Epson apresenta papel transfer UltraPrint 90 para sublimação

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/02/2014

A Epson Brasil apresentou o papel transfer UltraPrint 90, que possui resina especialmente desenvolvida para receber a Epson UltraPrint DS, tinta sublimática original da empresa.

Criado para trabalhar em conjunto com as soluções da fabricante japonesa, o UltraPrint 90 influi diretamente na impressão e no consumo de tinta. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, declarou: "É possível notar a melhor relação custo-benefício do UltraPrint 90 quando comparado a outras soluções do mercado, como papéis offset e monolúcido de outras marcas".

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

A importância de utilizar o papel transfer correto

O papel transfer interfere em todo o processo de sublimação. Atualmente, há muitas ofertas no mercado, e grande parte das empresas, especialmente as menos experientes, escolhe o papel em função do preço (custo do metro quadrado). Todavia, essa não é a forma correta de adquirir o material.

Considere que, para cada mililitro de tinta absorvido e não transferido, deve ser acrescentado de R$0,20 a R$0,35 ao custo final do metro quadrado impresso.

Para conhecer o desempenho do material, a recomendação é realizar testes para avaliar a quantidade de tinta que o papel absorve. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, ressalta: "Ao utilizar um papel que custa R$0,60/m2 e absorve 4ml de tinta, haverá desperdício de R$0,80 a R$1,40 de tinta por metro quadrado".

Testes e custos

Para mostrar a economia de tinta gerada ao utilizar o papel UltraPrint 90, a Epson realizou testes comparativos.

Na primeira etapa do procedimento, foi impressa uma imagem em um papel monolúcido que custa R$0,70/m². Para obter o resultado de impressão desejado, o papel utilizou 8ml de tinta (R$2,64). O custo total dessa produção, considerando tinta e papel, foi de R$3,34/m2.

O outro teste foi realizado com papel UltraPrint 90, que custa R$1,10/m². Para a impressão da mesma imagem da etapa anterior, foram gastos 4ml de tinta (R$1,32). O custo total, considerando tinta e papel, foi de R$2,42/m2.

No teste, o papel monolúcido apresentou um custo de impressão 38% maior do que a solução da Epson.

Além do papel UltraPrint 90, a fabricante oferece o programa de fidelidade Epson Rewards. A cada rolo de papel transfer utilizado, o cliente acumula pontos. Depois de um ano, pode-se trocá-los por garantia estendida ou descontos em novos equipamentos.

Tipos de papéis usados na transferência térmica

Confira abaixo uma relação dos materiais mais utilizados no mercado de impressão por sublimação:

Sulfite ou offset: não foi desenvolvido para a transferência de tinta sublimática. As empresas utilizam-no por ser uma opção barata. Porém, ele absorve volume muito grande de tinta. Isso aumenta o custo final de impressão, pois é alta a quantidade desperdiçada do insumo.

Monolúcido ou calandrado: muito utilizado no processo de sublimação. Possui superfície menos porosa que o offset. Em função da calandragem, o papel torna-se mais liso, o que diminui a absorção de tinta e aumenta a transferência do insumo para o substrato a ser sublimado. O desperdício de tinta nesse tipo de papel é grande, pois ele não possui uma cobertura para bloquear a absorção de tinta.

Papel tratado: possui tratamento para evitar a absorção de tinta. Ele contém uma resina adequada para o processo de sublimação. O papel tratado é mais caro, porém, utiliza quantidade menor de tinta. Na maioria das vezes, diminui o custo final do metro quadrado impresso.

Fonte: Epson



Antalis acrescentou sete opções de mídias da linha Coala WallDesign

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 03/08/2017
Mídias são indicadas para quem busca facilidade na instalação e remoção de imagens em paredes

Mídias são indicadas para quem busca facilidade na instalação e remoção de imagens em paredes

A Antalis, fornecedora de mídias para comunicação visual, anunciou a expansão da linha Coala WallDesign, composta por substratos para decoração de paredes em escritórios e ambientes domésticos. Ao acrescentar sete opções, a série atualmente conta com 10 tipos de acabamentos: fosco suave, areia, areia fina, fibra, canvas, fine canvas, estuque, couro, escova e gesso. As mídias podem ser aplicadas a seco e removidas sem dificuldades, o que facilita a atualização frequente das imagens nas superfícies.

A linha Coala WallDesign também incorpora o Coala WallDesign P, papel de parede semifosco, livre de PVC e reciclável. Antes de aplicá-lo, é necessário mergulhá-lo em banho-maria para ativar sua cola.

Compatível com impressoras de grande formato solvente, látex e UV, a linha Coala WallDesign é indicada para quem busca autenticidade na reprodução de pinturas, fotografias e imagens. Os substratos atendem requisitos de resistência ao fogo, solidez da luz e capacidade de lavagem.

Fonte: Antalis



ORAFOL Americas expande sua fábrica

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 28/05/2013

50 mil metros quadrados foram acrescidos à fábrica da ORAFOL

50 mil metros quadrados foram acrescidos à fábrica da ORAFOL

A ORAFOL Americas, fabricante de vinis adesivos, acrescentou 50 mil metros quadrados à sua planta. Para comemorar o feito, a empresa realizou uma cerimônia, na qual participaram funcionários, clientes e fornecedores da marca, que também puderam conferir os novos produtos da ORAFOL e seus planos de expansão para a próxima década.

"Nossa ideia é nos tornar a principal marca em gráficos, fitas e materiais refletores até 2020", declarou Randall Mertz, CEO da ORAFOL Americas Inc.

"As sedes de Avon e Connecticut contam com forte infraestrutura local. Nosso crescimento contínuo, inclusive expandindo instalações, acrescentando equipamentos e criando novos empregos, demonstra nosso compromisso com os nossos negócios", completou Mertz.

Fonte: Oracal