Mimaki lança versão 5 do RasterLink6

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 01/08/2016
Software RIP inclui bibliotecas de cores Pantone

Software RIP inclui bibliotecas de cores Pantone

A Mimaki, fabricante de impressoras digitais, anunciou a disponibilidade da versão 5 do software RIP RasterLink6. Entre as novas ferramentas do aplicativo estão a inclusão de bibliotecas de cores Pantone, substituição de cores por meio de medições de espectrofotômetro e suporte para criação de marcas de corte em equipamentos Fotoba.

Entre as bibliotecas de cores que integram o software estão a Pantone+ Solid Coated e a Pantone+ Solid Uncoated. As cores especiais Pantone dos arquivos são automaticamente detectadas e convertidas em padrões CMYK mais acurados. Outras inclusões foram a coleção DIC compatível com Adobe Illustrator e a seleção de cores originais Mimaki.

Outra vantagem da versão 5.0 do RasterLink6 é ela eliminar a necessidade de software de cor ao permitir a utilização de um espectrofotômetro para medir amostras impressas. Além disso, as cores usadas com frequência podem ser armazenadas na coleção, o que permite reproduções mais precisas e reduz tempo e custos. Alguns dos aparelhos compatíveis são os modelos X-Rite i1Pro e i1Pro 2.

O aplicativo também passou a oferecer a possibilidade de criar marcas de corte para máquinas Fotoba diretamente das janelas de operação do Rasterlink6. Essa nova funcionalidade simplifica a produção, permitindo que os operadores criem marcas por meio do RIP sem a necessidade de software de design adicional.

Visite o site para mais informações sobre RasterLink6 RIP e para baixar a versão 5.0.

Fonte: Mimaki



Substratos não tecidos usados para sublimação

Por João Leodonio em 10/04/2018
Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Com o processo sublimático, é possível estampar dezenas de mídias e objetos

Além dos tecidos com poliéster, é possível sublimar muitos outros tipos de substratos, desde que sejam resistentes a temperaturas superiores a 200ºC. Outra característica fundamental dessas mídias é que elas apresentam uma camada superficial de resina à base de poliéster, cuja função é fixar a sublimação. Portanto, o substrato não é sublimado, mas sim a resina aplicada na superfície dele.

Além de substratos planos, o processo sublimático permite estampar materiais e objetos curvos e com formatos diversos, como canecas, copos, porta-retratos, relógios, chaveiros, squeezes, tapetes, placas, descansos de panelas, caixas de presente, quebra-cabeças, entre outros.

A despeito do surgimento contínuo de novos substratos passíveis de receber a sublimação, os materiais mais comumente utilizados no mercado são: cerâmica, metais, madeiras, pedras, EVA, borracha, vidros, cartões, PVC e alguns polímeros.

Cuidados

- Antes de sublimar, limpe os substratos com produtos indicados pelo fabricante. Elimine qualquer tipo de impureza oriunda do manuseio e da aplicação de resina;

- Obedeça o tempo e a temperatura indicados pelos fabricantes. Essa relação varia de acordo com o tipo de substrato;

- Faça uma inspeção visual no ato da compra do produto para detectar possíveis falhas provocadas na aplicação da resina;

- Para sublimar em prensas planas, recomenda-se o uso de um gabarito de altura para cada substrato. Há materiais, como azulejos e vidros, que são muito sensíveis à pressão da prensa. Com os gabaritos, é preciso fazer apenas o ajuste fino, o que evitará perdas desnecessárias;

- Para todos os casos, indica-se o uso de fita adesiva térmica específica para a fixação do papel ao substrato. Não utilizar outros adesivos, pois corre-se o risco de manchar o produto.

Sobre o autor: João Leodonio atua no segmento gráfico há 10 anos, como gerente de produção e consultor. Tecnólogo em produção gráfica, atuou como palestrante pela Imprensa Oficial, de Angola, e como consultor de processos produtivos. É proprietário da Pari Transfer Sublimático 

 



Kernow apresenta nova linha de revestimentos de paredes

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/01/2018
Mídias são indicadas para instalações complicadas

Mídias são indicadas para instalações complicadas

A Kernow, fornecedora norte-americana de mídias para comunicação visual, anunciou no mercado internacional a KernowJet Interiors, linha de revestimentos de parede dividida em duas séries: a Interiors 500 (para ambientes difíceis em áreas públicas) e a Interiors 620 (mais resistentes, para ambientes de alto tráfego, como aeroportos).

Resistentes a rasgos e água, laváveis e com encolhimento zero, os substratos são yambém indicados para lojas de varejo, hotéis, escritórios, pontos de venda, aeroportos, hospitais, ambientes médicos e educacionais, entre outros.

Com 13 opções de texturas, os revestimentos podem ser removidos facilmente e não deixam resíduos. Além disso, possuem certificação HP-Latex. Portanto, podem receber imagens estampadas por tecnologia de impressão digital.

A Kernow ressalta que as mídias são capazes de inibir o crescimento de microorganismos (bactérias e bolor). Elas também contam com certificação de padrões contra incêndio.

Fonte: Kernow North America