Epson cria laboratório e centro de pesquisa de impressão digital têxtil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 14/12/2016
Espaços foram criados em colaboração com a For.Tex e a F.lli Robustelli

Espaços foram criados em colaboração com a For.Tex e a F.lli Robustelli

A Epson, fabricante de impressoras digitais, anunciou a criação de dois departamentos específicos para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia de estamparia digital têxtil. São um centro de pesquisa de impressão e um laboratório de pesquisa de inovação, ambos com base na Itália.

Criado junto com For.Tex, o laboratório de pesquisa de inovação objetiva desenvolver novas tintas para impressão digital para diversos substratos. Segundo a empresa, o ambiente está equipado com tecnologias de ponta e conta com uma equipe de tecnólogos e pesquisadores.

Sediado na planta da F.lli Robustelli, empresa adquirida pela Epson, o centro de pesquisas de impressão tem como objetivo auxiliar o desenvolvimento de dispositivos inkjet, para garantir o desenvolvimento contínuo das impressoras têxteis da Epson.

A Epson, a F.lli Robustelli e a For.Tex agem em colaboração desde 2003, quando lançaram a impressora digital Monna Lisa. Em 2014, criaram o Textile Solution Center (TSC), centro para desenvolvimento e promoção da estamparia digital têxtil no mundo. Para estabelecê-lo, foram gastos 2 milhões de euros, investimento empregado para a construção de uma instalação de 3 mil metros quadrados que oferece oportunidades de reproduzir todo o processo industrial de impressão digital em tecidos, incluindo etapas como pré-tratamento, vaporização, lavagem, secagem e acabamento.

De acordo com a empresa, tecnologias digitais para imprimir imagens, padrões e efeitos visuais em tecidos crescem rapidamente e substituem tecnologias analógicas em diversas áreas. Em 2014, aproximadamente 31 bilhões de metros quadrados de tecido foram impressos no mundo, dos quais aproximadamente 3% foram produzidos usando tecnologias digitais, segundo a Provost Ink Jet Consulting Ltd. De 2015 a 2019, espera-se que o volume de impressão digital têxtil aumente cerca de 17% ao ano, de acordo com a World Textile Market Outlook.

Fonte: Epson



Kornit promete lançar impressora de camiseta de alta produtividade

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 10/10/2015
Fabricante apresentará a impressora Vulcan pela primeira vez na feira ITMA 2015

Fabricante apresentará a impressora Vulcan pela primeira vez na feira ITMA 2015

A Kornit, fabricante de equipamento para estamparia têxtil digital, estará presente na feira ITMA, que ocorre entre os dias 12 e 19 de novembro de 2015, em Milão, Itália. Durante o evento, a empresa pretende mostrar em primeira mão a Kornit Vulcan, impressora inkjet de camisetas e peças de roupa (direct-to-garment) capaz de rivalizar com sistemas serigráficos em termos de velocidade em produções de médias e altas tiragens.

Segundo a empresa, em comparação com outros sistemas da própria empresa, a Vulcan reduz custos por impressão em até 40%. Além disso, um número maior de empresas têxteis pode se beneficiar de vantagens como tempos de resposta reduzidos, recursos de personalização em massa e custos de instalação menores.

A Kornit Vulcan é capaz de produzir até 250 peças por hora (roupas escuras ou claras podem ser impressas com a mesma velocidade). De acordo com a empresa, isso significa mais que o dobro da taxa de transferência efetiva dos sistemas anteriores comercializados pela Kornit. Além disso, a nova impressora será capaz de reproduzir imagens com qualidade fotorrealista (seis cores e branco), por contar com 60 cabeças de impressão e um sistema de recirculação de tinta avançado.

O sistema pode trabalhar com peças de até 70cm x 100cm e emprega tintas NeoPigment, patenteadas pela empresa. São insumos à base d’água compatíveis com uma variedade de fibras naturais, sintéticas ou misturadas. Após a impressão, as peças são curadas com um secador de ar quente.

Oded Kraft, vice-presidente da Kornit, declarou: “A Vulcan expande significativamente o segmento de impressão digital direct-to-garment, por ser uma alternativa real à produção serigráfica de larga escala. A Kornit tomou a decisão de criar um sistema versátil capaz de executar pequenos, médios e grandes lotes a velocidades extremamente altas. Por oferecer baixo custo de impressão, é uma forma muito eficiente de produzir quantidades acima de 100 camisas personalizadas”.

A Kornit anunciou que colocará em funcionamento algumas versões de teste da máquina nos próximos meses, com o intuito de realizar ajustes finos na tecnologia. Em meados de 2016, a fabricante pretende começar a vender o produto para o mercado.

Fonte: Kornit



SAi esclarece dúvidas sobre gerenciamento de cores para grandes formatos

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/02/2019
Executivo da desenvolvedora aborda pontos fundamentais sobre o processo

Executivo da desenvolvedora aborda pontos fundamentais sobre o processo

Gudrun Bonte, vice-presidente de gerenciamento de produtos da SAi, desenvolvedora de aplicativos dedicados a impressão de grande formato, responde a algumas das perguntas mais corriqueiras sobre gerenciamento de cores.

Quais ferramentas de gerenciamento de cores a SAi oferece para grande formato? Descreva os produtos e como usá-los.

O Flexi, software RIP da SAi, inclui um conjunto completo de ferramentas para criação de perfis, capazes de guiar os birôs por todo o processo. O SAi Flexi também tem ferramentas para automatizar o Pantone e para fazer correspondência manual de cores especiais.

Como o aplicativo se diferencia da concorrência?

A SAi se diferencia ao tornar mais fácil o gerenciamento de cores para as pessoas sem experiência. O Flexi também é o único RIP de perfis para grande formato disponível hoje por assinatura. Por apenas 50 dólares por mês, os bicôs podem ter um RIP completo.

Calibração de cores é passo fundamental no gerenciamento de cores

Com quais sistemas de cores o Flexi trabalha?

O Flexi funciona perfeitamente com perfis ICC compatíveis. Ele também se integra perfeitamente às bibliotecas online de perfis dos fabricantes de impressoras. Isso significa que os birôs só precisam colocar a mídia na impressora e o Flexi carregará automaticamente o perfil da biblioteca do fabricante do equipamento.

Além dos perfis de cores, quais opções estão disponíveis para os birôs que desejam aprimorar o gerenciamento de cores?

Qualquer birô que leve a sério a comunicação de cores precisa ter um dispositivo de medição de cores. Ferramentas como o Color Muse fazem medições precisas de cores especiais e também comparam cores impressas. Esses dispositivos portáteis custam menos de 100 dólares e suas medições podem ser usadas no software RIP para as correspondências. A maneira mais eficaz de os birôs poderem aprimorar suas habilidades de gerenciamento é por meio de treinamentos profissionais. O software pode facilitar o processo, mas o treinamento ajuda os profissionais envolvidos a entender como comunicar cores com os clientes e como implementar um fluxo de trabalho completo.

Quais são as atuais expectativas dos clientes dos birôs?

Os compradores de impressão estão mais cientes e exigentes. Querem que suas cores combinem nas mais diversas mídias. Os compradores de impressão querem cores mais consistentes e são mais propensos a trocar de birô para obter esse resultado. Muitos compradores de impressão sabem quais cores devem estar em seus produtos. Isso significa que a comunicação de cores e a antecipação clara das expectativas se tornaram mais importantes. Ou seja, os birôs precisam estampar corretamente e também se comunicar de forma inteligente com os seus clientes.

Amostras de cores reproduzidas pelo aplicativo

Quais são os maiores desafios que os birôs enfrentam para atender tais expectativas?

Sem treinamento ou processo formal de gerenciamento de cores, os birôs podem ter muita dificuldade para obter consistência de cores. Controles de processo, como a Calibração G7 e a simulação de perfis, tornamra-se importantes para os trabalhos mais complicados. É muito difícil obter cores precisas e consistentes sem o uso dos perfis ICC correspondentes às mídias usadas. Portanto, corrigir esse problema tornará o gerenciamento de cores mais fácil. É por isso que os birôs estão investindo na criação de seus próprios perfis.

A crescente variedade de mídias de grande formato aumenta a necessidade de ferramentas de gerenciamento de cores? Por quê?

Os princípios básicos do gerenciamento de cores são os mesmos, independentemente da mídia. No entanto, fazer a correspondência de cores em diferentes tipos de mídias e tintas é muito difícil sem o gerenciamento.

Como as ferramentas de gerenciamento de cores se adaptaram para oferecer suporte a uma variedade maior de mídias?

A nova geração de dispositivos de medição de cores tornou muito mais rápido e fácil perfilar mídias transparentes e têxteis. Esses dispositivos são investimentos caros, mas reduzem drasticamente o desperdício. Ferramentas de perfil de cores se tornaram muito mais fáceis de operar. Por exemplo, a versão mais recente do Flexi inclui um assistente que guia o usuário iniciante na confecção de perfis. Ele também inclui ferramentas de comparação e relatório, para ajudar os birôs a comunicar melhor sobre as cores com seus clientes.