Nazdar anuncia nova série de tintas compatíveis Nazdar 204

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 24/06/2019
Nazdar 204 é alternativa para quem tem impressoras Roland

Nazdar 204 é alternativa para quem tem impressoras Roland

A fabricante Nazdar incorporou mais uma série de tintas compatíveis ao portfólio da empresa. Trata-se da Nazdar 204, desenvolvida especificamente para uso em impressoras Roland TrueVIS SG e VG.

Resistentes ao desbotamento e à degradação causa pela luz UV, as tintas Nazdar 204 oferecem uma alternativa às tintas originais em termos de correspondência de cores e compatibilidade química.

Com recurso plug-and-play, as tintas estão disponíveis nas opções CMYK, light cyan, light magenta e light black. São indicadas para imprimir substratos como banners, vinis e papéis.

Stephen Woodall, gerente da Nazdar, comentou: “As novas tintas Nazdar 204 podem ajudar a reduzir custos de tinta. Com compatibilidade química e processo de conversão contínuo, esses insumos permitem que os usuários alternem uma cor de cada vez, sem a necessidade de criar perfis ou realizar nivelamento, na maioria das situações”.

As tintas da Nazdar são fabricadas no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Fonte: Nazdar



Impressoras Durst ganham certificação verde

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/12/2012

Impressora Durst

Máquinas da linha Durst Rho obtiveram selo

A Durst, fabricante italiana de impressoras digitais, recebeu o selo Greenguard. A garantia certifica que os equipamentos das linhas Rho e Omega atendem as normas internacionais de sustentabilidade e preservação ambiental.

Fundado em 2001, o instituto que emite as certificações tem a missão de preservar a qualidade de vida dos seres humanos. Por meio dos documentos, o Greenguard Environmental Institute (GEI) ajuda os consumidores a identificar produtos verdes.

Os equipamentos da Durst se destacaram nas categorias de sinalização interna (Indoor) e na baixa emissão de substância agressivas ao ar (Indoor Air Quality).

As tintas Durst Premium 30DM também receberam o Greenguard. Elas são utilizadas na impressão de substratos rígidos e flexíveis. "A certificação é o reconhecimento por nosso trabalho em oferecer produtos de acordo com as exigências ambientais", comemorou Michael Lackner, diretor de marketing mundial da Durst.

O certificado é emitido após estudos e testes realizados pelo GEI, órgão que promove análises baseadas na emissão de componentes químicos em empresas de diversos setores de todo o mundo.

Fonte: Durst Brasil.



Cientista europeu cria processo para recuperar cabeças de impressão

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/01/2013

Um cientista europeu afirma ter descoberto um novo processo de recuperação para cabeças de impressão entupidas. Com a novidade, as peças que seriam descartadas, ganhariam uma nova chance.

"É certo que nós, na Europa, criamos o primeiro processo deste tipo. Desenvolvi um químico capaz de remover a tinta de forma a não causar degradações nas cabeças de impressão", revelou Phil Keenan, atual diretor da Camscience, e com passagens em empresas como a HP e a Xennia.

Com sua tecnologia atualmente utilizada por empresas como HP, Ricoh e outras que usam cabeças para disparo de tinta UV, Keenan pretende expandir os negócios, atingindo outras marcas como Mimaki e Roland. Segundo o cientista, a novidade é capaz de restaurar as peças a fim de fazê-las trabalharem como novas, evitando que sejam enviadas para aterros.

Keenan disse ao site britânico SignLink como funciona o químico: "Ele provoca uma separação entre a tinta UV curada e as superfícies da cabeça de impressão. Usando solventes leves e surfactantes, o químico quebra a tinta em partículas tão finas que são facilmente removidas", explicou.

É esperar para ver se o produto chega ao Brasil e, principalmente, se cumpre com o esperado.

reaproveitar cabeça de impressão

O cientista Phil Keenan afirma ter desenvolvido químico que reaproveita cabeças de impressão já gastas

Fonte: SignLink. Texto: InfoSign