex e UV, o Hexis HX500WG2 é um filme cast de poliuretano com 50µm de espessura e alto brilho. Desenvolvido para envelopamentos sustentáveis, o substrato incorpora adesivo com tecnologia HEX’Press, que promove a rápida aplicação em veículos e ajuda a eliminar bolhas de ar. Como prova de suas credenciais ecologicamente corretas, o Hexis HX500WG2 é usado no envelopamento de carros elétricos da Tesla.

Hexis HXL300WG2

Trata-se de um filme cast látex, com alto brilho e 100µm de espessura. É indicado para superfícies planas e ligeiramente curvas, em aplicações como outdoors, painéis, cartazes, paredes e envelopamento de veículos. Compatível com impressão solvente, ecossolvente, látex e UV, o filme também emprega adesivo com tecnologia HEX’Press.

Fonte: Hexis



Epson apresenta papel transfer UltraPrint 90 para sublimação

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/02/2014

A Epson Brasil apresentou o papel transfer UltraPrint 90, que possui resina especialmente desenvolvida para receber a Epson UltraPrint DS, tinta sublimática original da empresa.

Criado para trabalhar em conjunto com as soluções da fabricante japonesa, o UltraPrint 90 influi diretamente na impressão e no consumo de tinta. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, declarou: "É possível notar a melhor relação custo-benefício do UltraPrint 90 quando comparado a outras soluções do mercado, como papéis offset e monolúcido de outras marcas".

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

A importância de utilizar o papel transfer correto

O papel transfer interfere em todo o processo de sublimação. Atualmente, há muitas ofertas no mercado, e grande parte das empresas, especialmente as menos experientes, escolhe o papel em função do preço (custo do metro quadrado). Todavia, essa não é a forma correta de adquirir o material.

Considere que, para cada mililitro de tinta absorvido e não transferido, deve ser acrescentado de R$0,20 a R$0,35 ao custo final do metro quadrado impresso.

Para conhecer o desempenho do material, a recomendação é realizar testes para avaliar a quantidade de tinta que o papel absorve. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, ressalta: "Ao utilizar um papel que custa R$0,60/m2 e absorve 4ml de tinta, haverá desperdício de R$0,80 a R$1,40 de tinta por metro quadrado".

Testes e custos

Para mostrar a economia de tinta gerada ao utilizar o papel UltraPrint 90, a Epson realizou testes comparativos.

Na primeira etapa do procedimento, foi impressa uma imagem em um papel monolúcido que custa R$0,70/m². Para obter o resultado de impressão desejado, o papel utilizou 8ml de tinta (R$2,64). O custo total dessa produção, considerando tinta e papel, foi de R$3,34/m2.

O outro teste foi realizado com papel UltraPrint 90, que custa R$1,10/m². Para a impressão da mesma imagem da etapa anterior, foram gastos 4ml de tinta (R$1,32). O custo total, considerando tinta e papel, foi de R$2,42/m2.

No teste, o papel monolúcido apresentou um custo de impressão 38% maior do que a solução da Epson.

Além do papel UltraPrint 90, a fabricante oferece o programa de fidelidade Epson Rewards. A cada rolo de papel transfer utilizado, o cliente acumula pontos. Depois de um ano, pode-se trocá-los por garantia estendida ou descontos em novos equipamentos.

Tipos de papéis usados na transferência térmica

Confira abaixo uma relação dos materiais mais utilizados no mercado de impressão por sublimação:

Sulfite ou offset: não foi desenvolvido para a transferência de tinta sublimática. As empresas utilizam-no por ser uma opção barata. Porém, ele absorve volume muito grande de tinta. Isso aumenta o custo final de impressão, pois é alta a quantidade desperdiçada do insumo.

Monolúcido ou calandrado: muito utilizado no processo de sublimação. Possui superfície menos porosa que o offset. Em função da calandragem, o papel torna-se mais liso, o que diminui a absorção de tinta e aumenta a transferência do insumo para o substrato a ser sublimado. O desperdício de tinta nesse tipo de papel é grande, pois ele não possui uma cobertura para bloquear a absorção de tinta.

Papel tratado: possui tratamento para evitar a absorção de tinta. Ele contém uma resina adequada para o processo de sublimação. O papel tratado é mais caro, porém, utiliza quantidade menor de tinta. Na maioria das vezes, diminui o custo final do metro quadrado impresso.

Fonte: Epson