Fespa publica estudo internacional sobre impressão de grandes formatos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/05/2018
Censo 2018 apresenta tendências da indústria global

Censo 2018 apresenta tendências da indústria global

A Fespa, federação global de empresas de impressão, revelou os principais resultados da edição 2018 de seu censo internacional, realizado em parceria com a InfoTrends, uma divisão da Keypoint Intelligence, consultoria norte-americana especializada na indústria de imagem digital.

Para o estudo, foram entrevistados 1.405 (12% a mais que no censo anterior, de 2015) de 102 países. Os dados foram coletados em 2017 nos eventos da Fespa na Europa, Ásia, México, Brasil e África do Sul. A base do censo é de entrevistados que definiram seus negócios como: impressão digital (17%), serigrafia (15%), sinalização (10%), impressão em tecido e direct-to-garment (10%), impressão comercial e reprografia (13%), artes gráficas (11%) e embalagem (4%).

Embora a federação tenha destacado (abaixo) as principais informações do estudo, o censo completo é vendido por 2.000 euros aos não associados. Porém, os membros das associações nacionais da Fespa e da Fespa Direct receberão o relatório integral e gratuitamente.

Otimismo

Assim como em 2015, os empresários seguem esperançosos: 83% dos entrevistados afirmam estar otimistas com os seus negócios. Isso tem relação direta com a expansão contínua do mercado de grande formato, que tem crescido 4,2% ao ano desde 2007. Atualmente, a produção digital representa 44% da receita total, e nos dois próximos anos, a previsão do crescimento do volume de negócios é 53%.

Demandas dos clientes

A impressão tem se transformado cada vez mais como uma indústria de serviços. Isso porque birôs e gráficas têm atendido à tendência contínua de personalização em massa. No cendo, 72% dos entrevistados relataram um aumento na demanda por entregas mais rápidas, 61% veem a necessidade crescente de pequenas tiragens e 59% observam expectativas crescentes de entrega just-in-time (JIT).

Mix de produtos

Atualmente, na área de comunicação visual, a produção é dominada pelos banners: 68% dos entrevistados produzem regularmente esses itens. Metade dos consultados enxerga o potencial de crescimento desse nicho. Os entrevistados também destacaram as placas e os outdoors entre as aplicações mais demandadas.

O PDV ganhou força: 59% das empresas cresceram nessa área. Além disso, mais da metade dos consultados passaram a produzir um volume maior de aplicações autoadesivas, como envelopamento automotivo.

O crescimento contínuo do segmento de decoração impressa também ficou evidenciado: 74% dos entrevistados expandiram seus negócios nesse segmento.

Investimento em tecnologia digital

Para responder às demandas por prazos e tiragens mais curtas, as empresas têm investido em tecnologia digital. O aumento da capacidade produtiva é uma prioridade de investimento: 54% dos entrevistados citaram esse ponto como sua principal motivação para gastos de capital.

A redução de custos é um fator importante para 53%, enquanto a diversificação para novos mercados e ofertas de produtos continua sendo um foco de investimento para 53% dos entrevistados.

Padrões de evolução tecnológica continuam em 2018. Haverá crescimento de receita em UV, látex, sublimação e impressão direta, em contraste com o declínio das tecnologias solventes, aquosas e analógicas. Em 2018, 27% dos entrevistados do segmento de sinalização planejam comprar uma impressora inkjet UV (plana ou híbrida) e 18% planejam comprar uma látex ou UV rolo a rolo.

O que critério que mais peso na hora do investimento é a produtividade: 63% citaram a velocidade como o atributo mais importante em uma nova impressora. O nível médio de investimento entre as empresas de sinalização e comunicação visual é 43% maior do que em 2015, ficando em 144.600 euros.

Tecidos

O censo de 2018 revelou um quadro detalhado do crescente segmento têxtil. Entre os entrevistados estão empresas serigráficas com foco em aplicações têxteis, produtores de tecidos e empresas de direct-to-garment.

O predomínio é do segmento de estamparia de vestuário, com as aplicações de roupas esportivas e fast fashion apresentando maior de crescimento.

A adoção da estamparia têxtil digital é mais lenta que em outros segmentos. Em todos os nichos relacionados a tecidos, a produção ainda é dominada por processos analógicos. No entanto, entre as gráficas têxteis, 56% fizeram investimentos digitais e 19% pretendem fazê-lo nos próximos dois anos. Elas visam obter benefícios, como redução do tempo de colocação de novos produtos no mercado, produção de coleções criativas personalizadas e redução do impacto ambiental ao reduzir o consumo de água e energia.

A velocidade de produção é uma prioridade de investimento para 69% dos consultados da área de tecidos, e 55% querem a capacidade de imprimir diretamente em materiais não tratados. Esses investimentos são motivados pela redução de resíduos e rápida resposta aos picos sazonais.

As empresas de tecidos e serigrafia esperam que a contribuição digital para as receitas de impressão têxtil cresça 12% nos próximos dois anos.

Demandas ambientais

O conjunto de perguntas do censo de 2018 foi ampliado para que fosse possível obter insights sobre a importância da produção ambientalmente sustentável.

As respostas mostram que os investimentos ambientais são fortemente influenciados pelos clientes: 76% dos entrevistados disseram que a demanda dos clientes por produtos ambientalmente responsáveis está moldando a estratégia de negócios, e um em cada cinco declara que é uma grande influência.

E como as gráficas e birôs estão respondendo a essa demanda? Dos entrevistados, 32% usam equipamentos com baixo consumo de energia ou certificados ambientalmente. Outras respostas incluem: treinamento em sustentabilidade, uso de tintas livres de componentes orgânicos voláteis, uso de mídias recicláveis e programas de reciclagem.

Dos prestadores de serviços de impressão, 72% puderam investir em sustentabilidade sem aumentar os preços dos produtos. Isso preservou as vendas e manteve a competitividade.

Fonte: Fespa



Roland DG lança impressora TrueVIS VG

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 03/05/2016
Impressora TrueVIS VG foi apresentada no Brasil na feira Serigrafia Sign 2016

Impressora TrueVIS VG foi apresentada no Brasil na feira Serigrafia Sign 2016

Durante a Serigrafia Sign 2016, feira que ocorre entre os dias 3 e 6 de maio, a Roland DG Brasil lançará a TrueVIS VG, impressora ecossolvente com recorte integrado.

Alimentada por bags de tinta com 500ml, a máquina conta com quatro novas cabeças, três configurações de tinta (duplo CMYK, sete cores ou oito cores) e um novo carro de recorte que proporciona maior força e precisão. Além disso, a TrueVIS VG tem um novo painel móvel com controle de funcionalidades, inclusive gerenciamento remoto da impressora por meio de smartphones e tablets. 

Além da TrueVIS VG, a Roland DG apresentará várias outras soluções na Serigrafia Sign 2016, como as recém-lançadas impressoras RT-640, XT-640 e LEF-300. Outros equipamentos também estarão presentes no estande da empresa no evento.

Anderson Clayton, Chief Business Development Officer da Roland DG Brasil, declarou: “Durante os quatro dias da feira, toda nossa linha de produtos e os especialistas da empresa estarão em nosso estande, esperando os visitantes para atendê-los e esclarecer suas dúvidas, explicando a melhor forma de operar cada equipamento Roland”.

Fonte: Roland DG Brasil



Saturno passa a vender impressoras digitais por meio de financiamento BNDES

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 29/04/2013

Financiamento BNDES para impressoras digitais da Saturno

Financiamento BNDES para impressoras digitais da Saturno

Quem está pensando em adquirir um equipamento da Saturno, fabricante brasileira de soluções para impressão digital, pode contar agora com o sistema BNDES. Segundo a empresa, o grande diferencial dessa linha é a facilidade em obter crédito, além da taxa de 0,86% a.m e financiamentos de até 48 meses.

Por enquanto, as impressoras digitais contempladas são:

  • Sonic Jet – com cabeça Xaar Proton de 35 picolitros;
  • Sonic Jet – com cabeça Xaar Proton de 15 picolitros;
  • Sonic Jet – com cabeça Konica Minolta 1024 de 12 picolitros.

A Saturno declarou também que, em breve, o financiamento BNDES será válido para outros equipamentos da empresa.

Fonte: Saturno