Onyx apresenta nova versão do SmartApps VehicleWraps and Sign&Banner

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 15/04/2013

Plug-in ajuda na criação de arquivos para envelopamento de carros

Plug-in ajuda na criação de arquivos para envelopamento de carros

A Onyx, desenvolvedora de softwares para produção gráfica, anunciou a versão 1.2 do SmartApps VehicleWraps and Sign&Banner, um plug-in para preparar imagens, arquivos e vinis usados em envelopamento de carro. Agora, a novidade roda em Adobe Illustrator CS6 e dá suporte aos sistemas operacionais Microsoft Windows 8 e Macintosh OS 10.8.2.

A linha de plug-ins SmartApps foi desenvolvida para aumentar a produtividade e otimizar o fluxo de trabalho. Complementares aos RIP da Onyx, eles são usados na preparação de arquivos para impressão de grande formato.

Um dos plug-ins da série SmartApps é o VehicleWraps and Sign&Banner, que dá a possibilidade de combinar imagens e fazer a panelização de arquivos para envelopamento de carros. Ele também permite a preparação de peças de sinalização, como banners, dando a opção de incluir marcas e sangrias nos arquivos.

A versão 1.2 do SmartApps VehicleWraps and Sign&Banner está disponível em: www.smartappsplugins.com.

Fonte: Onyx



Como resolver problemas na sublimação – Parte 2: Impressão

Por João Leodonio em 17/11/2017
Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas encontradas na impressão offset e por sublimação digital

Saiba o que fazer para evitar e corrigir falhas encontradas na impressão offset e por sublimação digital

Além de conhecer e sanar eventuais problemas na pré-impressão e na prensagem, saiba como evitar falhas na impressão digital ou offset na produção de estampas sublimadas.

Problema: impressora digital inadequada

Muitas empresas compram impressoras adaptadas. Fazem isso para tentar reduzir seus investimentos ao adquirir um equipamento mais barato. Porém, os prejuízos gerados acabam superando a economia feita no investimento. Existem muitos fornecedores de impressoras originalmente sublimáticas e que também comercializam insumos para esses equipamentos.

Recomendação: prefira marcas conhecidas e pesquise muito antes da compra. Analise várias empresas e orçamentos. Deve-se consultar quem já utiliza equipamentos similares, além de coletar muitas opiniões antes de adquirir uma impressora sublimática. Na hora de investir, deve ser analisada a melhor relação custo x benefício. Se a empresa não tiver competência para essa análise, a recomendação é que ela contrate uma consultoria, ou de revendas ou de consultores independentes.

xx

Problemas: qualidade de impressão ruim e entupimento de cabeças, ambos causados por tinta digital ruim

Geralmente, os fabricantes de impressoras fornecem a tinta mais adequada para garantir o desempenho de qualidade e custo de produção e manutenção. No entanto, existem marcas de tintas compatíveis, algumas das quais prometem resultados de impressão ótimos a um custo inferior de produção. Porém, são comuns reclamações sobre os problemas causados por esses insumos, em função dos prejuízos gerados pela má qualidade de impressão e entupimento das cabeças de impressão.

Recomendação: utilizar tintas indicadas pelo fabricante da impressora. Muitas empresas oferecem a extensão do tempo da garantia do equipamento quando o cliente usa tintas originais. Caso opte por tintas compatíveis, recomenda-se realizar testes de produção e desempenho, para comprovar a qualidade dos insumos.

xx

Problemas: papel enruga e transferência inadequada

Na impressão digital, o ideal é utilizar papel revestido (resinado) e com gramatura adequada para cada tipo de produção. O papel resinado permite que a tinta ancore em sua superfície, o que gera economia no gasto do insumo, além de entregar melhores resultados de cor e definição da imagem na prensagem. Com o papel não revestido (offset comum e sulfite, por exemplo), isso não ocorre, porque a tinta ancora na massa mecânica do substrato. Para solucionar esse problema, muitas empresas utilizam um perfil de cor “mais generoso”, que emprega mais tinta, o que leva a desperdício do insumo e compromete as áreas de mínimas da imagem.

Recomendação: usar papel revestido e realizar testes de gramatura antes da compra. A gramatura ideal vai depender da carga de tinta e do tipo de prensagem (na calandra ou na prensa plana). Papéis com gramaturas muito baixas enrugam com cargas de tinta alta e podem gerar problemas de tração na calandra ou enrolar quando trabalhados em prensas planas. Papéis de gramatura muito altas e impressões com baixa quantidade de tinta poderão gerar manchas por conta da dureza do papel e por má acomodação na prensa.

xx

Problemas na produção sublimática causados na impressão offset

As falhas de impressão offset são, geralmente, causados pela falta de manutenção dos equipamentos e pelo desconhecimento dos operadores do processo. Entre os problemas mais comuns, estão as marcas de rolaria que formam uma espécie de degradê na imagem. Isso tem origem na falta de manutenção da rolaria das impressoras. Rolo gasto ou mal regulado ajuda a causar falhas. Outro caso bem comum é a falta de registro, causada por falta de habilidade do operador. No caso da manutenção, os pinos onde as chapas são encaixadas devem estar perfeitos, pois qualquer desgaste ajuda no erro de registro. Tome muito cuidado com os respingos (voagem da tinta no papel). Na maioria das vezes, essas falhas são sentidas, apenas, no momento da prensagem. Basicamente, os respingos acontecem quando a impressora roda em velocidade muito alta.

Recomendação: realizar manutenções periódicas dos equipamentos, utilizar tinta de qualidade reconhecida e utilizar o mesmo código de cor para a cromia inteira.

 

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático

 



Aplicação de vinis em superfícies com rebites

Por Eduardo Yamashita em 10/11/2014

Veja dicas de como aplicar vinis adesivos em superfícies com rebites

Veja dicas de como aplicar vinis adesivos em superfícies com rebites

Você está pronto para começar a produzir projetos complexos envolvendo vinis adesivos em superfícies grandes? Em caso afirmativo, será necessário dominar a questão dos rebites.

Rebite de fixação mecânica permanente consiste em um eixo de metal liso com uma "cabeça". Ele é inserido em extremidades de placas e estruturas. Ninguém gosta, mas ele é inescapável em trabalhos com as frotas de caminhões, ônibus e veículos de grande porte.

De fato, é a pedra no sapato de quem realiza projetos maiores. Mas aplicar vinis sobre rebites não será um pesadelo se você tiver os conhecimentos e as habilidades certas. Saiba quais são a seguir.

De volta ao básico

O primeiro passo é ter certeza de que a superfície onde o vinil será aplicado está limpa e seca. A preparação inadequada pode gerar danos irreparáveis.

Embora óbvia, a limpeza da superfície é uma etapa importantíssima a ser levada a cabo, inclusive por instaladores apressados e aplicadores inexperientes. A contaminação dos vinis é uma das principais causas de insuficiência na aplicação.

Um dia antes da aplicação, limpe o veículo. Depois, use um pano úmido com água e álcool para remover a poeira da superfície. Em seguida, verifique todas as emendas, rebites e ondulações, a fim de retirar solvente e umidade remanescentes. Caso eles estejam presentes, é preciso usar um soprador térmico para secar completamente a superfície antes de iniciar o trabalho. Mas tome cuidado para não queimar a pintura ou a borracha.

Evite aplicação úmida

É melhor realizar a aplicação úmida ou seca? Quando se trata de rebite, o debate é longo. No entanto, você deve saber que não pode usar a aplicação úmida na instalação de vinis sobre rebites.

Essa regra também é válida para dias chuvosos. Por quê? Porque a condensação permanece mais tempo sob os rebites e as emendas do que sob superfícies planas. O vinil quando disposto sobre qualquer coisa molhada, prende a umidade sob as imagens, e bolhas surgirão se a água ficar presa embaixo dos rebites.

Para uma aplicação profissional, é preciso utilizar as ferramentas adequadas

Para uma aplicação profissional, é preciso utilizar as ferramentas adequadas

É possível ver caminhões na estrada com rebites levantados – identificados pelo vinil adesivo levantado ao redor do rebite. É muito provável que a imagem nessas regiões estava aprovada depois do instalador ter concluído o trabalho. Porém, muito provavelmente, ele não aplicou calor suficiente para que o material se moldasse às regiões do rebite. Pense em cera de vela. Até certo ponto você pode moldá-la quando ela está fria, mas quando está quente, ela pode tomar a forma do molde.

O que pode acontecer é as bolhas de água (que estavam na superfície molhada) se evaporarem com o calor, aumentarem de tamanho e formarem bolhas grandes.

Ferramentas adequadas

Há ferramentas que tornam mais fácil a instalação profissional. Especialistas recomendam um furador de bolhas para liberação de ar. É necessário um soprador térmico para ajudar a moldar o filme de PVC.

Espátula é uma necessidade absoluta. Alguns instaladores usam dois tipos: uma dura (para o trabalho em geral) e uma mais macia (para áreas detalhadas). Espátula de feltro ajuda a evitar riscos nas imagens impressas no vinil em áreas difíceis.

Instalação

Aplique o vinil sobre os rebites da mesma maneira que é feito em superfícies com curvas. Em seguida, volte e faça alguns furos ao redor do rebite, para que você tenha um lugar para que o ar escape. Em seguida, use calor e uma escova de rebite para aplicar o material em torno da cabeça do rebite.

Você pode até usar uma ferramenta de corte para aliviar o stress do filme. Fique atento: se o vinil não aplicado corretamente, ele levantará com o tempo.

Saber lidar com os rebites é fundamental para quem trabalha com envelopamento de grandes veículos

Saber lidar com os rebites é fundamental para quem trabalha com envelopamento de grandes veículos

Depois que o vinil levanta, o adesivo embaixo seca (cura) e não haverá mais adesão à superfície. O vinil ressecará e romperá nas lavagens de manutenção de limpeza.

Instaladores inexperientes costumam usar o estilete para furar a região dos rebites. Essa é uma prática não é recomendada, pois cria um corte no filme que leva a um ponto de tensão e faz com que o vinil, no seu encolhimento natural, abra muito nessas regiões.

A "picada de agulha" com o furador de bolhas faz um orifício circular, que é muito pequeno para que ele encolha futuramente.

Vinis adesivos adequados

Muitos instaladores não consideram se estão ou não usando ferramentas e vinil adequados. Por exemplo, para colocar um parafuso na parede, você pode escolher entre parafusos Philips e de cabeça em linha reta.

Se você aplicar o material errado e que não foi projetado para o trabalho, ele não produzirá o resultado desejado. Para os rebites, é a mesma coisa: use os vinis adesivos corretos e instale-os com as ferramentas adequadas.

Esse artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Este artigo técnico foi patrocinado pela Imprimax, fabricante de vinis adesivos

Gostou do artigo? Você também vai se interessar pelas matérias abaixo:

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual

Sobre o autor: Eduardo Yamashita é consultor técnico especializado em vinis adesivos, envelopamento de carro e comunicação visual