GQM apresenta novo agente químico para estamparia digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 24/10/2019
Produto reduz níveis de ureia e nitrogênio amoniacal

Produto reduz níveis de ureia e nitrogênio amoniacal

A fornecedora nacional GQM (Global Química & Moda) anunciou o Global Print BU, novo produto químico auxiliar para uso na pré-impressão da estamparia têxtil digital.

De acordo com a empresa, o produto é sustentável, pois reduz tanto a ureia utilizada na pasta base quanto o nitrogênio amoniacal nos efluentes.

Márcio Wesley H. Faria, gerente de contas da GQM, declarou: “o Global Print BU oferece qualidade e segurança ao processo. Outra vantagem desse agente é que ele reduz a incidência de ‘replique’ no tecido - os indesejáveis de respingos -, o que é essencial para garantir mais qualidade ao resultado final. Com menos poluentes, a limpeza e o reaproveitamento da água residual são facilitados. Assim, o processo se torna mais prático, limpo e sustentável. A redução desses resíduos é um grande ganho, especialmente em larga escala”.

A GQM representa marcas como Epson, Sensient, Lamberti e Neenah Coldenhove.

Fonte: GQM



Van Gogh Comunicação potencializa produção com impressora Jeti Tauro H3300 LED

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 04/03/2020
Investimento recente dá resultados extraordinários ao birô

Investimento recente dá resultados extraordinários ao birô

Quando perguntado sobre o motivo que levou a Van Gogh Comunicação, um dos maiores birôs do país, a adquirir a impressora Jeti Tauro H3300 LED, o proprietário Eduardo Franco leva o dedo indicador ao pescoço e diz “estamos sempre com a faca aqui”, referindo-se aos prazos apertadíssimos dos serviços que prestam ao grande varejo brasileiro.

Desde meados de 2018, o parque gráfico da empresa (composto por serigrafias, flexografia e, principalmente, impressoras digitais) já não estava dando conta de atender adequadamente tantos pedidos urgentes. Nesse momento premente, para não correr o risco de perder negócios, o executivo não tinha outra alternativa senão comprar novas ferramentas de ponta. Entre elas, uma impressora de altíssima produção que também estampasse em alta qualidade, já que os materiais produzidos pela Van Gogh (sobretudo para pdv) são vistos de muito perto pelos consumidores de supermercados, shopping centers e lojas.

Alta velocidade e alta qualidade, juntas, só são encontradas nas robustas impressoras inkjet industriais, que também aguentam rodar 24/7 (outra demanda da empresa). Depois de estudar as poucos opções disponíveis, o empresário optou pela Tauro H3300, instalada em outubro de 2019.

A máquina

A Tauro H3300 foi anunciada internacionalmente pela Agfa em meados de 2018. A “topo de linha” da empresa tem nada menos que 3,3m de largura de impressão, cura UV LED e sistema híbrido de carregamento, que permitem à máquina rodar diversos tipos de mídias, das mais corriqueiras (como vinis e lonas) às menos usuais (como vidro e madeira). Além de possibilitar o trabalho com inúmeros substratos, outro diferencial dessa inkjet industrial é sua capacidade produtiva. Com 60 cabeças de impressão (no modelo de 6 cores e branco), a Tauro H3300 trabalha em velocidade máxima de 453m²/h, em resolução de até 1.200dpi, características necessárias para cumprir as demandas da Van Gogh Comunicação.

A aquisição

“Precisávamos de um equipamento veloz e poderoso”, revelou Eduardo. A corrida para achar a melhor solução começou em meados de 2018, precisamente quando a Agfa lançou a Tauro H3300. Na ocasião, para demonstrar todo o potencial da máquina a possíveis compradores, a fabricante realizou um evento em sua sede, na Bélgica. O sócio da Van Gogh foi um dos executivos convidados ao “Red Carpet”. E gostou do que viu. Tanto é que, depois de mais alguns meses de negociações e tramites burocráticos, a impressora chegou à Van Gogh: foi instalada em outubro de 2019, no “timing perfeito”, segundo o próprio Eduardo.

Embora grande e pesada (8 toneladas e meia) para os padrões do mercado, a impressora foi importada e instalada sem nenhum contratempo. A própria equipe da fabricante se encarregou de toda a operação. “O equipamento chega ao país em nome da Agfa, que desembaraça a importação junto à Receita Federal. Depois, entrega a máquina ao cliente com nota fiscal local, sem custos adicionais. É algo diferenciado. Não me deu dor de cabeça com importação, logística e impostos”, revela o proprietário.

"Early adopter" da Tauro H3300, Eduardo Franco se beneficiou da tecnologia 

A Van Gogh

Parte do Grupo Arte Visão, a Van Gogh Comunicação foi inaugurada no dia 1º de março de 2012. Nativa da tecnologia digital, a empresa conta atualmente com 120 colaboradores e 10 impressoras inkjet de grande formato: uma sublimática, duas solventes e sete UVs (incluindo a Tauro H3300), além de departamento de pré-impressão, acabamento, instalação e impressão flexográfica.

O Grupo Arte Visão tem muito mais tempo de mercado, e começou suas atividades há cerca de 30 anos. Na época, empregava serigrafias para dar conta dos imensos trabalhos de comunicação visual. A tecnologia serigráfica, porém, foi se tornando obsoleta, até perder completamente seu espaço. Nesse ponto de inflexão, foi criado o braço digital da gráfica, a Van Gogh Comunicação.

Atualmente, a empresa, que sempre teve amplitude nacional, é capaz de entregar trabalhos dentro de uma área de 8 milhões e meio de quilômetros quadrados no país. Para tanto, trabalha 24 horas por dia, de segunda a sábado – numa operação ampla, em moldes industriais, para atender a grandes clientes nacionais. Entre eles, a rede Big de supermercados. Com cerca de 400 estabelecimentos, a varejista pede (sempre com prazos apertados) renovações constantes de seus materiais de ponto de venda. Para dar conta dessa demanda, portanto, é essencial que o birô tenha equipamentos ágeis e produtivos.

Aumento de produtividade

Além da robustez para trabalhar dias sem parar e da capacidade de imprimir em altíssima velocidade (mais de 450m²/h), a Tauro H3300 foi escolhida pela Van Gogh por outro diferencial: sua largura de 3,3m.

Largura maior se traduz em ganho de produtividade, sobretudo na impressão de PS (carro-chefe da empresa). Isso porque a máquina tem a capacidade de estampar três chapas de 2m x 1m (formato padrão) simultaneamente. Em equipamentos menores (de 2,5m, por exemplo), só é possível rodar duas placas em concomitância. “Por essa razão, tivemos um aumento de aproximadamente 30% de produtividade”, comenta Eduardo. Outra vantagem proporcionada pela impressora de 3,3m é que lonas com largura de 3,2m, usadas em gigantografia, também podem ser estampadas na máquina.

Largura, velocidade e robustez, no entanto, não são os únicos fatores a potencializar a Van Gogh. A empresa adquiriu, junto com a Tauro H3300, outra ferramenta que impulsionou a produtividade: o software Asanti, instalado algumas semanas antes mesmo de a nova impressora chegar ao birô.

Três chapas de PS podem ser estampadas simultaneamente

O software

Muito mais que um RIP, o Asanti desempenha o papel de gerenciador que integra e controla a produção de ponta a ponta. Em tempo real e remotamente, o software exibe informações sobre os trabalhos que já rodaram, os que estão em andamento e a fila dos materiais a serem produzidos. Também mostra as mídias usadas, os gastos, o tempo para cada job, entre outros dados essenciais para a gestão. “Pelo meu PC, consigo saber o que está acontecendo em todos os equipamentos agregados ao Asanti. Eu olho na tela e sei o que está ocorrendo na fábrica. Isso me dá um ganho gigantesco de produtividade, e também consigo dar mais garantias ao meu cliente, porque sei exatamente quando o trabalho dele vai sair da máquina, para ser entregue”, revela Eduardo.

O proprietário destacou outra vantagem trazida pelo uso do Asanti: com o software, as imagens recebidas pelo cliente, depois de checadas, são transformadas em arquivos de impressão e acabamento (corte). Nos arquivos, as imagens são posicionadas (nesting) da forma mais inteligente, visando maior economia de material e de tempo de máquina. Segundo Eduardo, isso foi uma inovação para a Van Gogh.

Dezenas de cabeças são empregadas para dar resultados de qualidade e velocidade de impressão

Economia de tinta

Outro benefício propiciado tanto pelo Asanti quanto pela Tauro H3300 foi a redução do consumo de tinta. Desde a instalação da impressora, o birô conseguiu uma economia de pelo menos 30% do material (em relação a qualquer outra impressora em uso na empresa). Isso se deve à capacidade da solução em depositar uma camada mais fina de tinta para formar as imagens (sem comprometer a qualidade delas).

A Agfa desenvolve e fabrica o insumo em suas instalações na Bélgica. Dominar a composição da tinta faz toda diferença. E não só na economia, mas também na própria cura do material. “Consigo trabalhar com 453m²/h, e a máquina cura de verdade. O material sai pronto para entregar. E a tinta não custa mais que outras equivalentes no mercado”, revela Eduardo.

Economia de tinta não implica perda de qualidade de impressão. Até o momento, a Van Gogh não teve qualquer problema em reproduzir as cores desejadas pelos clientes. Portanto, nenhum retrabalho foi necessário. “Não tivemos dificuldade em chegar em nenhuma cor, incluindo em tons de pele”, confirma o proprietário.

Além de imagens coloridas, a Tauro H3300 estampa com tinta branca – um elemento que agrega valor às peças de comunicação visual. No entanto, ela é um insumo especial que exige mais tempo de cura. Por isso, reduz a produtividade da impressora em 20%. “Isso não é muito em comparação a outras soluções do mercado”, revela Eduardo, que está satisfeito com a aderência da branca em vidros e adesivos eletrostáticos. O executivo também destaca que não teve problemas causados pela sedimentação da tinta nas cabeças e nos tanques, o que provocaria entupimentos e paradas de máquina.

Retorno do investimento

Satisfeito tanto com a Tauro H3300 quanto com o Asanti (além da assistência da Agfa), Eduardo já cogita a possibilidade de adquirir mais uma unidade da impressora. Sem hesitação, o executivo revela que a ferramenta se encaixou perfeitamente na empresa e tem sido importantíssima para dar conta das demandas da Van Gogh. “Ela chegou no momento exato. E demos um salto tecnológico”, comemora o proprietário.

Deu tão certo, que até o retorno de investimento será, provavelmente, abreviado. “Como estamos trabalhando muito forte com ela, nós diminuímos o tempo do ROI, de três para dois anos”, diz o exultante Eduardo.



Roland DG Brasil apresenta fresadora MDX-50

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/12/2017
MDX-50 é indicada para pequenas tiragens e protótipos de produtos e embalagens

MDX-50 é indicada para pequenas tiragens e protótipos de produtos e embalagens

A filial brasileira da Roland DG, fabricante de equipamentos digitais, apresentou a MDX-50, fresadora de bancada indicada para a fabricação de peças de espuma, nylon, PVC, madeira, entre outros materiais. Fresagem de garrafas de refrigerante e calçados para serem testados antes da produção são algumas das funções do equipamento.

Com sistema de transmissão aprimorado e acionamento aperfeiçoado, o equipamento oferece função de detecção automática, que corrige o comprimento da ferramenta, para garantir a precisão dos trabalhos. Já o VPanel é um painel de controle virtual e conta com alertas de gerenciamento da ferramenta e avisos que o operador recebe por e-mail.

O equipamento inclui ainda o programa SRP Player CAM tanto para especialistas quanto para iniciantes.

Anderson Clayton, gerente de marketing da Roland DG, declarou: “A MDX-50 representa a tecnologia mais confiável, com atendimento ao cliente e suporte técnico. Além de vir com abrangente garantia de um ano. A certificação internacional ISO reforça nosso compromisso com produtos e serviços de qualidade. O software para indústria e educação foi atualizado para corresponder às funções avançadas. As configurações de fresagem podem ser feitas em cinco simples etapas, tornando a operação fácil”.

Fonte: Roland DG Brasil