Hexis anuncia novo tipo de vinil adesivo cromo

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 07/09/2015
Hexis HX30000 Super Chrome está disponível em sete cores

Hexis HX30000 Super Chrome está disponível em sete cores

A Hexis, fabricante de películas adesivas, apresentou ao mercado internacional a HX30000 Super Chrome, linha de vinis adesivos cast cromo indicados para envelopamento de superfícies curvas e texturizadas (como rebites) em veículos diversos.

Disponíveis em sete cores (vermelho, roxo, verde, azul, titânio, prata e ouro), as películas têm 90µm de espessura e acabamento superficial com alto brilho e efeito de espelhado.

De acordo com a empresa, o vinil HX30000 Super Chrome é composto por multicamadas cast, liner de silicone e adesivo acrílico solvente HEX'Press, que permite aplicar a película de modo rápido, eficiente e sem bolhas, além de facilitar o reposicionamento do filme durante a aplicação.

Entre as cores disponíveis está o azul cromo
Veículo envelopado com vinil Hexis azul cromado

Sob condições padronizadas de aplicação outdoor e vertical, o Super Chrome dura de um a dois anos, dependendo da cor e do local. A fabricante ressalva que os vinis devem ser aplicados pelo método seco, usando um rodo de borracha coberta com uma folha de feltro.

Scott Wilkins, diretor da Hexis no Reino Unido, declarou: “Levamos muitos anos para desenvolver o Super Chrome, para ter certeza de que os envelopadores de carros possam utilizar o produto de forma semelhante à dos vinis usuais de envelopamento”.

Fonte: Hexis



MTEX lança tecnologia digital de produção de amostras têxteis

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 16/11/2015
Mini-Lab foi desenvolvido para produzir amostras de tecidos estampados digitalmente

Mini-Lab foi desenvolvido para produzir amostras de tecidos estampados digitalmente

Durante a ITMA 2015, feira internacional que ocorre entre os dias 12 e 19 de novembro, na Itália, a MTEX, fabricante de equipamentos para estamparia têxtil, apresentará em primeira mão o Mini-Lab, sistema de produção de amostras de tecidos. A tecnologia é composta por um conjunto de equipamentos (coater, vaporizador, lavadora e secadora) combinado com uma impressora digital (com tinta pigmentada, ácida ou reativa).

Segundo a empresa, o Mini-Lab funciona da seguinte forma: o coater reveste a superfície de tecidos (algodão, linho e seda), a fim de prepará-los para a impressão digital. Depois de revestido, o material passa através de dois rolos para que o excesso de líquido seja retirado.

O tecido é então introduzido na secadora, para que fique pronto para a impressão. Logo após receber as imagens, o material é inserido no vaporizador, que possui um gerador de vapor embutido usado para manter a umidade sob controle.

No processo seguinte, o tecido é lavado em tanque específico e, finalmente, o material segue para o secador. Todo o fluxo de trabalho leva entre 20 e 30 minutos, dependendo do tipo de corante e do tempo no vaporizador.

Eloi Ferreira, CEO da MTEX, declarou: “Este é um dos lançamentos de 2015 mais importantes para a indústria. Trata-se de um sistema de estamparia digital têxtil de fácil operação e baixo custo, para produzir amostras sem comprometer o fluxo de trabalho”.

Fonte: MTEX



Case: outdoor digital que se descabela

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 27/02/2014

Mídia digital foi instalada no metrô de Estocolmo, na Suécia

Mídia digital foi instalada no metrô de Estocolmo, na Suécia

Arthut C. Clarke, um dos escritores mais prolíficos e proféticos da ficção científica, certa vez cravou: "Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia". Hoje são incontáveis as novas e surpreendentes tecnologias que comprovam a assertiva do autor de 2001: Uma Odisseia no Espaço. E o mercado das propagandas digitais está apinhado de exemplos de instalações tecnomágicas. Uma delas causou grande comoção recentemente entre os passageiros do metrô de Estocolmo, capital da Suécia.

Para apresentar uma nova linha de produtos para cabelo, a Apotek, marca de produtos farmacêuticos, instalou uma peça de sinalização digital que interagia não apenas com o público, mas – principalmente – com o ambiente.

Na plataforma do metrô, foram colocadas telas digitais equipadas com sensores ultrassônicos que monitoravam as chegadas dos trens. Assim que o primeiro vagão surgia na estação, os sensores sinalizavam aos players que o vídeo exibido nas telas deveria mudar, mostrando a modelo com cabelos esvoaçando (em função do movimento do trem).

Assista ao vídeo que mostra a instalação em funcionamento:

Fonte: Mashable