Epson apresenta papel transfer UltraPrint 90 para sublimação

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/02/2014

A Epson Brasil apresentou o papel transfer UltraPrint 90, que possui resina especialmente desenvolvida para receber a Epson UltraPrint DS, tinta sublimática original da empresa.

Criado para trabalhar em conjunto com as soluções da fabricante japonesa, o UltraPrint 90 influi diretamente na impressão e no consumo de tinta. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, declarou: "É possível notar a melhor relação custo-benefício do UltraPrint 90 quando comparado a outras soluções do mercado, como papéis offset e monolúcido de outras marcas".

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

Papéis transfer originais poupam tinta e aumentam a qualidade de impressão

A importância de utilizar o papel transfer correto

O papel transfer interfere em todo o processo de sublimação. Atualmente, há muitas ofertas no mercado, e grande parte das empresas, especialmente as menos experientes, escolhe o papel em função do preço (custo do metro quadrado). Todavia, essa não é a forma correta de adquirir o material.

Considere que, para cada mililitro de tinta absorvido e não transferido, deve ser acrescentado de R$0,20 a R$0,35 ao custo final do metro quadrado impresso.

Para conhecer o desempenho do material, a recomendação é realizar testes para avaliar a quantidade de tinta que o papel absorve. Evelin Wanke, especialista de produtos Epson, ressalta: "Ao utilizar um papel que custa R$0,60/m2 e absorve 4ml de tinta, haverá desperdício de R$0,80 a R$1,40 de tinta por metro quadrado".

Testes e custos

Para mostrar a economia de tinta gerada ao utilizar o papel UltraPrint 90, a Epson realizou testes comparativos.

Na primeira etapa do procedimento, foi impressa uma imagem em um papel monolúcido que custa R$0,70/m². Para obter o resultado de impressão desejado, o papel utilizou 8ml de tinta (R$2,64). O custo total dessa produção, considerando tinta e papel, foi de R$3,34/m2.

O outro teste foi realizado com papel UltraPrint 90, que custa R$1,10/m². Para a impressão da mesma imagem da etapa anterior, foram gastos 4ml de tinta (R$1,32). O custo total, considerando tinta e papel, foi de R$2,42/m2.

No teste, o papel monolúcido apresentou um custo de impressão 38% maior do que a solução da Epson.

Além do papel UltraPrint 90, a fabricante oferece o programa de fidelidade Epson Rewards. A cada rolo de papel transfer utilizado, o cliente acumula pontos. Depois de um ano, pode-se trocá-los por garantia estendida ou descontos em novos equipamentos.

Tipos de papéis usados na transferência térmica

Confira abaixo uma relação dos materiais mais utilizados no mercado de impressão por sublimação:

Sulfite ou offset: não foi desenvolvido para a transferência de tinta sublimática. As empresas utilizam-no por ser uma opção barata. Porém, ele absorve volume muito grande de tinta. Isso aumenta o custo final de impressão, pois é alta a quantidade desperdiçada do insumo.

Monolúcido ou calandrado: muito utilizado no processo de sublimação. Possui superfície menos porosa que o offset. Em função da calandragem, o papel torna-se mais liso, o que diminui a absorção de tinta e aumenta a transferência do insumo para o substrato a ser sublimado. O desperdício de tinta nesse tipo de papel é grande, pois ele não possui uma cobertura para bloquear a absorção de tinta.

Papel tratado: possui tratamento para evitar a absorção de tinta. Ele contém uma resina adequada para o processo de sublimação. O papel tratado é mais caro, porém, utiliza quantidade menor de tinta. Na maioria das vezes, diminui o custo final do metro quadrado impresso.

Fonte: Epson



VP Máquinas sorteará equipamento durante a Signs Nordeste 2014

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 17/09/2014

Com a dobradeira, é possível confeccionar brindes, luminárias, porta-retratos, entre outros objetos

Com a dobradeira, é possível confeccionar brindes, luminárias, porta-retratos, entre outros objetos

A VP Máquinas, fabricante de dobradeiras de acrílico, estará presente na feira Signs Nordeste 2014. No segundo dia do evento, representantes da empresa ministrarão a palestra "Como dobrar acrílico", às 17h30 e às 20h, e sortearão uma dobradeira adaptada para cadeirantes, que será exposta na feira.

Usada para criar displays, brindes, porta-trecos, luminárias, porta-retratos, cadeiras, móveis e objetos de decoração, a dobradeira é adaptada para pessoas com deficiência e tem ampla possibilidade de atuação. Além de cadeirantes, o equipamento beneficia pessoas com estatura muito alta ou muito baixa ou que possuem alguma dificuldade para permanecer em pé por muito tempo, como idosos e obesos.

Ana Paula Paschoalino Freitas, diretora comercial da VP Máquinas, declarou: "A dobradeira atende quem deseja começar seu próprio negócio e estimula o empresariado a contratar esses profissionais, que são ávidos a produzir, mas que, infelizmente, se mantêm à margem do mercado de trabalho".

A dobradeira custa R$4.250,00, mas na feira será vendida por R$3.860,00

Fonte: VP Máquinas



Mutoh lança impressora UV híbrida ValueJet 1617H

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/04/2013

Impressora ValueJet 1617H pode trabalhar com mídias rígidas ou flexíveis

Impressora ValueJet 1617H pode trabalhar com mídias rígidas ou flexíveis

Conforme anunciado durante a feira ISA Sign Expo, em Las Vegas (EUA), a Mutoh norte-americana passa a vender a ValueJet 1617H. Trata-se de uma impressora UV híbrida capaz de trabalhar com substratos com mais de 1,5cm de espessura.

Podendo imprimir em substratos rígidos e flexíveis, a novidade da Mutoh é voltada para birôs e gráficas digitais que fazem estandes de feira, displays, envelopamento de carros, protótipos de embalagens, produtos promocionais e sinalizações para ambientes internos e externos.

Veja abaixo mais informações sobre a ValueJet 1617H:

Recursos da impressora digital:

  • Intelligent Interweave (i²): elimina problemas de banding;
  • ValueJet Status Monitor (VSM): um app (para smartphone) que monitora as configurações da impressora;
  • Espectrofotômetro SpectroVue VM-10 (opcional): para gerenciamento de cores;
  • ColorVerify ou ColorVerify Pro (opcionais): para implementar o controle de processo no fluxo de trabalho.

Especificações técnicas:

  • Método de impressão: cabeça piezoelétrica e pontos variáveis;
  • Tinta UV: CMYK + branco;
  • Resoluções de impressão: 1440, 1080, 720, 540 e 360dpi;
  • Espessura do substratos: até 15mm;
  • Software RIP incluso;
  • Tecnologia Interweave de impressão
  • Sistema de take-up opcional

Fonte: My Print Resource