Razões para o crescimento da impressão de cura por radiação UV

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/02/2018
Saiba por que a tecnologia de cura por radiação não para de crescer

Saiba por que a tecnologia de cura por radiação não para de crescer

A Smithers Pira, consultoria internacional de inteligência de mercado, publicou recentemente o estudo "The Future of Radiation Curing Print Markets to 2022", que identificou os principais desenvolvimentos tecnológicos que impulsionam a expansão da impressão de cura por radiação.

De acordo com o documento, em 2017 foram produzidas aproximadamente 1,38 trilhão de impressões A4 (um valor de 63,4 bilhões de dólares) com tintas e vernizes de cura por radiação (UV e feixe de elétrons) - um mercado que está crescendo em torno de 2 a 3% ao ano.

Os usuários estão adotando a secagem instantânea para melhorar a eficiência produtiva e explorar as novas propriedades das tintas e revestimentos. A cura por radiação não só economiza tempo em função da secagem instantânea, mas também permite aumentar a eficiência do processo como um todo.

Enquanto os volumes de impressão em gráficos estão caindo 3% ao ano (entre 2012 e 2022), os segmentos de impressão de cura por radiação estão em expansão. O volume de cura por radiação aumentará 25% em volume e 33,6% em termos de valor durante este período. Leia sobre alguns dos principais apontamentos técnicos levantados pelo estudo:

Cura UV LED

A cura UV LED emprega diodos emissores de luz que emitem uma banda estreita de UV e fornece um pico de energia ultravioleta. Ela oferece uma saída com ampla distribuição em todo o espectro eletromagnético, inclusive luz visível e radiações infravermelhas.

A cura LED gasta menos energia do que os sistemas UV de lâmpada de mercúrio de baixa energia (tópico a seguir), além de desligar instantaneamente, o que reduz o tempo de inatividade necessário para que as lâmpadas atinjam plena eficiência. Também economizam energia por curar instantaneamente a tinta impressa. A desvantagem desta tecnologia é a disponibilidade limitada de tintas adequadas e o alto custo atualmente associado a elas. No entanto, a gama de tecnologias UV LED comercialmente disponíveis está crescendo.

As empresas que usam impressoras UV LED relatam um consumo de energia até 70% menor do que os sistemas UV convencionais. Outro benefício da UV LED é o brilho da cor em função do maior teor de pigmento nas tintas.

A UV LED está crescendo para além de aplicações de nicho. Atualmente, está sendo empregada também em segmentos de maior volume.

Cura UV de baixa energia

Os métodos de cura UV estão mudando. A maior parte da secagem ultravioleta em 2017 ainda foi realizada por meio de lâmpadas de vapor de mercúrio feitas de quartzo, que gastam tempo para aquecer e oferecem potenciais riscos à saúde dos operadores e ao meio ambiente.

Já a tecnologia de cura de baixa energia não tem as mesmas limitações. Trata-se de um sistema que emprega muito menos energia do que as lâmpadas tradicionais de vapor de mercúrio e emprega lâmpadas que não emitem os comprimentos de onda UV mais curtos que geram ozônio (o que obviamente elimina a necessidade de extração de ozônio). Além disso, elas produzem menos calor residual, portanto, exigem menos refrigeração, o que reduz ainda mais o consumo de energia. É uma tecnologia que atualmente ganha espaço na Europa e América do Norte. A cura de baixa energia tem sido instalada em impressoras que empregam duas lâmpadas.

Cura por feixe de elétrons

Esta tecnologia emprega um feixe de elétrons de alta potência para desencadear a reação de polimerização de radicais livres. Uma cortina de elétrons acelerados é emitida em direção à tinta depositada na superfície do substrato. A energia é absorvida pela película impressa e o processo de cura ocorre.

O benefício desta tecnologia é a penetração de elétrons no corpo do filme de tinta, em vez de apenas em sua superfície.

Há desenvolvimentos para ampliar o uso desta tecnologia, sobretudo em impressoras flexográficas e de rotogravura. A proporção dos dispositivos que usam feixe de elétrons na cura permanece baixa, apenas 5% em 2017, e a maioria na América do Norte.

Tintas e revestimento de baixa migração

Como a cura por radiação é amplamente utilizada em embalagens para alimentos, tabaco e produtos farmacêuticos, é importante que nenhum componente dela migre da impressão para o produto, o que pode causar efeitos organolépticos. Isto é particularmente importante na embalagem de tabaco, que é higroscópico.

Odor e mancha são problemas potenciais para as empresas que impressão de embalagens. Os fabricantes estão formulando tintas de baixa migração com componentes selecionados, o que garante que a migração do filme de tinta impresso fique dentro dos limites aceitos de migração.

Tintas híbridas

Vários fabricantes de tinta estão explorando novas formulações, para ampliar a gama de aplicações UV e tintas de cura por feixe de elétrons e melhorar desempenho dos insumos no processo de impressão.

Uma vantagem significativa das tintas híbridas é que elas não são classificadas como materiais perigosos. Isso significa que os fabricantes não precisam aplicar um rótulo de químico perigoso na embalagem e, portanto, podem ser transportar as tintas de modo mais barato, ao passo que a tinta UV pode receber a classificação de perigosa e não pode ser transportada em um recipiente com mais de 25 litros.

Fonte: Fespa



Plotter de recorte: guia para instalação de vinis adesivos recortados

Por Eduardo Yamashita em 12/10/2014

Saiba como garantir a qualidade da aplicação de vinis recortados por plotters

Saiba como garantir a qualidade da aplicação de vinis recortados por plotters

A instalação de imagens em vinil adesivo recortado por plotter é um processo simples e rápido. Mas não tenha pressa. Com concentração e paciência, é possível instalar imagens com facilidade e qualidade.

Siga as recomendações e os procedimentos abaixo para que o vinil seja corretamente aplicado – e garanta uma instalação profissional.

Preparação da superfície

Todas as superfícies devem ser cuidadosamente limpas antes da aplicação de vinis adesivos. Para tanto, siga os procedimentos de limpeza abaixo:

  • Plástico e vidro

Limpe a superfície com detergente neutro. Remova qualquer matéria seca, como cola e fita adesiva, com uma lâmina de estilete. Se estiver planejando usar acrílico, remova a proteção do material 24 horas antes da aplicação, para dissipar as bolhas de ar (desgaseificação). Se isso não for observado, pode ocorrer a formação de bolhas de ar sob o vinil em alguns dias. Para aplicar em cima de outro vinil adesivo, use álcool isopropílico para desengordurar a superfície.

  • Superfícies pintadas e metais básicos

Essas superfícies podem ser limpas com solventes como nafta, xilol, heptana ou desengraxante comercial. No caso de paredes, use álcool isopropílico. Seque a superfície com um pano sem fiapos antes de evaporar. Superfícies recém-pintadas devem ser secas e curadas pelo menos 72 horas antes da aplicação do vinil.

Requisitos de temperatura

A temperatura do ambiente e a da superfície a ser adesivada devem estar entre 10ºC e 25ºC, para que os melhores resultados sejam obtidos. Alta umidade (acima de 90%) pode afetar o processo de aplicação.

Materiais necessários

  • Estilete;
  • Mistura de detergente neutro e água (proporção: uma colher de sopa de detergente para cada litro de água);
  • Espátula plástica;
  • Pano seco e limpo;
  • Fita de papel crepada.

A imagem recortada é composta por:

  • Máscara de transferência de papel;
  • Vinil autoadesivo recortado;
  • Liner.

Passo a passo da instalação:

1. Use pequenos pedaços de fita adesiva para posicionar a imagem na superfície. Isso assegura o posicionamento adequado da imagem.

1. Use pequenos pedaços de fita adesiva para posicionar a imagem na superfície. Isso assegura o posicionamento adequado da imagem.

2. Aplique uma única faixa horizontal de fita adesiva na parte superior da imagem. A tira será utilizada como dobradiça (articulação), que fixa a imagem durante o processo de aplicação.

2. Aplique uma única faixa horizontal de fita adesiva na parte superior da imagem. A tira será utilizada como dobradiça (articulação), que fixa a imagem durante o processo de aplicação.

3. Mantenha a borda inferior do gráfico articulada (esticada) para longe da superfície e, aos poucos, remova o liner para expor o lado do adesivo do vinil à superfície. Cuidado: não deixe que o adesivo toque a superfície, pois ele tem forte aderência e poderá aderir à superfície de forma irregular. A remoção da imagem para a recolocação vai ser difícil ou impossível.

3. Mantenha a borda inferior do gráfico articulada (esticada) para longe da superfície e, aos poucos, remova o liner para expor o lado do adesivo do vinil à superfície. Cuidado: não deixe que o adesivo toque a superfície, pois ele tem forte aderência e poderá aderir à superfície de forma irregular. A remoção da imagem para a recolocação vai ser difícil ou impossível.

4. Sobre a superfície, pulverize a mistura de água e sabão, que reduz a aderência do vinil, permitindo levantar e recolocar o gráfico, se necessário.

4. Sobre a superfície, pulverize a mistura de água e sabão, que reduz a aderência do vinil, permitindo levantar e recolocar o gráfico, se necessário.

5. Mantenha a imagem esticada para longe da superfície. Com uma espátula plástica, inicie a aplicação para aderir a imagem na superfície. Trabalhe de cima para baixo. Não deixe que toda a imagem toque a superfície. Se rugas aparecerem, levante a imagem e volte a espatulá-la.

5. Mantenha a imagem esticada para longe da superfície. Com uma espátula plástica, inicie a aplicação para aderir a imagem na superfície. Trabalhe de cima para baixo. Não deixe que toda a imagem toque a superfície. Se rugas aparecerem, levante a imagem e volte a espatulá-la.

6. Uma vez que a imagem está na posição correta e adesivada sobre a superfície, comece a reespatular a imagem para retirar toda água. A partir do centro para fora, use movimentos firmes com a espátula para remover a água debaixo das letras individuais e dos elementos contidos na imagem.

6. Uma vez que a imagem está na posição correta e adesivada sobre a superfície, comece a reespatular a imagem para retirar toda água. A partir do centro para fora, use movimentos firmes com a espátula para remover a água debaixo das letras individuais e dos elementos contidos na imagem.

7. Depois de remover a água, retire a máscara da imagem. Para removê-la, borrife a mistura de água e sabão. Espere um ou dois minutos, para que o papel-máscara encharque. Remova cuidadosamente a máscara. Tenha cuidado para não puxar o vinil acima com o papel máscara.

7. Depois de remover a água, retire a máscara da imagem. Para removê-la, borrife a mistura de água e sabão. Espere um ou dois minutos, para que o papel-máscara encharque. Remova cuidadosamente a máscara. Tenha cuidado para não puxar o vinil acima com o papel máscara.

8. Usando o pedaço de sobra do liner, espatule toda a imagem para remover resíduos de água e pequenas bolhas. Coloque o pedaço de liner (que foi retirado na imagem) com o lado brilhante de frente para você. Continue a aplicar pressão com a espátula no sentido para fora, para remover água e bolhas de ar.

8. Usando o pedaço de sobra do liner, espatule toda a imagem para remover resíduos de água e pequenas bolhas. Coloque o pedaço de liner (que foi retirado na imagem) com o lado brilhante de frente para você. Continue a aplicar pressão com a espátula no sentido para fora, para remover água e bolhas de ar.

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual



Evento: Roland Experience Day em Bauru

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 09/09/2014

Participe do evento gratuito promovido pela Roland DG Brasil

Participe do evento gratuito promovido pela Roland DG Brasil

Bauru, no interior de São Paulo, é a segunda cidade a receber o Roland Experience Day, evento que percorrerá cinco cidades do país para apresentar tecnologias de impressão digital a pequenas e médias empresas de comunicação visual, tecidos, brindes e personalização.

O evento contará com lançamentos da Roland DG e apresentará informações de como aumentar a qualidade, alavancar a produção, reduzir custos, aumentar a eficiência operacional e possibilitar a geração de negócios futuros.

Durante o evento, os visitantes de Bauru e cidades do entorno terão a possibilidade de testar impressoras UV, sublimáticas e ecossolventes. Algumas das máquinas presentes no evento são a VersaEXPRESS RF-640, a VersaCAMM VSi e a VersaUV LEJ (híbrida, a máquina pode imprimir com tinta branca e verniz sobre diversos substratos de até 13mm de espessura).

Serviço:

  • Roland Experience Day Bauru
  • Data: 9 e 10 de setembro
  • Local: Obeid Hotel – Avenida Nações Unidas, 19-51
  • As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas por telefone (11 3500-2649), e-mail (contato@rolanddg.com.br) ou pelo site. As vagas são limitadas. 
Roland Experience Day tem palestras e apresentações sobre tecnologia de impressão digital

Roland Experience Day tem palestras e apresentações sobre tecnologia de impressão digital