Entrevista com Alexandre Keese, diretor da APS Marketing de Eventos, responsável pela Fespa Brasil

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 21/09/2018
Alexandre Keese, diretor comercial da APS Marketing de Eventos e responsável por disseminar a Fespa pelo mercado brasileiro

Alexandre Keese, diretor comercial da APS Marketing de Eventos e responsável por disseminar a Fespa pelo mercado brasileiro

Embora esteja há cinco anos no mercado brasileiro, a Fespa (Federation of European Screen Printers Associations) tem um longo passado de atuação na Europa, onde se estabeleceu em 1962. Por aqui, a federação emplacou depois de ter firmado uma bem-sucedida parceria com a APS Marketing de Eventos, organizadora de uma das maiores feiras gráficas do mundo, a Expoprint.

A federação começou pequena ao agrupar um número limitado de associados de poucos países europeus. Porém, com viés expansionista, a Fespa tem uma realidade bem diferente hoje: muito além do seu continente de origem, a ela está presente na Ásia, África e América Latina por meio de 37 associações nacionais.

A proposta de ser uma comunidade global é a força motriz da Fespa, que, além de ser um núcleo de referência internacional, reinveste seus lucros no próprio mercado, com o fim de “inspirar, educar e desenvolver o setor”. Para falar mais sobre a Fespa, o InfoSign entrevistou Alexandre Keese, diretor comercial da APS Marketing de Eventos.

Keese é representante da Fespa Brasil e é responsável por transmitir os conceitos da federação ao mercado brasileiro. O executivo é também diretor do grupo PhotoPro e um renomado especialista em Adobe Photoshop. A seguir, ele fala sobre o iminente Fespa Fórum e o recém-publicado estudo global realizado pela instituição (o Print Census). Além disso, comenta sobre os planos de investimento no mercado brasileiro e convida os leitores a participar da próxima edição da Fespa Brasil. Acompanhe:

O Fespa Fórum começa em outubro. Para quem ele é dirigido? E quais serão os destaques do evento?

Alexandre Keese: O Fespa Brasil Fórum reforça o compromisso da Fespa e da APS em reinvestir no mercado. Isso quer dizer que levamos informações de qualidade para os empresários que atuam nos segmentos de impressão digital, sublimação, comunicação visual e impressão têxtil. A 3ª edição do Fórum passará por três cidades: São Paulo, no dia 4 de outubro, Rio de Janeiro, em 25 de outubro, e Curitiba, no dia 6 de novembro. As inscrições são gratuitas. Este ano, vamos focar na gestão profissional, dando ênfase a marketing e vendas, dois alicerces para empresas que buscam oportunidades reais de negócio e receita previsível. A apresentação das descobertas do Print Census também é outro ponto.

Como foi realizada a pesquisa internacional da Fespa (Print Census) sobre tendências e futuro da nossa indústria? Como foi a participação do Brasil nesse estudo?

O Print Census é um projeto que coleta e compartilha inteligência de mercado, com o intuito de dar suporte à comunidade global sobre as tendências da indústria. O Census reflete as condições encontradas por profissionais do mercado. Ele leva em conta informações de 1.405 empresas, de 102 países, que atuam no segmento de impressão digital, serigrafia, tecido, sublimação, impressão comercial e embalagens. A pesquisa é feita em todos os eventos internacionais da Fespa. A pesquisa também ganha força ao receber suporte das associações que suportam a Fespa. Os dados são compilados em parceria com a InfoTrends, uma divisão da Keypoint Intelligence.

Sobre as descobertas, foi possível reavaliar os seis tópicos destacados da edição de 2015, além de conhecer o ritmo das transformações do mercado mundial de impressão digital. Em 2018, vemos a indústria apresentando otimismo e crescimento sustentável, atendendo às necessidades dos clientes e aproveitando as vantagens da tecnologia para desenvolver novos produtos e expandir serviços.

Como está sendo o feedback do público em relação ao Fórum e à pesquisa?

A repercussão da pesquisa é extremamente positiva e poderá ser vista em primeira mão pelos profissionais brasileiros durante o Fespa Fórum. A melhor forma de buscar crescimento é com dados consistentes que possam direcionar nossas ações. Quanto ao Fórum, a fórmula foi certeira e já produz impacto positivo no mercado, motivando empresas na criação de estratégias certeiras. Ainda sobre o feedback positivo do Fórum, tivemos as inscrições para o primeiro encontro em São Paulo encerradas 15 dias antes de sua realização, o que nos motiva a ampliar a ação e expandir tal benefício para mais profissionais e empresas.

A Fespa tem como “lucro por um propósito” como mote. Como esses recursos estão sendo redirecionados para o crescimento do setor no Brasil?

A começar pelo Print Census, hoje considerado o mais importante estudo do mercado. O próprio Fórum traz um conteúdo da mais alta relevância e permite a união de nossa indústria. Temos ainda a promoção de seminários e iniciativas educacionais durante a Fespa Brasil 2019, confirmada para ocorrer entre os dias 20 e 23 de março, no Expo Center Norte, em São Paulo. Essas ações incluem o Brasil em suas análises e, mais do que isso, são patrocinadas pela APS e pela Fespa, o que garante que o “lucro por um propósito” seja uma realidade tangível.

Além do Fórum e da pesquisa, quais outras ações a Fespa está promovendo especialmente para o mercado brasileiro?

Em 2019, a APS e a Fespa seguirão sua trajetória de sucesso e apresentarão as mais recentes tecnologias, equipamentos e insumos em sua exposição, além de criar iniciativas educacionais com a missão de transformar e inovar. Isso significa que o profissional do mercado terá acesso a áreas exclusivas com demonstrações de novas tendências e aplicações de impressão digital, sublimação e estamparia têxtil.

Quando será a próxima edição da feira promovida pela Fespa Brasil?

A próxima edição da Fespa Brasil vai acontecer de 20 a 23 de março, no pavilhão Azul do Expo Center Norte, em São Paulo. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo site. Aproveito a oportunidade para convidar todos os leitores do InfoSign a se cadastrar o quanto antes, pois além do acesso sem custo ao evento, eles receberão informações em primeira mão sobre todas nossas atividades e iniciativas.

A próxima edição da feira terá alguma novidade? Conte-nos sobre ela.

A próxima edição está sendo planejada com muito carinho e dedicação. Vamos levar ao público soluções inovadoras e de alta tecnologia que permitirão a otimização do tempo de produção, a redução de custos e a inovação em serviços e produtos. Além disso, durante os quatro dias de feira, o visitante tem o benefício de assistir a diversos seminários ministrados por profissionais com reconhecimento nacional e internacional.

Quero também destacar o Cambea, o melhor e maior evento de envelopamento automotivo do Brasil. A 9ª edição do Campeonato Brasileiro de Envelopamento Automotivo é motivo de orgulho para a Fespa Brasil. O ganhador terá a oportunidade de competir na final mundial do World Wrap Master Series, durante a Fespa Munique, em 2019.

Outra novidade fica por conta da Digital Printing, feira com foco no mercado de impressão digital de alta relevância, produtos customizados, personalização e baixas tiragens. É um mercado que vem ganhando cada vez mais destaque dentro do nosso universo. Ao analisar o cenário mundial, temos percebido que o mercado de impressão vem reduzindo suas tiragens, mas, ainda assim, tem ampliado seu volume de produção. Recomendamos que o leitor visite o site.


Como a Fespa Brasil se diferencia da concorrência?

A Fespa Brasil tem seu foco na impressão digital e suas mais diversas aplicações. Um exemplo é a ampliação da Ilha da Sublimação, em parceria com a Comunidade Web. Além de trazer mais soluções, ela ocupará o dobro do tamanho da edição anterior. Por seu foco no crescimento do mercado e geração de demanda de impressão, estamos atentos às necessidades e expectativas dos expositores e visitantes, com a missão de proporcionar o ambiente perfeito para geração de negócios.

Como a Fespa Europa avalia o desempenho da Fespa Brasil (da sua instauração no país até o momento)?

Desde sua primeira edição, em 2013, até hoje, temos um feedback incrível da Europa. Dentre todas as feiras promovidas pela Fespa ao redor do mundo, tenho orgulho em destacar que temos a maior concentração de visitantes por metro quadrado, desde a primeira edição. Ainda falando sobre 2013, ficamos entre os seis finalistas pelo AEO, como o mais inovador lançamento de feiras internacionais. E posso assegurar que Brasil e Europa estão trabalhando juntos, trazendo sempre novas formas de conteúdo, tecnologias e inovações para o mercado de impressão global.

Por fim: é fato que todos passamos por uma crise em função de problemas econômicos e políticos do país. Quais dicas você dá especificamente aos empresários do setor para diminuir os impactos dessa crise?

Sem dúvida, estamos passando por um momento muito difícil. Essa crise está sendo considerada a mais grave e longa da nossa história. Por outro lado, é o momento perfeito para refletir sobre os negócios, buscando aprimorar processos e se alinhar com as exigências do mercado. Pensando dessa forma, a Fespa Brasil ocorre em um momento perfeito e torna-se extremamente relevante para o sucesso das empresas e empresários. Durante os quatro dias de evento, os visitantes terão acesso ao que existe de mais moderno e inovador e vão contar com informações de alta qualidade para fundamentar suas decisões rumo ao sucesso. Reforço aqui o convite para todos: participem do Fórum e, o mais importante, já garanta sua inscrição para a Fespa Brasil 2019.



Cobertura Fespa Brasil 2016 – Parte 1: Impressoras digitais

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 11/04/2016
Evento foi marcado pela forte presença de impressoras digitais para estamparia têxtil

Evento foi marcado pela forte presença de impressoras digitais para estamparia têxtil

A edição de 2015 da Fespa Brasil havia deixado um sinal claro e indelével: a impressão digital têxtil estava em franca ascensão no mercado brasileiro. Novos fornecedores, equipamentos e tecnologias chegavam para tomar espaço de processos consolidados, como a impressão solvente, e para ser uma presença cada vez mais cativa em segmentos ainda pouco explorados pela impressão inkjet de grande formato, como a indústria de fabricação de tecidos.

Um ano depois, na Fespa Brasil 2016, que ocorreu entre os dias 6 e 9 de abril, o potencial auspicioso parece estar se concretizando. Isso foi demonstrado pela copiosa presença de equipamentos e materiais para estamparia têxtil digital exibida durante a feira. Dessa pluralidade fazem parte as já conhecidas tecnologias de impressão sublimática e, em menor medida, a UV e a látex, cujos sistemas são adaptados também para imprimir em determinados tipos de tecidos para sinalização e decoração.

Há também as tecnologias de impressão direta que empregam tintas reativas, dispersas, ácidas ou pigmentadas. Embora mais abundantes, esses sistemas de impressão de grande formato podem ser considerados basicamente incipientes no país. São indicados a grandes indústrias têxteis e requerem investimentos igualmente proporcionais. Também exigem o domínio de técnicas e processos auxiliares relativamente complexos de pré e pós-tratamento. Mas se essas características significam certas barreiras para a adoção da tecnologia, é possível perceber que ela ainda tem muito a se desenvolver e evoluir. Ou seja, há potencial e muito espaço para trabalhar. Portanto, podemos esperar muitos desdobramentos relativos à impressão digital têxtil.

Para você que visitou a feira ou para quem não conseguiu prestigiar o evento, o InfoSign, veículo parceiro da Fespa Brasil, preparou uma cobertura completa, dividida em seções, a começar por esta, que trata especialmente de impressoras de grande formato.

Impressão têxtil (direta e sublimática)

A Sign Supply investiu em uma divisão têxtil, a Digitex, para prover soluções específicas para o mercado de tecidos. Entre as iniciativas do novo braço da empresa está a distribuição de impressoras sublimáticas da DGI, como a HS FTII e a FT-1604X. A primeira tem 1,8m de largura, ao passo que a segunda apresenta largura de 1,6m.

Além de expor impressoras UV, a Mimaki apresentou suas principais impressoras sublimáticas da linha JV, que contempla o modelo JV300, capaz de trabalhar na velocidade máxima de 112,5m²/h. A Mimaki também foi representada por distribuidores como a TS2, que esteve na Fespa Brasil 2016 para exibir soluções da fabricante japonesa e outras marcas.

Fabricante, a J-Teck também esteve presente na feira para apresentar seu portfólio de produtos têxteis, entre eles a linha de insumos sublimáticos com cores fluorescentes. No estande da empresa, o visitante também pôde conferir a impressora Papyrus, fabricada pela D.gen, parceira da J-Teck no Brasil.

Impressora sublimática da D.gen, no estande da J-Teck

Embora tenha apresentado impressoras digitais de tecnologias variadas, a Roland DG destacou em seu estante dois novos modelos sublimáticos da nova série Texart, o RT-640 e o XT-640. A primeira pode trabalhar na velocidade de 48m²/h, em 4 cores. Já a XT-640 é mais produtiva e pode imprimir na velocidade de até 102m²/h, em 4 cores. Os dois equipamentos podem empregar tintas light, laranja e violeta, para aumentar a gama de cores reproduzíveis.

Além de apresentar um de seus principais modelos de impressoras sublimáticas, a Metalnox lançou na Fespa Brasil 2016 a prensa térmica 12000 Smart, modelo semiautomático com sobreposição de bandejas de 70cm x 110cm, no qual é possível obter uma redução de layout de até 30%.

Especializada em prover soluções para o mercado têxtil, a distribuidora Global Química apresentou na Fespa Brasil 2016 produtos de diversas marcas, como as tintas Xennia e Sensient e as impressoras da Epson. A empresa também apresentou materiais usados para sofisticação, como foils, glitters e pastas especiais.

Roland lançou duas impressoras sublimáticas na Fespa Brasil 2016

A EFI, que adquiriu recentemente a Reggiani, fabricante de equipamentos para estamparia têxtil, apresentou a ReNOIR Next, impressora industrial de entrada que pode ser alimentada por papel ou tecidos. Com o modelo de 3,4m de largura, é possível trabalhar na velocidade de até 440m²/h, em resolução de 150 x 600dpi.

Embora não tenha instalado em seu estande nenhuma impressora, a SPGPrints esteve presente na feira para mostrar suas soluções têxteis. Além de equipamentos, a empresa fornece tintas da marca Nebula, composta por insumos sublimáticos, reativos e dispersos compatíveis com cabeças Kyocera.

A fabricante italiana MS Printing esteve novamente na Fespa Brasil e destacou a MS JP4, impressora com sistema rolo a rolo e largura de 1,8m. O equipamento pode trabalhar na velocidade máxima de 180m2/h e resolução de 600dpi.

EFI mostrou ao público brasileiro a tecnologia de impressão têxtil da Reggiani

A Dystar foi outra fornecedora de tintas têxteis presente na Fespa Brasil 2016. Com sede em Cingapura, a empresa apresentou ao público brasileiro a série Jettex, composta por insumos para impressão sublimática e direta (reativa, ácida e dispersa).

Outra fabricante presente na exposição foi a Swiss Performance Chemicals. Com base na Suíça, a empresa desenvolve e produz insumos para sublimação e impressão direta. Além disso, provê soluções para preparação e acabamento de tecidos.

Além de assistência técnica especializada em equipamentos de grande formato, a Fix Impressoras vende a série de tintas sublimáticas Royal, demonstradas na exposição. Os insumos são compatíveis com cabeças Epson DX.

Além do modelo Epson F2000 no estande da Global Química, algumas outras impressoras garment, usadas para estampar camisetas, também foram expostas, como a Tex Pro, no estande da IGS.

Impressão UV

Dona de um amplo portfólio de equipamentos, a Mimaki destacou na feira a SIJ-320UV, impressora UV LED rolo a rolo com largura de 3,2m. A máquina é indicada para produção volumosa de materiais para comunicação visual.

Mimaki SIJ-320UV é indicada para imprimir materiais flexíveis

No estande da Ampla, fabricante nacional, o destaque ficou por conta da New Targa XT LED UV, impressora que tem entre seus recursos a AmplaSmart, tecnologia para monitoramento em tempo real das principais operações do equipamento. A máquina também apresenta o sistema AntiReverse, desenvolvido para dar maior estabilidade na alimentação das mídias. A Ampla também esteve presente no estande da VinilSul, onde uma unidade da New Targa XT Solvente havia sido instalada.

A VinilSul também apresentou, em parceria com a Durst, a Rho P10 160, impressora UV que emprega 10 cabeças de impressão e pode trabalhar com mídias rígidas ou flexíveis em velocidade de até 100m²/h.

Além de diversas soluções para sinalização e comunicação visual, a Akad exibiu a NovaJet UV M6, que emprega cabeças Ricoh Gen5. Plana, a máquina tem área de impressão de 2,5m x 1,22m e pode trabalhar com opcionais como tinta branca e verniz.

Impressora plana NovaJet UV M6 esteve no estande da Akad

No estande da Alphaprint o destaque ficou por conta da EFI H1625 LED, uma impressora híbrida de produção de nível médio. Além do padrão CMYK, a máquina trabalha com tinta branca para estampar mídias substratos flexíveis e rígidos de até 165cm de largura e 5cm de espessura.

A BR Group veio para a feira com um portfólio composto por impressoras ecossolvente, solvente, sublimática e UV. O lançamento da empresa para a Fespa Brasil 2016 foi a Jet Slim, impressora UV LED de entrada, com sistema rolo a rolo, largura de 1,6 ou 1,8m e conjunto de quatro cores (CMYK).

Já a Triangle, parceira da BR Group, também apresentou seu portfólio de tintas, entre as quais a ESC (ecossolvente compatível com a linha Epson SureColor), a ESD (ecossolvente compatível com cabeças de impressão Epson DX) e a FUS (UV para diversos modelos de impressoras de grande formato).

A Mutoh esteve presente na feira com estande próprio e também com a parceira Sign Supply. Entre os destaques da fabricante esteve a VJ 426, impressora UV de mesa indicada para estampar objetos promocionais, embalagens e peças diversas de sinalização.

Ampla expôs sua tecnologia de impressão UV rolo a rolo

Impressão látex

A impressão látex foi representada pela HP. No estande da fabricante, o visitante pôde conferir a linha HP Latex 300, terceira geração da tecnologia fabricada pela empresa. Três modelos compõem a série. A HP Latex 310 tem largura de 1,37m e trabalha na velocidade máxima de 48m²/h. Já a HP Latex 330 é maior, com 1,62m, e pode produzir a 50m²/h. O modelo mais avançado da família é o HP Latex 360, cuja velocidade máxima é de 91m²/h e acompanha eixo de recolhimento.

Toda linha Látex 300 foi apresentada no estande da HP

Impressão solvente

A grande novidade da Fespa Brasil 2016 na categoria de impressoras ecossolvente foi a SureColor S40600, da Epson, que embora não tenha participado com estande próprio, foi representada por expositores como a VinilSul e a T&C. A S40600 apresenta largura de 1,6m e emprega quatro cores e uma cabeça de impressão PrecisionCore. A máquina pode trabalhar na velocidade máxima de 58m2/h ou na resolução máxima de 1.440dpi.

Parceiros da Epson mostraram em primeira mão ao público brasileiro a SureColor S40600

A Glitter também aproveitou a feira para mostrar sua impressora solvente recém-lançada, a GEPF1927. Com largura de impressão de 1,9m, o equipamento pode empregar uma ou duas cabeças Epson DX. A empresa também tem em seu portfólio impressoras UV e sublimáticas, além de prensas térmicas e máquinas a laser.

Outra fornecedora de impressoras solvente presente na Fespa Brasil 2016 foi a Imprimiprinter, cujo catálogo é composto pelos modelos Jet Printer 16W1 e Jet Printer 18W1. As máquinas podem opcionalmente utilizar tintas sublimáticas.

 



Roland DG contrata Jovens Aprendizes

Por Luiz Ricardo Emanuelli em 27/05/2019
Empresa apoia programa de inserção de profissionais no mercado de trabalho

Empresa apoia programa de inserção de profissionais no mercado de trabalho

É grande o contingente de jovens brasileiros que ainda não têm acesso a uma oportunidade no mercado de trabalho. Segundo os dados mais recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), de cada dez pessoas entre 14 e 29 anos, duas estão sem emprego. Com o intuito de ajudar a reverter esse cenário, a Roland DG, fabricante de impressoras digitais e plotters de recorte, acaba de contratar duas garotas e um garoto pelo programa Jovem Aprendiz.

Anderson Clayton, vice-presidente no Brasil da Roland DG, declarou: “Ainda que sejamos uma gota no oceano, para nós é muito importante contribuir no desenvolvimento de uma sociedade mais justa e oferecer aos jovens uma oportunidade não só de emprego como de aprendizado profissional, com a possibilidade de efetivação ao término do contrato. A juventude é a parte mais vibrante da sociedade, é a esperança de dias melhores. Acreditar e investir nesses garotos para desenvolver suas habilidades significa confiar em um futuro melhor e mais próspero para o país”.

Sob o ponto de vista dos estudantes, trata-se de uma maneira ímpar de aprender e galgar importantes degraus. “Como jovem aprendiz, almejo ter um ótimo desempenho para adquirir uma grande experiência e assim poder crescer profissionalmente”, conta Laura Ramos, de 18 anos que entrou no departamento técnico da empresa.

A Lei 10.097/2000 afirma que empresas de médio e grande porte devem contratar jovens com idade entre 14 e 24 anos como aprendizes. O contrato de trabalho pode durar até dois anos e, durante esse período, o jovem é capacitado na instituição formadora e na empresa, combinando formação teórica e prática.

Fonte: Roland DG Brasil