Gênesis lança papéis resinados para impressão sublimática digital

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/09/2016
Mídias melhoram o desempenho do processo sublimático digital

Mídias melhoram o desempenho do processo sublimático digital

A Gênesis, fabricante de tintas digitais, anunciou o lançamento de uma série de papéis resinados (tratados) para impressão digital sublimática e transferência térmica (transfer) em substratos de poliéster, cerâmica (resinada), borracha EVA (resinada), entre outras mídias.

Indicados para produção de fotoprodutos e brindes personalizados, os papéis, segundo a fornecedora, oferecem os seguintes benefícios: excelente performance, economia de até 30% de tinta em relação ao papel comum, estabilidade na prensagem, secagem rápida, cores vibrantes e alta definição de impressão.

Ainda de acordo com a empresa, os papéis são resinados na parte da frente e possuem um bloqueador no verso, o que confere maior estabilidade durante a prensagem. Confira os tipos, gramaturas e formatos dos papéis:

- DS.0020 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 0,610 x 100m;

- DS.0021 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 1,100 x 100m;

- DS.0022 – papel sublimático resinado de 75g: bobina (rolo) 1,600 x 100m;

- DS.0025 – papel sublimático resinado de 90g: pacote com 500 folhas A4 (210 x 297mm);

- DS.0026 – papel sublimático resinado 90g: pacote com 500 folhas A3 (297 x 420mm).

Fonte: Gênesis



Zünd anuncia novas fresas com revestimento DLC

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 06/05/2019
Fresas foram desenvolvidas especialmente para mesas de corte da fabricante suíça

Fresas foram desenvolvidas especialmente para mesas de corte da fabricante suíça

A fabricante Zünd está trazendo para o mercado novas fresas com revestimento DLC (diamond-like carbon), que reduz o atrito, aumenta a resistência ao desgaste e melhora o desempenho da produção. As peças são otimizadas para equipamentos Zünd e estão disponíveis em diâmetros de 2mm a 6mm, para trabalhos em mídias de alumínio, madeira e PVC.

De acordo com a empresa, o atrito durante o processamento afeta a qualidade das mídias, o desempenho da mesa de corte e a longevidade das fresas. Além de diminuir os desgastes, o revestimento de DLC permite maiores velocidades e profundidades de corte. Por exemplo: compósitos de alumínio de até 4mm de espessura podem ser processados em uma única passada, a uma velocidade de até 11m/36pés por min.

As fresas também têm propriedades que ajudam a evitar o acúmulo de material nas peças cortadas. Suas forças de arrasto reduzidas permitem o roteamento de contornos mais detalhados. Por isso, até peças menores podem ser processadas sem a necessidade de pontes para mantê-las no lugar. As superfícies mais lisas das fresas também diminuem a quantidade de calor gerado durante o processamento. Isso elimina a necessidade de refrigeração e lubrificação. Portanto, painéis de alumínio podem ser cortados a seco ao usar as peças de DLC, o que facilita o manuseio e mantém a área de trabalho limpa e seca.

Fonte: Zünd



Epson conclui obras de nova fábrica de cabeças de impressão

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 10/07/2018
Planta vai triplicar a capacidade de produção de chips PrecisionCore

Planta vai triplicar a capacidade de produção de chips PrecisionCore

No Japão, a fabricante Seiko Epson concluiu a construção de uma nova fábrica dedicada a produzir chips de impressão inkjet PrecisionCore. As obras haviam começado em 2016. O novo empreendimento, que começará a operar no ano fiscal de 2018 (que termina em 31 de março de 2019), triplicará a capacidade atual de confecção dos chips.

Segundo a empresa, a fábrica será o segundo local de produção dos eletrônicos PrecisionCore, que atualmente são fabricados na província de Nagano, também no Japão. A Epson também frisou que a estrutura, as instalações e os equipamentos da nova planta apresentam excelente resistência a desastres, o que reforça a segurança na continuidade de negócios da marca.

O novo empreendimento também foi projetado para atingir uma produtividade espacial 20% maior do que as fábricas existentes. Além disso, conta com departamento de pesquisa e desenvolvimento, o que lhe granjeia um papel fundamental na melhoria da qualidade e produtividade das cabeças de impressão.

Sob o lema “Epson 25 Corporate Vision”, a empresa busca atender aos mercados de impressão comercial, industrial e em escritórios. No ano fiscal de 2018, a marca planeja vender 9,5 milhões de unidades de impressoras, um aumento de 1,7 milhão em relação ao ano fiscal de 2017.

Nos setores comercial e industrial, a empresa espera que haja uma substituição acelerada de soluções analógicas para as digitais, o que gerará um crescimento significativo do mercado de impressoras de sinalização, tecidos e rótulos. Para tanto, a Epson continuará a fortalecer suas linhas de impressoras de grande formato. A nova fábrica permitirá à empresa expandir sua presença nesses segmentos, além de reforçar sua capacidade de lidar com um aumento esperado de médio alcance na demanda por cabeças de impressão.

Fonte: Epson