Promoção: impressora Roland VersaCAMM VSi com 10% de desconto e frete grátis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/06/2014

Promoção é válida até o dia 28 de junho

Promoção é válida até o dia 28 de junho

A filial brasileira da Roland DG, fabricante de impressoras digitais, anunciou a promoção Copa do Mundo Roland DG, que garante 10% de desconto e frete grátis para quem comprar equipamentos VersaCAMM VSi até o dia 28 de junho.

Além de ter as condições acima, as empresas paulistas podem financiar as impressoras por meio da Desenvolve SP e do BNDES Finame PSI, com taxas de juros a partir de 0,37% a.m. e até 72 meses para pagar.

Para empresas de estados que não possuem incentivos governamentais, os equipamentos da Roland podem ser financiados pelos bancos Santander e Daycoval, por meio do Proger, leasing, CDC, entre outros.

Disponível nos modelos VS-640i, VS-540i e VS-300i, a linha VersaCAMM VSi, é a nova geração de impressoras com recorte integrado da Roland.

Fonte: Roland DG Brasil



Depreciação de impressoras de grandes formatos

Por José Pires de Araújo Jr. em 21/06/2018
Saiba como prever a depreciação de uma impressora digital

Saiba como prever a depreciação de uma impressora digital

A depreciação de equipamentos é um assunto recorrente nas conversas entre empresários do setor. Trata-se de uma despesa, não reembolsável, que tem como fato gerador a utilização de um equipamento ou sua obsolescência. No entanto, a empresa não precisa usar dinheiro do caixa para pagar tal despesa. Porém, é necessário realizar a devida contabilização para a recuperação do investimento.

O Brasil, segundo a lei 11638/2007, segue a tabela de depreciação abaixo:

Item Taxa de depreciação anual Anos
Edifício 4% 25
Máquinas e equipamentos 10% 10
Instalações 10% 10
Móveis e utensílios 10% 10
Veículos 20% 05
Computadores e periféricos 20% 05

 

Conforme a tabela, os computadores e seus periféricos depreciam-se em até 5 anos, com taxa de 20% ao ano. A lei referida (11638/2007) deve guiar a contabilidade. Não foi levada em consideração a “Lei de Moore”, que deve ser considerada nas ações gerenciais com foco na obsolescência de processadores (o “coração” dos computadores e seus periféricos). Em 1965, Gordon Moore publicou na revista Eletronic Magazine um artigo sobre o ciclo de vida dos processadores. Ele afirmou que a cada período de 18 meses, a capacidade dos processadores aumenta exponencialmente. Com base nisso, pode-se utilizar a “Lei de Moore” para a formação de custos no RKW, mas saiba que quanto menor o tempo de depreciação, maior é o valor a ser destacado.

As impressoras de grandes formatos, em última análise, são equipamentos eletrônicos com memória e utilizam programas para decodificação de dados, para estampar lonas, vinis, tecidos, entre outros substratos. São máquinas de alta tecnologia que necessitam de processadores cada vez mais potentes para suportar uma eletrônica que evolui a todo momento.

Essas impressoras provam que a “Lei de Moore” é uma realidade. O aumento da velocidade dos processadores e a evolução dos softwares estão permitindo que a impressão de grandes formatos atinja mercados diversos, como os de arte e arquitetura. Além disso, a tecnologia também tem possibilitado a impressão em substratos rígidos, como madeira e cerâmica, que podem ser utilizados em decoração.

Por causa dessa constante evolução, a depreciação gerencial de uma impressora de grande formato pode não ser 5 anos. Para conhecer a exata depreciação, recomenda-se levar em consideração a obsolescência causada pelos desenvolvimentos do segmento, embora a aceleração tecnológica segundo a “Lei de Moore” venha caindo. De acordo com especialistas do Vale do Silício, as tecnologias digitais são atualizadas anualmente.

Autor: José Pires de Araújo Jr.

 



Roland DG comercializa soluções para empreendedores

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/09/2018
Empresa vende equipamentos para quem deseja abrir seu próprio negócio em tempos de crise

Empresa vende equipamentos para quem deseja abrir seu próprio negócio em tempos de crise

No Brasil de 2018, a expectativa é que milhões de empresas sejam abertas, e as microempresas e pessoas que trabalham por conta própria vão responder por 50% dos postos criados até dezembro. Em linha com essa tendência estão os dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O emprego por conta própria foi o que mais cresceu durante a crise, de acordo com os estudos. E oito em cada dez trabalhadores estão na informalidade.

Para esses empreendedores, a Roland DG, fabricante de impressoras e plotters de recorte, tem diversas alternativas. Anderson Clayton, gerente de marketing da empresa, declarou: “A gama de soluções oferecidas envolve, inclusive, equipamentos portáteis, de baixo custo, que ocupam pequenos espaços e requerem pouco investimento, além de terem mercado garantido”.

Entre os equipamentos que a Roland DG destaca estão:

BN-20: impressora que produz rótulos, decorações de janelas e ambientes internos, etiquetas, adesivos, reproduções fotográficas, cartazes com efeito metálico, brindes para festas e materiais de pontos de venda, além de personalizar celulares e laptops.

GS-24: plotter de recorte de mesa, ideal para cortar imagens de até 700mm de largura em materiais magnéticos e cartões.

LD-80: novo equipamento da marca DGSHAPE, para personalização digital a laser, que permite criar desenhos e escritas com um acabamento holográfico, metálico ou brilhante. Compacta e portátil, a máquina é indicada para quiosques, feiras de artesanatos, petshops, casamentos e eventos especiais.

MPX-95: equipamento que personaliza itens de metal de alto valor para datas comemorativas. Indicada para quiosques de shoppings e lojas de presentes, a máquina grava em ouro, aço e titânio.

VersaUV LEF: impressora ideal para personalização de capinhas de celular e tablets, canetas, canecas, brindes e artigos promocionais. Compacta, ela imprime diretamente  sobre uma vasta gama de materiais.

Fonte: Roland DG Brasil