Primeira etapa do Fespa Brasil Fórum, em São Paulo

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 12/10/2015
Iniciativa foi bem-sucedida em sua primeira etapa

Iniciativa foi bem-sucedida em sua primeira etapa

No dia 6 de outubro, foi realizada, em São Paulo, a primeira etapa do Fespa Brasil Fórum, evento com palestras gratuitas sobre gestão, tecnologia e dados exclusivos sobre o mercado de impressão digital.

Alexandre Keese, diretor da Fespa Brasil, abriu o fórum e apresentou dados da Fespa Print Census, pesquisa global realizada em parceria com a InfoTrends. Os números detalhados do estudo foram mostrados aos participantes do fórum em São Paulo e serão novamente apresentados em todas as edições do evento.

Os presentes no Senai Barueri relataram a oportunidade de conhecer um material relevante sobre gestão e tecnologia. Além disso, os participantes tiveram a oportunidade de conversar com outros profissionais do setor, para trocar experiências e até iniciar parcerias de negócio.

Para Keese, “ter a oportunidade de realizar um encontro repleto de informações como este é muito importante para a APS e Fespa. Com as informações corretas, o investimento do empresário é potencializado. Reforçamos assim nosso compromisso com o Fespa Brasil Fórum em reinvestir o lucro da feira em ações para agregar valor ao mercado, para que este possa crescer de forma sustentável”.

O evento ainda percorrerá cinco cidades (ver abaixo). Para participar, basta se inscrever por meio do site do Fespa Brasil Fórum:

  • 20 de outubro: Rio de Janeiro (RJ), no Senai;
  • 27 de outubro: Recife (PE);
  • 12 de novembro: Curitiba (PR), no Sigep Paraná;
  • 17 de novembro: Blumenau (SC);
  • 24 de novembro: Brasília (DF), no Sindigraf-DF.

A iniciativa é fruto do programa Profit for Purpose (Lucro com Propósito), de reinvestimento da Fespa, que é voltado a projetos que visam fomentar o mercado.

Fonte: Fespa Brasil



Tendências da impressão digital têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/03/2019
Estudos internacionais apontam expansão do segmento

Estudos internacionais apontam expansão do segmento

A estamparia digital têxtil está em voga. Hoje, a maioria dos grandes fabricantes de impressoras de grande formato oferece um equipamento com o fim de estampar tecidos. Algumas marcas desenvolveram suas próprias tecnologias para o segmento. Outras marcas absorveram empresas de soluções têxteis.

Um estudo de 2018 da Fespa, federação internacional voltada para o mercado de impressão, revelou alguns dados sobre o segmento de estamparia têxtil digital:

- 56% das empresas de impressão em tecido investiram em tecnologia digital de grande formato. Outros 19% planejam fazê-lo nos próximos dois anos;

- Mais de 80% das impressoras têxteis estampam em roupas esportivas e tecidos para vestuário;

- Velocidades de produção mais rápidas impulsionam o investimento das empresas de impressão têxtil;

- 9% dos produtores gráficos procuram impressão têxtil na hora de investir em novas tecnologias.

Atualmente, o mercado têxtil tem sido impulsionado pela personalização e pela demanda por produções rápidas. Para tanto, a digital está se tornando uma boa opção tecnológica, sobretudo para a produção de pequenos lotes e amostras.

No mercado internacional, até 2017, as impressoras de 3,2m eram as maiores no segmento. Porém, a partir de 2018, os equipamentos com 5m passaram a ser tendência, e muitas empresas começaram a fabricar máquinas com essa dimensão, principalmente porque está mais fácil encontrar tecidos, papéis transfer e matérias com 5m de largura.

De acordo com a WTiN (World Textile Information Network), a taxa de crescimento anual composta (CAGR) dessa indústria global está projetada para ser de 20% durante o período entre 2017 e 2021. Portanto, podemos dizer com segurança que a impressão digital têxtil está se consolidando e continuará a crescer nos próximos anos.

Fonte: Flaar Reports



Zünd apresenta nova ferramenta de corte e gravação

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/01/2017
Novo RM-L tem potência de 3,6kW e torque de 0,7Nm

Novo RM-L tem potência de 3,6kW e torque de 0,7Nm

A fabricante Zünd anunciou o RM-L, novo módulo de corte, gravação e acabamento para diversos substratos, como Plexiglass, policarbonato, alumínio, Dibond, MDF, entre outros. O maquinário incorpora um spindle (refrigerado a água) com pinça pneumática, potência de até 3,6kW e torque de 0,7Nm. Além disso, conta com um sistema de extração de pó para manter a área de trabalho sempre limpa.

Segundo a empresa, o uso do RM-L diminui os tempos de troca de ferramentas, o que auxilia sobretudo nos fluxos de trabalho que envolvem diferentes produtos personalizados e projetos complexos. Além disso, substratos mais densos e duros podem der processados a velocidades e profundidades maiores, o que reduz o número de passes e aumenta a produtividade.

O módulo também vem equipado com o MQL, sistema de lubrificação de quantidades mínimas que mantém o bit lubrificado para diminuir atritos. Assim, pouco calor é gerado durante a produção, o que aumenta a vida útil do bit e permite velocidades maiores de processamento.

O RM-L tem um sistema de compensação de superfície que determina a espessura do substrato e detecta inconsistências. Durante o processamento, o sistema compensa variações e faz ajustes de profundidade. Para trabalhos de gravação, isso evita problemas causados por diferenças na espessura do substrato.

Para acomodar diferentes diâmetros de eixo, são utilizados suportes HSK-E25, que permitem o uso de uma gama maior de bits no mesmo módulo de router, e o ARC HSK troca automaticamente os bits.

Fonte: Zünd