Laminação em impressos de grande formato

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 23/09/2013

Laminar ou não? Se você trabalha em birô ou gráfica digital, essa pergunta já passou inúmeras vezes pela sua cabeça. Parte das incertezas sobre a laminação (processo de aplicação de uma película protetora sobre a mídia) começa na própria impressão, pois muitas impressoras e tintas prescindem de qualquer tratamento superficial.

Mas o que acontece se, por exemplo, o impresso precisar de proteção contra pichações? Ou se o cliente pedir uma instalação externa, aplicada em janelas? A laminação, nesses casos, é obrigatória.

Muitos acreditam que a laminação só protege contra a exposição de raios UV. Mas ela também pode aumentar a rigidez da mídia e conferir efeitos diferenciados aos impressos. Sem contar que agrega valor aos trabalhos de comunicação visual.

A laminação pode ser aplicada em cartazes, pôsteres, displays (rígidos e flexíveis), backlits, banners, sinalização externa e decalques

A laminação pode ser aplicada em cartazes, pôsteres, displays (rígidos e flexíveis), backlits, banners, sinalização externa e decalques

Antes de começar a laminar, responda às seguintes questões:

  • A aplicação é interna ou externa?
  • A mídia é de papel, PVC ou vinil?
  • Você precisa de acabamento brilhante ou fosco?
  • O material ficará acessível ao público?
  • A aplicação terá vida útil curta ou longa?
  • O impresso exige proteção contra raios UV?

Com base nas respostas desse questionário, você vai conseguir escolher a película mais interessante para laminar seus impressos. Você descobrirá também se a laminação é realmente necessária.

Especificação do material

Quando souber como os impressos serão instalados, consulte os fornecedores de materiais para acabamento. Eles são habilitados a indicar as laminadoras e os filmes mais adequados para suas necessidades. A escolha do filme certo vai garantir o sucesso da aplicação. Seguem abaixo algumas especificações e características técnicas das películas de laminação que devem ser controladas:

  • temperatura de ativação;
  • pressão necessária;
  • acabamento: brilhante, acetinado, fosco/ultrafosco, texturizado;
  • permanente ou removível;
  • à base de solvente ou à base d’água;
  • hot-melt;
  • absorventes de UV.
Laminação pode agregar valor aos seus impressos

Laminação pode agregar valor aos seus impressos

Tintas de impressão digital (grande formato)

Considere mais um fator: a tinta, que pode ser látex, UV, à base d’água ou solvente. Cada uma delas vai reagir de forma diferente com a superfície da mídia. Por exemplo, as tintas à base d’água "colam" na superfície das mídias. Portanto, o filme laminado deverá aderir à imagem para que não ocorra a delaminação. Já as tintas à base de solvente "penetram" no substrato e podem até mesmo criar uma mídia "mais fina" onde foram depositadas. A laminação nesse caso tem de prender a tinta e dar estabilidade adicional ao produto final. Mas, mesmo com o avanço das tintas, os impressos continuarão exigindo proteção contra raios UV (que provocam o desbotamento), manipulação (como limpeza) e ataques (pichações). Para tanto, não há melhor processo do que a laminação.

Fonte: Neschen



Hollanders lançará impressora ColorBooster 250 na Fespa 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 13/05/2014

ColorBooster 250 tem 2,5m de largura de impressão

ColorBooster 250 tem 2,5m de largura de impressão

A Hollanders, fabricante de impressoras digitais, participará em 2014 pela primeira vez da Fespa, feira europeia que acontecerá entre 20 e 23 de maio, em Munique (Alemanha).

Para a ocasião, a empresa estreará na Europa o ColorBooster 250, equipamento de 2,5m largura de impressão. Modular, a máquina pode ser configurada de acordo com as necessidades do cliente e pode receber upgrades de cabeças e de ferramentas adicionais como controle de pó e ambiente.

A empresa também vende outros equipamentos para estamparia têxtil, como a ColorBooster XL (impressora de 3,2m), o ColorBooster DS (sistema de impressão frente e verso), a ColorWash (máquina de lavagem de tecidos) e o ColorFix (sistema de fixação de cor por infravermelho).

Jacco Aartsen Tuijn, CEO da Hollanders, declarou: "O lançamento europeu da ColorBooster 250 é um movimento importante para a empresa. Com a solução, nossos clientes podem ter produtividade sem ter de fazer altos investimentos".

Fonte: Large Format Review



Metalnox completa 35 anos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 20/06/2017
Atualmente, a empresa contempla um grupo formado por cinco marcas

Atualmente, a empresa contempla um grupo formado por cinco marcas

A Metalnox, fabricante de impressoras, fez 35 anos em junho de 2017. Fundada em 1982, em Jaraguá do Sul (SC), a empresa era chamada de Arte Calhas e produzia calhas para chuva. Quatro anos depois, passou a fabricar máquinas têxteis em inox. Por isso, alterou seu nome para Metalnox (Metal + Inox).

Acompanhando a expansão do mercado têxtil nacional, a Metalnox cresceu e, em 1990, deu um passo adiante e começou a exportar máquinas para a Argentina, Paraguai e Uruguai. Em 1994, a companhia expandiu seu parque fabril, o que permitiu a fabricação de prensas térmicas. Anos depois, em 2001, a Metalnox, mais uma vez, ampliou sua planta. Atualmente, a empresa conta com uma ampla rede de distribuidores e está presente em mais de 35 países, para distribuir produtos de cinco diferentes marcas:

- Metalnox Máquinas: maior fabricante de prensas térmicas das Américas;
- Metalnox Digital: tecnologia brasileira de impressão digital têxtil;
- Foto Produto: maior distribuidor de foto produtos do Brasil;
- Ferragens: distribuição de ferragens para móveis;
- JJI: distribuição de vidros do norte e nordeste do Brasil.

Fonte: Metalnox